Fa­zen­da já ad­mi­te per­da de R$ 15 bi com gre­ve

Pro­je­ção cor­res­pon­de a 0,2% do PIB, mas não in­clui im­pac­tos sub­je­ti­vos na de­te­ri­o­ra­ção das ex­pec­ta­ti­vas

Valor Econômico - - BRASIL - Es­te­vão Tai­ar, Mar­ta Wa­ta­na­be, Bruno Vil­las Bôas e Fa­bio Gra­ner

A equi­pe econô­mi­ca con­si­de­ra pro­vá­vel que os im­pac­tos di­re­tos da pa­ra­li­sa­ção dos ca­mi­nho­nei­ros so­bre a ati­vi­da­de fi­quem na ca­sa dos R$ 15 bi­lhões (ou 0,2% do PIB, apro­xi­ma­da­men­te), co­mo apu­rou o Va­lor, con­si­de­ran­do ape­nas o im­pac­to na pa­ra­da da pro­du­ção, sem es­ti­mar efei­tos mais sub­je­ti­vos de­cor­ren­tes da de­te­ri­o­ra­ção das ex­pec­ta­ti­vas e ín­di­ces de con­fi­an­ça. In­te­gran­tes do go­ver­no, co­mo o mi­nis­tro da Fa­zen­da, Edu­ar­do Gu­ar­dia, e o pre­si­den­te do IBGE, Ro­ber­to Olin­to, ad­mi­ti­ram on­tem que o cres­ci­men­to des­te ano de­ve me­nor que o pre­vis­to, mas evi­ta­ram fa­zer es­ti­ma­ti­vas.

O cál­cu­lo do prejuízo de cer­ca de R$ 15 bi­lhões foi ex­pos­to on­tem no Pris­ma Fis­cal, encontro tri­mes­tral en­tre mem­bros da Fa­zen­da e eco­no­mis­tas do se­tor pri­va­do, na se­de do mi­nis­té­rio em São Pau­lo. O te­or da reu­nião foi con­fir­ma­do por três par­ti­ci­pan­tes que pe­di­ram ano­ni­ma­to.

Se­gun­do os re­la­tos, o se­cre­tá­rio de Po­lí­ti­ca Econô­mi­ca, Fa­bio Kanc­zuk, afir­mou que a Fa­zen­da usou di­ver­sas me­to­do­lo­gi­as pa­ra es­ti­mar os im­pac­tos da gre­ve. A que in­di­ca­va um prejuízo de cer­ca de R$ 15 bi­lhões pa­re­cia a mais cor­re­ta. É um nú­me­ro me­nor do que as es­ti­ma­ti­vas que vêm sen­do di­vul­ga­das por ins­ti­tui­ções fi­nan­cei­ras e con­sul­to­ri­as. O cál­cu­lo, po­rém, le­va em con­ta prin­ci­pal­men­te o que foi per­di­do de pro­du­ção e não con­tem­pla im­pac­tos da cri­se so­bre a con­fi­an­ça de em­pre­sá­ri­os e pla­nos de in­ves­ti­men­to.

Boa par­te do se­tor pri­va­do es­tá pes­si­mis­ta não só com os im­pac­tos da pa­ra­li­sa­ção mas tam­bém com o rit­mo de re­to­ma­da da ati­vi­da­de e as tur­bu­lên­ci­as re­cen­tes do mer­ca­do fi­nan­cei­ro. De acor­do com um dos ana­lis­tas, ain­da não es­tá to­tal­men­te cla­ro quan­to as re­vi­sões re­cen­tes pa­ra bai­xo do PIB fo­ram in­flu­en­ci­a­das pe­la pa­ra­li­sa­ção e quan­to pe­la pró­pria frus­tra­ção com a re­to­ma­da.

Kanc­zuk, se­gun­do um dos par­ti­ci­pan­tes do even­to, afir­mou que não vê ta­ma­nha pi­o­ra dos fun­da­men­tos econô­mi­cos que jus­ti­fi­quem as tur­bu­lên­ci­as da se­ma­na pas­sa­da e que acre­di­ta em al­gu­ma me­lho­ra das con­di­ções fi­nan­cei­ras no fu­tu­ro.

À tar­de, Gu­ar­dia si­na­li­zou que é pos­sí­vel que o PIB de 2018 se­ja re­vi­sa­do pa­ra bai­xo na pró­xi­ma divulgação da pro­gra­ma­ção or­ça­men­tá­ria e fi­nan­cei­ra. Qu­es­ti­o­na­do so­bre o as­sun­to após even­to em São Pau­lo, o mi­nis­tro não des­car­tou a hi­pó­te­se. “Po­de, po­de ser”, dis­se. “A gen­te re­vê a pre­vi­são a ca­da dois me­ses quan­do a di­vul­ga­mos a pro­gra­ma­ção or­ça­men­tá­ria e fi­nan­cei­ra. Va­mos con­ti­nu­ar fa­zen­do is­so. Quan­do a gen­te faz a re­vi­são, re­pro­je­ta re­cei­ta e des­pe­sa pa­ra o ano, e nós sem­pre di­vul­ga­mos uma no­va gra­de de pa­râ­me­tros. Is­so é o que a gen­te sem­pre fez. Es­se pro­ces­so de re­vi­são é con­ti­nuo. A ca­da dois me­ses te­mos is­so atu­a­li­za­do e evi­den­te­men­te le­va­mos em con­si­de­ra­ção as úl­ti­mas in­for­ma­ções dis­po­ní­veis”, dis­se. Gu­ar­dia tam­bém par­ti­ci­pou da reu­nião do Pris­ma.

