En­tre a efi­ci­ên­cia ener­gé­ti­ca e o di­rei­to à pri­va­ci­da­de

Há di­le­ma en­tre si­gi­lo de há­bi­tos de con­su­mo e ex­pan­são do sis­te­ma. Por Ro­sa­ne Me­ne­zes e Lu­cas Gui­ma­rães

Valor Econômico - - OPINIÃO -

Em 12 de ju­nho, a Co­mis­são de Ser­vi­ços de Infraestrutura (CI) apro­vou o Pro­je­to de Lei do Se­na­do no 356/17 (PLS 356/17), que bus­ca in­cen­ti­var a im­plan­ta­ção de re­des elé­tri­cas in­te­li­gen­tes, os cha­ma­dos smart grids. Há ao me­nos ou­tros dois pro­je­tos em tra­mi­ta­ção no Con­gres­so — o PL 3337/12 e PLS 84/12 —, mas o que foi re­cen­te­men­te apro­va­do pe­la CI do Se­na­do pa­re­ce se­guir bom ca­mi­nho pa­ra sua apro­va­ção.

São inú­me­ras as van­ta­gens de­cor­ren­tes da im­plan­ta­ção dos smart grids. De for­ma ge­né­ri­ca, re­des in­te­li­gen­tes per­mi­tem a in­te­gra­ção de tec­no­lo­gi­as, pro­du­tos e ser­vi­ços ino­va­do­res e dis­rup­ti­vos — tais co­mo sen­so­res, mi­cro­pro­ces­sa­do­res, me­di­do­res, ins­tru­men­tos de te­le­co­mu­ni­ca­ções e ou­tros dis­po­si­ti­vos —, que pos­si­bi­li­tam um me­lhor ge­ren­ci­a­men­to e mo­ni­to­ra­men­to de to­da a re­de elé­tri­ca, in­do des­de a usi­na de ge­ra­ção de ener­gia até o in­te­ri­or de ca­sas re­si­den­ci­ais.

De mo­do es­pe­cí­fi­co, al­gu­mas van­ta­gens sal­tam aos olhos, tais co­mo a ins­ta­la­ção de sen­so­res em di­ver­sos pon­tos da re­de de dis­tri­bui­ção de uma con­ces­si­o­ná­ria com o fim de de­tec­tar o fur­to de ele­tri­ci­da­de. Ou ain­da o uso de vi­as di­gi­tais de co­mu­ni­ca­ção en­tre ge­ra­do­ra e trans­mis­so­ra, ou en­tre dis­tri­bui­do­ra e con­su­mi­dor, oti­mi­zan­do a ope­ra­ção da re­de e con­tri­buin­do pa­ra o au­men­to da efi­ci­ên­cia ener­gé­ti­ca.

Mas is­so não é tu­do. Smart grids pos­si­bi­li­tam que re­des de ele­tri­ci­da­de, au­to­no­ma­men­te, iden­ti­fi­quem e cor­ri­jam gar­ga­los e pro­ble­mas tem­po­rá­ri­os na re­de (tec­no­lo­gia self-he­a­ling). Vi­a­bi­li­zam, tam­bém, a im­plan­ta­ção dos cha­ma­dos mi­cro grids, sis­te­mas des­cen­tra­li­za­dos nos quais gran­des con­su­mi­do­res — in­dús­tri­as, po­los pe­troquí­mi­cos, fá­bri­cas — po­dem va­ler-se de uma com­bi­na­ção de fon­tes de ener­gia, tais co­mo pai­néis so­la­res e ba­te­ri­as, pa­ra aten­der su­as de­man­das por ele­tri­ci­da­de, de­pen­den­do ca­da vez me­nos do for­ne­ci­men­to ofe­re­ci­do pe­la con­ces­si­o­ná­ria lo­cal.

