Pas­tor ame­ri­ca­no li­ga­do a Trump vê pre­si­den­ciá­vel co­mo de­fen­sor de Is­ra­el

Valor Econômico - - POLÍTICA - Mar­cos de Mou­ra e Sou­za

A pos­si­bi­li­da­de de Jair Bol­so­na­ro (PSL) ser elei­to pre­si­den­te es­tá sen­do vis­ta com em­pol­ga­ção por pas­to­res evan­gé­li­cos dos Es­ta­dos Uni­dos que aju­da­ram a ele­ger o pre­si­den­te Do­nald Trump em 2016 e que ho­je têm aces­so di­re­to à Ca­sa Bran­ca.

O que atrai a aten­ção des­ses re­li­gi­o­sos ame­ri­ca­nos é um ponto que passa qua­se des­per­ce­bi­do na cam­pa­nha bra­si­lei­ra: a po­lí­ti­ca de Bol­so­na­ro para Is­ra­el.

A ideia que cir­cu­la na cam­pa­nha e en­tre ali­a­dos é que uma vez elei­to pre­si­den­te, ele re­co­nhe­ça Je­ru­sa­lém co­mo ca­pi­tal de Is­ra­el e trans­fi­ra a Em­bai­xa­da do Brasil de Tel Aviv para a ci­da­de. A as­ses­so­ria da cam­pa­nha não res­pon­deu à re­por­ta­gem se o can­di­da­to, de fa­to, pro­me­te fa­zer is­so.

Trump anun­ci­ou no fim de 2017 que os EUA pas­sa­vam a re­co­nhe­cer Je­ru­sa­lém co­mo ca­pi­tal is­ra­e­len­se. Em maio, a Em­bai­xa­da americana foi trans­fe­ri­da para lá. A medida foi cri­ti­ca­da na ONU por 128 paí­ses, in­cluin­do o Brasil, por­que par­te de Je­ru­sa­lém é con­tes­ta­da por pa­les­ti­nos co­mo ca­pi­tal de um futuro Es­ta­do pa­les­ti­no. A quei­xa não te­ve efei­to prá­ti­co.

Trump agiu sob aplau­sos de pas­to­res de cor­ren­tes evan­gé­li­cas dos EUA que ado­tam dis­cur­so de co­no­ta­ção bí­bli­ca em fa­vor de Is­ra­el e de Je­ru­sa­lém co­mo sua ca­pi­tal in­di­vi­sí­vel.

Em en­tre­vis­ta por te­le­fo­ne ao Va­lor, um des­ses pas­to­res, Ma­rio Bram­nick, afir­mou que es­te­ve no Brasil com Edu­ar­do Bol­so­na­ro, um dos fi­lhos de Jair Bol­so­na­ro, e que já te­ve al­gu­mas con­ver­sas com ele. Dis­se tam­bém que con­ver­sou uma vez com o próprio can­di­da­to por te­le­fo­ne.

“En­ten­do que se Jair Bol­so­na­ro ga­nhar a elei­ção, co­mo pre­si­den­te ele vai to­mar es­sa decisão de trans­fe­rir a em­bai­xa­da de Tel Aviv para Je­ru­sa­lém”, dis­se ele, de Mi­a­mi.

Para o pas­tor, além do ca­rá­ter re­li­gi­o­so, es­sa ini­ci­a­ti­va te­ria um efei­to di­plo­má­ti­co.

“Ob­vi­a­men­te, o pre­si­den­te Trump es­tá olhan­do que paí­ses estão se­guin­do o exemplo dos EUA na trans­fe­rên­cia da Em­bai­xa­da. Is­so vai ser um ponto que aju­da­rá nas re­la­ções en­tre EUA e Brasil e, cla­ro, en­tre Brasil e Is­ra­el.”

Bram­nick li­de­ra uma en­ti­da­de americana pró-Is­ra­el, a La­ti­no Co­a­li­ti­on for Is­ra­el. Ele tra­ba­lhou no co­mi­tê nacional da cam­pa­nha elei­to­ral de Trump jun­to a elei­to­res his­pâ­ni­cos e cris­tãos. E aju­dou a ela­bo­rar o pro­gra­ma de governo re­la­ci­o­na­do à po­lí­ti­ca para Is­ra­el. De­pois da elei­ção, em 2016, pas­sou a in­te­grar o Con­se­lho Exe­cu­ti­vo Evan­gé­li­co, um gru­po de cer­ca de 40 pes­so­as que qua­se uma vez por mês ora e ex­pres­sa seus pon­tos de vis­ta em reu­niões com Trump, o vi­ce Mi­ke Pen­ce, e ou­tros lí­de­res do governo na Ca­sa Bran­ca.

“Eu ti­ve con­ver­sas com ou­tros lí­de­res da nos­sa equi­pe de fé so­bre Bol­so­na­ro e es­tá [um cli­ma] mui­to po­si­ti­vo”, afir­mou.

É o mesmo oti­mis­mo, diz o pas­tor, sen­ti­do por Mi­chel­le Ba­ch­mann, uma po­lí­ti­ca con­ser­va­do­ra americana, que foi congressis­ta e é mem­bro do Par­ti­do Re­pu­bli­ca­no.

“Ela tam­bém é par­te da equi­pe de fé e tam­bém es­tá [ven­do um cli­ma] mui­to po­si­ti­vo com o can­di­da­to Bol­so­na­ro. En­tre os que estão acom­pa­nhan­do a si­tu­a­ção do Brasil, vê-se es­se apoio a ele”, dis­se o pas­tor re­fe­rin­do-se a re­li­gi­o­sos e re­pu­bli­ca­nos nos EUA.

Bram­nick e Mi­chel­le es­ti­ve­ram no Brasil em agos­to, quan­to par­ti­ci­pa­ram em Be­lo Ho­ri­zon­te de uma ce­le­bra­ção na Igre­ja Ba­tis­ta da La­goi­nha para co­me­mo­rar os 70 anos de cri­a­ção do Es­ta­do de Is­ra­el. Edu­ar­do Bol­so­na­ro tam­bém par­ti­ci­pou da ce­le­bra­ção.

Além do te­ma de Is­ra­el, o pas­tor dis­se que nas con­ver­sas com Edu­ar­do, com Bol­so­na­ro e com pas­to­res bra­si­lei­ros fa­lou so­bre co­mo foi im­por­tan­te a participaç­ão das igre­jas evan­gé­li­cas na cam­pa­nha de Trump.

Bol­so­na­ro de­cla­ra-se ca­tó­li­co, mas pas­sou por uma ce­rimô­nia evan­gé­li­ca de ba­tis­mo no Rio Jor­dão, em Is­ra­el, e tem for­te pe­ne­tra­ção nes­sa fa­tia do elei­to­ra­do. Ele con­ta com o apoio de pas­to­res que mo­bi­li­zam mul­ti­dões de fiéis, en­tre eles, o fun­da­dor da Igre­ja Uni­ver­sal, Edir Ma­ce­do.

“O po­der dos cris­tãos no Brasil é mui­to gran­de e é im­por­tan­te a mo­bi­li­za­ção das igre­jas”, afir­mou Bram­nick, re­fe­rin­do-se ao papel dos evan­gé­li­cos em uma vitória de Bol­so­na­ro.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.