Na Bo­za­no, eco­no­mis­ta en­tre­gou bons re­sul­ta­dos

Valor Econômico - - POLÍTICA - Fer­nan­do Tor­res No azul Va­nes­sa Ada­chi) (Co­la­bo­rou

Ao lon­go da úl­ti­ma dé­ca­da, Pau­lo Gu­e­des li­de­rou, pri­mei­ro so­zi­nho e de­pois na ges­to­ra Bo­za­no, dois fun­dos de in­ves­ti­men­to em par­ti­ci­pa­ções (FIPs) que re­ce­be­ram cer­ca de R$ 850 mi­lhões em in­ves­ti­men­tos de fun­dos de pen­são es­ta­tais e do BNDES e que es­tão lhe ren­den­do dor de ca­be­ça com o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co Fe­de­ral (MPF) no Dis­tri­to Fe­de­ral, a des­pei­to do bom re­tor­no re­gis­tra­do nas car­tei­ras.

O pro­cu­ra­dor An­sel­mo Lo­pes, que li­de­ra a for­ça-ta­re­fa da Ope­ra­ção Gre­en­fi­eld no MPF-DF, pe­diu a aber­tu­ra de du­as in­ves­ti­ga­ções que en­vol­ve­ram Gu­e­des du­ran­te o pe­río­do elei­to­ral, ti­ming que foi vis­to com “per­ple­xi­da­de” pe­los ad­vo­ga­dos do fu­tu­ro su­per­mi­nis­tro, que ne­gam qu­al­quer con­du­ta an­tié­ti­ca ou ir­re­gu­lar por par­te de Gu­e­des.

No pri­mei­ro pe­di­do de inqué­ri­to, o fo­co foi o in­ves­ti­men­to de cer­ca de R$ 60 mi­lhões fei­to pe­lo FIP BR Edu­ca­ci­o­nal na em­pre­sa de edu­ca­ção exe­cu­ti­va HSM Bra­sil em 2010. No se­gun­do pro­ces­so, o ob­je­to prin­ci­pal foi o apor­te de R$ 112 mi­lhões re­a­li­za­do pe­lo FIP Bra­sil Go­ver­nan­ça na em­pre­sa de en­ge­nha­ria Ene­sa no mes­mo ano, que ho­je es­tá ava­li­a­do por ze­ro no ba­lan­ço do fun­do.

Com ba­se em in­dí­ci­os co­le­ta­dos nu­ma in­ves­ti­ga­ção an­te­ri­or da Su­pe­rin­ten­dên­cia Na­ci­o­nal de Pre­vi­dên­cia Com­ple­men­tar (Pre­vic) so­bre in­ves­ti­men­tos da Fun­cef, a pro­cu­ra­do­ria le­van­ta dú­vi­das so­bre as con­di­ções em que os dois ne­gó­ci­os fo­ram fei­tos — ou se­ja, se o va­lor de en­tra­da do in­ves­ti­men­to foi jus­to e se hou­ve uma ir­re­gu­la­ri­da­de.

E já re­ba­ten­do um ar­gu­men­to da de­fe­sa de Gu­e­des, di­an­te do bom re­tor­no da car­tei­ra to­tal dos FIPs, o pro­cu­ra­dor diz que “ren­ta­bi­li­da­de não se con­fun­de com ili­ci­tu­de do in­ves­ti­men­to”. “Ou se­ja, um in­ves­ti­men­to ren­tá­vel po­de ter si­do pra­ti­ca­do cri­mi­no­sa­men­te e tam­bém um in­ves­ti­men­to não-per­for­ma­do tam­bém po­de ser pro­du­to de uma ope­ra­ção sem qu­al­quer ili­ci­tu­de, in­ci­din­do nos ris­cos na­tu­rais do mer­ca­do”, diz Lo­pes no des­pa­cho em que pe­de a aber­tu­ra da se­gun­da in­ves­ti­ga­ção.

