Aci­o­nis­ta bra­si­lei­ro de­ci­de na Em­bra­er

BNDES e Previ po­de­rão atu­ar com 30% dos vo­tos na as­sem­bleia so­bre acor­do com Bo­eing

Valor Econômico - - EMPRESAS - Va­nes­sa Ada­chi Dis­tri­bui­ção do ca­pi­tal - em % O que diz o es­ta­tu­to so­bre di­rei­to de vo­to

Em­bo­ra te­nham po­si­ções aci­o­ná­ri­as mi­no­ri­tá­ri­as na Em­bra­er, a Previ, fun­do de pen­são dos fun­ci­o­ná­ri­os do Ban­co do Bra­sil e o BNDES (Ban­co Na­ci­o­nal de De­sen­vol­vi­men­to Econô­mi­co e So­ci­al) te­rão pa­pel de­ci­si­vo na as­sem­bleia de aci­o­nis­tas que apro­va­rá ou não a ven­da da di­vi­são de avi­a­ção co­mer­ci­al pa­ra a ame­ri­ca­na Bo­eing. No li­mi­te, em­bo­ra te­nham 3,91% e 5,37% das ações da em­pre­sa, res­pec­ti­va­men­te, po­de­rão atu­ar com qua­se 30% dos vo­tos na as­sem­bleia es­pe­ra­da pa­ra acon­te­cer em de­zem­bro. O per­cen­tu­al po­de ser até mai­or, de­pen­den­do do grau de com­pa­re­ci­men­to de ou­tros aci­o­nis­tas. Pa­ra apro­var a tran­sa­ção são ne­ces­sá­ri­os 50% dos vo­tos mais 1.

O que ex­pli­ca o pa­pel de­ter­mi­nan­te de am­bos é a com­po­si­ção aci­o­ná­ria da fa­bri­can­te bra­si­lei­ra de ae­ro­na­ves e tam­bém as re­gras de vo­to pre­vis­tas em seu es­ta­tu­to so­ci­al.

Ho­je, cer­ca de 80% das ações da com­pa­nhia são ne­go­ci­a­dos na bol­sa de No­va York por meio de ADRs (re­ci­bos de ações ne­go­ci­a­dos na bol­sa de No­va York). Os de­ten­to­res des­sas ações são con­si­de­ra­dos es­tran­gei­ros pa­ra efei­tos de vo­to. Ape­nas 20% das ações da Em­bra­er es­tão lis­ta­das no Bra­sil. Quem são os mai­o­res aci­o­nis­tas e as re­gras da as­sem­bleia da Em­bra­er

No en­tan­to, o es­ta­tu­to da em­pre­sa pre­vê que aci­o­nis­tas es­tran­gei­ros te­nham o po­der de vo­to li­mi­ta­do a dois ter­ços do vo­to al­can­ça­do pe­los bra­si­lei­ros em de­ter­mi­na­da as­sem­bleia. Já os bra­si­lei­ros, mes­mo com 20% dos pa­péis, não têm li­mi­ta­ção (a não ser a li­mi­ta­ção co­mum a to­dos de que ca­da aci­o­nis­ta só po­de exer­cer até 5% dos vo­tos, mes­mo que te­nha uma por­ção mai­or do ca­pi­tal).

Por con­ta des­sa re­gra, na prá­ti­ca os es­tran­gei­ros têm pe­so li­mi­ta­do a um má­xi­mo de 40% dos vo­tos, em­bo­ra te­nham 80% do ca­pi­tal. En­quan­to que os bra­si­lei­ros, em seu con­jun­to, vo­tam com no mí­ni­mo 60% do to­tal.

O po­der de vo­to de uma ação de es­tran­gei­ro é, na me­lhor das hi­pó­te­ses, me­ta­de da par­ti­ci­pa­ção aci­o­ná­ria efe­ti­va, en­quan­to o po­der de vo­to do pa­pel de­ti­do por um bra­si­lei­ro é mul­ti­pli­ca­do por três, no mí­ni­mo.

Co­mo a mai­or par­te do ca­pi­tal na bol­sa bra­si­lei­ra es­tá pul­ve­ri­za­do em pes­so­as fí­si­cas e fun­dos de in­ves­ti­men­to, são gran­des as chan­ces de que o pe­so de Previ e BNDES se­ja pro­por­ci­o­nal­men­te ain­da mai­or, de­pen­den­do do per­cen­tu­al de com­pa­re­ci­men­to de bra­si­lei­ros.

His­to­ri­ca­men­te, as as­sem­blei­as da Em­bra­er cos­tu­mam ter um bom ín­di­ce de par­ti­ci­pa­ção, em mé­dia de 75% dos aci­o­nis­tas de am­bos os la­dos.

Pro­cu­ra­dos pa­ra co­men­tar so­bre seu po­si­ci­o­na­men­to so­bre a tran­sa­ção, Previ e BNDES não se ma­ni­fes­ta­ram.

O Va­lor apu­rou que o BNDES, que ini­ci­al­men­te che­gou a in­te­grar o gru­po de tra­ba­lho do go­ver­no que ava­lia o ne­gó­cio, pre­fe­riu se afas­tar con­for­me as con­ver­sas avan­ça­ram, pa­ra evi­tar con­fli­to de in­te­res­ses, uma vez que é um aci­o­nis­ta re­le­van­te.

O fun­do de pen­são Previ ten­tou fa­zer con­ta­to com o BNDES pa­ra dis­cu­tir o as­sun­to, mas o ban­co pre­fe­riu não tro­car in­for­ma­ções no es­tá­gio atu­al.

Den­tro do fun­do de pen­são, ain­da não exis­te uma po­si­ção de vo­to to­ma­da a fa­vor ou con­tra a tran­sa­ção. Os exe­cu­ti­vos e téc­ni­cos da Previ ava­li­am que só se­rá pos­sí­vel to­mar uma de­ci­são quan­do to­dos os nú­me­ros da ope­ra­ção fo­rem re­ve­la­dos, pro­va­vel­men­te em no­vem­bro, in­di­can­do que a Previ po­de ten­tar ne­go­ci­ar um pre­ço me­lhor pe­lo ati­vo a ser ven­di­do pa­ra dar seu vo­to fa­vo­rá­vel.

A ven­da da área de avi­a­ção co­mer­ci­al da Em­bra­er e a cons­ti­tui­ção de uma joint ven­tu­re de De­fe­sa fo­ram anun­ci­a­das em ju­lho, quan­do as du­as em­pre­sas as­si­na­ram um me­mo­ran­do de en­ten­di­men­tos. De lá pa­ra cá, os con­tra­tos e con­di­ções têm si­do de­ta­lha­dos. A ex­pec­ta­ti­va de am­bos os la­dos é, tão lo­go ter­mi­ne a elei­ção pre­si­den­ci­al, apre­sen­tar os con­tra­tos ao go­ver­no e, se ti­ve­rem o aval, pros­se­guir com a as­si­na­tu­ra. Den­tro des­se cro­no­gra­ma, a as­sem­bleia de aci­o­nis­tas po­de­rá ser mar­ca­da pa­ra o iní­cio de de­zem­bro.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.