Ana­tel exi­ge no­va pos­tu­ra de te­les

Agên­cia con­si­de­ra re­du­zir pe­so re­gu­la­tó­rio me­di­an­te con­tra­par­ti­da

Valor Econômico - - | EMPRESAS SERVIÇOS&TECNOLOGIA - Rafael Bi­ten­court

Em­pos­sa­do on­tem co­mo pre­si­den­te da Agên­cia Na­ci­o­nal de Te­le­co­mu­ni­ca­ções (Ana­tel), Le­o­nar­do Eu­ler de Mo­rais de­fen­de a aber­tu­ra de diá­lo­go com as ope­ra­do­ras pa­ra im­ple­men­tar me­di­das que pos­sam re­du­zir, já a par­tir do pró­xi­mo ano, o pe­so re­gu­la­tó­rio do qual o se­tor tan­to re­cla­ma. Se­gun­do ele, se­rá inau­gu­ra­do um no­vo mo­men­to com a re­vi­são do Re­gu­la­men­to Ge­ral de Di­rei­tos dos Con­su­mi­do­res (RGC).

Em sua pri­mei­ra en­tre­vis­ta no car­go, Mo­rais es­cla­re­ceu, no en­tan­to, que o pro­ces­so de des­re­gu­la­men­ta­ção vai ocor­rer de fa­to a par­tir do ins­tan­te em que as ope­ra­do­ras ado­ta­rem me­di­das efi­ca­zes pa­ra a me­lho­ria do aten­di­men­to dos usuá­ri­os. “O pri­mei­ro pas­so pa­ra avan­çar no sen­ti­do da au­tor­re­gu­la­ção ou da des­re­gu­la­men­ta­ção tem que ser da­do pe­lo pró­prio se­tor”, afir­mou.

O pre­si­den­te con­si­de­ra que uma das prin­ci­pais fren­tes a se­rem ata­ca­das en­vol­ve o com­ba­te às di­fi­cul­da­des cri­a­das pa­ra so­li­ci­tar o can­ce­la­men­to de ser­vi­ços. “É pre­ci­so di­mi­nuir es­se far­do”.

Mo­rais con­si­de­ra que as ope­ra­do­ras pre­ci­sam ado­tar uma no­va pos­tu­ra e mer­gu­lhar ain­da mais nos pro­ces­sos de di­gi­ta­li­za­ção do aten­di­men­to aos cli­en­tes. Pa­ra ele, mui­tas fa­ci­li­da­des po­dem ser cri­a­das por meio de apli­ca­ti­vos que, com um sim­ples co­man­do, per­mi­ti­ri­am fa­zer mu­dan­ças nos pa­co­tes de ser­vi­ços ou aces­sar o de­ta­lha­men­to de in­for­ma­ções da fa­tu­ra.

“A trans­pa­rên­cia é fun­da­men­tal pa­ra as em­pre­sas con­quis­ta­rem mai­or cre­di­bi­li­da­de jun­to aos cli­en­tes”, dis­se Mo­rais.

O no­vo pre­si­den­te con­si­de­ra que o ór­gão re­gu­la­dor po­de­rá ado­tar me­di­das que po­dem re­du­zir o ta­ma­nho e, por sua vez, os gas­tos com as re­des de call cen­ter. Mas es­sa li­be­ra­ção, afir­ma, pre­ci­sa pas­sar pe­lo com­ba­te aos gar­ga­los no aten­di­men­to e na co­bran­ça.

A re­vi­são do Re­gu­la­men­to Ge­ral de Di­rei­tos dos Con­su­mi­do­res es­tá pre­vis­ta na agen­da re­gu­la­tó­ria da Ana­tel. As mu­dan­ças se­rão dis­cu­ti­das, em con­sul­ta pú­bli­ca, nos pri­mei­ros seis me­ses do pró­xi­mo ano e apro­va­das no se­mes­tre se­guin­te.

