Dis­tri­bui­do­ras ve­em re­to­ma­da nas ven­das

Re­sul­ta­dos do 3 tri­mes­tre mos­tram li­gei­ra me­lho­ra em vo­lu­me e que­da acen­tu­a­da na mar­gem

Valor Econômico - - | EMPRESAS INDÚSTRIA - Stel­la Fon­tes

De­pois de mais um tri­mes­tre de de­man­da fra­ca e mar­gens pres­si­o­na­das, as gran­des dis­tri­bui­do­ras de com­bus­tí­veis no país co­me­ça­ram a per­ce­ber me­lho­ra nos ne­gó­ci­os no qu­ar­to tri­mes­tre. Tan­to Ipi­ran­ga, do gru­po Ul­tra, quan­to Raí­zen Com­bus­tí­veis, joint ven­tu­re en­tre Co­san e Shell, in­di­ca­ram que a ex­pec­ta­ti­va é de re­to­ma­da gra­du­al nos pró­xi­mos me­ses, dei­xan­do pa­ra trás o mo­men­to di­fí­cil en­fren­ta­do nes­te ano, agra­va­do pe­la gre­ve dos ca­mi­nho­nei­ros.

O sen­ti­men­to é de oti­mis­mo com o de­sem­pe­nho no qu­ar­to tri­mes­tre e no ano que vem. Mas ain­da há de­sa­fi­os, as­so­ci­a­dos à ve­lo­ci­da­de de recuperação do con­su­mo no ci­clo Ot­to (ga­so­li­na e eta­nol), con­cor­rên­cia mais acir­ra­da en­tre as re­des e in­cer­te­zas re­gu­la­tó­ri­as — o pro­gra­ma de sub­ven­ção ao di­e­sel, um des­do­bra­men­to da pa­ra­li­sa­ção dos ca­mi­nho­nei­ros em maio, de­ve se en­cer­rar em 31 de de­zem­bro.

As três mai­o­res do se­tor, Ipi­ran­ga, Raí­zen e BR Dis­tri­bui­do­ra, con­tro­la­da pe­la Pe­tro­bras, re­gis­tra­ram pi­o­ra sig­ni­fi­ca­ti­va dos re­sul­ta­dos no ter­cei­ro tri­mes­tre, na com­pa­ra­ção anu­al. Na Ipi­ran­ga, o vo­lu­me de com­bus­tí­veis ven­di­do cres­ceu 2%, mas a vo­la­ti­li­da­de nos pre­ços e a mai­or par­ti­ci­pa­ção do eta­nol no mix de ven­das afe­tou a mar­gem Ebit­da — que caiu de R$ 154 por me­tro cú­bi­co há um ano pa­ra R$ 80 por me­tro cú­bi­co. Con­tu­do, a re­de vol­tou a ga­nhar par­ti­ci­pa­ção de mer­ca­do em di­e­sel e em eta­nol e ga­so­li­na.

Na Raí­zen Com­bus­tí­veis, o vo­lu­me to­tal co­mer­ci­a­li­za­do cres­ceu 1,5% no tri­mes­tre e a mar­gem caiu me­nos, de R$ 135,6 por me­tro cú­bi­co pa­ra R$ 102,1 por me­tro cú­bi­co. Na BR, o vo­lu­me ven­di­do de com­bus­tí­veis re­cu­ou 3,1%, en­quan­to a mar­gem Ebit­da en­co­lheu a R$ 58 por me­tro cú­bi­co, com­pa­rá­vel a R$ 93 por me­tro cú­bi­co no ter­cei­ro tri­mes­tre do ano pas­sa­do.

Ao co­men­tar os re­sul­ta­dos da Ul­tra­par no in­ter­va­lo, que fo­ram me­no­res por cau­sa do de­sem­pe­nho da Ipi­ran­ga, o di­re­tor fi­nan­cei­ro e de Re­la­ções com In­ves­ti­do­res, An­dré Pi­res, dis­se que o am­bi­en­te ope­ra­ci­o­nal es­tá mais fa­vo­rá­vel, por cau­sa do ce­ná­rio de recuperação econô­mi­ca. Di­an­te dis­so, a re­de de­ve re­por­tar re­sul­ta­dos me­lho­res, com cres­ci­men­to con­sis­ten­te no qu­ar­to tri­mes­tre.

“Con­ti­nu­a­mos ven­do me­lho­ra se­quen­ci­al de vo­lu­mes e ren­ta­bi­li­da­de ao lon­go dos úl­ti­mos me­ses na Ipi­ran­ga, o que de­ve se re­pe­tir quan­do se com­pa­rar o qu­ar­to tri­mes­tre com o ter­cei­ro tri­mes­tre. E is­so de­ve se man­ter ao lon­go de 2019, de for­ma mais sig­ni­fi­ca­ti­va do que ago­ra. Na com­pa­ra­ção ano con­tra ano, te­mos con­vic­ção de que a me­lho­ra se­rá bas­tan­te sig­ni­fi­ca­ti­va”, dis­se, em te­le­con­fe­rên­cia com ana­lis­tas.

