Li­ções das pri­va­ti­za­ções do pas­sa­do

Valor Econômico - - OPINIÃO - Ar­man­do Cas­te­lar Pi­nhei­ro

No Brasil, as pri­mei­ras men­ções à pri­va­ti­za­ção da­tam de 1974. Na épo­ca, as es­ta­tais vi­nham se ex­pan­din­do com for­ça, re­fle­xo da re­for­ma ad­mi­nis­tra­ti­va de 1967 (De­cre­to-Lei 200), das mu­dan­ças do iní­cio do go­ver­no Gei­sel e de es­tí­mu­los di­ver­sos, co­mo isen­ções tri­bu­tá­ri­as e cré­di­tos sub­si­di­a­dos. As em­pre­sas pri­va­das se vi­am in­ca­pa­zes de com­pe­tir com elas, ra­zão pe­la qual de­fen­di­am um freio ao ex­pan­si­o­nis­mo das es­ta­tais.

Es­se freio só veio, po­rém, em 1979, com a Se­cre­ta­ria de Con­tro­le de Em­pre­sas Es­ta­tais (Sest). Tam­bém em 1979, em um de seus pri­mei­ros dis­cur­sos, o pre­si­den­te João Fi­guei­re­do re­ve­lou a in­ten­ção de pri­va­ti­zar as es­ta­tais que não se des­ti­nas­sem a cor­ri­gir fa­lhas de mer­ca­do e pro­mo­ver a se­gu­ran­ça na­ci­o­nal. To­da­via, só em 1981 cri­ou a Co­mis­são Es­pe­ci­al de De­ses­ta­ti­za­ção.

Nos anos 1980, dezenas de es­ta­tais fo­ram pri­va­ti­za­das e vá­ri­as ou­tras fe­cha­das. Eram em­pre­sas pe­que­nas, al­gu­mas es­ta­ti­za­das em anos an­te­ri­o­res em ope­ra­ções-hos­pi­tal do BNDES, si­tu­a­das em se­to­res co­mo ce­lu­lo­se, tecelagem, si­de­rur­gia, mi­ne­ra­ção e ho­te­la­ria. Em ava­li­a­ção fei­ta no fi­nal da dé­ca­da, po­rém, o Banco Mundial con­cluiu que es­se “pri­mei­ro fler­te do Brasil com a pri­va­ti­za­ção foi um clás­si­co exem­plo de fracasso”. Em es­pe­ci­al, por­que os re­sul­ta­dos fi­ca­ram bem aquém da re­tó­ri­ca go­ver­na­men­tal.

A experiência dos anos 1980 trou­xe mui­tas li­ções, que fo­ram in­cor­po­ra­das no Pro­gra­ma Na­ci­o­nal de De­ses­ta­ti­za­ção (PND), cri­a­do em 1990. Nos go­ver­nos Col­lor e Ita­mar Fran­co gran­des em­pre­sas, cri­a­das ori­gi­nal­men­te co­mo es­ta­tais, fo­ram pri­va­ti­za­das. Na mai­o­ria eram em­pre­sas ma­nu­fa­tu­rei­ras: gran­des si­de­rur­gi­as, par­ti­ci­pa­ções em em­pre­sas pe­troquí­mi­cas e fa­bri­can­tes de fer­ti­li­zan­tes, além da Embraer, por exem­plo.

Tam­bém aqui hou­ve, po­rém, um cer­to grau de “fracasso”. Is­so por­que a me­ta ini­ci­al da equi­pe econô­mi­ca de Col­lor era pri­va­ti­zar mui­to mais e bem mais rá­pi­do. Com is­so se acre­di­ta­va ser pos­sí­vel uti­li­zar as re­cei­tas da pri­va­ti­za­ção pa­ra aba­ter a dí­vi­da pú­bli­ca.

Yo­gi Ber­ra di­zia que “na te­o­ria, não exis­te di­fe­ren­ça en­tre a te­o­ria e a prá­ti­ca. (Mas) Na prá­ti­ca exis­te”. O prin­ci­pal mo­ti­vo pa­ra es­ses “fra­cas­sos” é que na prá­ti­ca é bem mais di­fí­cil pri­va­ti­zar do que na te­o­ria, ain­da que na te­o­ria não ha­ja di­fe­ren­ça. O mi­nis­tro da Eco­no­mia pro­me­te pri­va­ti­zar de A a Z, mas qu­an­do co­me­ça o pro­ces­so ele es­bar­ra em for­te opo­si­ção, den­tro e fo­ra do go­ver­no. Es­sa vem dos po­lí­ti­cos que fi­ze­ram in­di­ca­ções pa­ra car­gos nas em­pre­sas e dos fun­ci­o­ná­ri­os, for­ne­ce­do­res e cli­en­tes, que em ge­ral go­zam de pri­vi­lé­gi­os nas su­as re­la­ções com a em­pre­sa. São gru­pos bem or­ga­ni­za­dos que ope­ram com aque­les ide­o­lo­gi­ca­men­te con­trá­ri­os à pri­va­ti­za­ção pa­ra criar bar­rei­ras prá­ti­cas à ven­da das es­ta­tais.

