“O mai­or er­ro do PT ho­je é ir pa­ra o iso­la­men­to”

Pa­ra ex-te­sou­rei­ro, Ci­ro e Had­dad não são an­tagô­ni­cos

Valor Econômico - - POLÍTICA - Ma­lu Del­ga­do

O PT de­ve fu­gir da “ar­ma­di­lha” da au­to­crí­ti­ca ex­ter­na e bus­car no­vos ca­mi­nhos de co­ne­xão com se­to­res da so­ci­e­da­de res­sen­ti­dos e ma­go­a­dos com o par­ti­do, ad­vo­ga o ex-mi­nis­tro e ex-te­sou­rei­ro da cam­pa­nha de Dil­ma Rous­seff em 2014, Edi­nho Sil­va. Ho­je pre­fei­to de Ara­ra­qua­ra (SP), elei­to em 2016 nu­ma cam­pa­nha sur­pre­en­den­te, no au­ge do des­gas­te pe­tis­ta com a Ope­ra­ção La­va-Ja­to, e réu em três inqué­ri­tos, Edi­nho Sil­va ten­ta cons­truir ca­nais de diá­lo­go in­ter­no pa­ra pro­por mu­dan­ças de ru­mo ao par­ti­do.

“Tem uma fal­sa po­lê­mi­ca, que o PT es­tá cain­do ne­la, que é a au­to­crí­ti­ca ou não au­to­crí­ti­ca. O PT tem é que di­a­lo­gar com a so­ci­e­da­de. A so­ci­e­da­de es­tá di­zen­do que quer que o PT se re­ci­cle, se re­no­ve, não ne­gue su­as ban­dei­ras his­tó­ri­cas, mas tam­bém que cons­trua no­vas ban­dei­ras.” No fim de se­ma­na, o PT reu­niu seu di­re­tó­rio na­ci­o­nal pa­ra ava­li­ar o pro­ces­so elei­to­ral e seus re­sul­ta­dos. Em nem uma li­nha do do­cu­men­to que pro­du­ziu o PT re­fle­te so­bre as ra­zões da for­te re­jei­ção da so­ci­e­da­de ao par­ti­do.

A prioridade do PT no mo­men­to, se­gun­do ele, de­ve ser agir com ex­tre­ma hu­mil­da­de pa­ra fa­zer par­te de um blo­co de cen­tro-esquerda. Ain­da que nes­te mo­men­to es­te fa­to não se con­cre­ti­ze, pe­la de­ci­são de­li­be­ra­da de par­ti­dos co­mo o PDT de Ci­ro Go­mes e o PC­doB, um ali­a­do his­tó­ri­co, de se afas­ta­rem do PT, o pre­fei­to con­si­de­ra que a vi­da re­al vai se im­por e apro­xi­mar es­sas for­ças po­lí­ti­cas. O par­ti­do, se­gun­do ele, não po­de “dar de ba­ra­to” que per­deu o diá­lo­go com Ci­ro Go­mes (PDT).

“O mai­or er­ro do PT ho­je é ir pa­ra o iso­la­men­to. Cla­ro que ha­ve­rá uma ofen­si­va con­tra o PT. Tu­do o que nos­sos ad­ver­sá­ri­os que­rem é nos le­var pa­ra o gue­to. Se for­mos, fi­ca ain­da mais fá­cil: eles nos ma­tam.” A saí­da, diz ele, é agir no mo­vi­men­to con­trá­rio, de am­pli­a­ção”. “Se nos des­co­nec­tar­mos de vez da so­ci­e­da­de, é o lu­gar que que­rem pa­ra nos des­truir.”

Edi­nho Sil­va pre­si­dia o PT quan­do o ex-pre­si­den­te Lu­la ten­tou em­pla­car a can­di­da­tu­ra de Ci­ro Go­mes pa­ra o go­ver­no de São Pau­lo. Ob­vi­a­men­te, o tem­pe­ra­men­to de Ci­ro fe­chou to­das as pon­tes in­ter­nas. Ain­da as­sim, o pe­tis­ta se apro­xi­mou do ho­je pe­de­tis­ta e diz que é pre­ci­so re­co­nhe­cer a es­ta­tu­ra po­lí­ti­ca de Ci­ro.

