Fal­ta de de­ta­lhes man­tém ban­cos cau­te­lo­sos com pla­no de Bol­so­na­ro

Pa­ra exe­cu­ti­vos do se­tor, idei­as vão na di­re­ção cor­re­ta, mas im­ple­men­ta­ção é dú­vi­da

Valor Econômico - - FINANÇAS -

Ape­sar da eu­fo­ria ini­ci­al do mer­ca­do fi­nan­cei­ro com o re­sul­ta­do das elei­ções no pri­mei­ro tur­no, um pos­sí­vel go­ver­no de Jair Bol­so­na­ro (PSL) é vis­to com cau­te­la por exe­cu­ti­vos de ban­cos de va­re­jo. A leitura é que, em­bo­ra as pro­pos­tas do pre­si­den­ciá­vel pa­ra a eco­no­mia apon­tem pa­ra a di­re­ção que con­si­de­ram cor­re­ta, ain­da há pou­ca cla­re­za so­bre co­mo se­rão im­ple­men­ta­das.

Bol­so­na­ro tem o be­ne­fí­cio da dú­vi­da, até por­que o se­tor re­cha­ça a po­lí­ti­ca econô­mi­ca ado­ta­da no go­ver­no Dil­ma Rous­seff (PT). Mas seis fon­tes ou­vi­das pe­lo Va­lor — es­pe­ci­al­men­te as li­ga­das ao cré­di­to — aguar­dam um de­ta­lha­men­to das me­di­das e ava­li­am que a eco­no­mia re­al le­va­rá tem­po pa­ra re­a­gir de for­ma mais con­sis­ten­te.

Fal­ta pro­je­to ao pre­si­den­ciá­vel do PSL tan­to qu­an­to a Fer­nan­do Had­dad (PT), afir­ma um di­re­tor de uma im­por­tan­te ins­ti­tui­ção fi­nan­cei­ra. Em­bo­ra di­ver­gen­tes, os dois pro­gra­mas são va­gos, se­gun­do es­sa fon­te, que fa­lou sob a con­di­ção de ano­ni­ma­to.

Ou­tra pre­o­cu­pa­ção ma­ni­fes­ta­da pe­lo exe­cu­ti­vo é que mui­tas das me­di­das que a equi­pe de Bol­so­na­ro pro­põe de­pen­dem de mai­o­ria de dois ter­ços no Con­gres­so — al­go não tão sim­ples de con­se­guir, ape­sar da ba­se cons­truí­da pe­lo PSL nas ur­nas.

Es­sa fon­te, que atua no seg­men­to de va­re­jo, ob­ser­va que o cré­di­to já vem se re­cu­pe­ran­do com a es­ta­bi­li­za­ção da eco­no­mia nos úl­ti­mos dois anos e bas­ta­ria “não me­xer mui­to” pa­ra con­ti­nu­ar me­lho­ran­do. “O ide­al era man­ter a equi­pe econô­mi­ca atu­al e o cré­di­to an­da­ria por con­ta pró­pria”, afir­ma.

O pre­si­den­te do Ban­co Cen­tral (BC), Ilan Gold­fajn, já foi son­da­do por as­ses­so­res de Bol­so­na­ro so­bre o in­te­res­se em per­ma­ne­cer no car­go, mas não se ma­ni­fes­tou até o mo­men­to.

Um exe­cu­ti­vo de ou­tro ban­co ava­lia que a ne­go­ci­a­ção com o Le­gis­la­ti­vo não se­rá fá­cil, e es­se pon­to é cru­ci­al pa­ra a apro­va­ção das re­for­mas. Pa­ra es­sa fon­te, é im­por­tan­te que o pró­xi­mo pre­si­den­te apro­ve a re­for­ma da Pre­vi­dên­cia em um pra­zo cur­to, de seis me­ses, pa­ra sus­ten­tar sua cre­di­bi­li­da­de. “Agi­li­da­de é a ques­tão. Tem que sa­ber fa­zer com ma­es­tria”, diz.

Qu­es­ti­o­na­do se es­tá oti­mis­ta com a van­ta­gem ob­ti­da pe­lo can­di­da­to do PSL no pri­mei­ro tur­no, es­se in­ter­lo­cu­tor afir­ma que 2019 se­rá “de­sa­fi­a­dor, mas é pre­ci­so acre­di­tar no país”. Ele ob­ser­va que os pe­que­nos em­pre­sá­ri­os es­tão to­can­do seus ne­gó­ci­os, até por­que “não têm pla­no B”, en­quan­to os gran­des es­pe­ram pa­ra ver o que o re­sul­ta­do das ur­nas re­pre­sen­ta­rá pa­ra a eco­no­mia.

On­tem, a bol­sa caiu e o re­al se des­va­lo­ri­zou em re­a­ção ao ce­ná­rio ex­ter­no e a de­cla­ra­ções de Bol­so­na­ro e do de­pu­ta­do Onyx Lo­ren­zo­ni (DEM-RS) in­di­can­do que não vão en­cam­par a pro­pos­ta do go­ver­no Te­mer pa­ra a Pre­vi­dên­cia. O pre­si­den­ciá­vel tam­bém mos­trou re­sis­tên­cia à pri­va­ti­za­ção da Ele­tro­bras.

