Vi­tó­ria mar­ca fim dos man­da­tos de Temer e Me­ga­le

Valor Econômico - - BRASIL - Mar­li Ol­mos

Co­mo dis­se um di­re­tor da An­fa­vea, a as­so­ci­a­ção que representa as mon­ta­do­ras, pa­re­cia uma pro­du­ção ci­ne­ma­to­grá­fi­ca. O pro­ta­go­nis­ta, no ca­so o pre­si­den­te Michel Temer, entra em ce­na e per­cor­re o gran­de show dos es­tan­des no Sa­lão do Au­to­mó­vel. Em se­gui­da, no pal­co, o pre­si­den­te da An­fa­vea, An­to­nio Me­ga­le, ini­cia seu dis­cur­so, mas é in­ter­rom­pi­do por um as­ses­sor que lhe en­tre­ga um pe­da­ço de pa­pel com a in­for­ma­ção de que o Se­na­do aca­ba­ra de apro­var o Ro­ta 2030. Na ce­na fi­nal, Temer as­si­na o de­cre­to que re­gu­la­men­ta o pro­gra­ma au­to­mo­ti­vo.

Di­fe­ren­te­men­te do ci­ne­ma ou da li­te­ra­tu­ra, es­sa his­tó­ria tem dois pro­ta­go­nis­tas. Temer e Me­ga­le se des­ta­ca­ram por te­rem am­bos con­se­gui­do um trun­fo que bus­ca­ram pa­ra mar­car su­as ges­tões. Temer dei­xa­rá a Pre­si­dên­cia da Re­pú­bli­ca em ja­nei­ro, e Me­ga­le, a da An­fa­vea três me­ses de­pois.

Até a vés­pe­ra da aber­tu­ra do sa­lão, ne­nhum dos dois sa­bia se­quer se o Ro­ta 2030 se­ria apro­va­do nes­se go­ver­no. Em meio às po­lê­mi­cas que mar­ca­ram as dis­cus­sões do pro­gra­ma, qua­se in­vi­a­bi­li­za­do em bri­gas en­tre mon­ta­do­ras por in­cen­ti­vos fis­cais re­gi­o­nais, um sú­bi­to es­for­ço par­la­men­tar, em­ba­la­do por for­te lobby da in­dús­tria, evi­tou que o as­sun­to fi­cas­se pa­ra apre­ci­a­ção do pre­si­den­te elei­to.

Nes­se ca­so, a in­dús­tria au­to­mo­bi­lís­ti­ca te­ria de co­me­çar a dis­cus­são sa­ben­do de an­te­mão que a equi­pe econô­mi­ca de Jair Bol­so­na­ro não sim­pa­ti­za com a ideia de con­ce­der in­cen­ti­vos fis­cais pa­ra a in­dús­tria.

Na­da im­pe­de que o no­vo go­ver­no se po­si­ci­o­ne con­tra o Ro­ta 2030. Mas, com o de­cre­to já as­si­na­do por Temer, o se­tor ga­nha tem­po, apos­tan­do que o as­sun­to não se­rá pri­o­ri­da­de pe­lo me­nos nos pri­mei­ros me­ses de go­ver­no.

En­quan­to is­so, os di­ri­gen­tes apro­vei­tam a opor­tu­ni­da­de pa­ra co­lo­car su­as equi­pes téc­ni­cas em ação pa­ra ex­pli­car de­ta­lhes de um ex­ten­so e com­pli­ca­do pro­gra­ma que le­vou um ano e meio pa­ra sair do pa­pel e que ain­da pro­vo­ca crí­ti­cas en­tre as pró­pri­as mon­ta­do­ras.

À tar­de, ain­da co­me­mo­ran­do a apro­va­ção do no­vo pro­gra­ma no Se­na­do, Me­ga­le dis­se ao Va­lor que o Con­gres­so “en­ten­deu a po­lí­ti­ca po­si­ti­va do pro­gra­ma”. Pa­ra ele, o país deu um gran­de pas­so na apro­va­ção de no­vas tec­no­lo­gi­as.

A par­tir da pu­bli­ca­ção do de­cre­to, as em­pre­sas vão ana­li­sar ca­da pon­to do Ro­ta 2030 pa­ra de­ci­dir se ade­rem ao no­vo pro­gra­ma. A mai­o­ria das mon­ta­do­ras e das gran­des au­to­pe­ças ten­de a op­tar por ade­rir. O pon­to mais aguar­da­do eram os in­cen­ti­vos à pes­qui­sa e de­sen­vol­vi­men­to, que per­mi­tem re­du­ções no Im­pos­to de Ren­da das em­pre­sas que in­ves­ti­rem na pes­qui­sa de no­vos pro­du­tos.

Di­ri­gen­tes do se­tor rei­te­ram sem­pre que pre­ci­sam dos in­cen­ti­vos pa­ra que o país não per­ca pa­ra fá­bri­cas ins­ta­la­das em ou­tros mer­ca­dos a dis­pu­ta mun­di­al por pro­je­tos de no­vos veí­cu­los .

Me­ga­le man­ti­nha a cal­ma que lhe é pe­cu­li­ar. Es­se in­can­sá­vel exe­cu­ti­vo, sem­pre aber­to à ne­go­ci­a­ção, dis­se que o pa­pel que lhe en­tre­ga­ram com a boa no­tí­cia, en­quan­to dis­cur­sa­va, o des­con­cer­tou. “Fi­quei até com a fa­la em­ba­ra­lha­da.”

Ele sa­be que o se­tor te­rá pe­la fren­te um lon­go pe­río­do de con­ver­sas com o no­vo go­ver­no. Mas on­tem foi dia de co­me­mo­rar. Uma gar­ra­fa de cham­pa­nhe foi aber­ta no es­tan­de da An­fa­vea no pa­vi­lhão do São Pau­lo Ex­po. “Ago­ra já pos­so apro­vei­tar o sa­lão”, dis­se.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.