“O PT não po­dia abrir mão de de­fen­der o le­ga­do do Lu­la nes­ta elei­ção”, jus­ti­fi­ca. Fer­nan­do Had­dad, se­gun­do o ex-te­sou­rei­ro, te­ve uma atu­a­ção he­roi­ca na disputa e saiu bem mai­or do que en­trou. “Mas is­so não sig­ni­fi­ca que o Ci­ro não pos­sa ter um pro­ta­go­nis­mo. A vi­da re­al acon­te­cen­do, o Bra­sil vai pre­ci­sar do Ci­ro, do Had­dad, não tem an­ta­go­nis­mo. O Bra­sil vai pre­ci­sar do Fer­nan­do Hen­ri­que Car­do­so e de li­de­ran­ças que te­nham con­di­ções de di­a­lo­gar com o cam­po de­mo­crá­ti­co.”

Ape­sar de ter con­du­zi­do uma cam­pa­nha pre­si­den­ci­al em 2014 e de ter pre­si­di­do o PT pau­lis­ta, Sil­va não atu­ou na cam­pa­nha de Had­dad. Atu­ou ape­nas nos bas­ti­do­res, dan­do al­guns con­se­lhos. É ine­gá­vel, ad­mi­te ele, que a so­ci­e­da­de ho­je vin­cu­le o PT com cor­rup­ção. “Nin­guém po­de ne­gar is­so, e o PT não es­tá ne­gan­do.” Po­rém, en­fa­ti­za, “o PT não in­ven­tou a cor­rup­ção, e es­sa coi­sa do sím­bo­lo do PT co­mo cor­rup­ção é um pre­ço pe­sa­do de­mais, que foi in­ten­sa­men­te cons­truí­do”.

Ali­a­do de pri­mei­ra ho­ra da ex­pre­si­den­te Dil­ma Rous­seff, qua­dro pe­tis­ta que ele diz res­pei­tar, mas de qu­em se dis­tan­ci­ou ho­je, Edi­nho Sil­va con­si­de­ra “con­tra­pro­du­cen­te” atri­buir ao fra­cas­so da ges­tão econô­mi­ca da pe­tis­ta a cul­pa pe­lo dra­má­ti­co des­gas­te do par­ti­do na atu­a­li­da­de. O ex­mi­nis­tro de Dil­ma as­se­gu­ra que o go­ver­no da pe­tis­ta foi ca­paz de ofe­re­cer res­pos­tas às de­man­das fei­tas pe­la so­ci­e­da­de nas jor­na­das de 2013, de on­de re­sul­tou, por exem­plo, a cri­a­ção do Pro­gra­ma Mais Mé­di­cos — ha­via uma crí­ti­ca ge­ne­ra­li­za­da aos ser­vi­ços pú­bli­cos. No en­tan­to, acres­cen­ta Sil­va, o PT per­deu a chan­ce de apro­vei­tar o mo­men­to pa­ra de­mar­car uma mu­dan­ça po­lí­ti­ca e de com­por­ta­men­to.

“O mo­de­lo de fi­nan­ci­a­men­to em­pre­sa­ri­al é an­te­ri­or ao PT, mas cla­ro que, em 2013, po­de­ría­mos ter de­mar­ca­do, nos di­fe­ren­ci­a­do se a gen­te ti­ves­se pro­pos­to um no­vo mo­de­lo de fi­nan­ci­a­men­to po­lí­ti­co-par­ti­dá­rio no Bra­sil.”

O ex-mi­nis­tro de Dil­ma con­si­de­ra que seu mai­or er­ro po­lí­ti­co foi ter acei­ta­do o car­go de co­or­de­na­dor fi­nan­cei­ro da cam­pa­nha da re­e­lei­ção, em 2014. Ele não fa­la aber­ta­men­te, mas foi o pró­prio Lu­la lhe pe­diu pa­ra acei­tar a missão. “Li­de­ran­ças im­por­tan­tes do PT”, diz Edi­nho, pe­di­ram que ele, por sua “tra­je­tó­ria éti­ca”, fi­zes­se uma es­pé­cie de “blin­da­gem” na te­sou­ra­ria.

Na se­ma­na pas­sa­da, agen­tes da Po­lí­cia Fe­de­ral es­ti­ve­ram em sua ca­sa, em Ara­ra­qua­ra, com man­da­do de bus­ca e apre­en­são. A PF saiu de lá com dois ce­lu­la­res (li­nhas de 2017, uma de­las da pre­fei­tu­ra) e um iPad ve­lho, de 2016. Ele não acei­ta o fa­to de ser in­ves­ti­ga­do cri­mi­nal­men­te e diz ser ino­cen­te. “O meu no­me não é re­la­ci­o­na­do a na­da que não se­ja as cir­cuns­tân­ci­as da elei­ção. Por que a in­ves­ti­ga­ção é cri­mi­nal?” Por ora, o te­sou­rei­ro diz não acre­di­tar que po­de ser pre­so.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.