FMI aler­ta pa­ra au­men­to de ris­cos aos emer­gen­tes

Valor Econômico - - FINANÇAS - Sér­gio Tauha­ta

Os ris­cos de uma cri­se pa­ra os mer­ca­dos emer­gen­tes têm au­men­ta­do, ava­lia o Fun­do Mo­ne­tá­rio In­ter­na­ci­o­nal (FMI) no mais re­cen­te re­la­tó­rio de Es­ta­bi­li­da­de Fi­nan­cei­ra Glo­bal. Se­gun­do o ór­gão, os re­sul­ta­dos su­ge­rem que a chan­ce de uma fu­ga de ca­pi­tal na mes­ma mag­ni­tu­de vis­ta du­ran­te o co­lap­so fi­nan­cei­ro de 2008, em­bo­ra ain­da pe­que­na, já sur­ge no ho­ri­zon­te de mé­dio pra­zo, o que sig­ni­fi­ca ter po­ten­ci­al de se con­cre­ti­zar em um pe­río­do en­tre qua­tro e oi­to tri­mes­tres.

De acor­do com o re­la­tó­rio do FMI, “os re­sul­ta­dos su­ge­rem que, no mé­dio pra­zo, os ris­cos de saí­da mais in­ten­sa de ca­pi­tal dos emer­gen­tes vão ser di­re­ci­o­na­dos pe­la ele­va­ção de ta­xas de ju­ros nos EUA, pe­lo for­ta­le­ci­men­to do dó­lar e pe­la di­mi­nui­ção da in­cli­na­ção pe­lo ris­co”.

O ór­gão es­ti­ma atu­al­men­te em 5% a pro­ba­bi­li­da­de de uma fu­ga lí­qui­da de até US$ 100 bi­lhões dos port­fó­li­os em um ano, ou se­ja, o equi­va­len­te a 0,6 pon­to per­cen­tu­al do PIB com­bi­na­do dos paí­ses do gru­po, sem con­si­de­rar a Chi­na. O FMI pon­de­ra que “a pro­je­ção de saí­da de re­cur­sos den­tro des­se ce­ná­rio é mui­to mai­or do que, por exem­plo, no quar­to tri­mes­tre de 2011, den­tro da cri­se de dí­vi­da so­be­ra­na eu­ro­peia”.

O fun­do res­sal­ta, no en­tan­to, que as eco­no­mi­as emer­gen­tes, no ge­ral, po­dem pas­sar as tur­bu­lên­cia de cur­to pra­zo “sem cho­ques se­ve­ros pa­ra seus sis­te­mas fi­nan­cei­ros”. Con­for­me o ór­gão, a re­cen­te pi­o­ra das con­di­ções fi­nan­cei­ras glo­bais tem im­pac­ta­do os emer­gen­tes de ma­nei­ra con­ti­da e “fa­to­res idi­os­sin­crá­ti­cos ex­pli­cam mui­to do exa­ge­ra­do mo­vi­men­to dos pre­ços de ati­vos”.

Se­gun­do o FMI, o au­men­to dos “spre­ads” dos tí­tu­los em dó­lar tem si­do mais pro­nun­ci­a­do nos emis­so­res de ra­tings mais bai­xos. “Is­so su­ge­re que os in­ves­ti­do­res têm di­fe­ren­ci­a­do os to­ma­do­res de re­cur­sos ba­se­a­dos nos fun­da­men­tos econô­mi­cos e ou­tros fa­to­res es­pe­cí­fi­cos de ca­da país.”

O re­la­tó­rio do FMI apon­ta ain­da que as for­tes de­pre­ci­a­ções de mo­e­das em al­guns mer­ca­dos emer­gen­tes, co­mo Ar­gen­ti­na e Tur­quia, “po­dem ser am­pla­men­te ex­pli­ca­das pe­los fa­to­res in­ter­nos” de ca­da país. Por ou­tro la­do, al­guns paí­ses so­bre os quais exis­te uma per­cep­ção po­lí­ti­ca po­si­ti­va, co­mo Mé­xi­co e Colôm­bia, “con­se­gui­ram com­pen­sar par­ci­al­men­te as pres­sões de des­va­lo­ri­za­ção glo­bais”.

O FMI tam­bém res­sal­va que a mai­or par­te dos emer­gen­tes ain­da man­tém o cres­ci­men­to, em­bo­ra a pers­pec­ti­va de ex­pan­são te­nha si­do re­du­zi­da di­an­te do au­men­to das ten­sões co­mer­ci­ais, da al­ta do dó­lar e da ele­va­ção de ju­ros nos Es­ta­dos Uni­dos.

