Bra­sil se con­tra­põe à pro­pos­ta dos EUA de não ta­xar pro­du­tos di­gi­tais

Valor Econômico - - INTERNACIONAL - As­sis Mo­rei­ra

O Bra­sil tem si­do até ago­ra o úni­co con­tra­pon­to às pro­pos­tas dos EUA e de ou­tros paí­ses de­sen­vol­vi­dos pa­ra a ne­go­ci­a­ção de co­mér­cio ele­trô­ni­co na Or­ga­ni­za­ção Mun­di­al do Co­mér­cio (OMC), se­gun­do ob­ser­va­do­res na en­ti­da­de.

Is­so ocor­re por­que os paí­ses em de­sen­vol­vi­men­to dei­xa­ram o Bra­sil só no de­ba­te. Ín­dia e Áfri­ca do Sul não par­ti­ci­pam. A Chi­na par­ti­ci­pa mas, co­mo é o prin­ci­pal al­vo ame­ri­ca­no, es­tá mui­to cui­da­do­sa e mais acom­pa­nha que in­ter­vém.

A ex­pec­ta­ti­va é que o Bra­sil con­ti­nu­a­rá ten­do pa­pel re­le­van­te pa­ra con­se­guir um re­sul­ta­do mais equi­li­bra­do na ne­go­ci­a­ção plu­ri­la­te­ral (par­ti­ci­pa quem qui­ser) que de­ve ser lan­ça­da na vi­ra­da do ano.

Co­mo o Va­lor pu­bli­cou, os EUA pro­põem a proi­bi­ção de co­bran­ça de ta­ri­fa ou ou­tra ta­xa na im­por­ta­ção de pro­du­tos trans­mi­ti­dos ele­tro­ni­ca­men­te, além de li­ber­da­de na lo­ca­li­za­ção de ser­vi­do­res e não abrir o có­di­go fon­te de softwa­res.

Na prá­ti­ca, EUA e ou­tros de­sen­vol­vi­dos pro­cu­ram trans­por pa­ra a OMC o ti­po de nor­ma que já ne­go­ci­a­ram em al­guns acor­dos co­mer­ci­ais, in­cluin­do o no­vo Naf­ta (EUA, Mé­xi­co e Ca­na­dá) e a TPP (Par­ce­ria Trans­pa­cí­fi­co, de 11 paí­ses, da qu­al os EUA saí­ram em 2017).

Do ou­tro la­do, do­cu­men­to “ex­plo­ra­tó­rio” que o Bra­sil apre­sen­tou em abril na OMC si­na­li­zou di­fi­cul­da­de de acei­tar a li­ber­da­de de flu­xos de­se­ja­da pe­los paí­ses ri­cos.

O mes­mo ocor­re so­bre a lo­ca­li­za­ção dos ser­vi­do­res. Os EUA que­rem ab­so­lu­ta li­ber­da­de e, por­tan­to, má­xi­ma des­re­gu­la­men­ta­ção. Já o Bra­sil quer dis­cu­tir a ca­pa­ci­da­de de re­gu­la­men­ta­ção, ou se­ja, de exi­gir que o ser­vi­dor fi­que fi­si­ca­men­te no Bra­sil, pois is­so tem a ver com ju­ris­di­ção.

Além dis­so, o Bra­sil si­na­li­zou que, com o avan­ço da eco­no­mia di­gi­tal, não dá pa­ra um país re­nun­ci­ar à co­bran­ça. É que is­so sig­ni­fi­ca­ria, na prá­ti­ca, li­be­ra­li­zar sem ne­go­ci­ar, en­quan­to em te­mas tra­di­ci­o­nais, co­mo agricultura, as ne­go­ci­a­ções não avan­çam. A de­le­ga­ção bra­si­lei­ra co­bra ain­da a in­clu­são de te­mas que não fo­ram tra­ta­dos ain­da, co­mo o da con­cor­rên­cia. O ar­gu­men­to é que pla­ta­for­mas co­mo Fa­ce­bo­ok, Go­o­gle, Ama­zon, são mo­no­po­lis­tas.

A Câ­ma­ra de Co­mér­cio In­ter­na­ci­o­nal (ICC, na si­gla em in­glês) di­vul­gou co­mu­ni­ca­do re­cen­te­men­te en­co­ra­jan­do os paí­ses a avan­çar nu­ma ne­go­ci­a­ção so­bre co­mér­cio ele­trô­ni­co na OMC, di­an­te de sua cres­cen­te im­por­tân­cia na eco­no­mia glo­bal. O do­cu­men­to pe­de uma abor­da­gem co­mum que re­sul­te num qua­dro re­gu­la­tó­rio “co­e­ren­te”, não li­mi­ta­do a flu­xos de da­dos trans­fron­tei­ras, lo­ca­li­za­ção de ser­vi­do­res, te­le­co­mu­ni­ca­ções, ci­ber­se­gu­ran­ça, ta­xa­ção e pro­te­ção do con­su­mi­dor.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.