Po­bre­za ame­a­ça bi­o­di­ver­si­da­de no país, apon­ta es­tu­do

Valor Econômico - - BRASIL - Da­ni­e­la Chi­a­ret­ti Po­bre­za ver­de

Per­to de 40% da co­ber­tu­ra ve­ge­tal do Bra­sil es­tá con­cen­tra­da em ape­nas 400 mu­ni­cí­pi­os on­de vi­ve 13% da po­pu­la­ção bra­si­lei­ra eco­no­mi­ca­men­te mais ca­ren­te. A con­cen­tra­ção de po­bre­za em lu­ga­res que ain­da pos­su­em re­ma­nes­cen­tes de ve­ge­ta­ção representa um ris­co pa­ra a bi­o­di­ver­si­da­de. Es­ta equa­ção é ain­da mais per­ver­sa por­que a tro­ca da ma­ta por agri­cul­tu­ra e pe­cuá­ria não tem me­lho­ra­do a qua­li­da­de de vi­da dos mo­ra­do­res tra­di­ci­o­nais e é uma das cau­sas do êxo­do ru­ral.

Es­te aler­ta faz par­te do Pri­mei­ro Di­ag­nós­ti­co Bra­si­lei­ro de Bi­o­di­ver­si­da­de e Ser­vi­ços Ecos­sis­tê­mi­cos, um ex­ten­so e iné­di­to es­tu­do ela­bo­ra­do por uma re­de de 120 ci­en­tis­tas de di­ver­sas es­pe­ci­a­li­da­des e de to­das as re­giões do Bra­sil. O sumário exe­cu­ti­vo pa­ra au­to­ri­da­des e ges­to­res foi lan­ça­do on­tem no Rio de Ja­nei­ro.

“É o que cha­ma­mos de ‘po­bre­za ver­de’: mu­ni­cí­pi­os, prin­ci­pal­men­te na re­gião Nor­te, têm al­ta co­ber­tu­ra de ve­ge­ta­ção na­ti­va e IDH bai­xos. A lei­tu­ra tra­di­ci­o­nal, de subs­ti­tuir a ma­ta por um plan­tio ou pe­cuá­ria, faz com que o município per­ca a mai­or par­te do va­lor que ti­nha, além de per­der a pe­que­na agri­cul­tu­ra, o ex­tra­ti­vis­mo e em­pur­rar es­tes ato­res pa­ra as pe­ri­fe­ri­as das ci­da­des”, ex­pli­ca o bió­lo­go Car­los A. Joly, pro­fes­sor de eco­lo­gia da Uni­ver­si­da­de de Cam­pi­nas (Uni­camp). “Não é a po­pu­la­ção que vi­ve ali que vai se be­ne­fi­ci­ar da ri­que­za que po­de vir com a con­ver­são da flo­res­ta”, se­gue Joly.

“Pre­ci­sa­mos mu­dar es­se qua­dro e fa­zer com que a ri­que­za da bi­o­di­ver­si­da­de re­ver­ta pa­ra a po­pu­la­ção que vi­ve ali. Te­mos que cri­ar ca­dei­as de pro­du­ção dos re­cur­sos na­tu­rais e con­se­guir que a flo­res­ta em pé me­lho­re a qua­li­da­de de vi­da das pes­so­as que vi­vem na re­gião e as­sim au­men­tar o IDH”, se­gue Joly, co­or­de­na­dor da Pla­ta­for­ma Bra­si­lei­ra de Bi­o­di­ver­si­da­de e Ser­vi­ços Ecos­sis­tê­mi­cos (BPBES).

“A men­sa­gem prin­ci­pal do di­ag­nós­ti­co é que bi­o­di­ver­si­da­de e ser­vi­ços ecos­sis­tê­mi­cos não po­dem ser vis­tos mais co­mo obs­tá­cu­lo ao de­sen­vol­vi­men­to”, diz Joly. “São um pa­trimô­nio fan­tás­ti­co e imprescindível pa­ra a qua­li­da­de de vi­da. É per­fei­ta­men­te pos­sí­vel man­ter ou au­men­tar a pai­sa­gem agrí­co­la e a pe­cuá­ria usan­do sis­te­mas in­te­gra­dos de agri­cul­tu­ra e flo­res­ta”, se­gue.

Há uma sé­rie de opor­tu­ni­da­des a ser con­si­de­ra­das, diz a pro­fes­so­ra da Uni­ver­si­da­de de Bra­sí­lia Mer­ce­des Bus­ta­man­te. A res­tau­ra­ção flo­res­tal, por exem­plo, tem gran­de po­ten­ci­al. Uma das me­tas cli­má­ti­cas do Bra­sil é re­flo­res­tar 12 mi­lhões de hec­ta­res. “Es­sa é uma agen­da de múl­ti­plos pro­pó­si­tos. Ser­ve ao am­bi­en­te, à bi­o­di­ver­si­da­de, ao cli­ma e à eco­no­mia se ti­ver­mos ca­dei­as pro­du­ti­vas as­so­ci­a­das à res­tau­ra­ção”, diz Mer­ce­des, es­pe­ci­a­lis­ta em Cer­ra­do e tam­bém co­or­de­na­do­ra da pla­ta­for­ma.

A res­tau­ra­ção flo­res­tal é ca­da vez mais viá­vel tec­ni­ca­men­te, mas po­de ter cus­to ele­va­do de­pen­den­do do bi­o­ma e do grau de de­gra­da­ção da área. Se­gun­do o re­la­tó­rio, po­de va­ri­ar de R$ 800 por hec­ta­re (quan­do se uti­li­za a re­ge­ne­ra­ção na­tu­ral) a R$ 17 mil por hec­ta­re (no ca­so de plan­tio de mu­das).

“En­tre­tan­to, al­can­çar 30% de co­ber­tu­ra ve­ge­tal da Ma­ta Atlân­ti­ca e man­ter a in­te­gri­da­de das co­mu­ni­da­des de ver­te­bra­dos es­sen­ci­ais ao fun­ci­o­na­men­to do ecos­sis­te­ma cus­ta­ria, por ano, cer­ca de R$ 445 mi­lhões, ou se­ja, me­nos de 0,01% do PIB anu­al bra­si­lei­ro, ou 6,5% do que é pa­go em sub­sí­di­os agrí­co­las”, contabiliza o di­ag­nós­ti­co da bi­o­di­ver­si­da­de.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.