‘Agir de acor­do com o que foi di­to na cam­pa­nha se­ria bur­ro e sui­ci­da’

Bol­so­na­ro traz ‘al­gum ris­co’ à de­mo­cra­cia, mas ins­ti­tui­ções pa­re­cem bar­rei­ras efi­ca­zes a de­sa­ti­nos, diz Car­va­lho

Valor Econômico - - ESPECIAL - Ser­gio La­muc­ci

A elei­ção de Jair Bol­so­na­ro (PSL) representa “al­gum ris­co” pa­ra a de­mo­cra­cia bra­si­lei­ra, mas as ins­ti­tui­ções pa­re­cem ter for­ça su­fi­ci­en­te pa­ra im­pe­dir a ado­ção de me­di­das an­ti­de­mo­crá­ti­cas pe­lo pre­si­den­te elei­to, ava­lia o his­to­ri­a­dor Jo­sé Mu­ri­lo de Car­va­lho. Pro­fes­sor emé­ri­to da Uni­ver­si­da­de Fe­de­ral do Rio de Ja­nei­ro (UFRJ), Car­va­lho diz que, “no pró­prio dis­cur­so fei­to após a vi­tó­ria, o elei­to já ado­tou re­tó­ri­ca mui­to me­nos ra­di­cal e ame­a­ça­do­ra de va­lo­res de­mo­crá­ti­cos do que a usa­da na cam­pa­nha”. Pa­ra o his­to­ri­a­dor, “agir de acor­do com o que foi di­to na cam­pa­nha se­ria bur­ro e sui­ci­da. Se­ria su­por que as For­ças Ar­ma­das es­ta­ri­am dis­pos­tas a en­trar nu­ma aven­tu­ra que não lhes in­te­res­sa.”

Ao fa­lar das ins­ti­tui­ções, Car­va­lho diz ima­gi­nar que elas se­rão “bar­rei­ras efi­ca­zes” con­tra even­tu­ais “de­sa­ti­nos” pre­si­den­ci­ais. “Te­mos o Con­gres­so on­de ele não te­rá mai­o­ria, te­mos o Ju­di­ciá­rio que vem fun­ci­o­nan­do sa­tis­fa­to­ri­a­men­te no que se re­fe­re à de­fe­sa da cons­ti­tu­ci­o­na­li­da­de de me­di­das do Exe­cu­ti­vo e do Con­gres­so, te­mos o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co, a im­pren­sa, as or­ga­ni­za­ções da so­ci­e­da­de ci­vil e as pró­pri­as re­des so­ci­ais. Por fim, há a rua.”

Ao res­pon­der so­bre que es­pe­ra de um go­ver­no Bol­so­na­ro, Car­va­lho con­si­de­ra “mui­to pro­vá­vel que ha­ja me­di­das que afe­tem ne­ga­ti­va­men­te a po­lí­ti­ca ex­ter­na, o meio am­bi­en­te, a li­ber­da­de de pen­sa­men­to, os di­rei­tos hu­ma­nos, a pro­te­ção de mi­no­ri­as, con­tra as quais se­rá ne­ces­sá­rio atu­ar com mui­ta de­ter­mi­na­ção”. Ape­sar dis­so, diz não ser “apo­ca­líp­ti­co, co­mo mui­tos ou­tros ana­lis­tas”, por acre­di­tar que ha­ve­rá “con­di­ções de evi­tar, ou pe­lo me­nos re­du­zir, os da­nos den­tro da le­ga­li­da­de e, ao fi­nal, for­ta­le­cer o sis­te­ma de­mo­crá­ti­co que, se­gun­do pes­qui­sa, ain­da é o preferido pe­la mai­o­ria dos bra­si­lei­ros”.

Car­va­lho afir­ma que hou­ve uma elei­ção de­mo­crá­ti­ca, em que “a voz da mai­o­ria” se fez ou­vir. “Por­tan­to, o ven­ce­dor tem o di­rei­to de go­ver­nar. Ca­be à mi­no­ria der­ro­ta­da dos que não con­cor­dam com as idei­as e va­lo­res dos ven­ce­do­res, co­mo é o meu ca­so, o di­rei­to, di­ria mes­mo o de­ver cí­vi­co, de fa­zer to­do ti­po de opo­si­ção que a lei per­mi­tir”.

