Ur­nas pe­di­ram me­di­das mais du­ras, diz Mo­ro

Valor Econômico - - POLÍTICA - Mu­ril­lo Ca­ma­rot­to

Du­ran­te mais uma ro­da­da de reu­niões em Bra­sí­lia, o fu­tu­ro mi­nis­tro da Jus­ti­ça, Ser­gio Mo­ro, dis­se on­tem que o re­sul­ta­do das elei­ções des­te ano dei­xa­ram cla­ro o re­ca­do da po­pu­la­ção à clas­se po­lí­ti­ca: a po­pu­la­ção es­tá mui­to in­sa­tis­fei­ta com a fal­ta de se­gu­ran­ça e quer me­di­das con­cre­tas pa­ra a me­lho­ria es­se qua­dro.

De acor­do com o juiz da La­vaJa­to, as ur­nas de­ram res­pal­do ao en­ca­mi­nha­men­to de me­di­das le­gis­la­ti­vas que bus­quem mu­dan­ças na po­lí­ti­ca de se­gu­ran­ça. “Acho que es­se é o mo­men­to pro­pí­cio pa­ra a apre­sen­ta­ção de um pro­je­to”, afir­mou Mo­ro após uma reu­nião com o atu­al mi­nis­tro da Jus­ti­ça, Tor­qua­to Jar­dim.

De­mons­tran­do ali­nha­men­to com uma das prin­ci­pais pro­pos­tas do pre­si­den­te elei­to Jair Bol­so­na­ro, o fu­tu­ro mi­nis­tro da Jus­ti­ça de­fen­deu a cri­a­ção de mais va­gas no sis­te­ma pe­ni­ten­ciá­rio, que ho­je apre­sen­ta um dé­fi­cit gi­gan­tes­co. Bol­so­na­ro ga­nhou a elei­ção de­fen­den­do mu­dan­ças na pro­gres­são de re­gi­me. “É pren­der e man­ter pre­so”, ele diz.

Mo­ro afir­mou que a pu­ni­ção pa­ra cri­mes gra­ves, co­mo o ho­mi­cí­dio qua­li­fi­ca­do, de­vem ser mais se­ve­ras, mes­mo que is­so re­pre­sen­te um agra­va­men­to do qua­dro de su­per­lo­ta­ção nas ca­dei­as do país. “É inequí­vo­co que exis­te no sis­te­ma car­ce­rá­rio, mui­tas ve­zes, um tra­ta­men­to le­ni­en­te pa­ra cri­mes pra­ti­ca­dos com ex­tre­ma gra­vi­da­de”, dis­se.

O juiz pon­de­rou, en­tre­tan­to, que tam­bém de­ve ha­ver um apri­mo­ra­men­to dos cri­té­ri­os que le­vam as pes­so­as pa­ra a ca­deia ou pa­ra o cum­pri­men­to de pe­nas al­ter­na­ti­vas. “É ne­ces­sá­rio, even­tu­al­men­te, ter um fil­tro me­lhor”.

So­bre os pro­je­tos que pre­ten­de en­ca­mi­nhar ao Con­gres­so, Mo­ro afir­mou que uma par­te das po­lê­mi­cas “Dez Me­di­das Con­tra a Cor­rup­ção” de­ve ser in­cluí­da, mas ad­mi­tiu que ou­tras su­ges­tões po­dem ser des­car­ta­das. “Al­gu­mas des­sas pro­pos­tas se­rão res­ga­ta­das; ou­tras, tal­vez, ago­ra não se­jam tão per­ti­nen­tes quan­to fo­ram no pas­sa­do", de­cla­rou Mo­ro, sem de­ta­lhar o que po­de­ria fi­car de fo­ra da no­va ver­são.

Além das ques­tões re­la­ti­vas à se­gu­ran­ça pú­bli­ca, Mo­ro tra­tou on­tem de ou­tras ta­re­fas que ele te­rá que co­man­dar quan­do as­su­mir a pas­ta, co­mo a cri­se dos re­fu­gi­a­dos ve­ne­zu­e­la­nos, os di­rei­tos do con­su­mi­dor e a Fun­da­ção Na­ci­o­nal do Ín­dio (Fu­nai), en­tre ou­tras. Ques­ti­o­na­do so­bre seus pla­nos pa­ra a de­mar­ca­ção de ter­ras in­dí­ge­nas, o fu­tu­ro mi­nis­tro da Jus­ti­ça não quis res­pon­der.

Mo­ro tam­bém to­mou ci­ên­cia de al­guns pro­ble­mas prá­ti­cos re­la­ti­vos ao re­tor­no da se­gu­ran­ça pú­bli­ca pa­ra a al­ça­da do Mi­nis­té­rio da Jus­ti­ça. A área foi se­pa­ra­das em fe­ve­rei­ro do ano pas­sa­do, quan­do foi anun­ci­a­da a in­ter­ven­ção fe­de­ral no Rio de Ja­nei­ro.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.