Ge­ne­ral quer aca­bar An­gra 3 e re­a­va­li­ar usi­nas na Amazô­nia

Valor Econômico - - ESPECIAL -

O ge­ne­ral da re­ser­va Oswal­do Fer­rei­ra, en­car­re­ga­do de cui­dar das dis­cus­sões so­bre infraestrutura na cam­pa­nha de Jair Bol­so­na­ro (PSL), de­fen­de a re­to­ma­da das obras de An­gra 3 e a re­a­ber­tu­ra de es­tu­dos pa­ra a me­gau­si­na de São Luiz do Ta­pa­jós, no Pa­rá, cu­jo pro­ces­so de li­cen­ci­a­men­to am­bi­en­tal foi ar­qui­va­do pe­lo Iba­ma. Ele tam­bém acre­di­ta que é pre­ci­so res­ga­tar, in­de­pen­den­te­men­te de de­ci­são, a aná­li­se de hi­dre­lé­tri­cas com gran­des re­ser­va­tó­ri­os na Amazô­nia. “Não po­de já ir se­pul­tan­do as coi­sas. Por que não es­tu­dar?”, ques­ti­o­na o ge­ne­ral, que tem se reu­ni­do to­das as quar­tas-fei­ras com es­pe­ci­a­lis­tas de vá­ri­as áre­as, to­dos co­la­bo­ra­do­res vo­lun­tá­ri­os, co­mo faz ques­tão de di­zer, no sub­so­lo de um ho­tel de pa­drão econô­mi­co na re­gião cen­tral de Bra­sí­lia.

Em en­tre­vis­ta on­tem ao Va­lor, in­ter­rom­pi­da por uma li­ga­ção de Bol­so­na­ro, en­quan­to o mé­di­co on­co­lo­gis­ta e em­pre­sá­rio Nel­son Tei­ch apre­sen­ta­va um di­ag­nós­ti­ca so­bre a área da saú­de em uma sa­la re­ser­va­da do ho­tel, o ofi­ci­al do Exér­ci­to evi­tou fa­lar so­bre o fu­tu­ro de em­pre­sas es­ta­tais pro­ble­má­ti­cas, co­mo a In­fra­e­ro e a Ele­tro­bras. “A ideia é re­du­zir o ta­ma­nho do Es­ta­do, mas den­tro de uma di­nâ­mi­ca que aten­da tan­to o dou­tor Pau­lo Gu­e­des qu­an­to o pró­prio Bol­so­na­ro”, afir­mou Fer­rei­ra. “Não me com- pe­te ne­nhu­ma ân­sia. Aqui­lo que é es­tra­té­gi­co te­rá tra­ta­men­to [di­fe­ren­ci­a­do]. Tu­do de­pen­de dos es­tu­dos que es­tão sen­do fei­tos.”

Ex-di­re­tor do de­par­ta­men­to de en­ge­nha­ria e cons­tru­ção do Exér­ci­to, on­de fi­cou até pas­sar pa­ra a re­ser­va em abril de 2017, Fer­rei­ra re­ce­beu uma li­ga­ção do de­pu­ta­do há pou­co mais de um ano. Bol­so­na­ro foi à ca­sa do ge­ne­ral. “Eu re­lu­ta­va em fa­zer qu­al­quer coi­sa, es­ta­va vi­ven­do a mi­nha no­va vi­di­nha, cui­dan­do da mi­nha fa­mí­lia e pla­ne­jan­do mi­nhas viagens, mas con­ver­sa­mos por du­as ho­ras. Ele me cha­mou pa­ra mu­dar o Bra­sil”, co­men­ta, dei­xan­do cla­ro que não há vin­cu­la­ção en­tre par­ti­ci­par das dis­cus­sões e ocu­par car­gos no go­ver­no.

Es­pe­cu­la­do co­mo pro­vá­vel mi­nis­tro dos Trans­por­tes, em ca­so de vi­tó­ria de Bol­so­na­ro, Fer­rei­ra si­na­li­za com a con­ti­nui­da­de do Pro­gra­ma de Par­ce­ri­as de In­ves­ti­men­tos (PPI) co­mo nú­cleo de de­sen­vol­vi­men­to de pro­je­tos pa­ra con­ces­são à ini­ci­a­ti­va pri­va­da. “O PPI se en­cai­xa em uma vi­são de Es­ta­do.”

