CSN pro­me­te re­du­zir mais a ala­van­ca­gem

Me­ta da em­pre­sa é fe­char o ano com in­di­ca­dor que me­de a re­la­ção dívida lí­qui­da so­bre Ebit­da em 4 ve­zes

Valor Econômico - - | EMPRESAS INDÚSTRIA - Fer­nan­da Pi­res

Prin­ci­pal pre­o­cu­pa­ção de in­ves­ti­do­res e ana­lis­tas de ban­cos que acom­pa­nham a em­pre­sa, a ala­van­ca­gem da Com­pa­nhia Si­de­rúr­gi­ca Na­ci­o­nal (CSN) de­ve­rá con­ti­nu­ar em que­da e po­de en­cer­rar o ano pró­xi­ma de 4 ve­zes. Is­so ocor­re­rá mes­mo sem a ven­da de ati­vos, in­for­ma­ram on­tem exe­cu­ti­vos da CSN em te­le­con­fe­rên­cia com ana­lis­tas pa­ra fa­lar dos re­sul­ta­dos do ter­cei­ro tri­mes­tre. Pa­ra tan­to, a CSN con­ta com a ten­dên­cia de ma­nu­ten­ção do cres­ci­men­to do lu­cro an­tes de ju­ros, im­pos­tos, de­pre­ci­a­ção e amor­ti­za­ção (Ebit­da, na si­gla em in­glês) nos pró­xi­mos me­ses.

Em se­tem­bro, a ala­van­ca­gem da em­pre­sa, me­di­da pe­la re­la­ção dívida lí­qui­da so­bre Ebit­da, foi de 4,93 ve­zes an­te 5,34 ve­zes no fim de ju­nho. Ao câm­bio atu­al, o múl­ti­plo de se­tem­bro fi­cou mais bai­xo, em 4,71 ve­zes. A me­lho­ra se deu de­vi­do ao avan­ço do re­sul­ta­do ope­ra­ci­o­nal, pois a dívida lí­qui­da fi­cou igual à do fim de ju­nho.

O ob­je­ti­vo mai­or da CSN é che­gar com ala­van­ca­gem de até 3,5 ve­zes em me­a­dos de 2019. Até lá, con­tu­do, a CSN crê na ven­da de mais ati­vos. A em­pre­sa es­tá atu­an­do em vá­ri­as fren­tes e a que de­ve sair mais ra­pi­da­men­te se re­fe­re a de­sin­ves­ti­men­tos fo­ra do Bra­sil. A em­pre­sa es­tá se des­fa­zen­do das uni­da­des de si­de­rur­gia em Por­tu­gal (Lu­so­si­der) e na Ale­ma­nha (SWT). A fa­se de di­li­gên­cia dos in­te­res­sa­dos de­ve co­me­çar lo­go e no­tí­ci­as con­cre­tas são es­pe­ra­das nos pró­xi­mos 45 di­as.

Os da­dos do ter­cei­ro tri­mes­tre da si­de­rúr­gi­ca sur­pre­en­de­ram. O lu­cro lí­qui­do foi de R$ 752 mi­lhões, al­ta de 194% em ba­se anu­al, re­fle­xo da for­te me­lho­ra ope­ra­ci­o­nal. Luis Fer­nan­do Martinez, di­re­tor exe­cu­ti­vo co­mer­ci­al da com­pa­nhia, des­ta­cou que o ter­cei­ro tri­mes­tre foi o me­lhor des­de 2014, após “qua­tro anos de ma­re­mo­to no Bra­sil”.

De acor­do com o pre­si­den­te e aci­o­nis­ta da CSN, Ben­ja­min Stein­bru­ch, a em­pre­sa de­ve en­cer­rar o ano com o es­to­que qua­se ze­ra­do tan­to na mi­ne­ra­ção co­mo na si­de­rur­gia, di­an­te da re­to­ma­da do mer­ca­do. Es­pe­ci­al­men­te no mer­ca­do de aço, a CSN te­rá “o me­nor ní­vel de es­to­que dos úl­ti­mos anos”, dis­se ele. A pers­pec­ti­va de me­lho­ra “é bas­tan­te gran­de”, ra­zão pe­la qual po­de ha­ver um “sal­to nos pre­ços”, dis­se o pre­si­den­te.

“Se ana­li­sar­mos a cres­cen­te que vi­mos nos três pri­mei­ros tri­mes­tre, o de­se­jo é que a gen­te con­si­ga su­pe­rar e en­tre­gar re­sul­ta­do bas­tan­te bom [no ano] pa­ra co­ro­ar os es­for­ços em ter­mos de re­du­ção de gas­tos, con­tro­le de cus­tos, me­lho­ra de per­for­man­ce de ven­das e me­lho­ra de qua­li­da­de”, afir­mou Stein­bru­ch.

Um dos mer­ca­dos que mais de­man­dam aço é o au­to­mo­ti­vo, com quem a CSN es­tá ne­go­ci­an­do au­men­to de pre­ços nos con­tra­tos pa­ra 2019 e per­to de fe­char com al­gu­mas mon­ta­do­ras. A so­li­ci­ta­ção da em­pre­sa é de re­a­jus­te de 27,5%.

Se­gun­do o di­re­tor de mi­ne­ra­ção, Ene­as Di­niz, a pers­pec­ti­va pa­ra 2019 é de au­men­to gra­du­al na pro­du­ção “su­pe­ri­or a 31 mi­lhões de to­ne­la­das”.

A com­pa­nhia ain­da es­tá de­fi­nin­do o pla­no de in­ves­ti­men­tos pa­ra 2019. A pers­pec­ti­va, po­rém, é que fi­que mar­gi­nal­men­te aci­ma do re­a­li­za­do em 2018. No acu­mu­la­do des­te ano, a CSN de­sem­bol­sou R$ 821 mi­lhões.

Uma das ope­ra­ções que vão con­su­mir par­te dos re­cur­sos é a re­for­ma do al­to-for­no 3, o prin­ci­pal da em­pre­sa, lo­ca­li­za­do em Vol­ta Re­don­da (RJ). A em­pre­sa fa­rá uma parada em ju­lho e a in­ter­rup­ção de­ve du­rar dois me­ses — mas a CSN ain­da bus­ca re­du­zir es­se tem­po. A em­pre­sa es­ti­ma, por ora, in­ves­tir de R$ 200 mi­lhões a R$ 220 mi­lhões. Com a re­for­ma, ela pre­ten­de adi­ci­o­nar um vo­lu­me de 400 mil to­ne­la­das na ba­se anu­al, pre­pa­ran­do-se pa­ra a de­man­da adi­ci­o­nal de con­su­mo no pró­xi­mo ano.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.