Mo­rais dis­cu­te com o se­tor so­bre a con­vi­vên­cia en­tre a trans­mis­são de da­dos e do si­nal de an­te­nas pa­ra­bó­li­cas na fai­xa de 3,5 gi­gahertz (GHz). O lei­lão de li­cen­ças nes­sa ra­di­o­frequên­cia, pro­gra­ma­do pa­ra o ano que vem, é con­si­de­ra­do um mar­co pa­ra a che­ga­da do pa­drão 5G no Bra­sil.

Dis­se ain­da que são ana­li­sa­dos três for­ma­tos pa­ra a ofer­ta de li­cen­ças, num to­tal de 200 me­gahertz (MHz). O pri­mei­ro mo­de­lo en­vol­ve a ven­da de du­as li­cen­ças de 100 MHz, que representa mai­or ga­nho de efi­ci­ên­cia na ope­ra­ção da re­de, mas re­duz a com­pe­ti­ção. O se­gun­do ofer­ta­ria dois blo­cos, de 60 MHz e de 80 MHz. Já o ter­cei­ro per­mi­ti­ria a ven­da de qua­tro li­cen­ças de 50 Mhz, o que di­mi­nui­ria a efi­ci­ên­cia ope­ra­ci­o­nal, mas am­pli­a­ria a con­cor­rên­cia.

So­bre a pro­pos­ta de atu­a­li­za­ção do mar­co le­gal do se­tor, o Pro­je­to de Lei da Câ­ma­ra (PLC) 79/16, Mo­rais con­si­de­ra que a Ana­tel de­ve­rá le­var cer­ca de um ano pa­ra re­gu­la­men­tar e apro­var a adap­ta­ção de con­tra­tos pre­vis­ta. Es­se pra­zo, se­gun­do ele, de­ve­rá ser con­si­de­ra­do a par­tir da apro­va­ção do pro­je­to pe­lo Con­gres­so Na­ci­o­nal.

O PLC 79 per­mi­te que as con­ces­si­o­ná­ri­as de te­le­fo­nia fi­xa mi­grem pa­ra o re­gi­me de au­to­ri­za­ção. O fim das obri­ga­ções re­la­ci­o­na­das, por exem­plo, à ins­ta­la­ção de ore­lhões e ofer­ta de te­le­fo­nia fi­xa on­de não há de­man­da de­ve­rá ge­rar um sal­do de in­ves­ti­men­to em in­fra­es­tru­tu­ra de ban­da larga.

Só a ma­nu­ten­ção de ore­lhões nos úl­ti­mos três anos cus­tou R$ 1,1 bi­lhão pa­ra as con­ces­si­o­ná­ri­as, o que em par­te po­de­ria ter si­do trans­for­ma­do em in­ves­ti­men­to em re­de de ban­da larga, afir­mou, acres­cen­tan­do: “Es­se di­nhei­ro foi per­di­do. Quan­to mais pró­xi­mo de 2025 [fim dos con­tra­tos], me­nor se­rá es­se va­lor do sal­do. É co­mo uma pe­dra de ge­lo der­re­ten­do.”

So­bre o sal­do da con­ces­são, Mo­rais afir­mou que a agên­cia ain­da não cal­cu­lou es­se nú­me­ro e pre­ten­de con­tra­tar uma ou du­as con­sul­to­ri­as in­de­pen­den­tes pa­ra is­so.

Mo­rais res­sal­tou que as aten­ções da agên­cia es­tão vol­ta­das pa­ra a apro­va­ção do pro­je­to no Se­na­do. Ele, que acom­pa­nhou a ela­bo­ra­ção do pro­je­to, clas­si­fi­ca a ini­ci­a­ti­va co­mo “a prin­ci­pal re­for­ma mi­cro­e­conô­mi­ca do se­tor de te­le­co­mu­ni­ca­ções” des­de o pro­ces­so de pri­va­ti­za­ção do Sis­te­ma Te­le­bras.

RUY BARON / VA­LOR

Le­o­nar­do Eu­ler de Mo­rais, no­vo pre­si­den­te da Ana­tel: ór­gão re­gu­la­dor po­de­rá ad­mi­tir a re­du­ção de call cen­ter se te­les re­sol­ve­rem gar­ga­los de aten­di­men­to

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.