Au­men­tam es­pe­cu­la­ções so­bre o BC

Valor Econômico - - POLÍTICA - Fá­bio Pu­po, Fa­bio Gra­ner e Mar­ce­lo Ri­bei­ro Clau­dia Sa­fa­tle) (Co­la­bo­rou

O di­re­tor do ban­co San­tan­der, Ro­ber­to Cam­pos Ne­to, es­te­ve on­tem em Bra­sí­lia, no Cen­tro Cul­tu­ral do Ban­co do Bra­sil (CCBB), on­de ocor­re a tran­si­ção de go­ver­no. A pre­sen­ça de um dos no­mes co­ta­dos pa­ra o Ban­co Cen­tral, na even­tu­a­li­da­de do atu­al pre­si­den­te, Ilan Gold­fajn, não con­ti­nu­ar no car­go, foi in­ter­pre­ta­da co­mo o des­fe­cho da su­ces­são no BC. Ilan não quis per­ma­ne­cer e Ro­ber­to Cam­pos, por­tan­to, foi con­vi­da­do pa­ra subs­ti­tuí-lo. Es­sa ver­são dos fa­tos não foi, no en­tan­to, con­fir­ma­da pe­la as­ses­so­ria do pre­si­den­te elei­to, Jair Bol­so­na­ro.

On­tem foi um dia in­ten­so no CCBB, com reu­niões so­bre pri­va­ti­za­ções e so­bre o ajus­te fis­cal ne­ces­sá­rio.

O se­cre­tá­rio do Te­sou­ro Na­ci­o­nal, Man­su­e­to Al­mei­da, afir­mou, que fez ex­po­si­ção so­bre a par­te fis­cal, dis­se que o mer­ca­do es­pe­ra uma re­for­ma da Pre­vi­dên­cia em 2019 e “não se­rá o fim do mun­do” se nes­te fim de ano o Con­gres­so não vo­tar ajus­tes no sis­te­ma. A ideia de apro­var al­gu­ma re­for­ma ain­da em 2018 vem sen­do de­fen­di­da pe­lo pre­si­den­te elei­to Jair Bol­so­na­ro e seu fu­tu­ro mi­nis­tro da Fa­zen­da, Pau­lo Gu­e­des.

Nes­se sen­ti­do, uma das al­ter­na­ti­vas é nes­te ano to­mar me­di­das in­fra­cons­ti­tu­ci­o­nais — co­mo a ele­va­ção de con­tri­bui­ção dos ser­vi­do­res pú­bli­cos, a vol­ta do fa­tor pre­vi­den­ciá­rio (fór­mu­la de cál­cu­lo do be­ne­fí­cio) e o fim da in­te­gra­li­da­de de pen­sões — que po­de­ri­am ser re­a­li­za­das sem que a in­ter­ven­ção no Rio de Ja­nei­ro fos­se en­cer­ra­da. Es­sa ideia, con­tu­do, não re­sol­ve o pro­ble­ma, co­mo pon­tu­ou o se­cre­tá­rio, lem­bran­do que te­mas cru­ci­ais co­mo a ida­de mí­ni­ma de­man­dam mu­dan­ça na Cons­ti­tui­ção.

“Eu acho que o mer­ca­do es­pe­ra que a re­for­ma ocor­ra em 2019. Se ocor­rer uma re­for­ma fac­tí­vel pa­ra con­tro­lar o cres­ci­men­to do gas­to pú­bli­co, [is­so] vai aju­dar o go­ver­no fe­de­ral e os Es­ta­dos”, dis­se Man­su­e­to, após par­ti­ci­par de en­con­tro com a equi­pe de tran­si­ção. A reu­nião não te­ve a pre­sen­ça de Gu­e­des, que vol­tou com Bol­so­na­ro pa­ra o Rio. Pa­ra Man­su­e­to o im­por­tan­te é fa­zer a re­for­ma no pró­xi­mo ano.

A reu­nião com o se­cre­tá­rio do Te­sou­ro con­fir­mou, à equi­pe do pre­si­den­te elei­to, a gra­vi­da­de do qua­dro fis­cal bra­si­lei­ro e a ur­gên­cia de ado­ção de me­di­das pa­ra equa­ci­o­nar o pro­ble­ma. In­ter­lo­cu­to­res apon­tam que a sequên­cia de te­mas dos pri­mei­ros di­as do go­ver­no de tran­si­ção — Pre­vi­dên­cia, Pri­va­ti­za­ções e Ajus­te Fis­cal — tem um as­pec­to sim­bó­li­co re­le­van­te so­bre quais se­rão as pri­o­ri­da­des da ges­tão econô­mi­ca do no­vo go­ver­no.

No ca­pí­tu­lo das es­ta­tais, o se­cre­tá­rio Fer­nan­do So­a­res, ao sair da reu­nião, dis­se em en­tre­vis­ta que Gu­e­des fez per­gun­tas ge­rais so­bre a si­tu­a­ção das em­pre­sas do go­ver­no. O se­cre­tá­rio re­for­çou a ideia de que não é pre­ci­so bus­car ape­nas pri­va­ti­za­ções ou li­qui­da­ções, mas tam­bém mai­or ra­ci­o­na­li­da­de fi­nan­cei­ra das com­pa­nhi­as.

No en­con­tro foi co­men­ta­do tam­bém o fa­to de o Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF) ter da­do re­cen­te­men­te aval pa­ra de­mis­sões em es­ta­tais, que con­tra­tam por meio da Con­so­li­da­ção das Leis do Tra­ba­lho (CLT), o que dá mais for­ça à ma­ni­fes­ta in­ten­ção de en­xu­ga­men­to das em­pre­sas.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.