Pa­ra o ge­ne­ral, uma pri­o­ri­da­de in­con­tes­tá­vel é con­cluir a pa­vi­men­ta­ção da BR-163, em um tre­cho de 65 quilô­me­tros en­tre No­vo Pro­gres­so e Mo­ra­es de Al­mei­da (PA). A obra es­tá sen­do to­ca­da pe­lo De­par­ta­men­to Na­ci­o­nal de Infraestrutura de Trans­por­tes (Dnit) e já pas­sou pe­los úl­ti­mos três go­ver­nos sem en­tre­ga no pra­zo pro­me­ti­do. “Eu fui o co­man­dan­te da com­pa­nhia [mi­li­tar] que cons­truiu os pri­mei­ros 13 quilô­me­tros da ro­do­via. Saí de pri­mei­ro-te­nen­te, na épo­ca, pa­ra ge­ne­ral do Exér­ci­to e ain­da es­ta­mos fa­zen­do o as­fal­ta­men­to da es­tra­da”, diz Fer­rei­ra, con­si­de­ran­do a de­mo­ra ina­cei­tá­vel. “A pri­o­ri­da­de é dar con­ti­nui­da­de à BR-163 e per­mi­tir que, no pró­xi­mo in­ver­no, os [ca­mi­nhões] bi­trens não fi­quem mais ato­la­dos.”

No se­tor elé­tri­co, ob­je­to da mo­no­gra­fia de Fer­rei­ra na Es­co­la de Co­man­do e Es­ta­do-Mai­or do Exér­ci­to, Fer­rei­ra cha­ma a aten­ção pa­ra o fa­to de que no­vos apro­vei­ta­men­tos hí­dri­cos es­tão es­sen­ci­al­men­te na Amazô­nia. “É um te­ma que pre­ci­sa ser es­tu­da­do. Não é que eu se­ja con­tra ou a fa­vor [usi­nas na re­gião], mas uma coi­sa que não po­de­mos ter de jei­to ne­nhum é apa­gão de ener­gia, nem uma ener­gia ca­ra de­mais.”

Em um de­se­nho da má­qui­na ad­mi­nis­tra­ti­va que es­tá sen­do fei­to pe­la equi­pe, co­gi­ta-se a fu­são do Iba­ma com o Ins­ti­tu­to Chi­co Men­des (ICMBio), res­pon­sá­vel pe­las uni­da­des de con­ser­va­ção.

Fer­rei­ra se diz de­fen­sor de par­ques eó­li­cos e da apos­ta em fon­te so­lar, mas pon­de­ra que elas não são su­fi­ci­en­tes pa­ra “se­gu­rar o cres­ci­men­to da eco­no­mia”. Ao fa­lar so­bre a ne­ces­si­da­de de ava­li­ar se no­vas hi­dre­lé­tri­cas po­dem ou não ter gran­des re­ser­va­tó­ri­os, ci­ta o ca­so da me­gau­si­na de Be­lo Mon­te (PA), que tem 11.233 me­gawatts de po­tên­cia ins­ta­la­da, mas ge­ra­ção mé­dia mui­to in­fe­ri­or du­ran­te a es­ti­a­gem, por ser a fio d’água. “Da ma­nei­ra co­mo foi fei­ta, che­ga a me­nos de 1.000 MW. Re­du­zi­mos a me­nos de 10% e cus­tou mais do que uma for­tu­na.”

O ge­ne­ral de­fen­de ain­da a re­to­ma­da das obras de An­gra 3, lem­bran­do que já fo­ram in­ves­ti­dos em tor­no de R$ 10 bi­lhões e que ela é im­por­tan­te não ape­nas na ma­triz elé­tri­ca, mas por ge­ra­ção de co­nhe­ci­men­to ci­en­tí­fi­co e pa­ra aber­tu­ra de em­pre­gos na cons­tru­ção.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.