Mem­bro da Aca­de­mia Bra­si­lei­ra de Le­tras (ABL), Car­va­lho é um dos mai­o­res his­to­ri­a­do­res do país, au­tor de obras con­sa­gra­das co­mo “A For­ma­ção das Al­mas”, “Os Bes­ti­a­li­za­dos”, “Te­a­tro de Som­bras” e “For­ças Ar­ma­das e Po­lí­ti­ca no Bra­sil”. Na con­ver­sa com o Va­lor, fei­ta por meio de uma in­ten­sa tro­ca de e-mails, ele tam­bém fa­la do qua­dro di­fí­cil que pe­tis­tas e tu­ca­nos en­fren­ta­rão da­qui pa­ra fren­te, dis­cu­tin­do os mo­ti­vos que co­lo­ca­ram um fim à po­la­ri­za­ção das elei­ções pre­si­den­ci­ais en­tre PT e PSDB. A se­guir, os prin­ci­pais tre­chos da en­tre­vis­ta com Car­va­lho, mes­tre e dou­tor em ci­ên­cia po­lí­ti­ca pe­la Uni­ver­si­da­de de Stan­ford, nos EUA.

Va­lor: Bol­so­na­ro foi elei­to com qua­se 58 mi­lhões de vo­tos, con­cor­ren­do por um par­ti­do pe­que­no, que pra­ti­ca­men­te não ti­nha tem­po de te­le­vi­são. Que fa­to­res ex­pli­cam o su­ces­so da es­tra­té­gia de Bol­so­na­ro?

Jo­sé Mu­ri­lo de Car­va­lho: Do pon­to de vis­ta po­lí­ti­co, o gran­de mal-es­tar que des­de 2013 atin­gia boa par­te da po­pu­la­ção em re­la­ção à po­lí­ti­ca e aos po­lí­ti­cos, de­cor­ren­te da cri­se econô­mi­ca e das prá­ti­cas de cor­rup­ção. Em par­ti­cu­lar, o re­pú­dio ao PT dis­se­mi­na­do em boa par­te da po­pu­la­ção. É se­gu­ro di­zer que, no se­gun­do tur­no, mui­tos elei­to­res vo­ta­ram con­tra, não a fa­vor, is­to é, con­tra Bol­so­na­ro e con­tra o PT. Do pon­to de vis­ta téc­ni­co, a de­ci­são, iné­di­ta no Bra­sil, de cen­trar a cam­pa­nha nas re­des so­ci­ais, re­cur­so ba­ra­to e efi­caz. Adeus, mar­que­tei­ros tra­di­ci­o­nais.

Va­lor: A elei­ção de Bol­so­na­ro guar­da se­me­lhan­ça com al­gu­ma ou­tra elei­ção da his­tó­ria do país?

Car­va­lho: Co­mo tá­ti­ca de cam­pa­nha, não. Po­li­ti­ca­men­te, o ata­que de can­di­da­tos de fo­ra do es­ta­blish­ment par­ti­dá­rio à cor­rup­ção ge­ne­ra­li­za­da deu-se com Jâ­nio Qua­dros, que usa­va uma vas­sou­ra co­mo símbolo da cam­pa­nha, e Fer­nan­do Col­lor, com seu mo­te de ca­ça aos ma­ra­jás.

Va­lor: Na oi­ta­va elei­ção pre­si­den­ci­al após a re­de­mo­cra­ti­za­ção, três dé­ca­das de­pois da pro­mul­ga­ção da Cons­ti­tui­ção de 1988, o Bra­sil ele­geu um ca­pi­tão da re­ser­va que elo­gia o pe­río­do da di­ta­du­ra. Qual o sig­ni­fi­ca­do des­ta elei­ção?

Car­va­lho: Uma gran­de no­vi­da­de des­ta elei­ção é que o gol­pe ci­vil­mi­li­tar de 1964 e a di­ta­du­ra mi­li­tar de 1968 a 1985 fo­ram co­lo­ca­dos no cen­tro do de­ba­te. Is­to sig­ni­fi­ca que es­se te­ma ain­da não vi­rou his­tó­ria, é ain­da me­mó­ria vi­va. Fi­quei per­ple­xo ao ler os re­sul­ta­dos de uma pes­qui­sa pu­bli­ca­da na “Fo­lha” mos­tran­do que pes­so­as mais ve­lhas, que vi­ram 1964 e vi­ve­ram a di­ta­du­ra, ten­dem a ter vi­são mais po­si­ti­va dela do que pes­so­as mais no­vas. Mas, ape­sar do sau­do­sis­mo de al­guns, se­ria exa­ge­ro ima­gi­nar que se tra­ta de pro­je­to de re­tor­no à di­ta­du­ra.

