Aces­so uni­ver­sal a cre­ches é pro­pos­to a Bol­so­na­ro

Valor Econômico - - BRASIL - Clau­dia Sa­fa­tle

Par­te im­por­tan­te das po­lí­ti­cas pú­bli­cas des­ti­na­das às fa­mí­li­as se­rá o am­plo aces­so à cre­che in­te­gral pa­ra cri­an­ças de bai­xa ren­da com até três anos de ida­de. Um dos tra­ba­lhos ela­bo­ra­dos pe­la as­ses­so­ria econô­mi­ca do pre­si­den­te elei­to, Jair Bol­so­na­ro, sa­li­en­ta a im­por­tân­cia da pri­mei­ra in­fân­cia no “de­sen­vol­vi­men­to cog­ni­ti­vo e psi­cos­so­ci­al dos in­di­ví­du­os ao lon­go de to­da a vi­da”; no­meia a edu­ca­ção co­mo um dos prin­ci­pais ins­tru­men­tos de re­du­ção das de­si­gual­da­des e iden­ti­fi­ca que ho­je so­men­te 26% das cri­an­ças de até três anos são aten­di­das por cre­ches.

A distribui­ção de cri­an­ças con­for­me a ren­da per ca­pi­ta fa­mi­li­ar re­pro­duz a tre­men­da de­si­gual­da­de que há no país.

São, atu­al­men­te, mais de 10 mi­lhões de cri­an­ças de até três anos e, des­se uni­ver­so, pou­co mais de 7,7 mi­lhões vêm de fa­mí­li­as com ren­da do­mi­ci­li­ar per ca­pi­ta de um qu­ar­to do sa­lá­rio mí­ni­mo a um sa­lá­rio mí­ni­mo.

Co­mo do to­tal so­men­te 2,6 mi­lhões têm aces­so a cre­ches, mais de 7 mi­lhões de cri­an­ças nes­sa fai­xa etá­ria es­tão fo­ra de cre­ches ou es­co­las. Es­sa é a eta­pa da edu­ca­ção bá­si­ca (que vai da cre­che ao en­si­no mé­dio) com a me­nor co­ber­tu­ra, em­bo­ra se­ja de re­co­nhe­ci­da im­por­tân­cia na for­ma­ção do in­di­ví­duo e, con­se­quen­te­men­te, no de­sen­vol­vi­men­to do país.

Es­qua­dri­nhan­do um pou­co mais os nú­me­ros, che­ga-se às se­guin­tes con­clu­sões: ape­nas 16% das cri­an­ças de fa­mí­li­as com ren­da per ca­pi­ta de meio sa­lá­rio mí­ni­mo fre­quen­tam cre­ches; e es­se per­cen­tu­al é de so­men­te 21% en­tre as cri­an­ças de fa­mí­li­as com ren­da de um sa­lá­rio mí­ni­mo.

“O Bra­sil tem gas­to de­ma­si­a­da­men­te em po­lí­ti­cas de in­cen­ti­vos pa­ra as em­pre­sas — o mon­tan­te atu­al dos gas­tos tri­bu­tá­ri­os é de R$ 311 bi­lhões (da­dos de ju­lho des­te ano)”, res­sal­ta o es­tu­do. O pro­je­to de lei or­ça­men­tá­ria pa­ra 2019 es­ti­ma es­sa des­pe­sa em R$ 304 bi­lhões. Co­mo es­ses in­cen­ti­vos são mui­to pou­co efi­ca­zes pa­ra atin­gir os ob­je­ti­vos pre­ten­di­dos, a re­co­men­da­ção é sim­ples e di­re­ta: um con­jun­to des­sas po­lí­ti­cas de­ve ser sus­pen­so, o que vai ge­rar eco­no­mia de re­cur­sos.

O no­vo go­ver­no, sa­li­en­ta o es­tu­do, vi­sa po­lí­ti­cas que tra­gam me­lho­ri­as di­re­ta­men­te na vi­da das pes­so­as. E uma des­sas po­lí­ti­ca é des­ti­na­da à pri­mei­ra in­fân­cia. “O go­ver­no Bol­so­na­ro vai im­ple­men­tar um pro­gra­ma em larga es­ca­la pa­ra pro­vi­men­to de cre­ches de qua­li­da­de pa­ra cri­an­ças de bai­xa ren­da”, adi­an­ta o tex­to. As­sis­ten­tes so­ci­ais vão com­ple­men­tar a as­sis­tên­cia da­da às cre­ches. E is­so vai me­lho­rar a con­di­ção da mu­lher no mer­ca­do de tra­ba­lho.

Pa­ra uni­ver­sa­li­zar o ser­vi­ço à po­pu­la­ção, o pro­gra­ma se­rá im­ple­men­ta­do em eta­pas. A pri­mei­ra é aces­so a cre­che in­te­gral pa­ra cri­an­ças com ren­da do­mi­ci­li­ar per ca­pi­ta de um qu­ar­to do sa­lá­rio mí­ni­mo. Em se­gui­da se­rá o aces­so das cri­an­ças com ren­da do­mi­ci­li­ar per ca­pi­ta de meio sa­lá­rio mí­ni­mo e, de­pois, pa­ra um sa­lá­rio. Com es­sas eta­pas se aten­de cer­ca de 75% das cri­an­ças com até três anos. Es­ti­ma-se um im­pac­to em cer­ca de 6,9 mi­lhões de do­mi­cí­li­os no país e pa­ra mais de 2,6 mi­lhões de mu­lhe­res em to­dos os Es­ta­dos da fe­de­ra­ção. A quar­ta fa­se é a am­pli­a­ção do aces­so a cre­ches pa­ra to­das as cri­an­ças des­sa mes­ma fai­xa etá­ria. O au­men­to da ren­da fa­mi­li­ar não im­pli­ca­rá na saí­da do pro­gra­ma, pois “não faz sen­ti­do ti­rar as cri­an­ças da cre­che se as fa­mí­li­as me­lho­ra­rem de vi­da”, as­si­na­lam os au­to­res.

