Mu­dan­ças no tex­to ori­gi­nal em­per­ram Lei do Gás

Valor Econômico - - BRASIL - (AR)

Em meio à di­fi­cul­da­de do mer­ca­do de gás na­tu­ral em cos­tu­rar um con­sen­so so­bre a re­for­ma do mar­co re­gu­la­tó­rio do se­tor, du­as mu­dan­ças no tex­to do pro­je­to de lei do Gás Pa­ra Cres­cer pro­me­tem em­per­rar de vez as pre­ten­sões de que a ini­ci­a­ti­va avan­ce du­ran­te a tran­si­ção de go­ver­no. O im­pas­se já es­tá ins­ta­la­do há qua­se um ano, mas ga­nhou no­vos con­tor­nos de­pois que a ideia ori­gi­nal de re­gu­la­ção do mer­ca­do li­vre foi des­fei­ta e o subs­ti­tu­ti­vo da Lei do Gás ga­nhou um no­vo ar­ti­go cri­an­do um fun­do pa­ra fi­nan­ci­ar ga­so­du­tos.

Sem avan­ços na bus­ca de um con­sen­so, o re­la­tor na Co­mis­são de Mi­nas e Ener­gia da Câ­ma­ra, o deputado Mar­ce­lo Squas­so­ni (PRB/SP), pe­diu a re­ti­ra­da do pro­je­to da pau­ta da reu­nião des­ta quar­ta-fei­ra. A in­ten­ção é que a ma­té­ria vol­te à pau­ta ain­da nes­te ano, mas a fal­ta de um en­ten­di­men­to en­tre as par­tes po­de di­fi­cul­tar a apro­va­ção da no­va Lei do Gás.

Exis­te a ex­pec­ta­ti­va no se­tor de que o go­ver­no Jair Bol­so­na­ro con­si­ga sa­cra­men­tar a re­for­ma do mar­co re­gu­la­tó­rio. A pro­pos­ta de pla­no de go­ver­no do no­vo pre­si­den­te elei­to vai na di­re­ção de al­guns pon­tos in­cluí­dos na re­for­ma ini­ci­a­da no go­ver­no Michel Temer. O do­cu­men­to de Bol­so­na­ro ci­ta, por exem­plo, o in­te­res­se na des­ver­ti­ca­li­za­ção e de­ses­ta­ti­za­ção do se­tor e me­di­das co­mo li­vre aces­so e com­par­ti­lha­men­to dos ga­so­du­tos e cri­a­ção de um mer­ca­do ata­ca­dis­ta de gás na­tu­ral.

A ta­re­fa de avan­çar com a re­for­ma num am­bi­en­te de con­fli­to, no en­tan­to, não se­rá fá­cil. Não à toa, a Agên­cia Na­ci­o­nal de Pe­tró­leo (ANP) abriu uma sé­rie de con­sul­tas pú­bli­cas pa­ra ten­tar em­pla­car as mu­dan­ças de for­ma in­fra­le­gal. O ór­gão vai dis­cu­tir nos pró­xi­mos me­ses te­mas co­mo a des­ver­ti­ca­li­za­ção do se­tor, aces­so a in­fra­es­tru­tu­ras es­sen­ci­ais e har­mo­ni­za­ção das re­gu­la­ções es­ta­du­ais. A ex­pec­ta­ti­va, no en­tan­to, é que pro­pos­tas só se tor­nem con­cre­tas em 2019.

A tra­mi­ta­ção do PL tra­vou na Câ­ma­ra no fim de 2017. A ver­são ori­gi­nal do subs­ti­tu­ti­vo do PL 6.407/2013, apre­sen­ta­da na oca­sião, atri­buía à ANP a re­gu­la­ção do con­su­mi­dor li­vre. A pro­pos­ta é de­fen­di­da por pra­ti­ca­men­te to­dos os agen­tes, mas es­bar­rou na re­sis­tên­cia das dis­tri­bui­do­ras, fa­vo­rá­veis à ma­nu­ten­ção da re­gu­la­ção es­ta­du­al e que pos­su­em for­ça nas ban­ca­das es­ta­du­ais. Ho­je, ca­da Es­ta­do pos­sui uma re­gu­la­ção pró­pria.

Com a pres­são das dis­tri­bui­do­ras, o pro­je­to pa­rou. O no­vo subs­ti­tu­ti­vo, apre­sen­ta­do na Câ­ma­ra nos úl­ti­mos di­as, con­fir­mou o re­cuo na pro­pos­ta de atri­buir à ANP a re­gu­la­ção do mer­ca­do li­vre e de­sa­gra­dou par­te da in­dús­tria.

Re­pre­sen­tan­tes dos con­su­mi­do­res (Abra­ce) e o Ins­ti­tu­to Bra­si­lei­ro de Pe­tró­leo (IBP) se quei­xam de que há le­gis­la­ções es­ta­du­ais que são im­pe­di­ti­vas à aber­tu­ra do mer­ca­do. Re­cla­mam que, em al­guns Es­ta­dos, as exi­gên­ci­as pa­ra mi­gra­ção pa­ra o mer­ca­do li­vre são al­tas e que usuá­ri­os têm de pa­gar às dis­tri­bui­do­ras a mes­ma ta­ri­fa pa­ga por cli­en­tes ca­ti­vos. Já a Abe­gás, que representa as dis­tri­bui­do­ras, de­fen­de que, pe­la Cons­ti­tui­ção, ca­be aos Es­ta­dos re­gu­lar o gás ca­na­li­za­do e que o mer­ca­do só não se de­sen­vol­veu por fal­ta de ofer­tan­tes.

Com o im­pas­se ain­da não re­sol­vi­do, so­brem dú­vi­das so­bre as con­di­ções de o pro­je­to avan­çar.

“Se­ria mais in­te­res­san­te dei­xar as dis­cus­sões pa­ra 2019, num no­vo go­ver­no, fa­zer as coi­sas de for­ma mais con­sis­ten­te”, afir­mou o pre­si­den­te da Abra­ce, Ed­val­do San­ta­na.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.