So­bre­vi­ven­te do clã Sar­ney na po­lí­ti­ca é adepto do lu­lis­mo

Valor Econômico - - POLÍTICA - Mar­ce­lo Ri­bei­ro

Di­zi­ma­do pe­los elei­to­res do Ma­ra­nhão, o clã Sar­ney — com­pos­to pe­las fa­mí­li­as Sar­ney, Lo­bão e Mu­rad — ga­nhou uma so­bre­vi­da com a re­e­lei­ção de Adri­a­no Sar­ney co­mo de­pu­ta­do es­ta­du­al. Com o re­sul­ta­do, o ne­to de Sar­ney fi­ca­rá en­car­re­ga­do de ga­ran­tir que o gru­po co­man­da­do pe­lo ex-pre­si­den­te con­ti­nue ten­do in­fluên­cia no ce­ná­rio es­ta­du­al até a pró­xi­ma dis­pu­ta.

Adri­a­no com­par­ti­lhou com in­ter­lo­cu­to­res o di­ag­nós­ti­co de que a on­da por re­no­va­ção — que, em sua ava­li­a­ção, vem pre­va­le­cen­do no es­ta­do des­de 2014 — atro­pe­lou as pre­ten­sões elei­to­rais de sua tia Ro­se­a­na Sar­ney (MDB), que foi der­ro­ta­da pe­lo go­ver­na­dor Flá­vio Di­no no pri­mei­ro tur­no, e de seu pai, o ex­mi­nis­tro Sar­ney Fi­lho (PV), que não con­se­guiu ga­ran­tir uma das ca­dei­ras do Se­na­do, sen­do der­ro­ta­do por Eli­zi­a­ne Ga­ma (PPS) e We­ver­ton Ro­cha (PDT), am­bos ali­a­dos do go­ver­na­dor re­e­lei­to.

Ali­a­dos atri­buí­ram o fei­to al­can­ça­do pe­lo ne­to de Sar­ney ao fa­to de ele ter si­do o úni­co do gru­po que não ten­tou em­pla­car com um dis­cur­so con­trá­rio a Di­no, re­e­lei­to ao go­ver­no ma­ra­nhen­se no pri­mei­ro tur­no com apoio de qua­se 60% do elei­to­ra­do. O tra­to pa­cí­fi­co com o de­sa­fe­to do clã abre espaço pa­ra ques­ti­o­na­men­tos so­bre sua ca­pa­ci­da­de de sus­ten­tar a ban­dei­ra e o po­der de in­fluên­cia do gru­po nos pró­xi­mos anos.

Além de Ro­se­a­na e Sar­ney Fi­lho, o se­na­dor Edi­son Lo­bão (MDB), que era can­di­da­to à re­e­lei­ção em bus­ca do quin­to man­da­to na Ca­sa, tam­bém foi der­ro­ta­do nas ur­nas. O apoio ao im­pe­a­ch­ment de Dil­ma Rous­seff em 2016 com­pro­me­teu as chan­ces do gru­po em um Es­ta­do em que Luiz Iná­cio Lu­la da Sil­va man­tém gran­de pres­tí­gio.

Du­ran­te a cam­pa­nha, Ro­se­a­na deu di­ver­sas de­cla­ra­ções em apoio à li­ber­da­de de Lu­la e ao di­rei­to do pe­tis­ta de ser can­di­da­to ao Pla­nal­to. Os in­te­gran­tes do gru­po, po­rém, re­co­nhe­ce­ram que a ini­ci­a­ti­va não sur­tiu efei­to. “Já era tar­de, por­que o nos­so apoio ao im­pe­a­ch­ment nos afas­tou dos elei­to­res fiéis de Lu­la. Ace­nar em no­me de sua li­ber­da­de não fa­ria com que o apoio des­ses elei­to­res re­tor­nas­sem ao nos­so gru­po”, dis­se um dos in­te­gran­tes do clã após o re­sul­ta­do ne­ga­ti­vo nas ur­nas.

Pa­ra re­mon­tar o po­der do gru­po, os pri­mei­ros pas­sos de­vem ser da­dos jus­ta­men­te em di­re­ção ao PT, de Lu­la. Um even­tu­al apoio à can­di­da­tu­ra de Fer­nan­do Had­dad à Pre­si­dên­cia da Re­pú­bli­ca é con­si­de­ra­da fun­da­men­tal pa­ra que o clã ga­nhe fô­le­go em elei­ções fu­tu­ras. In­te­gran­tes do gru­po re­co­nhe­cem que é ho­ra de dei­xar o or­gu­lho de la­do e se jun­tar a Di­no nes­sa em­prei­ta­da con­tra Bol­so­na­ro.

Com es­se pri­mei­ro mo­vi­men­to, eles acre­di­tam que par­te do elei­to­ra­do lu­lis­ta po­de­rá en­sai­ar um fler­te com o clã Sar­ney e, no lon­go pra­zo, mi­grar seu apoio aos sar­ney­zis­tas. Até lá, po­rém, Adri­a­no Sar­ney te­rá que le­var o gru­po nas cos­tas. A pos­tu­ra mais con­ti­da de­le, po­rém, não agra­da a mui­tos ali­a­dos.

As co­bran­ças pa­ra que ele te­nha mais fir­me­za em seu se­gun­do man­da­to na As­sem­bleia Le­gis­la­ti­va do Ma­ra­nhão já co­me­ça­ram a che­gar. Pa­ra ali­a­dos, es­se é o úni­co ca­mi­nho pa­ra que a so­bre­vi­vên­cia do clã ul­tra­pas­se 2022. Se op­tar por man­ter o com­por­ta­men­to mais só­brio, in­te­gran­tes do gru­po opi­nam que Adri­a­no fi­ca­rá lon­ge de con­quis­tar a mes­ma en­ver­ga­du­ra do pre­fei­to de Sal­va­dor e pre­si­den­te na­ci­o­nal do DEM, ACM Ne­to, que con­se­guiu dar no­vo fô­le­go a fa­mí­lia Ma­ga­lhães na Bahia.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.