Ibo­ves­pa acelera que­da após Fed, em meio à an­si­e­da­de po­lí­ti­ca

Em mais um pre­gão de ins­ta­bi­li­da­de, ex­te­ri­or de­fi­ne di­re­ção dos ati­vos lo­cais

Valor Econômico - - FINANÇAS - Lu­cas Hi­ra­ta, Juliana Machado, Da­ni­e­la Mei­bak e Vic­tor Agui­ar Va­ri­a­ções no dia 8/nov/18 - em %

A ins­ta­bi­li­da­de tem si­do uma mar­ca nos mer­ca­dos fi­nan­cei­ros des­de o fim da elei­ção pre­si­den­ci­al e a ses­são de on­tem não foi di­fe­ren­te: os ati­vos só fir­ma­ram uma di­re­ção cla­ra nas ho­ras fi­nais do pre­gão, quan­do os ven­tos con­trá­ri­os do ex­te­ri­or se in­ten­si­fi­ca­ram. Pa­ra es­pe­ci­a­lis­tas, a fal­ta de fir­me­za na tra­je­tó­ria dos ati­vos é um si­nal da an­si­e­da­de dos in­ves­ti­do­res com os anún­ci­os do go­ver­no elei­to, mas não pa­re­ce ser mo­ti­vo de gran­de es­tres­se, pe­lo me­nos por ora.

O Ibo­ves­pa cap­tu­rou to­do o mo­vi­men­to de ajus­te dos in­ves­ti­do­res em mer­ca­dos emer­gen­tes, cau­sa­do pe­la lei­tu­ra de que o Fed (BC ame­ri­ca­no) vai se­guir com o aper­to mo­ne­tá­rio. A de­ci­são de ma­nu­ten­ção do ju­ro bá­si­co ame­ri­ca­no en­tre 2% e 2,25% já era es­pe­ra­da, mas a lin­gua­gem da au­to­ri­da­de foi con­si­de­ra­da mais agres­si­va.

O prin­ci­pal ín­di­ce de ações da bol­sa en­cer­rou o pre­gão em que­da de 2,39%, na mí­ni­ma do dia de 85.620 pon­tos, com gi­ro in­ten­so de R$ 13 bi­lhões. Des­de a má­xi­ma his­tó­ri­ca atin­gi­da na se­gun­da-fei­ra, aci­ma dos 89 mil pon­tos, o Ibo­ves­pa já per­deu qua­se qua­tro mil pon­tos.

Já o contrato fu­tu­ro de dó­lar sal­tou no fim do dia e fe­chou em al­ta de 0,74%, a R$ 3,7655, em li­nha com as du­ras per­das das mo­e­das emer­gen­tes. Es­se é um si­nal cla­ro do ajus­te que de­ve vir ho­je pa­ra a co­ta­ção no mer­ca­do à vis­ta, cu­jo pre­gão ter­mi­na uma ho­ra mais ce­do, às 17h. No bal­cão, a mo­e­da ame­ri­ca­na fin­dou mais um dia de al­tas e bai­xas no ní­vel de R$ 3,7383, mes­mo pa­ta­mar da ses­são an­te­ri­or.

Fer­nan­do Bar­ro­so, di­re­tor da CM Ca­pi­tal Mar­kets, não ti­nha a ex­pec­ta­ti­va de ou­tra ele­va­ção de ju­ro nos EUA nes­te ano — e apos­ta­va em du­as al­tas no ano que vem. Pa­ra ele, o co­mu­ni­ca­do da au­to­ri­da­de ame­ri­ca­na, po­rém, per­mi­tiu a lei­tu­ra de que uma ele­va­ção es­te ano ain­da de­ve ocor­rer, além de três al­tas em 2019.

A si­na­li­za­ção do Fed é ne­ga­ti­va pa­ra a li­qui­dez glo­bal, já que a al­ta dos ju­ros nos Es­ta­dos Uni­dos representa uma opor­tu­ni­da­de do es­tran­gei­ro con­ti­nu­ar me­nos ex­pos­to a ati­vos de ris­co e se vol­tar pa­ra tí­tu­los ame­ri­ca­nos. As­sim, o não re­si­den­te, que já vem re­ti­ran­do re­cur­sos do Bra­sil, man­tém es­sa ten­dên­cia. “To­do emer­gen­te com si­tu­a­ção fis­cal pi­or so­fre nes­se con­tex­to, que é o ca­so do Bra­sil”, diz Bar­ro­so.

Nas úl­ti­mas se­ma­nas, os es­tran­gei­ros re­che­a­ram a car­tei­ra de dó­la­res e ago­ra car­re­gam US$ 36,9 bi­lhões em po­si­ções com­pra­das na mo­e­da ame­ri­ca­na (que ga­nham na al­ta da di­vi­sa con­tra o re­al), de acor­do com da­dos da B3 até a úl­ti­ma quar­ta-fei­ra.