Atu­al­men­te, o go­ver­no pre­vê cres­ci­men­to de 2,5% em 2018. Já o re­la­tó­rio Fo­cus, do Ban­co Cen­tral, apon­ta­va on­tem que a me­di­a­na das es­ti­ma­ti­vas dos eco­no­mis­tas do mer­ca­do fi­nan­cei­ro pa­ra o pro­du­to caiu de 2,18% pa­ra 1,94%.

“Va­mos es­pe­rar uma pró­xi­ma re­vi­são e va­mos di­vul­gar um nú­me­ro. O que não que­ro é a ca­da se­ma­na sair com no­vas pro­je­ções de cres­ci­men­to. Te­mos um pro­ces­so or­ga­ni­za­do que é re­pro­je­tar re­cei­tas e des­pe­sas e is­so exi­ge um ce­ná­rio ma­cro­e­conô­mi­co. En­tão me pa­re­ce mui­to ade­qua­do fa­zer is­so a ca­da dois me­ses e é o que va­mos con­ti­nu­ar fa­zen­do”, dis­se Gu­ar­dia.

Olin­to, do IBGE, afir­mou que a gre­ve vai afe­tar ne­ga­ti­va­men­te o PIB do se­gun­do tri­mes­tre de for­ma ain­da “não quan­ti­fi­cá­vel”. Du­ran­te co­le­ti­va na se­de do ór­gão, no Rio, ele cri­ti­cou as pro­je­ções de ana­lis­tas, as quais con­si­de­ra “pou­co ci­en­tí­fi­cas”.

“Vo­cê tem eco­no­mis­tas fa­lan­do que é só ti­rar o equi­va­len­te ao PIB de um mês do tri­mes­tre e es­se é o prejuízo. É bas­tan­te pe­ri­go­so es­se ti­po de ló­gi­ca. Uma gre­ve des­se ti­po não dá pa­ra fa­zer pro­je­ção de que vai ser as­sim ou as­sa­do, por­que tem ‘n’ al­ter­na­ti­vas”, afir­mou.

O pre­si­den­te do IBGE dis­se que a pa­ra­li­sa­ção ge­ra im­pac­tos via, por exem­plo, a de­te­ri­o­ra­ção de mer­ca­do­ri­as pe­re­cí­veis, co­mo ali­men­tos, hortaliças e lei­te. “Já o que foi en­tre­gue atra­sa­do, vo­cê re­cu­pe­ra a re­cei­ta. Nes­te ca­so, po­de­mos ter sim­ples­men­te um pon­to fo­ra da cur­va e de­pois uma es­ta­bi­li­za­ção”, dis­se.

Não exis­te ne­nhu­ma evi­dên­cia até o mo­men­to de que a gre­ve dos ca­mi­nho­nei­ros “ma­tou” um mês in­tei­ro de ati­vi­da­de econô­mi­ca, dis­se.

“É ine­gá­vel que hou­ve uma cri­se de ofer­ta. O país vai vi­ven­do um se­mes­tre elei­to­ral, o que cria ins­ta­bi­li­da­des. Vo­cê tem nes­se mo­men­to elei­to­ral uma sé­rie de pre­vi­sões que não são das mais ci­en­tí­fi­cas, que têm ou­tros in­te­res­ses”, dis­se, sem es­pe­ci­fi­car as fontes des­sas pro­je­ções e quais se­ri­am seus in­te­res­ses.

Pa­ra Olin­to, a pre­o­cu­pa­ção é me­dir cor­re­ta­men­te o que acon­te­ceu na gre­ve, o que dei­xa­rá o IBGE “mais aten­to na ob­ser­va­ção e crítica dos da­dos” de su­as pes­qui­sas. “Vo­cê tem pro­ble­ma de dis­tri­bui­ção de gás, que não foi re­cu­pe­ra­do. Mas pe­re­cí­veis e le­gu­mes fo­ram re­gu­la­ri­za­dos ra­zo­a­vel­men­te. Se vai ter uma im­pac­to de mais lon­go pra­zo ou de cur­to pra­zo é o que estamos pre­o­cu­pa­dos e acom­pa­nhan­do.”

LEO PI­NHEI­RO/VA­LOR

O pre­si­den­te do IBGE, Ro­ber­to Olin­to, dis­se que as per­das ain­da não são quan­ti­fi­cá­veis: “Hou­ve uma cri­se de ofer­ta”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.