Os mu­ni­cí­pi­os vão cre­den­ci­ar as cre­ches não go­ver­na­men­tais, pa­tro­ci­na­das por igre­jas ou as­so­ci­a­ções da so­ci­e­da­de ci­vil, que se­rão re­mu­ne­ra­das com trans­fe­rên­ci­as do go­ver­no.

Pa­ra tor­nar o aces­so uni­ver­sal, po­rém, se­rá pre­ci­so cons­truir no­vas uni­da­des. Pres­su­pon­do o gas­to de R$ 500 mil na cons­tru­ção de uma cre­che com uma mé­dia de 50 alu­nos, os in­ves­ti­men­tos na pri­mei­ra eta­pa se­ri­am de R$ 16,1 bi­lhões, ci­fra que na se­gun­da eta­pa su­bi­ria pa­ra R$ 23,5 bi­lhões e fe­cha­ria a ter­cei­ra eta­pa, de aten­di­men­to a fa­mí­li­as com ren­da per ca­pi­ta de um sa­lá­rio mí­ni­mo, em R$ 22,1 bi­lhões. Co­mo es­ses cál­cu­los fo­ram fei­tos des­con­si­de­ran­do-se as cre­ches não go­ver­na­men­tais, o va­lor fi­nal se­rá me­nor se o cre­den­ci­a­men­to de ins­ti­tui­ções for re­le­van­te.

Se­gun­do da­dos co­lhi­dos do Fun­deb (fun­do de ma­nu­ten­ção da edu­ca­ção bá­si­ca), o cus­to de uma cri­an­ça na cre­che por ano va­ria de R$ 4 mil a R$ 6 mil. To­man­do es­ses in­di­ca­do­res, a des­pe­sa anu­al com a ma­nu­ten­ção do ser­vi­ço se­ria de R$ 29 bi­lhões.

Con­si­de­ran­do um va­lor mai­or, de R$ 7 mil por cri­an­ça/ano — su­pon­do que com mais di­nhei­ro a qua­li­da­de das cre­ches se­rá bem me­lhor —, o gas­to pa­ra aten­der a to­das as cri­an­ças de até 3 anos, in­clu­si­ve as que já fre­quen­tam cre­ches, se­ria de R$ 49 bi­lhões por ano. Es­se va­lor cor­res­pon­de a me­nos de 20% do que o Es­ta­do des­ti­na às em­pre­sas, su­bli­nha o es­tu­do.

A abran­gên­cia das pro­pos­tas pa­ra po­lí­ti­cas pú­bli­cas des­ti­na­das às fa­mí­li­as (dos mais di­ver­sos for­ma­tos) vai mui­to além da uni­ver­sa­li­za­ção do aces­so a cre­ches. Ela ain­da es­tá em dis­cus­são, mas en­vol­ve­rá pro­te­ção aos ido­sos, além de fo­co na des­bu­ro­cra­ti­za­ção dos pro­ces­sos de ado­ção.

Se­gun­do um dos eco­no­mis­tas en­vol­vi­dos nes­se tra­ba­lho, ca­be ao Es­ta­do cus­te­ar os cui­da­do­res de ido­sos, prin­ci­pal­men­te com a mu­dan­ça de­mo­grá­fi­ca, que mar­ca o en­ve­lhe­ci­men­to da po­pu­la­ção. Re­cur­sos pa­ra is­so te­rão que ser bus­ca­dos na re­du­ção de ou­tros gas­tos. A ado­ção de cri­an­ças tam­bém é ou­tro as­pec­to a ser tra­ta­do pois o pro­ces­so é lon­go, cheio de bu­ro­cra­ci­as e não aten­de a de­ter­mi­na­das de­man­das, co­mo a ado­ção de cri­an­ças de­fi­ci­en­tes ou de ir­mãos, den­tre ou­tras.

É bom dei­xar cla­ro que es­sas po­lí­ti­cas na­da têm a ver com a re­cen­te dis­cus­são de even­tu­al cri­a­ção do Mi­nis­té­rio da Fa­mí­lia. Os es­tu­dos pre­ce­dem es­se de­ba­te e os vá­ri­os as­pec­tos de po­lí­ti­cas pú­bli­cas pa­ra as fa­mí­li­as po­dem ser con­du­zi­dos pe­las es­tru­tu­ras exis­ten­tes nas pas­tas da Edu­ca­ção e da Saú­de.

O tra­ba­lho de am­pli­a­ção do aces­so a cre­ches foi o pri­mei­ro a ser con­cluí­do no ca­pí­tu­lo das po­lí­ti­cas pú­bli­cas pa­ra as fa­mí­li­as. Ele pre­vê in­di­ca­do­res de mo­ni­to­ra­men­to du­ran­te a im­ple­men­ta­ção do pro­gra­ma, ava­li­a­ções fei­tas por ins­ti­tui­ções in­de­pen­den­tes e fis­ca­li­za­ção da Con­tro­la­do­ria-Ge­ral da União (CGU).

Edu­ca­ção, edu­ca­ção e edu­ca­ção. Es­sa é uma pri­o­ri­da­de que, se le­va­da a sé­rio, ope­ra mi­la­gres no de­sen­vol­vi­men­to econô­mi­co de um país.

So­men­te 26% das cri­an­ças até 3 anos fre­quen­tam cre­ches

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.