Va­lor: A vi­tó­ria de Bol­so­na­ro representa um ris­co pa­ra a de­mo­cra­cia?

Car­va­lho: Al­gum ris­co. Mas no dis­cur­so fei­to após a vi­tó­ria o elei­to já ado­tou re­tó­ri­ca mui­to me­nos ra­di­cal e ame­a­ça­do­ra de va­lo­res de­mo­crá­ti­cos do que a usa­da na cam­pa­nha. Pa­re­ceu o “paz e amor” de Lu­la, só que di­ri­gi­do ao pú­bli­co opos­to ao que Lu­la vi­sou. Agir de acor­do com o que foi di­to na cam­pa­nha se­ria bur­ro e sui­ci­da. Se­ria su­por que as For­ças Ar­ma­das es­ta­ri­am dis­pos­tas a en­trar nu­ma aven­tu­ra que não lhes in­te­res­sa.

Va­lor: As ins­ti­tui­ções bra­si­lei­ras têm for­ça su­fi­ci­en­te pa­ra im­pe­dir a ado­ção de even­tu­ais me­di­das an­ti­de­mo­crá­ti­cas pe­lo pre­si­den­te?

Car­va­lho: Creio que sim. Te­mos o Con­gres­so on­de ele não te­rá mai­o­ria, te­mos o Ju­di­ciá­rio que vem fun­ci­o­nan­do sa­tis­fa­to­ri­a­men­te no que se re­fe­re à de­fe­sa da cons­ti­tu­ci­o­na­li­da­de de me­di­das do Exe­cu­ti­vo e do Con­gres­so, te­mos o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co, a im­pren­sa, as or­ga­ni­za­ções da so­ci­e­da­de ci­vil e as pró­pri­as re­des so­ci­ais. Por fim, há a rua. Ima­gi­no que se­rão bar­rei­ras efi­ca­zes con­tra de­sa­ti­nos pre­si­den­ci­ais.

Va­lor: O vi­ce de Bol­so­na­ro é um ge­ne­ral da re­ser­va, e o deputado já in­di­cou que ha­ve­rá ou­tros mi­li­ta­res em car­gos im­por­tan­tes no go­ver­no. A pre­sen­ça de mi­li­ta­res na ce­na po­lí­ti­ca é mo­ti­vo de pre­o­cu­pa­ção?

Car­va­lho: Os mi­li­ta­res vi­nham­se man­ten­do à mar­gem da po­lí­ti­ca des­de a re­de­mo­cra­ti­za­ção. Ul­ti­ma­men­te é que o co­man­dan­te do Exér­ci­to e o ge­ne­ral que com­põe a cha­pa ven­ce­do­ra co­me­ça­ram a fa­zer de­cla­ra­ções po­lí­ti­cas que lem­bra­vam os anos an­te­ri­o­res a 1964. Mas é pre­ci­so no­tar que os co­man­dan­tes da Ma­ri­nha e da Ae­ro­náu­ti­ca se man­ti­ve­ram em si­lên­cio. A di­ta­du­ra cus­tou mui­to ca­ro pa­ra a ima­gem das For­ças Ar­ma­das, so­bre­tu­do en­tre se­to­res da clas­se mé­dia (in­te­lec­tu­ais, ar­tis­tas, jor­na­lis­tas) pa­ra que elas se ar­ris­quem a des­res­pei­tar a Cons­ti­tui­ção. A pre­sen­ça de ge­ne­rais no go­ver­no po­de­rá re­pre­sen­tar es­ti­los de ação e ên­fa­ses di­fe­ren­tes, mas não ne­ces­sa­ri­a­men­te ile­gais.

Va­lor: De 1994 em di­an­te, to­das as elei­ções pre­si­den­ci­ais ti­nham si­do mar­ca­das pe­la po­la­ri­za­ção en­tre PT e PSDB. Por que es­sa po­la­ri­za­ção fi­cou pa­ra trás des­ta vez?

