Ação do Fed co­me­ça a aper­tar con­di­ções fi­nan­cei­ras glo­bais

Valor Econômico - - FINANÇAS - Ro­ber­ta Cos­ta

A al­ta dos ren­di­men­tos dos Tre­a­su­ri­es (tí­tu­los do Te­sou­ro ame­ri­ca­no) e do dó­lar es­tão tor­nan­do as con­di­ções fi­nan­cei­ras nos EUA mais res­tri­tas, o que his­to­ri­ca­men­te im­pac­ta os flu­xos de ca­pi­tais nos mer­ca­dos glo­bais. Os ati­vos de mer­ca­dos emer­gen­tes são prova vi­va des­se qua­dro nas úl­ti­mas se­ma­nas, par­ti­cu­lar­men­te pe­lo ca­nal fi­nan­cei­ro.

O “yi­eld” (re­tor­no) da T-no­te de dez anos ba­teu on­tem os 3,122%, mai­or ní­vel des­de ju­lho de 2011, en­quan­to o ren­di­men­to de dois anos che­gou a 2,573%. O spre­ad en­tre os dois ven­ci­men­tos (di­fe­ren­ça en­tre as du­as pon­tas) vem re­cu­an­do con­sis­ten­te­men­te des­de 2016, tor­na­do a cur­va qua­se pla­na e fa­zen­do cres­cer a pos­si­bi­li­da­de de in­ver­são, ou se­ja, os ju­ros cur­tos se tor­na­rem mais al­tos do que os lon­gos. His­to­ri­ca­men­te es­te de­se­nho da cur­va de ju­ros in­di­ca pos­si­bi­li­da­de de re­ces­são na eco­no­mia ame­ri­ca­na.

A mé­dia do spre­ad en­tre o ju­ro lon­go e cur­to foi de 1,0 pon­to per­cen­tu­al em 2016, cain­do le­ve­men­te pa­ra 0,93% pon­to no ano pas­sa­do e, mais ain­da, pa­ra 0,55 pon­to nes­te ano. Ape­sar de a cur­va estar aplai­nan­do, opi­niões de par­ti­ci­pan­tes do Fe­de­ral Re­ser­ve (Fed, o BC dos EUA) di­ver­gem quan­to ao efei­to so­bre a eco­no­mia.

Al­guns di­re­to­res se mos­tra­ram pou­co pre­o­cu­pa­dos em dis­cur­sos re­cen­tes, de abril pa­ra cá, co­mo Char­les Evans (Fed de Chi­ca­go), John Wil­li­ams (No­va York a par­tir de 18 de ju­nho), Eric Ro­sen­gre­en (Bos­ton) e Ran­dal Qu­ar­les (do “bo­ard” do Fed), que não ve­em es­te mo­vi­men­to co­mo si­nal de in­ver­são de ci­clo de cres­ci­men­to, mas co­mo par­te nor­mal do pro­ces­so de nor­ma­li­za­ção. Por outro la­do, Ja­mes Bul­lard (St. Louis), Ro­bert Ka­plan (Dal­las) e Pa­trick Har­ker (Fi­la­dél­fia) se mos­tram pre­o­cu­pa­dos ou ob­ser­van­do aten­ta­men­te a for­ma da cur­va de ju­ros.

A pres­são nos yi­elds de­cor­re da ex­pec­ta­ti­va de que a ta­xa de ju­ros bá­si­ca po­de su­bir mais do que o es­pe­ra­do pe­lo Fe­de­ral Re­ser­ve (Fed); até mar­ço eram três aper­tos nes­te ano. Mas já há pro­ba­bi­li­da­de 44% de um quar­to au­men­to e qua­se 8% de uma quin­ta al­ta. Além do es­tres­se nos ati­vos, es­se ce­ná­rio tam­bém im­pac­ta a pers­pec­ti­va de cres­ci­men­to das eco­no­mi­as glo­bais.

Em es­tu­do re­cen­te, Fed diz que uma cur­va de ren­di­men­tos in­ver­ti­da nos EUA con­ti­nua a ser um si­nal de uma re­ces­são à fren­te, ain­da que o ní­vel das ta­xas ain­da se­ja tão bai­xo. Ade­mais, o ci­clo de aper­to mo­ne­tá­rio im­pac­ta as eco­no­mi­as no mun­do de for­ma bem dis­tin­ta.

