Ibo­ves­pa tem o pi­or dia des­de de­la­ção da JBS e re­cua 3,37%

Ações de ban­cos têm for­te des­va­lo­ri­za­ção; pa­pel pre­fe­ren­ci­al da Pe­tro­bras cai 5,2%

Valor Econômico - - FINANÇAS - Ju­li­a­na Ma­cha­do e Vic­tor Agui­ar Va­ri­a­ções nos di­as 17/mai/18 - em %

Nem o ex­te­ri­or ame­no nem o mo­vi­men­to das com­mo­di­ti­es: na­da deu alen­to à bol­sa on­tem. Um ano de­pois que a de­la­ção dos do­nos da JBS so­ter­rou o Ibo­ves­pa, o ín­di­ce co­me­mo­rou o “ani­ver­sá­rio” do even­to com a pi­or que­da des­de en­tão: 3,37%. Em um úni­co pre­gão, o ín­di­ce per­deu mais de 3 mil pon­tos, en­cer­ran­do em 83.622 pon­tos. E os mo­ti­vos são to­dos re­sul­ta­dos de uma só lei­tu­ra: a de­man­da por ris­co já não é mais a mesma.

Nos úl­ti­mos di­as, a al­ta do dó­lar e dos pre­ços das com­mo­di­ti­es co­la­bo­rou pa­ra o in­ves­ti­dor am­pli­ar po­si­ções em Pe­tro­bras e Va­le. No en­tan­to, a per­cep­ção de ris­co que ron­da­va o mer­ca­do vol­tou com tu­do e o ajus­te le­vou a Pe­tro­bras a qua­se de­vol­ver tu­do que su­biu na se­ma­na: on­tem, a ação or­di­ná­ria caiu 4,49%, en­quan­to a pre­fe­ren­ci­al ce­deu 5,26%. No mes­mo sen­ti­do fi­ca­ram tam­bém a Va­le (0,93%) e os ban­cos, en­tre eles Itaú Uni­ban­co (5,23%) e os pa­péis or­di­ná­ri­os do Bra­des­co (5,42%).

A de­ci­são do Co­mi­tê de Po­lí­ti­ca Mo­ne­tá­ria (Co­pom) não foi, em si, um mo­ti­vo de pre­o­cu­pa­ção, mas a si­na­li­za­ção de que a de­man­da por ris­co di­mi­nuiu no mun­do, sim. “O ór­gão que faz as po­lí­ti­cas mo­ne­tá­ri­as vê um ba­lan­ço de ris­co mai­or da eco­no­mia in­ter­na­ci­o­nal. Is­so aca­ba con­ta­mi­nan­do a per­cep­ção de ris­co dos agen­tes lo­cais”, diz Rapha­el Fi­gue­re­do, ana­lis­ta da Ele­ven Fi­nan­ci­al Re­se­ar­ch. Ele no­ta que o ajus­te de po­si­ções foi ge­ne­ra­li­za­do: en­tre 67 ações que com­põem o Ibo­ves­pa, ape­nas qu­a­tro su­bi­ram on­tem.

Lá fo­ra, em­bo­ra mais ame­no, tam­pou­co o am­bi­en­te era pro­pen­so à to­ma­da de ris­co pe­lo in­ves­ti­dor. Com mag­ni­tu­de bas­tan­te me­nor, as bol­sas ame­ri­ca­nas fe­cha­ram no ver­me­lho, en­quan­to o ren­di­men­to dos Tre­a­su­ri­es su­bi­ram pe­la quar­ta ses­são se­gui­da. Es­sa foi a ce­re­ja do bo­lo de um dia em que a re­gra era co­lo­car os lu­cros re­cen­tes no bol­so e re­du­zir ex­po­si­ção a ati­vos de ris­co. Tal mo­vi­men­to fi­ca evi­den­te, in­clu­si­ve, con­si­de­ran­do o gi­ro do dia: R$ 14,7 bi­lhões fo­ram ne­go­ci­a­dos pe­lo Ibo­ves­pa on­tem, o mai­or vo­lu­me des­de me­a­dos de mar­ço.

