Em­ba­te de só­ci­os da CPFL Re­no­vá­veis che­ga ao fim

Valor Econômico - - | EMPRESAS INFRAESTRUTURA - Ca­mi­la Maia e Ivan Ryn­gel­blum

O em­ba­te en­tre os mi­no­ri­tá­ri­os da CPFL Re­no­vá­veis e a chi­ne­sa Sta­te Grid ca­mi­nha pa­ra che­gar ao fim. O co­le­gi­a­do da Co­mis­são de Va­lo­res Mo­bi­liá­ri­os (CVM) re­jei­tou o úl­ti­mo re­cur­so apre­sen­ta­do pe­los só­ci­os, e a Sta­te Grid de­ve lan­çar, nos pró­xi­mos di­as, uma ofer­ta pú­bli­ca de aqui­si­ção de ações (OPA) a R$ 14,60 por ação.

Cor­ri­gi­do pe­la Se­lic, o pre­ço se apro­xi­ma de R$ 17 por ação, aci­ma dos R$ 12,20 pro­pos­tos ori­gi­nal­men­te pe­la Sta­te Grid na ope­ra­ção. Com is­so, o mon­tan­te a ser de­sem­bol­sa­do pe­la chi­ne­sa na aqui­si­ção de 48,4% da CPFL Re­no­vá­veis vai su­bir pa­ra mais de R$ 4 bi­lhões. Com o pre­ço ori­gi­nal, o to­tal pa­go se­ria de cer­ca de R$ 3 bi­lhões.

Os mi­no­ri­tá­ri­os que­ri­am mais. A ofer­ta é obri­ga­tó­ria no con­tex­to da aqui­si­ção in­di­re­ta da CPFL Re­no­vá­veis pe­la Sta­te Grid, que fe­chou a com­pra da CPFL Ener­gia em ju­lho de 2016. Des­de o ano pas­sa­do, a chi­ne­sa pro­ta­go­ni­za o em­ba­te so­bre o pre­ço da OPA con­tra um gru­po de mi­no­ri­tá­ri­os que in­clui no­mes de pe­so co­mo BTG Pac­tu­al, Pá­tria, IFC, Ar­row, e o DEG, ban­co de fo­men­to da Ale­ma­nha.

No pri­mei­ro tri­mes­tre, a CVM re­jei­tou a demonstração jus­ti­fi­ca­da de pre­ços da Sta­te Grid, que apre­sen­tou, en­tão, uma no­va ofer­ta, de R$ 13,81 por ação. Os mi­no­ri­tá­ri­os vol­ta­ram à au­tar­quia, ale­gan­do que chi­ne­sa ti­nha usa­do da­dos de Ebit­da (re­sul­ta­do an­tes de ju­ros, im­pos­tos, de­pre­ci­a­ção e amor­ti­za­ção) ge­ren­ci­ais, e não se­guin­do os pa­drões con­tá­beis in­ter­na­ci­o­nais (IFRS), en­tre ou­tros pro­ble­mas na me­to­do­lo­gia.

A área téc­ni­ca da CVM, en­tão, exi­giu as mu­dan­ças nas pre­mis­sas, que che­ga­ram ao no­vo pre­ço. O va­lor de R$ 14,60 ti­nha si­do cal­cu­la­do pe­la pró­pria com­pa­nhia chi­ne­sa em um do­cu­men­to en­vi­a­do à au­tar­quia em ju­lho. Os mi­no­ri­tá­ri­os en­tra­ram com no­vo re­cur­so, pe­din­do ou­tras al­te­ra­ções na me­to­do­lo­gia, mas o co­le­gi­a­do da CVM de­ci­diu, na ter­ça-fei­ra, re­jei­tar o plei­to, por con­si­de­rar que os da­dos uti­li­za­dos já ga­ran­ti­am tra­ta­men­to isonô­mi­co aos aci­o­nis­tas.

Es­go­ta­dos os re­cur­sos na CVM, os mi­no­ri­tá­ri­os po­de­ri­am ir à Jus­ti­ça, o que não de­ve acon­te­cer, apu­rou o Va­lor. A ten­dên­cia é que a OPA se­ja con­cluí­da en­tre o fim de no­vem­bro e iní­cio de de­zem­bro.

Em no­ta, a Sta­te Grid dis­se que a de­ci­são “mos­tra que a au­tar­quia en­ten­deu e con­cor­da que a no­va demonstração jus­ti­fi­ca­da de pre­ços foi ela­bo­ra­da com cui­da­do pa­ra aten­der as ori­en­ta­ções do co­le­gi­a­do e da área téc­ni­ca.”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.