A vi­da du­pla do na­ci­o­na­lis­mo de Trump

Pre­si­den­te dos EUA ofe­re­ce com uma das mãos o que re­ti­ra com a ou­tra. Por Edward Lu­ce

Valor Econômico - - OPINIÃO -

Uma pí­lu­la não dei­xa­rá de ser uma pí­lu­la, por mais dou­ra­da que te­nha si­do. O mes­mo va­le pa­ra a lei das sel­vas so­bre a qual se es­pa­lha uma fi­lo­so­fia di­plo­má­ti­ca. Mi­ke Pom­peo, o se­cre­tá­rio de Es­ta­do dos Es­ta­dos Uni­dos, é a mais re­cen­te das au­to­ri­da­des do pre­si­den­te Do­nald Trump a ten­tar lan­çar mão des­se re­cur­so. Ou­tros paí­ses de­ve­ri­am ado­tar su­as pró­pri­as ver­sões da pos­tu­ra “os EUA em pri­mei­ro lu­gar” de Trump, ar­gu­men­tou ele es­ta se­ma­na. Qual­quer coi­sa que di­lua a so­be­ra­nia na­ci­o­nal, co­mo tra­ta­dos ou ór­gãos mun­di­ais, afir­mou, é ruim.

“Nos­sa missão é re­a­fir­mar nos­sa so­be­ra­nia”, dis­se Pom­peo em Bru­xe­las. “Que­re­mos que nos­sos ami­gos nos aju­dem e que exer­çam sua so­be­ra­nia tam­bém”.

A ar­ma­di­lha em que o pró­prio Pom­peo caiu não foi o lu­gar es­co­lhi­do por ele pa­ra di­zer is­so — em­bo­ra não ha­ja ne­nhu­ma ci­da­de além de Bru­xe­las que te­nha mais fé no mul­ti­la­te­ra­lis­mo que ele es­ta­va lá pa­ra ata­car. Tam­bém não foi sua fal­ta de di­plo­ma­cia — em­bo­ra sua des­cri­ção do Brexit co­mo “um to­que de des­per­tar” pa­ra re­as­su­mir o con­tro­le pou­co ten­de­ria a abo­ná-lo di­an­te de uma pla­teia em Bru­xe­las.

O er­ro de Pom­peo foi o fa­to de ele ter ten­ta­do ob­ter o im­pos­sí­vel. Sua ta­re­fa era con­ven­cer os ali­a­dos dos EUA de que uma no­va or­dem mundial li­be­ral bro­ta­ria da dis­se­mi­na­ção das imi­ta­ções de “os EUA em pri­mei­ro lu­gar”. O Oci­den­te de­ve­ria te­mer a as­cen­são da Chi­na e da Rússia, dis­se Pom­peo. Mas ca­da um de­ve­ria, mes­mo as­sim, de­fen­der seu es­trei­to in­te­res­se pró­prio.

Es­sa con­tra­di­ção re­quer mai­o­res ex­pli­ca­ções. Ha­ve­ria pou­co sen­ti­do em Pom­peo — ou Trump — de­fen­der a cau­sa na­ci­o­na­lis­ta em Mos­cou, Pe­quim ou Pyongyang, por exem­plo. Seus go­ver­nan­tes já a acei­ta­ram de to­do o co­ra­ção. Es­ses são os paí­ses que re­pre­sen­tam as mai­o­res ame­a­ças à or­dem mundial, de acor­do com Pom­peo. A me­lhor ma­nei­ra de fa­zer fren­te a ad­ver­sá­ri­os des­se gê­ne­ro é aban­do­nar o mul­ti­la­te­ra­lis­mo, dis­se ele.

Ór­gãos co­mo a União Eu­ro­peia (UE), a ONU, o Banco Mundial e o Fun­do Mo­ne­tá­rio In­ter­na­ci­o­nal (FMI) de­ve­ri­am ser reformados ou eli­mi­na­dos. Eles aca­bam com a nos­sa li­ber­da­de de ação. “Quan­to mais tra­ta­dos as­si­nar­mos, mais se­gu­ros su­pos­ta­men­te es­ta­re­mos”, dis­se Pom­peo. “Quan­to mais bu­ro­cra­tas ti- ver­mos, mais bem-fei­to sai­rá o tra­ba­lho. Mas se­rá que al­gum dia is­so foi mes­mo ver­da­de?”

A res­pos­ta de Pom­peo foi “não”. Ra­ra­men­te tan­tos ar­gu­men­tos fal­sa­men­te in­fa­lí­veis caí­ram ví­ti­mas de uma per­gun­ta re­tó­ri­ca.

