Na eco­no­mia to­dos vão fa­lar a mes­ma lín­gua

Valor Econômico - - BRASIL - Claudia Sa­fa­tle

OMi­nis­té­rio da Eco­no­mia, re­sul­ta­do da fu­são de três pas­tas— Fa­zen­da, Pla­ne­ja­men­to e In­dús­tria e Co­mér­cio —, foi con­ce­bi­do pa­ra aca­bar com o his­tó­ri­co em­ba­te, no go­ver­no, en­tre de­sen­vol­vi­men­tis­tas e or­to­do­xos. O pro­pó­si­to do fu­tu­ro mi­nis­tro Paulo Gu­e­des é uni­fi­car a lin­gua­gem da área econô­mi­ca. O que apa­ren­te­men­te não se­rá uma missão im­pos­sí­vel, pois as se­cre­ta­ri­as da no­va pas­ta se­rão ocu­pa­das pe­los se­nho­res de Chi­ca­go — es­co­la que tra­di­ci­o­nal­men­te não pro­duz he­te­ro­do­xos.

A ideia é aca­bar com os com­ba­tes que mar­ca­ram os go­ver­nos des­de os tem­pos do re­gi­me mi­li­tar. Fo­ram no­tá­veis as que­das de bra­ço en­tre o en­tão mi­nis­tro da Fa­zen­da, Má­rio Hen­ri­que Si­mon­sen, or­to­do­xo, e o ex­pan­si­o­nis­ta Reis Vel­lo­so; de­pois veio Si­mon­sen ver­sus Del­fim Net­to, se­gun­do Gu­e­des, em con­fron­tos que se re­pro­du­zi­ram nos go­ver­nos pos­te­ri­o­res, dis­per­san­do ener­gia e ru­mo.

O fu­tu­ro mi­nis­tro tem di­to que sua in­ten­ção com a fu­são não é acu­mu­lar po­der, mas ter con­ver­gên­cia e sin­cro­ni­za­ção en­tre as di­ver­sas áre­as.

A Fa­zen­da quer abrir a eco­no­mia. O Mi­nis­té­rio da In­dús­tria e do Co­mér­cio, não, pois atua pa­ra pro­te­ger a in­dús­tria na­ci­o­nal. Fi­ca, en­tão, um vai­vém sem re­sul­ta­dos.

As ta­re­fas do Mi­nis­té­rio da Eco­no­mia, de­fi­ni­das pe­lo fu­tu­ro mi­nis­tro, são cla­ras: fa­zer uma re­for­ma da Pre­vi­dên­cia, pri­va­ti­zar as es­ta­tais, abrir a eco­no­mia, sim­pli­fi­car, re­du­zir ou eli­mi­nar im­pos­tos e aci­ma de tu­do, con­tro­lar os gastos do go­ver­no.

O diagnóstico que sus­ten­ta es­sas me­tas é sim­ples: o gas­to pú­bli­co era de 18% do PIB no iní­cio dos go­ver­nos mi­li­ta­res e foi au­men­tan­do sis­te­ma­ti­ca­men­te em to­dos os go­ver­nos ci­vis até che­gar a es­pan­to­sos 45% do PIB. A ex­plo­são da des­pe­sa pú­bli­ca, na ava­li­a­ção do fu­tu­ro mi­nis­tro, ex­pli­ca por que nos úl­ti­mos 40 anos o Brasil che­gou à hi­pe­rin­fla­ção, de­cre­tou a mo­ra­tó­ria ex­ter­na, pra­ti­cou juros al­tís­si­mos e ele­vou os im­pos­tos a ní­veis su­fo­can­tes. Ex­pli­ca, tam­bém, por que o Brasil te­ve a sua de­mo­cra­cia cor­rom­pi­da. “O Brasil é pri­si­o­nei­ro da ar­ma­di­lha do gas­to pú­bli­co”, diz ele.

A dí­vi­da pú­bli­ca bru­ta de qua­se R$ 4 tri­lhões é a di­gi­tal dos er­ros pas­sa­dos, pro­du­zi­dos pe­la des­co­or­de­na­ção das po­lí­ti­cas mo­ne­tá­ria e fis­cal.

“O Brasil é um exem­plo ca­bal de co­mo a ex­pan­são des­con­tro­la­da do gas­to pú­bli­co po­de des­truir um país”, ates­tou ele, em con­ver­sa re­cen­te com jor­na­lis­tas.

A con­ver­gên­cia e sin­cro­ni­za­ção é o que vai di­tar, por exem­plo, a aber­tu­ra da eco­no­mia. Ho­je es­sa me­di­da é im­pen­sá­vel por­que, em lin­gua­gem fi­gu­ra­da, os em­pre­sá­ri­os bra­si­lei­ros car­re­gam uma bo­la de fer­ro na per­na direita, que são os juros al­tos, ou­tra bo­la de fer­ro na per­na es­quer­da, que são os im­pos­tos, e ain­da le­vam um pi­a­no nas cos­tas, que são os en­car­gos tra­ba­lhis­tas. Não é ra­zoá­vel, di­an­te dis­so, man­dá-los com­pe­tir com os cé­le­res chi­ne­ses.

Por es­sa ra­zão, o Mi­nis­té­rio da In­dús­tria e Co­mér­cio foi ab­sor­vi­do pe­lo Mi­nis­té­rio da Eco­no­mia, pa­ra que ha­ja uma sin­cro­ni­za­ção de mo­vi­men­tos: na me­di­da que for pos­sí­vel re­du­zir im­pos­tos, abre um pou­co, se bai­xar mais, abre mais um pou­co.