Em es­pe­ci­al, uma mai­or tro­ca de in­for­ma­ções en­tre a con­ces­si­o­ná­ria de dis­tri­bui­ção de ele­tri­ci­da­de e o con­su­mi­dor, au­xi­li­a­da pe­lo uso de me­di­do­res in­te­li­gen­tes e pe­la di­fu­são da In­ter­net das Coi­sas (IoT na si­gla em in­glês), traz um po­ten­ci­al dis­rup­ti­vo ele­va­do, já que a in­te­ra­ção pas­sa a ocor­rer em tem­po re­al e tor­na-se mais fá­cil pre­ver a de­man­da e tor­nar o con­su­mi­dor cons­ci­en­te da sua re­la­ção com a ele­tri­ci­da­de.

No fim do dia, tem-se uma ope­ra­ção do se­tor oti­mi­za­da, re­sul­tan­do em efi­ci­ên­cia ener­gé­ti­ca, me­nos des­per­dí­cio de ener­gia e re­tar­da­men­to de in­ves­ti­men­tos em no­va infraestrutura, em fa­vor do meio am­bi­en­te.

Con­tu­do, a im­plan­ta­ção de smart grids e o uso de me­di­do­res in­te­li­gen­tes traz con­si­go uma sé­rie de ques­tões ju­rí­di­cas e re­gu­la­tó­ri­as, as quais ain­da pre­ci­sam ser ade­qua­da­men­te en­de­re­ça­das pe­las au­to­ri­da­des go­ver­na­men­tais.

Pe­lo la­do re­gu­la­tó­rio, a Ane­el ain­da não re­co­nhe­ce, no cál­cu­lo da ta­ri­fa de ener­gia, to­dos os in­ves­ti­men­tos em tec­no­lo­gia e mo­der­ni­za­ção da re­de fei­tos pe­las dis­tri­bui­do­ras. Sem es­se re­co­nhe­ci­men­to, há pou­co in­cen­ti­vo pa­ra que as con­ces­si­o­ná­ri­as abra­cem a cau­sa. Ain­da, no ca­so de um in­ves­ti­men­to em smart grids fei­to por uma trans­mis­so­ra, mas que ge­re efei­tos be­né­fi­cos a uma dis­tri­bui­do­ra, não há con­sen­so qu­an­to à for­ma de re­co­nhe­cer fi­nan­cei­ra­men­te es­te in­ves­ti­men­to.

Além dis­so, me­di­do­res in­te­li­gen­tes são ca­ros e viá­veis eco­no­mi­ca­men­te ape­nas pa­ra gran­des con­su­mi­do­res. Uma di­fu­são em mas­sa dos me­di­do­res in­te­li­gen­tes ain­da não foi ve­ri­fi­ca­da, mes­mo com a re­gu­la­men­ta­ção da ta­ri­fa bran­ca pe­la Ane­el — re­gi­me ta­ri­fá­rio ca­rac­te­ri­za­do pe­la va­ri­a­ção do pre­ço da ele­tri­ci­da­de em ra­zão dos pe­río­dos de pi­co ou fo­ra de pi­co.

Pe­lo la­do emi­nen­te­men­te ju­rí­di­co, o en­vio de in­for­ma­ções so­bre o con­su­mo de um bem es­sen­ci­al pa­ra a dis­tri­bui­do­ra de ener­gia aden­tra em área ex­tre­ma­men­te sen­sí­vel ao ci­da­dão: sua pri­va­ci­da­de.

Com me­di­do­res in­te­li­gen­tes trans­mi­tin­do em tem­po re­al os da­dos so­bre con­su­mo de ele­tri­ci­da­de de uma ca­sa, ali­a­da à ca­da vez mais di­fun­di­da IoT, é pos­sí­vel es­ti­mar quan­do as pes­so­as de uma re­si­dên­cia acor­dam, quan­do sa­em de fé­ri­as, se com­pra­ram ele­tro­do­més­ti­cos no­vos ou se fi­ca­ram ven­do TV até tar­de da noi­te, por exem­plo.