Além dis­so, as em­pre­sas não ve­em pron­tas pa­ra se­rem ven­di­das. Al­gu­mas se­quer têm seus pa­péis to­dos em or­dem: re­gis­tro de imó­veis, por exem­plo. Além dis­so, há sem­pre pas­si­vos con­tin­gen­tes e pen­dên­ci­as a se­rem equa­ci­o­na­dos ou pe­lo me­nos va­lo­ri­za­dos. E é ne­ces­sá­rio de­ci­dir o que fi­ca den­tro da em­pre­sa e o que fi­ca fo­ra, tan­to em re­la­ção a pas­si­vos co­mo a ati­vos. Tam­bém se pre­ci­sa dar pu­bli­ci­da­de à ven­da — da­ta ro­oms, por exem­plo —, pro­cu­rar po­ten­ci­ais in­te­res­sa­dos, etc. E é pre­ci­so de­fi­nir a que pre­ço e em que con­di­ções as em­pre­sas se­rão ven­di­das, as­sim co­mo au­di­tar to­dos es­ses pro­ce­di­men­tos, ga­ran­tin­do sua cor­re­ção e trans­pa­rên­cia e que aten­dam ao in­te­res­se pú­bli­co.

A pri­va­ti­za­ção bra­si­lei­ra te­ve seu au­ge no pri­mei­ro man­da­to de FHC, qu­an­do vá­ri­as es­ta­tais de in­fra­es­tru­tu­ra fo­ram pri­va­ti­za­das, al­go im­pen­sá­vel até uns anos an­tes. Pa­ra is­so, po­rém, foi ne­ces­sá­rio mu­dar a Cons­ti­tui­ção e re­for­mar o mar­co re­gu­la­tó­rio dos se­to­res em que se deu a pri­va­ti­za­ção, en­tre ou­tras coi­sas, cri­an­do agências re­gu­la­do­ras. Tam­bém fo­ram fun­da­men­tais o Con­gres­so ter apro­va­do o PND dis­pen­san­do o Exe­cu­ti­vo de pas­sar ca­da ope­ra­ção in­di­vi­du­al pe­lo Le­gis­la­ti­vo, o que te­ria in­vi­a­bi­li­za­do o pro­gra­ma, e o su­ces­so com as ope­ra­ções dos anos 1980 e da pri­mei­ra me­ta­de da dé­ca­da de 1990, tan­to em ter­mos da sua li­su­ra co­mo da me­lho­ra de de­sem­pe­nho das em­pre­sas pri­va­ti­za­das.

A pri­va­ti­za­ção nun­ca pa­rou, mas per­deu fô­le­go a par­tir do iní­cio des­te sé­cu­lo, qu­an­do o fo­co pas­sou pa­ra as con­ces­sões. Tam­bém nes­sa fa­se, po­rém, fi­cou cla­ra a enor­me dis­tân­cia en­tre a te­o­ria e a prá­ti­ca, com os go­ver­nos es­bar­ran­do em pro­je­tos mal preparados, cap­tu­ra ideológica etc.

O go­ver­no elei­to pro­me­te am­pli­ar for­te­men­te a pri­va­ti­za­ção, que se­ria seu pri­mei­ro pas­so no pro­ces­so de ajuste fis­cal e re­du­ção da dí­vi­da pú­bli­ca. É uma boa me­ta: há mui­to a ser pri­va­ti­za­do, de par­ti­ci­pa­ções aci­o­ná­ri­as de­ti­das por bancos pú­bli­cos a gran­des em­pre­sas, cu­ja ca­pa­ci­da­de de in­ves­tir e cres­cer de­pen­de de se li­vra­rem das amar­ras pú­bli­cas.

Po­rém, é fun­da­men­tal não re­pe­tir os er­ros do pas­sa­do, em es­pe­ci­al do iní­cio do go­ver­no Col­lor. A cri­a­ção de uma Se­cre­ta­ria de Pri­va­ti­za­ção é al­vis­sa­rei­ra, mas não basta. É pre­ci­so de­fi­nir pro­ce­di­men­tos, en­vol­ver pro­fis­si­o­nais ca­pa­ci­ta­dos a lidar com os pro­ble­mas lis­ta­dos aci­ma e ga­ran­tir um mínimo de au­to­no­mia. Não vai ser fá­cil, nem rá­pi­do.

É fun­da­men­tal não re­pe­tir os er­ros do pas­sa­do, em es­pe­ci­al os do iní­cio do go­ver­no de Fer­nan­do Col­lor

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.