Ex-mi­nis­tra diz que Had­dad cri­a­rá fun­do com 10% das re­ser­vas

Tan­to o co­or­de­na­dor do pro­gra­ma de Bol­so­na­ro qu­an­to de Had­dad ve­em pri­va­ti­za­ções com cau­te­la

Valor Econômico - - ESPECIAL - (DR)

A cam­pa­nha do pe­tis­ta Fer­nan­do Had­dad man­te­rá, no se­gun­do tur­no, o pla­no de cri­ar um fun­do com 10% das re­ser­vas in­ter­na­ci­o­nais pa­ra dar fô­le­go à infraestrutura no país. O ob­je­ti­vo é usar as “re­ser­vas ex­ce­den­tes” no fi­nan­ci­a­men­to de gran­des obras.

Mi­ri­am Bel­chi­or, ex-mi­nis­tra do Pla­ne­ja­men­to e co­or­de­na­do­ra do se­tor no pro­gra­ma de go­ver­no, dei­xa cla­ro que a even­tu­al vi­tó­ria de Had­dad le­va­ria a uma es­pé­cie de freio de ar­ru­ma­ção em ques­tões dis­cu­ti­das pe­la ad­mi­nis­tra­ção de Mi­chel Te­mer. Ela des­car­ta a pri­va­ti­za­ção da Ele­tro­bras e a ven­da, na atu­al con­jun­tu­ra econô­mi­ca, das par­ti­ci­pa­ções aci­o­ná­ri­as de 49% man­ti­das pe­la In­fra­e­ro nos ae­ro­por­tos já con­ce­di­dos. Tam­bém vê a ne­ces­si­da­de de um pen­te-fi­no nos pro­ces­sos de re­no­va­ção an­te­ci­pa­da das con­ces­sões de fer­ro­vi­as, em tro­ca de in­ves­ti­men­tos em ex­pan­são da ma­lha, por en­ten­der que é pre­ci­so ter mais cla­re­za so­bre o va­lor das con­tra­par­ti­das e ga­ran­tir di­rei­to de pas­sa­gem de um ope­ra­dor nos tri­lhos de ou­tra em­pre­sa.

Em en­tre­vis­ta ao Va­lor, por te­le­fo­ne, a ex-mi­nis­tra dis­se que o PT ava­lia po­si­ti­va­men­te a exi­gên­cia de con­teú­do na­ci­o­nal em al­guns se­to­res, co­mo equi­pa­men­tos pa­ra par­ques eó­li­cos e va­gões pa­ra pro­je­tos de mo­bi­li­da­de ur­ba­na. As ques­tões de trans­por­te pú­bli­co, por si­nal, são uma pri­o­ri­da­de. “Que­re­mos re­e­di­tar as par­ce­ri­as bem su­ce­di­das que ti­ve­mos com Es­ta­dos e mu­ni­cí­pi­os”, afir­mou Mi­ri­am, lem­bran­do a ex­pe­ri­ên­cia do PAC Mo­bi­li­da­de, lan­ça­do em 2012 e que pre­via re­cur­sos fe­de­rais pa­ra pro­je­tos to­ca­dos por go­ver­na­do­res e pre­fei­tos. O fo­co são me­trôs, VLTs, BRTs. “O que for trans­por­te de al­ta ca­pa­ci­da­de.”

O pro­gra­ma de Had­dad no se­tor, se­gun­do ela, tem dois pon­tos co­mo pre­mis­sas bá­si­cas. Um é de que in­ves­ti­men­tos das es­ta­tais e do Or­ça­men­to Ge­ral da União (OGU) de­vem ser ex­cluí­dos das me­tas de re­sul­ta­do fis­cal pri­má­rio. Es­sa po­lí­ti­ca foi, in­clu­si­ve, chan­ce­la­da pe­lo Fun­do Mo­ne­tá­rio In­ter­na­ci­o­nal (FMI) du­ran­te o pri­mei­ro man­da­to do ex-pre­si­den­te Luiz Iná­cio Lu­la da Sil­va.

A ou­tra pre­mis­sa é alo­car US$ 38 bi­lhões das re­ser­vas, o equi­va­len­te a 10% do to­tal, pa­ra um fun­do es­pe­cí­fi­co. “Às ve­zes as pes­so­as têm me­mó­ria cur­ta. Em 2003, quan­do o pre­si­den­te Lu­la as­su­miu, o mon­tan­te das nos­sas re­ser­vas in­ter­na­ci­o­nais era jus­ta­men­te de US$ 38 bi­lhões. Elas au­men­ta­ram dez ve­zes. É por is­so que, ape­sar do am­bi­en­te in­ter­na­ci­o­nal, não pre­ci­sa­mos re­cor­rer ao FMI, co­mo fez a Ar­gen­ti­na.”