Car­va­lho: Os dois par­ti­dos des­gas­ta­ram-se. Após um bom de­sem­pe­nho nos dois pri­mei­ros man­da­tos, aju­da­do pe­lo ce­ná­rio in­ter­na­ci­o­nal fa­vo­rá­vel, o PT le­vou o país à re­ces­são e dei­xou o le­ga­do da La­va-Ja­to. Sua ar­ro­gân­cia não lhe per­mi­tiu fa­zer au­to­crí­ti­ca e se re­pen­sar. Vi­rou um par­ti­do do Nor­des­te. O PSDB per­deu tam­bém sua iden­ti­da­de e viu par­te de su­as li­de­ran­ças en­vol­vi­das em de­nún­ci­as de cor­rup­ção. Em 2013, as ru­as já ti­nham aler­ta­do pa­ra o des­gas­te da po­lí­ti­ca e dos po­lí­ti­cos he­gemô­ni­cos, mas em vão.

Va­lor: Can­di­da­tu­ras mais ao cen­tro ti­ve­ram um de­sem­pe­nho mui­to ruim na elei­ção, es­pe­ci­al­men­te as de Ge­ral­do Alck­min e de Ma­ri­na Sil­va. Por que o cen­tro se saiu tão mal nas ur­nas des­ta vez?

Car­va­lho: O am­bi­en­te era de uma no­va po­la­ri­za­ção. Não so­brou lu­gar pa­ra o cen­tro. Mas, no Bra­sil, não se go­ver­na sem ele. Pes­qui­sas do Ibo­pe de mar­ço de 1964 pre­vi­am vi­tó­ria de JK [Jus­ce­li­no Ku­bits­chek], de cen­tro, no ano se­guin­te. A po­la­ri­za­ção não o per­mi­tiu. Uma sim­ples ali­an­ça do PT com Ci­ro Go­mes, can­di­da­to de cen­tro, com es­te co­mo ca­be­ça de cha­pa, po­de­ria ter evi­ta­do a vi­tó­ria de Bol­so­na­ro.

Va­lor: João Do­ria sai das elei­ções pro­va­vel­men­te co­mo o prin­ci­pal no­me do PSDB, da­do o mau de­sem­pe­nho de Alck­min, o nau­frá­gio de Aé­cio Ne­ves e o oca­so de ou­tras fi­gu­ras tra­di­ci­o­nais do par­ti­do. Que fu­tu­ro, se al­gum, o sr. vê pa­ra o PSDB?

Car­va­lho: Não ve­jo fu­tu­ro. Te­rá que sair de ce­na ou se rein­ven­tar, com no­vas li­de­ran­ças e no­vas pro­pos­tas po­lí­ti­cas. Do­ria não representa a pro­pos­ta ini­ci­al so­ci­al­de­mo­cra­ta do PSDB ori­gi­nal.

Va­lor: Lu­la le­vou o seu can­di­da­to ao se­gun­do tur­no, mas o pe­tis­mo so­freu uma der­ro­ta ex­pres­si­va. Qual se­rá o pa­pel de Lu­la e do lu­lis­mo da­qui pa­ra fren­te?

Car­va­lho: Lu­la en­fren­ta si­tu­a­ção di­fí­cil. Te­rá que fa­zer o que nun­ca quis fa­zer: dar lu­gar a um su­ces­sor que te­nha li­ber­da­de de ação, em vez dos pos­tes que tem usa­do. Ao mes­mo tem­po, seu par­ti­do pre­ci­sa re­du­zir o grau de de­pen­dên­cia em re­la­ção a seu cri­a­dor e tam­bém se re­pen­sar. Ex­pul­so do Su­des­te, Sul, Cen­tro-Oes­te e par­te do Nor­te, não te­rá fu­tu­ro na­ci­o­nal.

Va­lor: O an­ti­pe­tis­mo te­ve um pa­pel de­ter­mi­nan­te pa­ra a elei­ção de Bol­so­na­ro. Quais os prin­ci­pais er­ros

Ape­sar de su­as idi­os­sin­cra­si­as, Ci­ro tal­vez te­nha me­lho­res con­di­ções pa­ra li­de­rar a opo­si­ção ao no­vo go­ver­no”

do PT que le­va­ram a es­sa re­jei­ção tão for­te ao par­ti­do?

Car­va­lho: Er­ros de po­lí­ti­ca econô­mi­ca, en­vol­vi­men­to em mal­fei­tos, ar­ro­gân­cia, agres­si­vi­da­de. Além dis­so, hou­ve o des­gas­te nor­mal de par­ti­dos que fi­cam mui­to tem­po no po­der e não per­ce­bem mu­dan­ças na so­ci­e­da­de, às ve­zes pro­vo­ca­das por sua pró­pria po­lí­ti­ca.