A re­la­ção de Bol­so­na­ro com seu as­ses­sor econô­mi­co, Pau­lo Gu­e­des, tam­bém cau­sa pre­o­cu­pa­ção. Li­be­ral, o eco­no­mis­ta é bem-vis­to pe­los exe­cu­ti­vos de ban­cos, mas con­si­de­ra­do de tem­pe­ra­men­to for­te. O te­mor é que ele aca­be de­sem­bar­can­do se não ti­ver au­to­no­mia pa­ra agir. “Gu­e­des é me­nos pa­ci­en­te que Jo­a­quim Levy [mi­nis­tro da Fa­zen­da de Dil­ma], que aguen­tou por um tem­po a in­ter­fe­rên­cia do go­ver­no em me­di­das fis­cais”, diz um di­re­tor de ban­co.

Mes­mo que as me­di­das de ajus­te fis­cal ve­nham, le­va­rá pe­lo me­nos um ano até que os efei­tos po­si­ti­vos se­jam sen­ti­dos na eco­no­mia re­al, afir­ma um exe­cu­ti­vo pró­xi­mo do mer­ca­do de re­cu­pe­ra­ção de cré­di­to. A ex­pec­ta­ti­va de­le é que o de­sem­pre­go re­cue aos pou­cos e o PIB cres­ça en­tre 1% e 2% por ano du­ran­te os pró­xi­mos três ou qua­tro anos.

Fon­tes de ban­cos de in­ves­ti­men­tos, em con­tra­par­ti­da, es­tão bem mais oti­mis­tas. Se­gun­do um exe­cu­ti­vo de uma ins­ti­tui­ção es­tran­gei­ra com ope­ra­ção no país, é in­com­pa­rá­vel a me­lho­ria no am­bi­en­te ins­ti­tu­ci­o­nal pa­ra o país tra­zi­da por Bol­so­na­ro em re­la­ção a Had­dad.

Na opi­nião do in­ter­lo­cu­tor, o can­di­da­to do PSL con­so­li­da uma vi­são de que o Bra­sil não to­le­ra mais cor­rup­ção, ten­do em vis­ta as acu­sa­ções que pe­sam so­bre o PT e ou­tros par­ti­dos no âm­bi­to da Ope­ra­ção La­va-Ja­to. De cer­ta for­ma, afir­ma, der­ro­tar o PT nas ur­nas tra­ria a per­cep­ção, pa­ra os in­ves­ti­do­res, de que o Bra­sil é um mer­ca­do mais ma­du­ro do pon­to de vis­ta po­lí­ti­co. Pa­ra o exe­cu­ti­vo, que tem de con­sul­tar a se­de no ex­te­ri­or pa­ra no­vos pro­je­tos, é im­por­tan­te que po­ten­ci­ais cli­en­tes “es­te­jam me­nos ex­pos­tos a um am­bi­en­te com cor­rup­ção”, o que re­duz o ris­co das ope­ra­ções.

Ou­tro ban­quei­ro de in­ves­ti­men­tos afir­ma que o mer­ca­do “não com­pra de jei­to ne­nhum” a vol­ta de um go­ver­no ao es­ti­lo Dil­ma. Se Bol­so­na­ro de fa­to ado­tar uma li­nha de en­xu­ga­men­to da má­qui­na pú­bli­ca e pri­va­ti­za­ções, a per­cep­ção de ris­co do país ten­de a di­mi­nuir e o ra­ting, a au­men­tar — is­so atrai­ria mais ca­pi­tal es­tran­gei­ro e cri­a­ria um cír­cu­lo vir­tu­o­so. “Se ele con­se­guir tem­pe­rar o Pau­lo Gu­e­des, po­de­rá ser o me­lhor go­ver­no da his­tó­ria.”

Na prá­ti­ca, es­sa fon­te diz acre­di­tar que um even­tu­al go­ver­no Bol­so­na­ro fi­ca­rá num meio-ter­mo. Por aco­mo­da­ção po­lí­ti­ca, é im­pro­vá­vel que o ajus­te si­na­li­za­do pe­la equi­pe do pre­si­den­ciá­vel do PSL se­ja to­tal­men­te im­ple­men­ta­do, mas o que im­por­ta é a di­re­ção, diz. Pa­ra o ban­quei­ro, o pre­si­den­ciá­vel tam­bém bai­xa­rá o tom em su­as fa­las po­lê­mi­cas. “Ho­je, exis­te me­do do Bol­so­na­ro por ques­tões so­ci­ais, não econô­mi­cas. Se ele ga­nhar, na prá­ti­ca, nem vai ser a ma­ra­vi­lha que se es­pe­ra em ter­mos econô­mi­cos, nem o de­sas­tre em ter­mos so­ci­ais”, afir­ma.

Se­gun­do exe­cu­ti­vos ou­vi­dos pe­lo Va­lor, Had­dad tam­bém po­de ser me­nos ne­ga­ti­vo pa­ra a eco­no­mia do que se es­pe­ra. Um ana­lis­ta que faz a co­ber­tu­ra de ins­ti­tui­ções fi­nan­cei­ras com ca­pi­tal aberto diz que, ca­so o can­di­da­to do PT ado­te uma po­lí­ti­ca econô­mi­ca me­nos “agres­si­va” que a es­tam­pa­da em seu pla­no de go­ver­no, que le­va ao au­men­to dos gas­tos pú­bli­cos, a eco­no­mia po­de re­a­gir bem. “Os ban­cos que­rem mais é a ma­nu­ten­ção do sta­tus quo”, afir­ma.

De acor­do com es­se mes­mo ana­lis­ta, os ban­cos que atu­am no país es­tão bem ca­pi­ta­li­za­dos, mas pre­ci­sam do re­sul­ta­do das elei­ções e de um ce­ná­rio mais cla­ro pa­ra o pró­xi­mo go­ver­no pa­ra re­to­mar com mais for­ça a ofer­ta de cré­di­to no país.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.