Não se­ria al­go mal in­ter­pre­ta­do pe­lo mer­ca­do? Não se­ria o ca­so de fa­zer um ace­no tran­qui­li­za­dor de po­lí­ti­cas me­nos he­te­ro­do­xas? Mi­ri­am res­pon­de pron­ta­men­te: “O mai­or ace­no que po­de­mos fa­zer é lem­brar os 13 anos que pas­sa­mos no go­ver­no. Não pre­ci­sa­mos ago­ra de uma car­ta ao po­vo bra­si­lei­ro. A mar­ca dos nos­sos go­ver­nos é de po­lí­ti­ca fis­cal res­pon­sá­vel, es­ta­bi­li­da­de da dí­vi­da bru­ta, re­la­ção tran­qui­la com o mer­ca­do. Es­se é o mai­or ace­no que po­de­ría­mos ter fei­to. Es­se é o nos­so car­tão de vi­si­tas.”

A ex-mi­nis­tra, que tam­bém pre­si­diu a Cai­xa Econô­mi­ca Fe­de­ral, afir­ma que ou­tros me­ca­nis­mos de fi­nan­ci­a­men­to se­rão bus­ca­dos, co­mo o es­tí­mu­lo ao lan­ça­men­to de de­bên­tu­res e cré­di­to de ban­cos in­ter­na­ci­o­nais.

Ela faz uma de­fe­sa, po­rém, de con­ces­sões que não te­nham “me­ro in­te­res­se fis­ca­lis­ta” e nem se re­su­mam a “ge­rir ati­vos”. “Con­ces­são tem que in­cluir in­ves­ti­men­to pa­ra am­pli­ar a infraestrutura”, res­sal­ta. Ape­sar des­sa res­sal­va, no­vos lei­lões de ro­do­vi­as não de­vem ter cláu­su­las obri­ga­tó­ri­as de du­pli­ca­ção das pis­tas em cin­co anos, co­mo foi exi­gi­do no go­ver­no Dil­ma. De­ve-se op­tar, se­gun­do Mi­ri­am, por ga­ti­lhos de in­ves­ti­men­tos em tre­chos mais car­re­ga­dos.

A ex-mi­nis­tra acha que o go­ver­no Te­mer “não de­ve fa­zer na­da de afo­ga­di­lho e de ma­nei­ra aço­da­da” em ter­mos de no­vos lei­lões ou con­tra­tos. Is­so va­le, ob­ser­va, pa­ra a li­ci­ta­ção de mais 12 ae­ro­por­tos em blo­cos re­gi­o­nais e pa­ra a re­no­va­ção das con­ces­sões de fer­ro­vi­as. “A ques­tão cen­tral que es­ta­va na nos­sa pro­pos­ta [no go­ver­no Dil­ma] era ter cla­re­za so­bre a van­ta­gem de es­ten­der o con­tra­to. Não dá pa­ra fa­zer a re­no­va­ção sem es­sa ga­ran­tia”, fri­sa Mi­ri­am.

A ven­da das fa­ti­as aci­o­ná­ri­as de 49% da In­fra­e­ro em cin­co ae­ro­por­tos — Gu­a­ru­lhos, Ga­leão, Bra­sí­lia, Vi­ra­co­pos e Con­fins — de­ve ser in­ter­rom­pi­da. “O mo­men­to econô­mi­co é des­fa­vo­rá­vel pa­ra is­so. E fi­ze­mos o mais di­fí­cil, que fo­ram os apor­tes nas con­ces­si­o­ná­ri­as. Quan­do co­me­ça­mos a ter re­tor­no, a ter lu­cro, vende-se a par­ti­ci­pa­ção?”, ela ques­ti­o­na.

Mi­ri­am tam­bém ci­ta a con­tra­ta­ção de du­as mi­lhões de uni­da­des ha­bi­ta­ci­o­nais do Mi­nha Ca­sa, Mi­nha Vi­da, no ci­clo 2019-2022, en­tre as pri­o­ri­da­des má­xi­mas.

RUY BARON/VA­LOR

Fer­rei­ra: re­du­ção do Es­ta­do de­ve se dar em uma di­nâ­mi­ca que aten­da tan­to a Pau­lo Gu­e­des qu­an­to a Bol­so­na­ro

PE­DRO LADEIRA/FO­LHA­PRESS — 23/2/2015

Mi­ri­am, lem­bran­do o PAC: “Que­re­mos re­e­di­tar as par­ce­ri­as bem su­ce­di­das que ti­ve­mos com Es­ta­dos e mu­ni­cí­pi­os”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.