De acor­do com Pi­res, hou­ve uma li­gei­ra me­lho­ra no ce­ná­rio econô­mi­co, ape­sar da ma­nu­ten­ção dos ní­veis de de­sem­pre­go e do au­men­to da in­fla­ção no país. Com a de­fi­ni­ção elei­to­ral, a cren­ça é que o am­bi­en­te se­rá pro­pí­cio ao de­ba­te das re­for­mas es­tru­tu­rais, que con­tri­bui­rão pa­ra a re­to­ma­da do cres­ci­men­to econô­mi­co. Com is­so, ha­ve­rá ex­pan­são do Pro­du­to In­ter­no Bru­to (PIB) e da de­man­da no mer­ca­do in­ter­no em 2019. “A Ul­tra­par es­pe­ra re­sul­ta­dos me­lho­res em to­dos os ne­gó­ci­os, com des­ta­que pa­ra a Ipi­ran­ga, di­an­te da pers­pec­ti­va de evo­lu­ção do am­bi­en­te ope­ra­ci­o­nal, com cres­ci­men­to sig­ni­fi­ca­ti­vo”, dis­se o exe­cu­ti­vo.

De­pois dos re­sul­ta­dos do ter­cei­ro tri­mes­tre, a Raí­zen re­du­ziu a pro­je­ção pa­ra o Ebit­da em 2018. No in­ter­va­lo, o re­sul­ta­do ope­ra­ci­o­nal caiu 24% na com­pa­ra­ção anu­al, pa­ra R$ 683 mi­lhões. An­tes, o Ebit­da anu­al da Raí­zen Com­bus­tí­veis es­ta­va es­ti­ma­do em R$ 2,85 bi­lhões a R$ 3,15 bi­lhões. Ago­ra, o pi­so do in­ter­va­lo an­te­ri­or es­tá no cen­tro do no­vo in­ter­va­lo pro­je­ta­do, que vai de R$ 2,75 bi­lhões a R$ 2,95 bi­lhões.

“Os R$ 2,85 bi­lhões são, ago­ra, o pon­to mé­dio do gui­dan­ce e é o que con­ti­nu­a­mos mi­ran­do. Há al­gu­mas ques­tões ain­da em eta­nol, a pró­pria di­nâ­mi­ca do pro­gra­ma de sub­ven­ção ao di­e­sel. Com tu­do is­so em vis­ta, con­ti­nu­a­mos acre­di­tan­do em recuperação gra­du­al des­se ne­gó­cio”, afir­mou o ge­ren­te de Re­la­ções com In­ves­ti­do­res da Co­san, Phil­li­pe Ca­sa­le, em te­le­con­fe­rên­cia com ana­lis­tas. No ano pas­sa­do, o re­sul­ta­do foi de R$ 2,94 bi­lhões.

Es­sa me­lho­ra gra­du­al, se­gun­do o exe­cu­ti­vo, já es­tá sen­do per­ce­bi­da, mas o con­su­mo de com­bus­tí­veis do ci­clo Ot­to se­gue co­mo uma das mai­o­res fon­tes de pres­são so­bre o se­tor. A que­da re­cen­te nos pre­ços da ga­so­li­na po­de aju­dar na re­to­ma­da, po­rém há al­guns de­sa­fi­os per­sis­ten­tes, con­for­me Ca­sa­le. “O Bra­sil pas­sa por um ano de al­guns de­sa­fi­os e o pe­río­do pós-gre­ve foi ne­ces­sá­rio pa­ra aco­mo­da­ção da in­dús­tria. Mas te­mos vis­to me­lho­ra gra­du­al após a gre­ve, na pró­pria ren­ta­bi­li­da­de do ne­gó­cio, e de­ve se­guir as­sim até o fim do qu­ar­to tri­mes­tre”, dis­se.

A de­man­da do ci­clo Ot­to tem si­do afe­ta­da nes­te ano pe­lo ele­va­do ní­vel de de­sem­pre­go, ren­da me­nor e pe­la al­ta dos pre­ços da ga­so­li­na, que tem se re­fle­ti­do em mai­or mi­gra­ção do con­su­mi­dor pa­ra o eta­nol.

Gran­des re­des afir­mam que ain­da há de­sa­fi­os, co­mo a ve­lo­ci­da­de de recuperação no con­su­mo de ga­so­li­na e eta­nol

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.