As tor­men­tas que de­sa­fi­am o Re­ne­ga­de

Se as es­tra­das de ter­ra e o as­fal­to es­bu­ra­ca­do não são pro­ble­mas pa­ra o SUV, a eco­no­mia e os ri­vais são

Valor Econômico - - | ESPECIAL VALOR&AUTO - Glau­co Lu­ce­na

Três anos e meio após seu lan­ça­men­to no país, o Je­ep Re­ne­ga­de che­ga à sua pri­mei­ra re­es­ti­li­za­ção le­ve, acom­pa­nha­da de al­guns ajus­tes es­tra­té­gi­cos na li­nha. Se as pis­tas de ter­ra e o as­fal­to es­bu­ra­ca­do não fo­ram pro­ble­ma pa­ra o valente SUV com­pac­to, as in­tem­pé­ri­es do mer­ca­do bra­si­lei­ro vêm de­sa­fi­an­do o mo­de­lo, mais do que os exe­cu­ti­vos da mar­ca es­pe­ra­vam.

O Je­ep Re­ne­ga­de nas­ceu da vi­são ar­ro­ja­da do re­cen­te­men­te fa­le­ci­do CEO da FCA, Ser­gio Mar­chi­on­ne. O chefão da Fi­at Chrys­ler Au­to­mo­bi­les so­nha­va em re­pli­car glo­bal­men­te o su­ces­so eu­ro­peu da du­pla Ju­ke e Qu­ashqai, da Nis­san. Sob sua de­man­da foi pro­je­ta­da a ta­be­li­nha Re­ne­ga­de e Com­pass, da Je­ep, quan­do a on­da SUV ain­da es­ta­va mais pa­ra ma­ro­la.

A du­pla te­ria a mis­são de ti­rar a Je­ep do ter­ri­tó­rio ame­ri­ca­no, ex­pan­din­do a mar­ca pa­ra Eu­ro­pa, Ásia e Amé­ri­ca do Sul. Exe­cu­ti­vos do gru­po no Bra­sil que­ri­am que o Re­ne­ga­de fos­se Fi­at. Mar­chi­on­ne ba­teu o pé e or­de­nou que ele fos­se Je­ep. E que a no­va fábrica per­nam­bu­ca­na fos­se Je­ep. E que a mar­ca das se­te fen­das ti­ves­se uma re­de se­pa­ra­da da Fi­at.

O pla­no deu cer­to, mas de­sa­fi­os com­pli­ca­ram a vi­da do bra­vo Re­ne­ga­de em ter­ras bra­si­lei­ras. Quan­do ele foi pro­je­ta­do, no iní­cio des­ta dé­ca­da, o mer­ca­do ba­tia re­cor­des. Quan­do en­fim che­gou às lo­jas, em mar­ço de 2015, a cri­se já es­ta­va ins­ta­la­da no Bra­sil. Os pla­nos de ven­der cer­ca de 7 mil uni­da­des/mês ti­ve­ram de ser re­vis­tos.

O su­ces­so do Hon­da HR-V tam­bém ti­rou par­te do im­pac­to do Re­ne­ga­de. Mes­mo as­sim, em 2015 ele tra­vou uma boa bri­ga pe­la li­de­ran­ça com o Hon­da, per­di­da por pou­cas uni­da­des. Mas le­vou o “Car­ro do Ano”, da “Au­to­es­por­te” e foi o pri­mei­ro na­ci­o­nal a ob­ter 5 es­tre­las no tes­te de im­pac­to do La­tin NCAP pa­ra cri­an­ças e adul­tos.

No fim do ano se­guin­te vi­ri­am ou­tros ri­vais for­tes, co­mo Nis­san Kicks e Hyun­dai Cre­ta. Até ho­je, o quar­te­to tra­va uma du­ra dis­pu­ta pe­la li­de­ran­ça da ca­te­go­ria. Mas o que a Je­ep nun­ca ima­gi­nou é que o Com­pass, mai­or e mais ca­ro, ven­de­ria mais que o Re­ne­ga­de e seus ri­vais. O que não dei­xa de ser bom pa­ra a mar­ca, já que a mar­gem do Com­pass é mai­or que a do Re­ne­ga­de.

Ou­tro per­cal­ço pa­ra o Re­ne­ga­de es­tá pró­xi­mo a sur­gir no ca­mi­nho e aten­de pe­lo no­me de VW T-Cross. Não dá pa­ra des­pre­zar a for­ça e ca­pi­la­ri­da­de da re­de Volkswa­gen, sem fa­lar que a ba­se do Po­lo e Vir­tus já se re­ve­lou ven­ce­do­ra. Ho­je, os qua­tro lí­de­res do seg­men­to ven­dem pou­co mais de 4 mil uni­da­des/mês ca­da. O T-Cross ten­de a pu­xar a ca­te­go­ria pa­ra ci­ma, mas se­rá mais um a di­vi­dir mer­ca­do.

Já pre­ven­do es­se mo­vi­men­to, a Je­ep re­po­si­ci­o­nou a ga­ma Re­ne­ga­de. En­tre os SUVs, a fai­xa de pre­ço mais atra­ti­va é a de R$ 80 mil a R$ 90 mil, com 25% do bo­lo, se­gui­da por R$ 90 mil a R$ 100 mil, com 19%.

A Je­ep, que sem­pre ven­deu mais o in­ter­me­diá­rio Re­ne­ga­de Lon­gi­tu­de, ago­ra vai cen­trar po­der de fo­go no Sport, de en­tra­da, que te­ve o pre­ço re­du­zi­do de R$ 83.500 pa­ra R$ 78.500. Ou­tro pon­to é fir­mar pé co­mo SUV raiz, nu­ma praia on­de to­dos os ou­tros de­ri­vam de car­ros de pas­seio. As no­vas cam­pa­nhas vão fo­car ain­da mais no la­do jo­vi­al e aven­tu­rei­ro do mo­de­lo. Bem ao con­trá­rio das cam­pa­nhas ini­ci­ais, que co­lo­ca­vam o Re­ne­ga­de co­mo mo­de­lo ur­ba­no.

No fun­do, o que a mar­ca quer é não per­der vo­lu­me com a che­ga­da do T-Cross. O pla­no é jo­gar o de­sa­fi­an­te da VW no co­lo dos ou­tros, fu­gin­do por uma tri­lha di­fe­ren­te. Com o Re­ne­ga­de man­ten­do a to­a­da aci­ma de 4.000 uni­da­des/mês e o Com­pass, ain­da sem con­cor­ren­tes for­tes, em­pla­can­do mais de 5 mil/mês, a Je­ep tem co­mo me­ta che­gar a 25% das ven­das ge­rais de SUVs. Ho­je li­de­ra, com 22%.

O que a mar­ca pre­ci­sa mes­mo pa­ra cres­cer é de um ou mais mo­de­los que com­ple­men­tem a ga­ma. Os in­gre­di­en­tes ide­a­li­za­dos por Mar­chi­on­ne vêm fa­zen­do sua par­te. Ca­be ao no­vo CEO glo­bal da FCA, Mi­ke Man­ley, de ori­gem Je­ep, adi­ci­o­nar fer­men­to pa­ra fa­zer o bo­lo cres­cer.

DI­VUL­GA­ÇÃO

Quan­do o Re­ne­ga­de foi pro­je­ta­do, no iní­cio da dé­ca­da, o mer­ca­do ba­tia re­cor­des; quan­do en­fim che­gou às lo­jas, em mar­ço de 2015, a cri­se já es­ta­va ins­ta­la­da no país

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.