Pa­ra o es­tra­te­gis­ta de mer­ca­dos emer­gen­tes no J.P. Mor­gan, Car­los Car­ran­za, é nor­mal ver al­gu­ma re­a­li­za­ção de lu­cros co­mo ocor­reu em ses­sões re­cen­tes. Mas is­so não de­ve al­te­rar o fa­to de que as po­si­ções pes­si­mis­tas em re­al ain­da es­tão ele­va­das, e a re­ver­são des­sas ope­ra­ções po­de ser fa­vo­rá­vel pa­ra a mo­e­da bra­si­lei­ra. “O re­al te­ve um ex­ce­len­te de­sem­pe­nho em re­la­ção às mo­e­das emer­gen­tes des­de o fi­nal de agos­to e acre­di­ta­mos que há mais es­pa­ço pa­ra avan­çar. Es­ta­mos man­ten­do nos­sas re­co­men­da­ções de re­al e ju­ros do Bra­sil”, diz o es­pe­ci­a­lis­ta.

Por ou­tro la­do, par­ti­ci­pan­tes do mer­ca­do aguar­dam avan­ços con­cre­tos do go­ver­no elei­to, prin­ci­pal­men­te na agen­da de re­for­mas, pa­ra re­for­çar a recuperação dos ati­vos bra­si­lei­ros. “Na nos­sa opi­nião, é o mo­men­to de en­trar no mer­ca­do, e não de sair por­que a fes­ta aca­bou. Tem uma di­nâ­mi­ca mui­to po­si­ti­va por vir, mas mui­tos in­ves­ti­do­res es­tão an­si­o­sos e apre­en­si­vos que­ren­do mais no­tí­ci­as”, diz o ges­tor de um gran­de fun­do mul­ti­mer­ca­do.

Com es­se pa­no de fun­do de in­cer­te­zas, os in­ves­ti­do­res tam­bém apro­vei­ta­ram a no­tí­cia so­bre o re­a­jus­te sa­la­ri­al do Ju­di­ciá­rio pa­ra se des­fa­zer de ati­vos de ris­co. “Por mais que te­nha um im­pac­to pe­que­no, es­sa apro­va­ção é uma si­na­li­za­ção hor­ro­ro­sa. Foi um mo­ti­vo pa­ra que­rer ven­der, da­da a boa per­for­man­ce re­cen­te”, afir­ma o mes­mo pro­fis­si­o­nal.

Um dos prin­ci­pais termô­me­tros de ris­co do mer­ca­do bra­si­lei­ro, o ju­ro de lon­go pra­zo — me­di­do pe­lo DI de ja­nei­ro de 2025 — su­biu de 9,86% pa­ra 10,06%.

Ain­da pre­va­le­ce a lei­tu­ra de que uma “res­sa­ca” — com am­pla re­a­li­za­ção de lu­cros — se­gue pe­san­do nos mer­ca­dos lo­cais, após o ra­li do mês pas­sa­do. O in­ves­ti­dor lo­cal, que es­tá com alo­ca­ção gran­de em bol­sa des­de o co­me­ço das elei­ções, tam­bém man­tém o pé no freio, à es­pe­ra da con­fir­ma­ção dos ajus­tes fis­cais.

“Fi­ze­mos ‘hed­ge’ [pro­te­ção] quan­do o Ibo­ves­pa atin­giu os 90 mil pon­tos e ago­ra o ajus­te foi ra­pi­da­men­te pa­ra os 85 mil pon­tos. En­tre 82 mil e 83 mil pon­tos, é uma correção agres­si­va, que ain­da representa um pon­to de en­tra­da im­por­tan­te”, afir­ma Bar­ro­so, da CM Ca­pi­tal Mar­kets. “Eu já ze­rei as po­si­ções de ‘hed­ge’ que fiz com a que­da de ago­ra.”

Os ges­to­res do fun­do Ver­de, li­de­ra­dos por Luis Stuhl­ber­ger, ain­da en­xer­gam “es­pa­ço pa­ra oti­mis­mo cres­cen­te” da­qui pa­ra fren­te. E o mo­ti­vo des­se fô­le­go adi­ci­o­nal vai além da ce­na po­lí­ti­ca. “Em gran­de me­di­da, tal cres­ci­men­to [da eco­no­mia], es­pe­ci­al­men­te nos pró­xi­mos de­zoi­to me­ses, não de­pen­de da po­lí­ti­ca — bas­ta não atra­pa­lhar”, di­zem em sua car­ta men­sal. A tra­je­tó­ria po­si­ti­va de­ve ser re­for­ça­da por es­tí­mu­lo no ca­nal de cré­di­to. “Ve­mos es­pa­ço pa­ra uma gra­du­al re­a­la­van­ca­gem da eco­no­mia bra­si­lei­ra, que pas­sou por qua­se qua­tro anos de bru­tal de­sa­la­van­ca­gem”, apon­tam. No en­tan­to, a ex­ten­são e mag­ni­tu­de do ci­clo se­rão de­ter­mi­na­das pe­la ca­pa­ci­da­de do no­vo go­ver­no de en­de­re­çar os “pro­fun­dos” pro­ble­mas fis­cais do país no mé­dio pra­zo.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.