A di­re­to­ra-ge­ren­te do FMI, Ch­ris­ti­ne La­gar­de, aler­tou em dis­cur­so na se­ma­na pas­sa­da so­bre a ele­va­ção de pres­sões so­bre os emer­gen­tes e a pos­si­bi­li­da­de de ocor­rer cor­re­ções de mer­ca­do, com mo­vi­men­tos brus­cos de ta­xas de ju­ros e en­fra­que­ci­men­to do flu­xo de ca­pi­tal.

O aper­to das con­di­ções fi­nan­cei­ras e a su­bi­da do dó­lar ten­dem a afe­tar mais os paí­ses mais de­pen­den­tes de fi­nan­ci­a­men­to ex­ter­no, pon­de­ra­ram os es­pe­ci­a­lis­tas do FMI. “O ce­ná­rio não é ine­vi­tá­vel, mas as vul­ne­ra­bi­li­da­des [de vá­ri­as eco­no­mi­as emer­gen­tes] ain­da per­ma­ne­cem al­tas.”

Na ava­li­a­ção do fun­do mo­ne­tá­rio, as con­di­ções fi­nan­cei­ras atu­ais no mun­do ain­da per­ma­ne­cem aco­mo­da­tí­ci­as e os ju­ros bai­xos, se olha­dos pe­las mé­di­as his­tó­ri­cas. Mas a nor­ma­li­za­ção de po­lí­ti­ca mo­ne­tá­ria con­du­zi­da ou si­na­li­za­da pe­los prin­ci­pais ban­cos cen­trais já le­vou a mu­dan­ças em re­la­ção a seis me­ses e o aper­to ten­de a cres­cer.

Em­bo­ra não es­te­ja no ce­ná­rio ba­se do ór­gão uma mu­dan­ça sú­bi­ta de con­di­ções fi­nan­cei­ras, o FMI aler­ta pa­ra ris­cos com po­ten­ci­al de mu­dar o pa­no­ra­ma. Se­gun­do o fun­do, uma es­ca­la­da das ten­sões co­mer­ci­ais pa­ra um ní­vel con­si­de­ra­do sis­tê­mi­co se­ria um ris­co ao cres­ci­men­to glo­bal. Ou­tro ce­ná­rio ame­a­ça­dor es­tá li­ga­do a uma ele­va­ção das in­cer­te­zas po­lí­ti­cas, com im­pac­to so­bre a con­fi­an­ça dos mer­ca­dos, co­mo, por exem­plo, um au­men­to de pre­o­cu­pa­ções so­bre equi­lí­brio fis­cal em paí­ses en­di­vi­da­dos da zo­na do eu­ro, ou te­mo­res re­la­ci­o­na­dos a um Bre­xit du­ro.

Um dos mai­o­res pe­ri­gos es­ta­ria li­ga­do a um rit­mo mais ace­le­ra­do de nor­ma­li­za­ção da po­lí­ti­ca mo­ne­tá­ria nas eco­no­mi­as avan­ça­das, es­pe­ci­al­men­te nos EUA, que po­dem le­var a um re­pen­ti­no aper­to nas con­di­ções fi­nan­cei­ras glo­bais, si­tu­a­ção que po­de­ria ocor­rer, por exem­plo, no ca­so de uma al­ta aci­ma do es­pe­ra­do da in­fla­ção ame­ri­ca­na cau­sa­da pe­la po­lí­ti­ca fis­cal es­ti­mu­la­ti­va ou pe­la ele­va­ção de ta­ri­fas de im­por­ta­ção.

O FMI tam­bém aler­ta pa­ra a pos­si­bi­li­da­de de um ajus­te abrup­to de pre­ços de ati­vos glo­bais, à me­di­da que “a va­lo­ri­za­ção pa­re­ce es­ti­ca­da em vá­ri­os mer­ca­dos, no­ta­da­men­te nos Es­ta­dos Uni­dos”. E uma re­a­va­li­a­ção das con­di­ções fi­nan­cei­ras atu­al­men­te fa­vo­rá­veis po­de­ria le­var a uma re­pre­ci­fi­ca­ção rá­pi­da nos mer­ca­dos.

FIRDIA LISNAWATI/AP

Ch­ris­ti­ne La­gar­de, di­re­to­ra-ge­ren­te do FMI: pres­são so­bre emer­gen­tes e pos­si­bi­li­da­de de cor­re­ções nos mer­ca­dos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.