Va­lor: Fer­nan­do Had­dad — ou al­gum ou­tro no­me do PT — po­de­rá li­de­rar a es­quer­da nos pró­xi­mos anos? Ou es­se pa­pel ca­be­rá a al­guém co­mo Ci­ro Go­mes?

Car­va­lho: O PT nun­ca foi bom de ali­an­ças, nun­ca quis abrir mão da he­ge­mo­nia, co­mo foi o ca­so ago­ra com o PDT de Ci­ro Go­mes. Es­te, ape­sar de su­as idi­os­sin­cra­si­as, tal­vez te­nha me­lho­res con­di­ções pa­ra li­de­rar a opo­si­ção ao no­vo go­ver­no.

Va­lor: Had­dad e o PT ten­ta­ram for­mar o que se cha­mou de uma fren­te de­mo­crá­ti­ca no se­gun­do tur­no, mas não con­se­guiu o apoio ex­plí­ci­to de fi­gu­ras co­mo Fer­nan­do Hen­ri­que Car­do­so e nem mes­mo Ci­ro Go­mes, ain­da que os dois te­nham fei­to de­cla­ra­ções con­tra Bol­so­na­ro. O que ex­pli­ca o in­su­ces­so da ini­ci­a­ti­va?

Car­va­lho: Co­mo di­to em res­pos­ta aci­ma, à fal­ta de con­fi­an­ça no PT co­mo ali­a­do. O par­ti­do nun­ca abriu mão de uma po­si­ção he­gemô­ni­ca em su­as ali­an­ças, se­ja com par­ti­dos me­no­res de es­quer­da, se­ja com gran­des par­ti­dos de cen­tro. Os vi­ces de ou­tros par­ti­dos nos go­ver­nos pe­tis­tas eram fi­gu­ras de­co­ra­ti­vas. Creio que a re­cu­sa de ali­an­ça não foi a Had­dad, foi ao PT, on­de ele é qua­se um pás­sa­ro fo­ra do ni­nho. Es­ta mes­ma re­cu­sa vai di­fi­cul­tar uma ali­an­ça dos par­ti­dos opo­si­ci­o­nis­tas.

Va­lor: Bol­so­na­ro tem pro­me­ti­do fa­zer um go­ver­no sem con­ces­sões aos par­ti­dos, evi­tan­do o toma-lá-dá­cá com os par­la­men­ta­res. É pos­sí­vel go­ver­nar as­sim com um Con­gres­so que con­ti­nua extremamente frag­men­ta­do, ten­tan­do mu­dar a ló­gi­ca do pre­si­den­ci­a­lis­mo de co­a­li­zão?

Car­va­lho: Sem con­ces­sões e ali­an­ças não é pos­sí­vel go­ver­nar num re­gi­me de­mo­crá­ti­co. Os exem­plos de Jâ­nio Qua­dros e Col­lor que o di­gam. Ali­an­ças tal­vez pu­des­sem ser fei­tas com ban­ca­das em vez de par­ti­dos, mas, mes­mo as­sim, não se evi­ta­ria o toma-lá-dá-cá. E, mes­mo com a re­du­ção do nú­me­ro de par­ti­dos, seu nú­me­ro ain­da é gran­de e se­rá ine­vi­tá­vel fa­zer co­a­li­zões, mes­mo que ad hoc. O que es­tá er­ra­do e que con­tri­buiu pa­ra des­cré­di­to de po­lí­ti­cos, de par­ti­dos e da pró­pria po­lí­ti­ca fo­ram as ali­an­ças com­pra­das por mei­os cri­mi­no­sos.

Va­lor: Bol­so­na­ro tem um his­tó­ri­co es­ta­ti­zan­te e cor­po­ra­ti­vis­ta co­mo deputado, mas ado­tou um dis­cur­so li­be­ral na eco­no­mia na cam­pa­nha. Qual dos dois ten­de a pre­do­mi­nar no go­ver­no, o es­ta­ti­zan­te ou o li­be­ral?

Car­va­lho: Se vo­cê sou­ber, me con­te. A di­fi­cul­da­de da pre­vi­são já fi­ca cla­ra com a es­co­lha fei­ta pe­lo pre­si­den­te es­ta­ti­zan­te de um su­per­mi­nis­tro da área econô­mi­ca que é ra­di­cal­men­te pró mer­ca­do.

Va­lor: O que o se­nhor es­pe­ra de um go­ver­no Bol­so­na­ro?