A equi­pe econô­mi­ca do no­vo go­ver­no não mos­tra qual­quer sim­pa­tia pe­lo que cha­ma de li­de­ran­ças em­pre­sa­ri­ais “ob­so­le­tas” que sus­ten­tam seus lu­xos com di­nhei­ro do Sis­te­ma S (Sesc, Se­nai, Se­nac, Se­brae, den­tre ou­tros), que são re­cur­sos pú­bli­cos.

A re­for­ma tra­ba­lhis­ta, sa­cra­men­ta­da pe­lo atu­al go­ver­no, re­ti­rou a con­tri­bui­ção sin­di­cal obri­ga­tó­ria dos tra­ba­lha­do­res, que ir­ri­ga­va os sin­di­ca­tos. A in­ten­ção do pró­xi­mo go­ver­no é fa­zer o mes­mo com os sin­di­ca­tos pa­tro­nais, sob o ar­gu­men­to de que não tem sen­ti­do eles se­rem sus­ten­ta­dos com re­cur­sos pú­bli­cos.

O que sus­ten­ta o Sis­te­ma S são as contribuições so­bre a folha de sa­lá­rio das em­pre­sas, que va­ri­am de 0,6% a 1,5%. Es­sas contribuições ren­dem mais de R$ 20 bi­lhões por ano, são re­co­lhi­das pe­la Re­cei­ta Fe­de­ral e re­pas­sa­das pa­ra ca­da um dos ser­vi­ços so­ci­ais sem tran­si­tar pe­lo or­ça­men­to pú­bli­co e sem que se te­nham, al­gum dia, pres­ta­do con­tas pa­ra a sociedade de pa­ra on­de foi o di­nhei­ro.

Gu­e­des po­de con­se­guir uni­fi­car a lin­gua­gem na eco­no­mia, mas di­fi­cil­men­te con­se­gui­rá o mes­mo no go­ver­no co­mo um to­do. Ha­ve­rá em­ba­tes mais su­tis e mais re­sis­ten­tes do que a ve­lha dis­pu­ta en­tre de­sen­vol­vi­men­tis­tas e mo­ne­ta­ris­tas.

Um pe­que­no exem­plo de di­ver­gên­cia ocor­reu nes­ta se­ma­na, qu­an­do fo­ram da­das de­cla­ra­ções de­sen­con­tra­das do fu­tu­ro mi­nis­tro da Ca­sa Civil, Onyx Lo­ren­zo­ni, e do pre­si­den­te elei­to, Jair Bol­so­na­ro, so­bre re­for­ma da Pre­vi­dên­cia. En­quan­to Paulo Gu­e­des es­ta­va em ca­sa, de re­pou­so, pa­ra se cu­rar de uma in­fec­ção res­pi­ra­tó­ria vi­ral, Onyx re­ti­rou to­tal­men­te o sen­so de ur­gên­cia da re­for­ma da Pre­vi­dên­cia ao di­zer que o go­ver­no te­rá quatro anos pa­ra tra­tar do as­sun­to. Bol­so­na­ro re­du­ziu o con­teú­do da re­for­ma ao de­fen­der uma proposta de fa­ti­a­men­to que co­me­ça­ria com a apro­va­ção da ida­de mí­ni­ma de 62 anos pa­ra apo­sen­ta­do­ria.

O fa­to é que o pró­xi­mo go­ver­no não te­rá quatro anos pa­ra en­fren­tar o au­men­to ace­le­ra­do do gas­to com a Pre­vi­dên­cia. Te­rá, na me­lhor das hi­pó­te­ses, o pró­xi­mo ano. Cos­tu­ma-se di­zer que a lua de mel de um go­ver­no com seu elei­to­ra­do du­ra os pri­mei­ros seis me­ses. Se a no­va ges­tão não ti­ver su­ces­so no en­ca­mi­nha­men­to da proposta de mu­dan­ça da Pre­vi­dên­cia até o fim do pri­mei­ro se­mes­tre do ano que vem, é enor­me o ris­co de ver de­te­ri­o­rar as ex­pec­ta­ti­vas com as con­sequên­ci­as da­no­sas pa­ra a retomada do cres­ci­men­to.

Gu­e­des anun­ci­ou que pre­ten­de ata­car as três mai­o­res des­pe­sas pú­bli­cas com uma no­va Pre­vi­dên­cia, pri­va­ti­za­ções e re­for­ma do Es­ta­do. A Pre­vi­dên­cia li­de­ra a des­pe­sa, com gas­to es­ti­ma­do em R$ 767 bi­lhões e o dé­fi­cit em qua­se R$ 300 bi­lhões no ano que vem; os juros da dí­vi­da, que con­so­mem cer­ca de R$ 400 bi­lhões por ano, são a se­gun­da mai­or des­pe­sa; e a ter­cei­ra é a folha de salários da União, que cus­ta cer­ca de R$ 300 bi­lhões.

Mais com­ple­xa se­rá a dis­pu­ta en­tre o Brasil ve­lho, dos in­cen­ti­vos e pro­te­ções, e o no­vo, da pro­du­ti­vi­da­de e da com­pe­ti­ti­vi­da­de.

Des­con­tro­le do gas­to es­tá na raiz de to­das as cri­ses da eco­no­mia

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.