Ca­na­dá pro­põe “co­mér­cio in­clu­si­vo”ao Mer­co­sul

Valor Econômico - - BRASIL - Mu­ril­lo Ca­ma­rot­to e Fa­bio Mu­ra­kawa

Em ne­go­ci­a­ções ace­le­ra­das pa­ra um acor­do de li­vre co­mér­cio com o Ca­na­dá, a di­plo­ma­cia bra­si­lei­ra es­tá cu­ri­o­sa pa­ra co­nhe­cer um tó­pi­co es­pe­cí­fi­co do “co­mér­cio in­clu­si­vo” pro­pos­to pe­lo pri­mei­ro-mi­nis­tro ca­na­den­se, Jus­tin Tru­de­au. En­tre as pau­tas in­cluí­das nos de­ba­tes que acon­te­cem es­ta se­ma­na, em Bra­sí­lia, es­tá a ques­tão de gê­ne­ro.

Em no­me da fu­tu­ra re­la­ção co­mer­ci­al, Mer­co­sul e Ca­na­dá não po­de­rão pas­sar por ci­ma de po­lí­ti­cas am­bi­en­tais e da le­gis­la­ção tra­ba­lhis­ta, ao mes­mo tem­po em que te­rão que fa­ci­li­tar o aces­so de pe­que­nas e mé­di­as em­pre­sas ao mer­ca­do co­mum. Es­sas exi­gên­ci­as já são re­la­ti­va­men­te co­muns em ne­go­ci­a­ções, mas o res­pei­to à ques­tão de gê­ne­ro ain­da é um enig­ma no la­do la­ti­no.

“Es­ta­mos to­tal­men­te ali­nha­dos com es­ses va­lo­res, mas con­fes­so que ain­da não con­se­gui­mos en­ten­der co­mo is­so se en­cai­xa na po­lí­ti­ca co­mer­ci­al”, dis­se um ne­go­ci­a­dor que pe­diu pa­ra não ter o no­me di­vul­ga­do.

Uma dis­po­si­ção se­me­lhan­te cons­ta do acor­do en­tre o Uru­guai e o Chi­le, fir­ma­do em 2016. Ne­le, as par­tes se com­pro­me­tem a im­ple­men­tar po­lí­ti­cas e bo­as prá­ti­cas que pro­mo­vam a igual­da­de de gê­ne­ro em seus se­to­res.

“As par­tes re­co­nhe­cem o co­mér­cio in­ter­na­ci­o­nal co­mo um mo­tor de de­sen­vol­vi­men­to, e que me­lho­rar o aces­so das mu­lhe­res das mu­lhe­res às opor­tu­ni­da­des exis­ten­tes den­tro de seus ter­ri­tó­ri­os, pa­ra que par­ti­ci­pem da eco­no­mia na­ci­o­nal e in­ter­na­ci­o­nal, con­tri­bui pa­ra fo­men­tar um de­sen­vol­vi­men­to econô­mi­co sus­ten­tá­vel”, ex­pli­ca o tra­ta­do.

Mais de 50 ne­go­ci­a­do­res dos qua­tro paí­ses do Mer­co­sul e do Ca­na­dá es­tão dis­cu­tin­do de­ta­lhes do acor­do des­de quar­ta-fei­ra, na ca­pi­tal fe­de­ral. Al­guns dos 24 gru­pos for­ma­dos já con­cluí­ram as con­ver­sas e a ex­pec­ta­ti­va é de que as mo­da­li­da­des do acor­do pos­sam ser anun­ci­a­das ho­je.

A pró­xi­ma ro­da­da de ne­go­ci­a­ções es­tá pro­gra­ma­da pa­ra acon­te­cer em se­tem­bro, na ci­da­de de Otawa, no Ca­na­dá. Em se­gui­da, os ne­go­ci­a­do­res vol­tam a Bra­sí­lia, em de­zem­bro, quan­do se pre­ten­de ini­ci­ar a tro­ca de ofer­tas.

Ho­je, os ne­go­ci­a­do­res da Amé­ri­ca do Nor­te têm de­mons­tra­do al­gu­ma re­sis­tên­cia na aber­tu­ra do seu mer­ca­do aos pro­du­tos agro­pe­cuá­ri­os, co­mo fran­go e lác­te­os, se­to­res for­te­men­te pro­te­gi­dos. Do la­do do Mer­co­sul, há uma opo­si­ção for­te em re­la­ção à en­tra­da dos ca­na­den­ses no seg­men­to de ser­vi­ços fi­nan­cei­ros.

O Ca­na­dá ma­ni­fes­tou pe­la pri­mei­ra vez o in­te­res­se em ava­li­ar com o Mer­co­sul in­te­res­ses mú­tu­os pa­ra um acor­do de li­vre co­mér­cio em 2010. As dis­cus­sões, no en­tan­to, es­ta­vam pa­ra­li­sa­das há um bom tem­po até que fo­ram re­to­ma­das em mai­or de 2016.

No iní­cio do ano pas­sa­do, o go­ver­no bra­si­lei­ro re­ce­beu a vi­si­ta do ne­go­ci­a­dor-che­fe ca­na­den­se, Da­vid Usher, quan­do fo­ram dis­cu­ti­dos os in­te­res­ses em te­mas de bens, ser­vi­ços, in­ves­ti­men­tos, com­pras go­ver­na­men­tais, re­gras de ori­gem, bar­rei­ras téc­ni­cas ao co­mér­cio, me­di­das sa­ni­tá­ri­as e fi­tos­sa­ni­tá­ri­as, pro­pri­e­da­de in­te­lec­tu­al, meio am­bi­en­te e le­gis­la­ção tra­ba­lhis­ta.

O Ca­na­dá tam­bém men­ci­o­nou in­te­res­se nos te­mas de con­cor­rên­cia e em­pre­sas es­ta­tais. Em abril e ju­lho de 2017, fo­ram re­a­li­za­das reu­niões téc­ni­cas en­tre o blo­co sul-ame­ri­ca­no e o Ca­na­dá.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.