Há mais tri­bos nos EUA que de­mo­cra­tas e re­pu­bli­ca­nos

Valor Econômico - - INTERNACIONAL - Aná­li­se Gil­li­an Tett

Com a apro­xi­ma­ção das elei­ções pa­ra o Con­gres­so, em no­vem­bro, o âni­mo en­tre de­mo­cra­tas e re­pu­bli­ca­nos es­tá se acir­ran­do ain­da mais, com pes­qui­sas mos­tran­do o país di­vi­di­do ao meio. O ta­ma­nho des­sa di­vi­são é de­pri­men­te. Mas se vo­cê qui­ser uma pers­pec­ti­va mais am­pla e ani­ma­do­ra so­bre a po­lí­ti­ca nos EUA, um no­vo es­tu­do, “Hid­den Tri­bes: A Study of Ame­ri­ca’s Po­la­ri­zed Lands­ca­pe” (tri­bos es­con­di­das: um es­tu­do do pa­no­ra­ma po­la­ri­za­do dos EUA), pu­bli­ca­do nes­ta se­ma­na por um gru­po de ci­en­tis­tas so­ci­ais, for­ne­ce al­gu­mas ava­li­a­ções fas­ci­nan­tes.

O es­tu­do, ba­se­a­do nu­ma pes­qui­sa com 8.000 pes­so­as e 30 en­tre­vis­tas de uma ho­ra com pes­so­as de to­do o es­pec­tro po­lí­ti­co, afir­ma que é er­ra­do fa­lar do ce­ná­rio po­lí­ti­co ame­ri­ca­no de uma ma­nei­ra bi­ná­ria, ou ca­te­go­ri­zar as pes­so­as com da­dos de­mo­grá­fi­cos (co­mo ra­ça ou ida­de).

Em vez dis­so, di­zem os au­to­res, a aná­li­se das vi­sões de mun­do dos ame­ri­ca­nos re­ve­la que a mai­o­ria das pes­so­as não se vê co­mo re­pu­bli­ca­nas ou de­mo­cra­tas, e nem se de­fi­ne com ba­se em su­as cren­ças ou não nas po­lí­ti­cas de li­vre mer­ca­do. Em vez dis­so, é me­lhor pen­sar nos ame­ri­ca­nos co­mo per­ten­cen­tes a uma de se­te “tri­bos” que se aglu­ti­nam em tor­no de va­lo­res fun­da­men­tais so­bre iden­ti­da­de, au­to­ri­da­de e co­mu­ni­da­de.

Al­gu­mas das tri­bos são fa­mi­li­a­res: cer­ca de 8% dos ame­ri­ca­nos são “ati­vis­tas pro­gres­sis­tas”, que são “mais jo­vens, al­ta­men­te en­ga­ja­dos, se­cu­la­res, cos­mo­po­li­tas e rai­vo­sos”. “Os mem­bros des­se gru­po têm uma fun­ção gran­de no dis­cur­so po­lí­ti­co, mui­to em­bo­ra eles re­pre­sen­tem uma pro­por­ção pe­que­na da po­pu­la­ção to­tal”, diz o es­tu­do, acres­cen­tan­do que eles são “mui­to sen­sí­veis a ques­tões en­vol­ven­do jus­ti­ça e igual­da­de”. Eles acre­di­tam que a imi­gra­ção é be­né­fi­ca, o fe­mi­nis­mo é bom, a po­lí­cia é violenta e Do­nald Trump é ruim.

Na ou­tra pon­ta do es­pec­tro, 19% da po­pu­la­ção é for­ma­da por “con­ser­va­do­res tra­di­ci­o­na­lis­tas” e ou­tros 6% são des­cri­tos co­mo “con­ser­va­do­res de­di­ca­dos”. Os mem­bros des­ses gru­pos ten­dem a ser bran­cos, as­sis­tem a Fox News, acre­di­tam que o tra­ba­lho du­ro de­ter­mi­na o su­ces­so, que a imi­gra­ção é uma coi­sa ruim, que as mu­lhe­res de­ve­ri­am ter fun­ções di­fe­ren­tes das dos ho­mens, que a po­lí­cia é boa — e que Trump é um pre­si­den­te ma­ra­vi­lho­so. En­tre os “con­ser­va­do­res de­di­ca­dos”, 88% disseram que apoi­a­ri­am a ex­pul­são dos mu­çul­ma­nos e 63% se “opõem a con­ces­sões [po­lí­ti­cas]”.

Há ou­tras qua­tro tri­bos, três das quais à es­quer­da do es­pec­tro po­lí­ti­co e que de­sa­pro­vam Trump: “os li­be­rais tra­di­ci­o­na­lis­tas” (que re­pre­sen­tam 11% da po­pu­la­ção e ten­dem a ser “mais ve­lhos, apo­sen­ta­dos, ra­ci­o­nais e cau­te­lo­sos”); os “li­be­rais pas­si­vos” (15%, que são “in­fe­li­zes, in­se­gu­ros, des­con­fi­a­dos e de­si­lu­di­dos”); e os mo­de­ra­dos (15%, que tem “men­ta­li­da­de cí­vi­ca, são en­ga­ja­dos e pes­si­mis­tas”).

Por fim, há a tri­bo dos “po­li­ti­ca­men­te de­sen­ga­ja­dos” (26%, em ge­ral de “bai­xa ren­da, de­sin­te­res­sa­dos, pa­tri­o­tas e cons­pi­ra­tó­ri­os”).

