Uma re­for­ma fa­ti­a­da pa­ra a Pre­vi­dên­cia

Valor Econômico - - BRASIL - Ri­ba­mar Oli­vei­ra

Ocan­di­da­to do PSL à Pre­si­dên­cia da Re­pú­bli­ca, Jair Bol­so­na­ro, já con­cluiu que não é pos­sí­vel fa­zer uma re­for­ma da Pre­vi­dên­cia So­ci­al “a to­que de cai­xa” e por meio de uma úni­ca pro­pos­ta de emen­da cons­ti­tu­ci­o­nal. “A re­for­ma vai ser fei­ta de for­ma fa­ti­a­da, ca­so ele se­ja elei­to”, in­for­mou um dos for­mu­la­do­res do pro­gra­ma de go­ver­no do can­di­da­to, em con­ver­sa com o Va­lor. “Ele vai co­me­çar lu­tan­do con­tra os pri­vi­lé­gi­os do se­tor pú­bli­co lo­go de ca­ra. De­pois, dis­cu­tir com a so­ci­e­da­de um mo­de­lo pa­ra a Pre­vi­dên­cia”, ex­pli­cou.

Ao de­fen­der uma ida­de mí­ni­ma de 61 anos pa­ra re­que­rer apo­sen­ta­do­ria, em en­tre­vis­ta à TV Ban­dei­ran­tes na noi­te de ter­ça-fei­ra, Bol­so­na­ro ex­pres­sou, se­gun­do a mes­ma fon­te, a per­cep­ção de que en­fren­ta­rá gran­de re­sis­tên­cia das cor­po­ra­ções pa­ra mu­dar as atu­ais re­gras do sis­te­ma pre­vi­den­ciá­rio. “Há mui­tas re­sis­tên­ci­as, prin­ci­pal­men­te no âm­bi­to do Ju­di­ciá­rio”, afir­mou. “Por is­so, é ne­ces­sá­rio ir de­va­gar.”

Ao ini­ci­ar as mu­dan­ças com o fim dos pri­vi­lé­gi­os dos ser­vi­do­res, de­pois de to­mar pos­se, a fon­te acre­di­ta que Bol­so­na­ro po­de­ria con­tar com o apoio da opi­nião pú­bli­ca con­tra as cor­po­ra­ções. A ban­ca­da dos ser­vi­do­res no Con­gres­so Na­ci­o­nal é or­ga­ni­za­da, aguer­ri­da e bas­tan­te in­flu­en­te, ob­ser­vou a fon­te.

Pa­ra a equi­pe que as­ses­so­ra o can­di­da­to à Pre­si­dên­cia, ain­da não es­tá cla­ro o mo­de­lo da re­for­ma pre­vi­den­ciá­ria que se­rá ado­ta­do. Ini­ci­al­men­te, o eco­no­mis­ta Pau­lo Gu­e­des, o já no­me­a­do mi­nis­tro da Eco­no­mia em even­tu­al go­ver­no Bol­so­na­ro, de­fen­deu a ado­ção de um sis­te­ma de ca­pi­ta­li­za­ção, no qu­al ca­da tra­ba­lha­dor te­ria uma con­ta in­di­vi­du­al, em que se­ri­am de­po­si­ta­das as su­as con­tri­bui­ções men­sais. Ao se apo­sen­tar, o in­di­ví­duo po­de­ria fa­zer re­ti­ra­das de sua con­ta na for­ma de uma ren­da men­sal.

A pro­pos­ta, no en­tan­to, foi sub­me­ti­da a crí­ti­cas den­tro da equi­pe, pois hou­ve ques­ti­o­na­men­tos so­bre o que acon­te­ceu com es­se mo­de­lo no Chi­le, on­de foi ado­ta­do há mais de 35 anos. “Va­mos dis­cu­tir mais e ain­da não há um mo­de­lo de­li­ne­a­do”, ex­pli­cou a fon­te.

Na dé­ca­da pas­sa­da, o go­ver­no chileno ter­mi­nou fa­zen­do uma re­for­mu­la­ção de seu mo­de­lo, cri­an­do be­ne­fí­ci­os não con­tri­bu­ti­vos pa­ra as pes­so­as mais po­bres que sim­ples­men­te não con­se­gui­am acu­mu­lar pou­pan­ça su­fi­ci­en­te pa­ra a apo­sen­ta­do­ria. Des­ta for­ma, o Es­ta­do vol­tou a ar­car com par­te da apo­sen­ta­do­ria da po­pu­la­ção mais po­bre da­que­le país.

O mo­de­lo de ca­pi­ta­li­za­ção, ini­ci­al­men­te pro­pos­to por Gu­e­des, te­ria ou­tro pro­ble­ma, de acor­do com os es­pe­ci­a­lis­tas con­sul­ta­dos pe­lo Va­lor. O Bra­sil ado­ta, atu­al­men­te, mo­de­lo de re­par­ti­ção sim­ples. Is­to sig­ni­fi­ca que as con­tri­bui­ções men­sais fei­tas por aque­les que es­tão ati­vos e em­pre­ga­dos com car­tei­ra as­si­na­da é que ar­cam com os be­ne­fí­ci­os pre­vi­den­ciá­ri­os que es­tão sen­do pa­gos.

Se a pes­soa pas­sa a de­po­si­tar sua con­tri­bui­ção men­sal em uma con­ta in­di­vi­du­al, que se­rá ca­pi­ta­li­za­da ao lon­go do tem­po pa­ra a sua apo­sen­ta­do­ria, ela dei­xa­rá de con­tri­buir pa­ra o atu­al re­gi­me ge­ral de Pre­vi­dên­cia, mais co­nhe­ci­do co­mo INSS. As­sim, o “rom­bo” da Pre­vi­dên­cia au­men­ta­rá, pois ela per­de­rá re­cei­ta.