Car­va­lho: De­mo­cra­cia co­mo sis­te­ma de go­ver­no tem dois prin­cí­pi­os fun­da­men­tais: o di­rei­to que a mai­o­ria tem de go­ver­nar e o di­rei­to que a mi­no­ria tem de se opor. Hou­ve uma elei­ção de­mo­crá­ti­ca em que a voz da mai­o­ria se fez ou­vir e não se­ria de­mo­crá­ti­co di­zer que o po­vo não sa­be vo­tar. Por­tan­to, o ven­ce­dor tem o di­rei­to de go­ver­nar. Ca­be à mi­no­ria der­ro­ta­da dos que não con­cor­dam com as idei­as e va­lo­res dos ven­ce­do­res, co­mo é o meu ca­so, o di­rei­to, di­ria mes­mo o de­ver cí­vi­co, de fa­zer to­do ti­po de opo­si­ção que a lei per­mi­tir. É mui­to pro­vá­vel que ha­ja me­di­das que afe­tem ne­ga­ti­va­men­te a po­lí­ti­ca ex­ter­na, o meio am­bi­en­te, a li­ber­da­de de pen­sa­men­to, os di­rei­tos hu­ma­nos, a pro­te­ção de mi­no­ri­as, con­tra as quais se­rá ne­ces­sá­rio atu­ar com mui­ta de­ter­mi­na­ção. Mas não sou apo­ca­líp­ti­co, co­mo mui­tos ou­tros ana­lis­tas. Ain­da acho que te­re­mos con­di­ções de evi­tar, ou pe­lo me­nos re­du­zir, os da­nos den­tro da le­ga­li­da­de e, ao fi­nal, for­ta­le­cer o sis­te­ma de­mo­crá­ti­co que, se­gun­do pes­qui­sa, ain­da é o preferido pe­la mai­o­ria dos bra­si­lei­ros.

Va­lor: Em que me­di­da ata­ques à im­pren­sa, de­cla­ra­ções con­tra mi­no­ri­as e a afir­ma­ção de que pre­ten­de “var­rer do ma­pa os ban­di­dos ver­me­lhos” in­di­cam o que po­de­rá ser a pre­si­dên­cia de Bol­so­na­ro?

Car­va­lho: Há re­tó­ri­ca de cam­pa­nha e há po­lí­ti­ca de go­ver­no. Se vão coin­ci­dir ou não, só o tem­po di­rá.

Va­lor: Qual o sig­ni­fi­ca­do da ida do juiz Ser­gio Mo­ro pa­ra o go­ver­no Bol­so­na­ro, pa­ra ocu­par um Mi­nis­té­rio da Jus­ti­ça for­ta­le­ci­do e am­pli­a­do?

Car­va­lho: A ida de Ser­gio Mo­ro pa­ra um Mi­nis­té­rio da Jus­ti­ça re­for­ça­do man­da men­sa­gens con­tra­di­tó­ri­as. Ins­pi­ra­da na de­ci­são do juiz ita­li­a­no Gi­o­van­ni Fal­co­ne da Ope­ra­ção Mãos Lim­pas, po­de re­for­çar o com­ba­te à cor­rup­ção con­fir­man­do a pri­são após con­de­na­ção em se­gun­da ins­tân­cia e re­du­zin­do os be­ne­fi­ciá­ri­os do fo­ro es­pe­ci­al. Tal po­lí­ti­ca, por ou­tro la­do, po­de ge­rar cons­tran­gi­men­tos en­tre ali­a­dos, ou po­ten­ci­ais ali­a­dos, que es­te­jam na mira da jus­ti­ça. Co­mo juiz, po­de ser um an­te­pa­ro con­tra ini­ci­a­ti­vas in­cons­ti­tu­ci­o­nais que o pre­si­den­te pos­sa even­tu­al­men­te ten­tar, o que o co­lo­ca­rá em choque com seu che­fe. A es­ta al­tu­ra, só po­de­mos de­se­jar que ele não te­nha o des­ti­no de Fal­co­ne.

Sem ali­an­ças e con­ces­sões, não é pos­sí­vel go­ver­nar num re­gi­me de­mo­crá­ti­co. Jâ­nio e Col­lor que o di­gam”

LEO PI­NHEI­RO/VA­LOR

Car­va­lho: Pre­sen­ça de ge­ne­rais po­de­rá re­pre­sen­tar es­ti­los de ação e ên­fa­ses di­fe­ren­tes, mas não ne­ces­sa­ri­a­men­te ile­gais

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.