O que mar­ca es­tas qua­tro úl­ti­mas tri­bos é que elas es­tão tão far­tas da po­la­ri­za­ção do atu­al sis­te­ma que se “can­sa­ram” da po­lí­ti­ca e ten­dem a fi­car em si­lên­cio. “Elas acre­di­tam es­ma­ga­do­ra­men­te que o go­ver­no ame­ri­ca­no é ma­ni­pu­la­do pa­ra ser­vir os ri­cos e in­flu­en­tes, e que­rem que as coi­sas mu­dem”, di­zem os au­to­res, mas tam­bém têm uma “dis­po­si­ção de ser fle­xí­veis em seus pon­tos de vis­ta po­lí­ti­cos”. De fa­to, 65% des­sa “mai­o­ria es­go­ta­da” diz que “as pes­so­as com quem con­cor­do po­li­ti­ca­men­te pre­ci­sam ou­vir os ou­tros e fa­zer con­ces­sões”; ou se­ja, em cer­tos as­pec­tos, elas não são “po­la­ri­za­das”.

Is­so é uma boa no­tí­cia? Em te­se sim. Afi­nal, se es­sa mai­o­ria si­len­ci­o­sa e es­go­ta­da pu­der en­con­trar uma voz, a po­lí­ti­ca po­de­rá co­me­çar a pa­re­cer mais sen­sa­ta, equi­li­bra­da e prag­má­ti­ca. E o gru­po que en­co­men­dou o es­tu­do “Hid­den Tri­bes” — uma or­ga­ni­za­ção sem fins lu­cra­ti­vos cha­ma­da Mo­re in Com­mon, es­ta­be­le­ci­da na es­tei­ra do as­sas­si­na­to da de­pu­ta­da bri­tâ­ni­ca Jo Cox — ten­ta achar mei­os pa­ra fa­zer is­so. Sua mis­são é aju­dar a cons­truir so­ci­e­da­des mais uni­das que se­jam “mais re­sis­ten­tes às ame­a­ças cres­cen­tes de po­la­ri­za­ção e di­vi­são so­ci­al”.

Mas há um pro­ble­ma: por mais con­vin­cen­tes que es­ses ar­gu­men­tos pos­sam pa­re­cer, os in­cen­ti­vos do sis­te­ma po­lí­ti­co pa­re­cem di­a­me­tral­men­te opos­tos à pos­si­bi­li­da­de de de­sen­vol­vi­men­to de ini­ci­a­ti­vas prá­ti­cas e sen­sa­tas. Pa­ra en­ten­der is­so me­lhor, va­le a pe­na dar uma olha­da em ou­tra aná­li­se bri­lhan­te pu­bli­ca­da no ano pas­sa­do pe­la Har­vard Bu­si­ness Scho­ol.

Ten­do co­mo au­to­res Mi­cha­el Por­ter (um ad­mi­ra­do pro­fes­sor da HBS) e Kathe­ri­ne Gehl (uma ativista e re­for­ma­do­ra po­lí­ti­ca), o es­tu­do diz que o pro­ble­ma com a po­lí­ti­ca nos EUA é a fal­ta de con­cor­rên­cia. Is­so por­que, em­bo­ra ha­ja uma gran­de ri­va­li­da­de en­tre es­quer­da e di­rei­ta, as es­tru­tu­ras po­lí­ti­cas fun­da­men­tais não en­fren­tam ne­nhu­ma rup­tu­ra pro­vo­ca­da por mo­de­los al­ter­na­ti­vos — e, as­sim, ne­nhu­ma pres­são pa­ra aten­der de fa­to aos “con­su­mi­do­res” (ou se­ja, os elei­to­res).

“O com­ple­xo in­dus­tri­al po­lí­ti­co é o ‘big bu­si­ness’ e pra­ti­ca­men­te to­dos os par­ti­ci­pan­tes es­tão co­nec­ta­dos de um la­do ou de ou­tro do du­o­pó­lio”, diz o es­tu­do da HBS. “Ad­ver­sá­ri­os es­tão en­trin­chei­ra­dos, iso­la­dos das pres­sões pa­ra ser­vir me­lhor os cli­en­tes”. Ou, co­lo­can­do de um ou­tro mo­do, o ver­da­dei­ro pro­ble­ma é que a in­dús­tria po­lí­ti­ca dos EUA — ao con­trá­rio de qua­se to­dos os ou­tros se­to­res de ne­gó­ci­os — es­cre­ve su­as pró­pri­as re­gras de en­ga­ja­men­to. Os in­cen­ti­vos fi­nan­cei­ros fa­vo­re­cem os po­lí­ti­cos que po­dem con­tro­lar se­gui­do­res le­ais e ra­di­cais, es­ti­mu­lan­do as­sim mais po­la­ri­za­ção.

Di­an­te des­sa es­tru­tu­ra co­mer­ci­al, tal­vez não se­ja sur­pre­sa que es­sa “mai­o­ria es­go­ta­da” per­ma­ne­ça si­len­ci­o­sa. Tam­bém não é sur­pre­sa que tan­tos ame­ri­ca­nos se sin­tam des­mo­ti­va­dos. Há al­gu­ma coi­sa ca­paz de mu­dar is­so? Es­sa é a ver­da­dei­ra per­gun­ta que to­dos pre­ci­sam con­si­de­rar nas elei­ções legislativas de no­vem­bro. Ou­ça o si­lên­cio — e não ape­nas o ba­ru­lho.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.