Com a trans­mis­são des­tes da­dos pe­la in­ter­net, sur­ge o ris­co de in­ter­cep­ção da trans­mis­são dos da­dos por hac­kers, exi­gin­do in­ves­ti­men­tos em se­gu­ran­ça ci­ber­né­ti­ca. Pa­ra fi­car em um exem­plo ape­nas, os da­dos re­la­ci­o­na­dos aos há­bi­tos de con­su­mo de ele­tri­ci­da­de po­de­ri­am ser co­mer­ci­a­li­za­dos com em­pre­sas de pu­bli­ci­da­de, com o in­tui­to de ofe­re­cer anún­ci­os per­so­na­li­za­dos, na ho­ra cer­ta. Is­so tu­do, sem que o con­su­mi­dor sai­ba ou quei­ra.

Re­cen­te­men­te, foi pu­bli­ca­da a Lei Ge­ral de Pro­te­ção de Da­dos, no 13.709/18, dis­ci­pli­nan­do a for­ma co­mo da­dos pes­so­ais de­vem ser tra­ta­dos, com vis­tas à sua pro­te­ção. A lei es­ta­be­le­ce, em sín­te­se, quais da­dos po­dem ser tra­ta­dos, quem po­de co­le­tá-los e pro­ces­sá-los, por qu­an­to tem­po o agen­te po­de man­ter tais da­dos e co­mo o con­sen­ti­men­to é da­do pe­la pes­soa na­tu­ral, per­mi­tin­do o tra­ta­men­to de da­dos a ela re­la­ci­o­na­dos.

A des­pei­to da dis­cus­são qu­an­to às es­fe­ras de apli­ca­ção da Lei no 13.709/18, vis­lum­bra-se sua apli­ca­ção ao se­tor elé­tri­co — con­si­de­ran­do que “da­dos ener­gé­ti­cos” es­ta­ri­am con­ti­dos em “da­dos pes­so­ais” —, em es­pe­ci­al com a trans­mis­são, co­le­ta e tra­ta­men­to de da­dos re­la­ci­o­na­dos ao con­su­mo de ele­tri­ci­da­de.

Pa­ra o con­su­mi­dor de ele­tri­ci­da­de, é fun­da­men­tal que ele não ape­nas sai­ba co­mo seus da­dos es­tão sen­do co­le­ta­dos e ar­ma­ze­na­dos, mas que tam­bém te­nha aces­so aos da­dos e pos­sa vol­tar atrás no con­sen­ti­men­to an­te­ri­or­men­te da­do. Po­rém, de­ve-se tam­bém ter em men­te que os be­ne­fí­ci­os ofe­re­ci­dos por me­di­do­res in­te­li­gen­tes de­pen­dem in­trin­se­ca­men­te da quan­ti­da­de e frequên­cia dos da­dos co­le­ta­dos.

Pa­ra além do tom alar­mis­ta, faz-se ne­ces­sá­rio que as au­to­ri­da­des go­ver­na­men­tais e a so­ci­e­da­de dis­cu­tam qu­al ní­vel de pri­va­ci­da­de — di­rei­to fun­da­men­tal, di­ga-se, fa­zen­do com que a apli­ca­ção de qu­al­quer nor­ma ten­den­te a li­mi­tar tal di­rei­to se­ja in­ter­pre­ta­da de for­ma res­tri­ti­va — é de­se­já­vel, num con­tex­to em que o aces­so aos da­dos re­la­ci­o­na­dos ao con­su­mo de ele­tri­ci­da­de vem se tor­nan­do fer­ra­men­ta in­dis­pen­sá­vel na pro­mo­ção de efi­ci­ên­cia ener­gé­ti­ca.

Um di­rei­to ab­so­lu­to à pri­va­ci­da­de po­de en­fra­que­cer o ob­je­ti­vo da efi­ci­ên­cia ener­gé­ti­ca — ex­tre­ma­men­te re­le­van­te pa­ra o com­ba­te à de­gra­da­ção am­bi­en­tal —, em de­tri­men­to de in­te­res­ses co­le­ti­vos, igual­men­te le­gí­ti­mos.

Com me­di­dor in­te­li­gen­te, é pos­sí­vel es­ti­mar quan­do as pes­so­as acor­dam, sa­em de fé­ri­as e o que com­pram

ISTOCK/GETTY IMA­GES

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.