Bol­so­na­ris­tas já dis­pu­tam pre­si­dên­cia da Câ­ma­ra

Valor Econômico - - POLÍTICA - Rapha­el Di Cun­to e Mar­ce­lo Ri­bei­ro

A elei­ção pre­si­den­ci­al só aca­ba em três se­ma­nas, mas a ba­se bol­so­na­ris­ta já dis­pu­ta pa­ra ver quem se­rá o pró­xi­mo pre­si­den­te da Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos. Cin­co no­mes cir­cu­lam até ago­ra: dois no­va­tos com pou­cas chan­ces de vi­tó­ria, dois ali­a­dos de Jair Bol­so­na­ro (PSL) que se re­e­le­ge­ram e o fi­lho do pre­si­den­ciá­vel, Edu­ar­do Bol­so­na­ro (PSL-SP), re­e­lei­to com a mai­or vo­ta­ção da his­tó­ria.

Edu­ar­do re­ce­beu 1,8 mi­lhão de vo­tos e aju­dou a fa­zer do PSL a se­gun­da mai­or ban­ca­da da Câ­ma­ra, com 52 de­pu­ta­dos. “Ele co­lo­cou o par­ti­do co­mo o se­gun­do mai­or da Câ­ma­ra, te­rá li­ga­ção di­re­ta com o pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca. Ho­je mi­nha in­di­ca­ção se­ria a de­le”, diz o de­pu­ta­do Éder Mau­ro (PSD-PA), um dos ali­a­dos de Bol­so­na­ro que se re­e­le­ge­ram.

Par­la­men­ta­res mais an­ti­gos res­sal­tam que is­so se­ria im­pro­vá­vel. Mes­mo com a for­ça que o pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca tem após ser apro­va­do nas ur­nas, ele­ger um fi­lho de­le pa­ra pre­si­den­te da Câ­ma­ra se­ria tor­nar o Le­gis­la­ti­vo ex­tre­ma­men­te su­bal­ter­no ao Exe­cu­ti­vo. A vo­ta­ção é se­cre­ta.

O pró­prio Edu­ar­do des­car­ta as­su­mir o car­go pe­lo im­pe­di­ti­vo da ida­de. O pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca pre­ci­sa ter no mí­ni­mo 35 anos. O pre­si­den­te da Câ­ma­ra é o ter­cei­ro na li­nha su­ces­só­ria, mas Edu­ar­do te­ria 34 anos e fi­ca­ria proi­bi­do de as­su­mir o car­go. O par­la­men­tar dis­se que ain­da ha­ve­rá mui­ta ar­ti­cu­la­ção an­tes do par­ti­do fe­char um no­me, mas que, na vi­são de­le, ser do PSL não é pro­ble­ma. “O re­qui­si­to é que se­ja al­guém que te­nha ex­pe­ri­ên­cia, que sai­ba o re­gi­men­to in­ter­no e que te­nha pul­so pa­ra le­var is­so daí”, afir­mou.

Dois ali­a­dos do pre­si­den­ciá­vel se mo­vi­men­tam. O de­pu­ta­do ca­pi­tão Au­gus­to Ro­sa (PR-SP) já co­me­çou a fa­zer cam­pa­nha publicamente. Ne­go­ci­ou com in­te­gran­tes da ban­ca­da evan­gé­li­ca o com­pro­mis­so de que não pau­ta­rá ne­nhum pro­je­to que “aten­te” con­tra a fa­mí­lia, se reu­niu com o pre­si­den­te do PR em bus­ca de con­sen­so em tor­no do seu no­me e tem con­ver­sa­do com lí­de­res do PSL pa­ra re­ce­ber apoio da si­gla.

Au­gus­to pre­si­di­rá a ban­ca­da da ba­la no ano que vem, com a saí­da do de­pu­ta­do Al­ber­to Fra­ga (DEM-DF), e ten­ta con­ven­cer os ou­tros 69 de­pu­ta­dos de São Pau­lo a vo­ta­rem ne­le pa­ra que o Es­ta­do vol­te a co­man­dar a Câ­ma­ra de­pois de oi­to anos. “Os no­va­tos não têm chan­ce e ou­tros os ali­a­dos do Bol­so­na­ro re­e­lei­tos têm per­fil mais ra­di­cal, vão sem­pre pa­ra a tri­bu­na ata­car a opo­si­ção. Is­so ren­de vo­tos lá fo­ra, mas aqui den­tro não. Pre­ci­sa ser al­guém com mais diá­lo­go”, dis­se.

Ou­tro que tra­ba­lha pa­ra che­gar ao car­go, mas por en­quan­to ape­nas nos bas­ti­do­res, é o de­pu­ta­do de­le­ga­do Wal­dir (PSL), du­as ve­zes o mais vo­ta­do de Goiás. Ele, que faz par­te do gru­po que vai pa­ra o en­fren­ta­men­to com a opo­si­ção, ne­ga con­ver­sas pa­ra con­cor­rer ao pos­to e diz que o as­sun­to é pa­ra de­pois do se­gun­do tur­no. “O pes­so­al pre­ci­sa des­cer do sal­to al­to e tra­ba­lhar. Tem que res­pei­tar o po­vo, o Bol­so­na­ro ain­da não foi elei­to”, afir­mou.

No gru­po dos no­va­tos es­tão Lu­ci­a­no Bi­var (PE), pre­si­den­te li­cen­ci­a­do do PSL, que rei­vin­di­cou o co­man­do da Câ­ma­ra pa­ra o par­ti­do, e Kim Ka­ta­gui­ri (DEMSP), lí­der do Mo­vi­men­to Bra­sil Li­vre (MBL), um dos que or­ga­ni­zou os protestos pe­lo im­pe­a­ch­ment da ex-pre­si­den­te Dil­ma Rous­seff (PT). O DEM es­ta­va co­li­ga­do com Geraldo Alck­min (PSDB), mas Ka­ta­gui­ri fez cam­pa­nha pa­ra Bol­so­na­ro. An­tes mes­mo de to­mar pos­se, ele lan­çou a can­di­da­tu­ra à pre­si­dên­cia da Câ­ma­ra, ho­je co­man­da­da pe­lo cor­re­li­gi­o­ná­rio Ro­dri­go Maia (DEM-RJ), que ain­da so­nha com a re­e­lei­ção.

A ava­li­a­ção dos de­pu­ta­dos mais an­ti­gos é que os no­vos po­dem até “ba­ter bum­bo” pa­ra ge­rar mí­dia ex­ter­na, mas que não tem chan­ces re­ais de vi­tó­ria. Ape­sar da re­no­va­ção re­cor­de, de 52% da Câ­ma­ra, ou­tros 48% man­ti­ve­ram seus man­da­tos, e o trân­si­to en­tre es­ses elei­to­res sem­pre foi vi­tal pa­ra che­gar ao car­go. Além dis­so, o pos­to exi­ge co­nhe­ci­men­to do fun­ci­o­na­men­to da Ca­sa e do re­gi­men­to in­ter­no. E o PSL, por mai­or que te­nha fi­ca­do, ain­da re­pre­sen­ta só 10% da Câ­ma­ra, o que exi­gi­rá de Bol­so­na­ro am­plas ali­an­ças pa­ra go­ver­nar.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.