Sem en­trar no mé­ri­to da in­ves­ti­ga­ção em si, Gu­e­des e sua equi­pe da Bo­za­no en­tre­ga­ram um bom re­sul­ta­do aos co­tis­tas. No FIP BR Edu­ca­ci­o­nal, já en­cer­ra­do, o apor­te to­tal foi de apro­xi­ma­da­men­te R$ 330 mi­lhões, com re­ti­ra­da to­tal de pou­co mais de R$ 700 mi­lhões ao lon­go de seis anos.

As apos­tas em Abril Edu­ca­ção e Âni­ma fo­ram fei­tas quan­do as du­as ain­da ti­nham ca­pi­tal fe­cha­do e a saí­da via bol­sa de va­lo­res se mos­trou bas­tan­te lu­cra­ti­va pa­ra o fun­do. A HSM, mes­mo com re­sul­ta­do ope­ra­ci­o­nais ruins no pe­río­do em que fi­cou na car­tei­ra, foi ven­di­da pa­ra a pró­pria Âni­ma, com lu­cro an­te o in­ves­ti­men­to ini­ci­al, em 2013.

Já no fun­do FIP Bra­sil Go­ver­nan­ça o apor­te na Ene­sa, que es­tá na mira do MPF, foi o pri­mei­ro e o mais mal-su­ce­di­do. Uma pes­soa pró­xi­ma diz que um dos gran­des pro­ble­mas é que hou­ve di­ver­gên­ci­as so­bre os cri­té­ri­os de me­di­ção das obras en­tre a Ene­sa e a Va­le, mas a com­pa­nhia con­ti­nu­ou a pres­tar ser­vi­ços mes­mo sem re­ce­ber. “Fo­ra is­so, a em­pre­sa não ti­nha pro­je­tos. Mas fi­ca­rei de­cep­ci­o­na­do se ti­ver al­go er­ra­do na ges­tão do fun­do”, diz es­sa pes­soa.

Sob a óti­ca de car­tei­ra, pe­la qual in­ves­ti­men­tos de pri­va­te equity cos­tu­mam ser ava­li­a­dos, a per­da com a Ene­sa foi com­pen­sa­da pe­lo ga­nho ob­ti­do com apor­tes na re­de de su­per­mer­ca­dos Hor­ti­fru­ti e Na­tu­ral da Ter­ra, tam­bém na Abril Edu­ca­ção e na em­pre­sa de es­ta­ci­o­na­men­tos Es­ta­par — sen­do que es­te úl­ti­mo in­ves­ti­men­to, que representa uma fa­tia de 11,5% na em­pre­sa, ain­da seguia na car­tei­ra e era ava­li­a­do por qua­se R$ 218 mi­lhões em fe­ve­rei­ro.

No to­tal, os co­tis­tas apor­ta­ram R$ 520 mi­lhões no FIP Bra­sil Go­ver­nan­ça des­de 2010, já res­ga­ta­ram R$ 587 mi­lhões e ain­da pos­suíam R$ 218 mi­lhões no fun­do na da­ta do úl­ti­mo ba­lan­ço. A fa­tia de cer­ca de 10% no ca­pi­tal da Ene­sa se­gue no fun­do, mas con­ta­bi­li­za­da por va­lor ze­ro.

O bom de­sem­pe­nho le­vou à cap­ta­ção de um ter­cei­ro FIP pe­la Bo­za­no, que atraiu no­va­men­te os fun­dos de pen­são co­mo co­tis­tas, com ca­pi­tal com­pro­me­ti­do de R$ 800 mi­lhões. Os in­ves­ti­men­tos, com fo­co no seg­men­to de saú­de, co­me­ça­ram a ser fei­tos em 2014, mas ain­da es­tão em fa­se de ma­tu­ra­ção, sem que te­nha ha­vi­do res­ga­tes até o mo­men­to.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.