É aí que es­tá o se­gun­do obs­tá­cu­lo in­su­pe­rá­vel de Pom­peo: amol­dar os fa­tos à sua fi­lo­so­fia. O nú­me­ro de bu­ro­cra­tas não é a ques­tão. A ques­tão é o que eles fa­zem.

Com 32 mil fun­ci­o­ná­ri­os, a Co­mis­são Eu­ro­peia não é enor­me. Já o De­par­ta­men­to de As­sun­tos de Ve­te­ra­nos dos EUA em­pre­ga mais de dez vezes es­se nú­me­ro, com 377 mil pes­so­as. O De­par­ta­men­to de Agri­cul­tu­ra dos EUA tem 105 mil. Com ape­nas 10 mil fun­ci­o­ná­ri­os, o Banco Mundial é menor que o De­par­ta­men­to do In­te­ri­or dos EUA. O mes­mo va­le pa­ra o FMI, com 2.400 fun­ci­o­ná­ri­os, e até pa­ra a re­la­ti­va­men­te in­fla­da ONU, com 44 mil. A UE me­re­ce mui­tas crí­ti­cas, co­mo a opa­ci­da­de e a exí­gua pres­ta­ção de con­tas. Pom­peo não su­ge­riu ne­nhum des­ses exem­plos.

Além dis­so, pou­cos ar­gu­men­ta­ri­am que a quan­ti­da­de de tra­ta­dos me­lho­ra nos­sa se­gu­ran­ça. Es­se tam­bém era um ar­gu­men­to fal­sa­men­te in­fa­lí­vel. As pes­so­as fa­zem ques­tão, sim, de ter acor­dos in­ter­na­ci­o­nais só­li­dos. Pom­peo não su­ge­riu ne­nhum. Em vez dis­so, ar­ro­lou os que o go­ver­no Trump aban­do­nou. En­tre eles es­tão o Acor­do de Paris so­bre mu­dan­ça cli­má­ti­ca, o acor­do nu­cle­ar com o Irã, a Cor­te Pe­nal In­ter­na­ci­o­nal, o Con­se­lho de Di­rei­tos Hu­ma­nos da ONU e o Tra­ta­do de For­ças Nu­cle­a­res de Mé­dio Al­can­ce.

O pró­xi­mo al­vo, in­si­nu­ou ele, se­rá a Or­ga­ni­za­ção Mundial de Co­mér­cio (OMC). O avan­ço da Chi­na foi o “fru­to da ár­vo­re en­ve­ne­na­da” do iso­la­men­to mundial dos EUA. É fá­cil der­ru­bar is­so tam­bém. Co­mo é que os EUA eri­gi­ram ór­gãos mun­di­ais, se es­ta­vam iso­la­dos?

Mas is­so não vem ao ca­so. Pom­peo fez um fa­vor ao mun­do nes­ta se­ma­na: cris­ta­li­zou dis­so­nân­cia que per­meia o go­ver­no Trump. O ob­je­ti­vo de Trump é de­ter a as­cen­são mundial da Chi­na. Ele tam­bém quer ti­rar os ins­tru­men­tos com os quais se en­fra­que­ce a as­cen­são da Chi­na. Ele ofe­re­ce com uma das mãos o que re­ti­ra com a ou­tra.

Pom­peo pre­co­ni­zou uma no­va or­dem mundial li­be­ral de “na­ções no­bres”. Si­mul­ta­ne­a­men­te, con­cla­mou-as a se­guir seus des­ti­nos por con­ta pró­pria. Em ne­nhu­ma par­te de sua fa­la as pa­la­vras “oci­den­te” ou “oci­den­tal”se fi­ze­ram ou­vir.

Paí­ses que aban­do­nam es­for­ços mú­tu­os não es­tão, na­tu­ral­men­te, em ple­no acor­do. Um bom exem­plo é a OMC. Trump a vê co­mo um com­plô glo­ba­lis­ta. Pa­ra seus ami­gos britânicos, a OMC é um oce­a­no no qual o Rei­no Uni­do de­ve­ria glo­ri­o­sa­men­te na­ve­gar. O bom sen­so nos diz que os na­ci­o­na­lis­tas con­si­de­ram mais di­fí­cil de­fen­der in­te­res­ses mú­tu­os com seus ir­mãos de paí­ses se­me­lhan­tes. Bru­xe­las re­ce­beu o discurso de Pom­peo em si­lên­cio. Em Pe­quim, a pla­teia te­ria se le­van­ta­do de um sal­to.

Trump vê a OMC co­mo um com­plô glo­ba­lis­ta. O bom sen­so nos diz que os na­ci­o­na­lis­tas con­si­de­ram mais di­fí­cil de­fen­der in­te­res­ses mú­tu­os com seus ir­mãos de paí­ses se­me­lhan­tes. Bru­xe­las re­ce­beu o discurso de Pom­peo em si­lên­cio

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.