Es­cri­to por Mat­teo Ia­co­vi­el­lo e Gas­ton Na­var­ro, do bo­ard do Fed, o ar­ti­go ana­li­sa as re­per­cus­sões da ele­va­ção dos ju­ros ame­ri­ca­nos so­bre a ati­vi­da­de em um gran­de pai­nel de 50 eco­no­mi­as avan­ça­das e emer­gen­tes e con­clui que a res­pos­ta do PIB em ca­da país va­ria de acor­do com seu re­gi­me cam­bi­al, aber­tu­ra co­mer­ci­al (ca­so dos de­sen­vol­vi­dos) e do ín­di­ce de vul­ne­ra­bi­li­da­de (nos emer­gen­tes).

Nas eco­no­mi­as avan­ça­das, mai­o­res ta­xas de ju­ros dos EUA são trans­mi­ti­das por meio do câm­bio e ca­nais de co­mér­cio. “Em par­ti­cu­lar, as res­pos­tas são mai­o­res quando a mo­e­da de um país é (de fa­to) atre­la­da ao dó­lar, ou quando seu vo­lu­me de tro­cas co­mer­ci­ais com os EUA é al­to, di­zem os autores.

Já nos emer­gen­tes, os ca­nais de câm­bio e co­mér­cio explicam pou­co do di­fe­ren­ci­al de res­pos­tas do PIB den­tro das eco­no­mi­as. Em vez dis­so, o ín­di­ce de vul­ne­ra­bi­li­da­de, que com­bi­na con­ta cor­ren­te, re­ser­vas, in­fla­ção e dí­vi­da ex­ter­na, cap­tu­ra a fra­gi­li­da­de fi­nan­cei­ra de um país e ex­pli­ca um com­po­nen­te con­si­de­rá­vel das di­fe­ren­ças den­tro des­te con­jun­to de eco­no­mi­as, que po­dem so­frer mais ou me­nos. Ou se­ja, o PIB nas eco­no­mi­as mais vul­ne­rá­veis ca­em muito mais em res­pos­ta a um aper­to da po­lí­ti­ca mo­ne­tá­ria aper­ta­da. Já “os ca­nais fi­nan­cei­ros são muito im­por­tan­tes pa­ra as eco­no­mi­as emer­gen­tes nes­te ce­ná­rio, além de te­rem um efei­to não ne­gli­gen­ciá­vel nas eco­no­mi­as avan­ça­das”, diz o es­tu­do.

Ca­be lem­brar as re­a­ções re­cen­tes dos mer­ca­dos da Ar­gen­ti­na, Tur­quia, Rús­sia e In­do­né­sia em con­tra­pon­to ao Bra­sil, um bom exem­plo da dis­pa­ri­da­de en­tre o mes­mo gru­po. Se­gun­do os autores, as re­per­cus­sões ex­ter­nas da ele­va­ção dos ju­ros ame­ri­ca­nos são gran­des e, em mé­dia, qua­se tão gran­des quan­to os efeitos no pró­prio país. “Um au­men­to nas ta­xas de ju­ros dos EUA de 100 pon­tos ba­se re­duz o PIB nas eco­no­mi­as avan­ça­das e nas eco­no­mi­as emer­gen­tes em 0,5% e 0,8%, res­pec­ti­va­men­te, de­pois de três anos. Es­sas mag­ni­tu­des es­tão no mes­mo pa­ta­mar dos efeitos do­més­ti­cos de um EUA cho­que mo­ne­tá­rio, que re­duz o PIB dos EUA em cer­ca de 0,7% de­pois de dois anos”.

A Fun­da­ção Ge­tu­lio Var­gas re­a­li­za o IV Se­mi­ná­rio de Po­lí­ti­ca Mo­ne­tá­ria. En­tre os par­ti­ci­pan­tes, es­ta­rão Jo­sé Jú­lio Sen­na (FGV), Sér­gio Wer­lang (FGV), Car­los Kawall (Ban­co Sa­fra), Affonso Cel­so Pas­to­re (AC Pas­to­re & As­so­ci­a­dos), Afon­so Be­vi­la­qua (PUC-RJ), Luiz Fer­nan­do Figueiredo (Mauá Ca­pi­tal), Edu­ar­do Loyo (BTG Pac­tu­al) e Ricardo Ri­bei­ro (MCM Con­sul­to­res). Jo­sé Ro­ber­to Cam­pos, edi­tor-exe­cu­ti­vo de Opi­nião do Va­lor, irá me­di­ar os pai­néis. Da­ta: 21 de maio Ho­rá­rio: 14h às 16h Lo­cal: Cen­tro Cul­tu­ral da FGV. Praia de Bo­ta­fo­go, n 186. Rio de Ja­nei­ro / RJ

In­for­ma­ções: http://por­ta­li­bre.fgv.br

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.