Par­ce­ria com CNPC po­de ali­vi­ar cai­xa da Pe­tro­bras

Valor Econômico - - EMPRESAS - An­dré Ra­ma­lho, Ivan Ryn­gel­blum e Mar­cel­le Gu­ti­er­rez

A Pe­tro­bras e a chi­ne­sa CNPC as­si­na­ram uma car­ta de in­ten­ções que tra­zem as ba­ses de uma par­ce­ria es­tra­té­gi­ca pa­ra a con­clu­são da re­fi­na­ria do Com­perj, em Ita­bo­raí (RJ), e pa­ra o pro­je­to de re­vi­ta­li­za­ção do “clus­ter” de pro­du­ção de Mar­lim, na Ba­cia de Cam­pos. Pa­ra a es­ta­tal bra­si­lei­ra, a en­tra­da de um só­cio com uma ca­pa­ci­da­de fi­nan­cei­ra do por­te dos chi­ne­ses per­mi­ti­rá com que a pe­tro­lei­ra se­ja car­re­ga­da em pro­je­tos im­por­tan­tes, os quais a em­pre­sa te­ria di­fi­cul­da­des de de­sen­vol­ver so­zi­nha.

Já pa­ra a CNPC, o acor­do po­de sig­ni­fi­car um gran­de sal­to na es­tra­té­gia da com­pa­nhia de se cons­ti­tuir co­mo uma em­pre­sa in­te­gra­da no Bra­sil, pre­sen­te nos prin­ci­pais elos da ca­deia de óleo e gás, do po­ço ao pos­to.

Pa­ra o ana­lis­ta do Itaú BBA, An­dré Ha­chem, a par­ce­ria com a CNPC é “uma in­di­ca­ção po­si­ti­va de que ain­da es­tão sen­do fei­tos pro­gres­sos” no pro­gra­ma de de­sin­ves­ti­men­tos da Pe­tro­bras, um dia após a es­ta­tal sus­pen­der as ne­go­ci­a­ções de su­as re­fi­na­ri­as do Sul e Nor­des­te, da Fá­bri­ca de Fer­ti­li­zan­tes de Arau­cá­ria (PR) e da Trans­por­ta­do­ra As­so­ci­a­da de Gás (TAG). A de­ci­são foi to­ma­da pe­la pe­tro­lei­ra de­pois que o mi­nis­tro Ri­car­do Lewan­dows­ki, do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF), con­ce­deu li­mi­nar proi­bin­do a ven­da do con­tro­le de es­ta­tais e su­as sub­si­diá­ri­as sem o aval do Con­gres­so. “Co­mo as par­ce­ri­as no Com­perj e Mar­lim não en­vol­vem o con­tro­le de sub­si­diá­ri­as, o acor­do com os chi­ne­ses po­de avan­çar”, dis­se uma fon­te.

Pe­tro­bras e CNPC ain­da ne­go­ci­am as con­di­ções da par­ce­ria. No ca­so do Com­perj, uma das al­ter­na­ti­vas que vi­nha sen­do dis­cu­ti­da des­de o ano pas­sa­do era a pos­si­bi­li­da­de de a chi­ne­sa in­ves­tir so­zi­nha na con­clu­são do pro­je­to, em tro­ca de par­ti­ci­pa­ção no em­pre­en­di­men­to, pro­por­ci­o­nal aos apor­tes. A Pe­tro­bras tam­bém ava­lia per­mi­tir que a CNPC te­nha aces­so à in­fra­es­tru­tu­ra de pro­ces­sa­men­to de gás que es­tá sen­do cons­truí­da no com­ple­xo, se­gun­do uma fon­te.

As obras da re­fi­na­ria do Com­perj fo­ram in­ter­rom­pi­das em 2015 com mais de 80% de avan­ço. Na oca­sião, a Pe­tro­bras, que já in­ves­ti­ra US$ 13 bi­lhões, pre­via a ne­ces­si­da­de de mais US$ 2,3 bi­lhões pa­ra co­lo­car a re­fi­na­ria de pé. Mas uma fon­te diz que as es­ti­ma­ti­vas atu­ais su­pe­ram US$ 3 bi­lhões.

Já no ca­so do pro­je­to de Mar­lim, o Va­lor apu­rou que a Pe­tro­bras quer re­pe­tir o con­cei­to-cha­ve da par­ce­ria fir­ma­da com a Equi­nor (ex-Sta­toil) no ati­vo de Ron­ca­dor, tam­bém na Ba­cia de Cam­pos. A in­ten­ção da bra­si­lei­ra é atrair um só­cio com ca­pa­ci­da­de pa­ra aju­dá-la a ban­car os pe­sa­dos in­ves­ti­men­tos pa­ra re­vi­ta­li­za­ção do “clus­ter”, que abran­ge os cam­pos ma­du­ros de Mar­lim, Vo­a­dor, Mar­lim Les­te e Mar­lim Sul. No acor­do com a Equi­nor, por exem­plo, a no­ru­e­gue­sa pa­gou US$ 2,117 bi­lhões por 25% de Ron­ca­dor e se com­pro­me­teu a in­ves­tir até US$ 550 mi­lhões no pro­je­to de re­vi­ta­li­za­ção do cam­po.

A Pe­tro­bras pre­vê du­as no­vas pla­ta­for­mas em Mar­lim em 2021, co­mo par­te do pro­je­to de re­vi­ta­li­za­ção do ati­vo. A pe­tro­lei­ra es­tá jus­ta­men­te na fa­se de con­tra­ta­ção das du­as em­bar­ca­ções e a en­tra­da de um só­cio nes­te mo­men­to se­ria opor­tu­na. Se­gun­do a Agência Na­ci­o­nal de Pe­tró­leo (ANP), a área de Mar­lim acu­mu­la pro­du­ção mé­dia de 365 mil bar­ris diá­ri­os no ano, até maio — uma que­da de 5,4% an­te igual pe­río­do de 2017.

A en­tra­da em Mar­lim per­mi­ti­rá à CNPC uti­li­zar o óleo pe­sa­do pro­du­zi­do no cam­po pa­ra pro­ces­sa­men­to no Com­perj. A as­so­ci­a­ção dos dois ati­vos é es­tra­té­gi­ca pa­ra a com­pa­nhia, que vem si­na­li­zan­do in­te­res­se de se es­ta­be­le­cer no Bra­sil co­mo uma em­pre­sa in­te­gra­da. Em mar­ço, por meio de sua sub­si­diá­ria Pe­troChi­na, a com­pa­nhia deu um pri­mei­ro pas­so nes­se sen­ti­do, ao anun­ci­ar um acor­do pa­ra com­pra de 30% da TT Work, em­pre­sa que reú­ne uma dis­tri­bui­do­ra (Pe­tro­nac, an­ti­ga To­tal), uma im­por­ta­do­ra de de­ri­va­dos (AtlantIm­port) e ter­mi­nais no Bra­sil.

A CNPC é só­cia da Pe­tro­bras no cam­po de Me­ro (área no­ro­es­te de Li­bra), no pré-sal da Ba­cia de Santos, com 10% de par­ti­ci­pa­ção, e pro­duz, via sub­si­diá­ria CNODC, 4 mil bar­ris diá­ri­os de pe­tró­leo.

ALI­NE MASSUCA/VA­LOR

Chi­ne­sa po­de­rá aju­dar na con­clu­são do Com­perj, que te­ve as obras pa­ra­li­sa­das em 2015 e ain­da pre­ci­sa de mais US$ 3 bi

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.