In­ter­lo­cu­to­res de mer­ca­do no­tam que o mo­vi­men­to foi afe­ta­do prin­ci­pal­men­te pe­lo ca­pi­tal es­pe­cu­la­ti­vo e pe­lo “day tra­de” — ope­ra­ções que vi­sam lu­crar no cur­tís­si­mo pra­zo. Se­gun­do um ana­lis­ta do se­tor ban­cá­rio, que pre­fe­re não ser iden­ti­fi­ca­do, a de­ci­são do Co­pom não é uma ra­zão pa­ra a bai­xa nas ações. Em ter­mos de spre­ad ban­cá­rio — di­fe­ren­ça en­tre a ta­xa de cap­ta­ção e a co­bra­da nos ju­ros dos fi­nan­ci­a­men­tos —, a ma­nu­ten­ção do ju­ro em 6,5% ao ano po­de­ria até ser re­ce­bi­da de for­ma po­si­ti­va pe­lo se­tor.

“Só que o in­ves­ti­dor aca­ba apro­vei­tan­do a sur­pre­sa com o Co­pom pa­ra em­bol­sar os lu­cros dos úl­ti­mos di­as e até Pe­tro­bras e Va­le, que sus­ten­ta­ram o Ibo­ves­pa aci­ma dos 85 mil pon­tos, ca­em”, diz a fon­te. “Quan­to mai­or a li­qui­dez, mai­or é o im­pac­to do ajus­te de po­si­ção.”

No ca­so de Pe­tro­bras, além do mo­vi­men­to do dó­lar e do pe­tró­leo, que dão bo­as pers­pec­ti­vas pa­ra a re­cei­ta da em­pre­sa, o de­ba­te so­bre a ces­são one­ro­sa tam­bém es­ti­mu­lou a en­tra­da do in­ves­ti­dor. Com as gran­des en­tra­das re­cen­tes no pa­pel, a bai­xa in­ten­sa du­ran­te a tar­de es­ti­mu­lou ope­ra­ções de “stop loss”, is­to é, or­dens de ven­da aci­o­na­das pa­ra evi­tar per­das no port­fó­lio de in­ves­ti­do­res com­pra­dos na ação.

Pa­ra um ope­ra­dor, a ex­pec­ta­ti­va em tor­no da ces­são one­ro­sa ain­da po­de des­tra­var va­lor pa­ra a em­pre­sa, mas, mes­mo se o te­ma atra­sar, não é mo­ti­vo pa­ra dei­xar o pa­pel — que ain­da tem bo­as ex­pec­ta­ti­vas pa­ra o in­ves­ti­dor fun­da­men­ta­lis­ta, vol­ta­do pa­ra o lon­go pra­zo. “O que acon­te­ce é que as com­pras do pa­pel fo­ram muito for­tes e, a par­tir de um cer­to pon­to, o in­ves­ti­dor não su­por­ta a que­da”, diz. “Is­so pu­xa uma sequên­cia de or­dens de ven­da.”

Pa­ra Ari San­tos, ge­ren­te da me­sa de ope­ra­ções da H. Comm­cor, a bai­xa da ação on­tem — que che­gou a 7% na ação pre­fe­ren­ci­al — tam­bém acom­pa­nha o re­po­si­ci­o­na­men­to do in­ves­ti­dor que aguar­da­va pe­lo ven­ci­men­to de op­ções so­bre ações na se­gun­da-fei­ra. Com as al­tas re­cen­tes, mui­tos in­ves­ti­do­res apos­ta­vam em op­ções a R$ 26,00 ou R$ 26,50. “A que­da de ago­ra co­lo­ca em ris­co es­sas apos­tas, en­tão é ho­ra de sair do pa­pel”, diz.

DI­VUL­GA­ÇÃO

Em pre­gão ten­so, ne­gó­ci­os na bol­sa de va­lo­res mo­vi­men­ta­ram R$ 14,7 bi­lhões, no mai­or vo­lu­me des­de me­a­dos de mar­ço

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.