Ao dis­cu­tir o mo­de­lo, a pri­mei­ra ques­tão é de­fi­nir quem es­ta­rá su­jei­to ao re­gi­me de ca­pi­ta­li­za­ção. Va­le­rá pa­ra to­dos os tra­ba­lha­do­res que es­tão no mer­ca­do de tra­ba­lho e já con­tri­bu­em pa­ra o INSS ou ape­nas pa­ra aque­les que es­tão in­gres­san­do no mer­ca­do? Va­le­rá tam­bém pa­ra os tra­ba­lha­do­res ru­rais? Se for pa­ra to­dos, uma es­ti­ma­ti­va fei­ta por es­pe­ci­a­lis­tas con­sul­ta­dos pe­lo Va­lor mos­tra que o cus­to de tran­si­ção de um re­gi­me pa­ra o ou­tro se­ria equi­va­len­te a 5,7 pon­tos per­cen­tu­ais do Pro­du­to In­ter­no Bru­to (PIB) por ano — al­go em tor­no de R$ 390 bi­lhões.

É cla­ro que es­sa hi­pó­te­se é in­viá­vel. As­sim, o mais ra­zoá­vel se­ria ado­tar o re­gi­me de ca­pi­ta­li­za­ção ape­nas pa­ra quem es­ti­ver in­gres­san­do no mer­ca­do de tra­ba­lho. Nes­te ca­so, o cus­to nos pri­mei­ros anos se­ria pe­que­no, mas ele iria cres­cen­do ao lon­go dos anos, até to­mar uma di­men­são bas­tan­te sig­ni­fi­ca­ti­va.

É bom lem­brar que o dé­fi­cit do Re­gi­me Ge­ral de Pre­vi­dên­cia So­ci­al (RGPS) pro­je­ta­do pe­lo go­ver­no pa­ra es­te ano é de R$ 201,6 bi­lhões. Pa­ra 2019, a es­ti­ma­ti­va é de dé­fi­cit de R$ 218 bi­lhões. Se o mo­de­lo de ca­pi­ta­li­za­ção for ado­ta­do, o dé­fi­cit se­rá cres­cen­te ao lon­go dos pró­xi­mos anos, mes­mo que se­jam fei­tas re­for­mas que atin­jam quem já es­tá no mer­ca­do e con­tri­buin­do pa­ra o sis­te­ma.

A ques­tão pas­sa a ser co­mo a tran­si­ção en­tre os dois re­gi­mes se­rá fi­nan­ci­a­da. Uma hi­pó­te­se é a União ven­der os seus ati­vos pa­ra ban­car o au­men­to do dé­fi­cit. O pro­ble­ma é que as em­pre­sas es­ta­tais que mais va­lem di­nhei­ro no mer­ca­do, co­mo a Pe­tro­bras, são con­si­de­ra­das es­tra­té­gi­cas pe­lo can­di­da­to Bol­so­na­ro.

A equi­pe do can­di­da­to do PSL se pre­o­cu­pa tam­bém com ou­tro as­pec­to do mer­ca­do de tra­ba­lho e que re­per­cu­te nas con­tas da Pre­vi­dên­cia: o ele­va­do nú­me­ro de pes­so­as que tra­ba­lham sem car­tei­ra as­si­na­da e, por­tan­to, não con­tri­bu­em pa­ra o sis­te­ma pre­vi­den­ciá­rio, mas que te­rão di­rei­to, no fu­tu­ro, ao be­ne­fí­cio da apo­sen­ta­do­ria por ida­de ou por in­va­li­dez. A ideia é re­du­zir o cus­to de con­tra­ta­ção da mão de obra pa­ra que es­sas pes­so­as se­jam in­cor­po­ra­das à Pre­vi­dên­cia.

ME­qui­pe de Bol­so­na­ro quer man­ter o te­to de gas­tos da União

es­mo o can­di­da­to do PSL ten­do co­lo­ca­do “em mar­cha len­ta” a re­for­ma da Pre­vi­dên­cia, uma par­te da equi­pe de Bol­so­na­ro de­fen­de a ma­nu­ten­ção do te­to de gas­tos, ins­ti­tuí­do pe­la emen­da cons­ti­tu­ci­o­nal 95/2016. “A emen­da do gas­to não vai cair. Não creio que ele vai me­xer nis­so não, se for elei­to”, ex­pli­cou a fon­te. A ques­tão, por­tan­to, pas­sa a ser co­mo o even­tu­al go­ver­no Bol­so­na­ro con­se­gui­rá man­ter o te­to, sem fa­zer a re­for­ma da Pre­vi­dên­cia de uma for­ma mais rá­pi­da e mais am­pla.

Os téc­ni­cos ofi­ci­ais in­for­mam que as des­pe­sas da Pre­vi­dên­cia cres­cem 3,5% ao ano, ape­nas em de­cor­rên­cia do au­men­to do nú­me­ro de be­ne­fi­ciá­ri­os e do va­lor mé­dio dos be­ne­fí­ci­os — cha­ma­do de “cres­ci­men­to ve­ge­ta­ti­vo”. Por is­so, os téc­ni­cos do atu­al go­ver­no acham que o te­to de gas­to não é sus­ten­tá­vel nem mes­mo com a re­for­ma da Pre­vi­dên­cia. A saí­da que eles che­ga­ram a pen­sar era a de re­ti­rar do te­to as des­pe­sas da Pre­vi­dên­cia, mas ape­nas de­pois da re­a­li­za­ção de am­pla re­for­ma das re­gras pre­vi­den­ciá­ri­as.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.