Mer­co­sul e UE in­sis­tem em ten­ta­ti­va de acor­do es­te mês

Valor Econômico - - BRASIL - (DR)

Em bus­ca de um acor­do ain­da nes­te mês, pa­ra evi­tar in­cer­te­zas em tor­no da tro­ca de go­ver­no no Brasil, o Mer­co­sul e União Eu­ro­peia vão fa­zer uma no­va ro­da­da de ne­go­ci­a­ções téc­ni­cas na pró­xi­ma se­ma­na. O en­con­tro, em Mon­te­vi­déu, é uma ten­ta­ti­va derradeira de re­sol­ver pen­dên­ci­as que im­pe­dem o anún­cio de um tra­ta­do de li­vre­co­mér­cio en­tre os dois blo­cos.

A co­mis­sá­ria de Co­mér­cio da UE, Cecilia Malms­tröm, te­le­fo­nou on­tem pa­ra o mi­nis­tro bra­si­lei­ro das Re­la­ções Ex­te­ri­o­res, Aloy­sio Nunes. Ela dis­se que via a pos­si­bi­li­da­de de avan­ços, com no­vas con­ces­sões de ca­da la­do, e ain­da nes­te ano. Os chan­ce­le­res do Mer­co­sul, reu­ni­dos no Ita­ma­raty, acei­ta­ram a proposta.

O mi­nis­tro uru­guaio Ro­dol­fo Nin No­voa dis­se que ha­ve­rá um es­for­ço pa­ra fe­char o acor­do nes­te mês ou no pri­mei­ro tri­mes­tre de 2019. Ele lem­brou que as mu­dan­ças po­lí­ti­cas não são ape­nas no âm­bi­to do Mer­co­sul e fez uma re­fe­rên­cia às eleições pa­ra eu­ro­de­pu­ta­dos.

“Há acon­te­ci­men­tos po­lí­ti­cos, en­tre ou­tros a mu­dan­ça no Par­la­men­to Eu­ro­peu e, por­tan­to, a mu­dan­ça com cer­te­za de al­guns co­mis­sá­ri­os, que se­rá em abril ou em maio, nos in­di­can­do que de­ve­ría­mos tra­tar de es­ta­be­le­cer um pra­zo-li­mi­te nos três pri­mei­ros me­ses do pró­xi­mo ano”, afir­mou No­voa, em rá­pi­da de­cla­ra­ção. De­pois, ele cor­ri­giu-se e acres­cen­tou que o pri­mei­ro tri­mes­tre não é um pra­zo, mas uma “as­pi­ra­ção”.

O Va­lor apu­rou que é mui­to bai­xa a ex­pec­ta­ti­va do atu­al go­ver­no bra­si­lei­ro com o fim dos im­pas­ses na ne­go­ci­a­ção. Na ro­da­da an­te­ri­or de ne­go­ci­a­ções, em Bru­xe­las, ha­via ain­da in­de­fi­ni­ção so­bre te­mas co­mo in­di­ca­ções ge­o­grá­fi­cas e o “prin­cí­pio da precaução” pa­ra pro­du­tos agrí­co­las.

A UE não si­na­li­zou se am­pli­a­ria a co­ta pa­ra car­ne bo­vi­na do Mer­co­sul (a proposta atu­al é de 99 mil to­ne­la­das por ano) ou se eli­mi­na­ria a co­bran­ça de ta­ri­fas pa­ra o açú­car ex­por­ta­do pa­ra a Europa den­tro das co­tas pro­pos­tas. E ain­da fez exi­gên­cia de aber­tu­ra mai­or no mer­ca­do de vi­nhos (o Brasil re­sis­te) e de azei­tes (a Ar­gen­ti­na não quer). Nas dis­cus­sões so­bre lác­te­os, o Uru­guai evi­ta a li­be­ra­li­za­ção com­ple­ta.

“Re­sol­ve­mos inú­me­ros pro­ble­mas, mas ain­da res­tam pen­dên­ci­as”, ob­ser­vou Aloy­sio, sem en­trar em de­ta­lhes. Ele não fa­lou pu­bli­ca­men­te so­bre o te­le­fo­ne­ma da co­mis­sá­ria eu­ro­peia. “Nos úl­ti­mos dois anos, hou­ve am­pla con­ver­gên­cia po­lí­ti­ca dos paí­ses do Mer­co­sul e as ne­go­ci­a­ções to­ma­ram im­pul­so.”

No­voa foi cau­te­lo­so ao co­men­tar as in­ten­ções do pró­xi­mo go­ver­no bra­si­lei­ro so­bre o Mer­co­sul. Ele e o ar­gen­ti­no Jor­ge Fau­rie se reúnem ho­je com o fu­tu­ro chan­ce­ler, Er­nes­to Araú­jo. Pa­ra o uru­guaio, fa­la-se sem­pre de uma “fle­xi­bi­li­za­ção” do blo­co, mas a união adu­a­nei­ra “me­re­ce­rá uma dis­cus­são opor­tu­na”.

Quan­to às de­cla­ra­ções do pre­si­den­te francês, Em­ma­nu­el Ma­cron, que aler­tou so­bre a im­pos­si­bi­li­da­de de man­ter a ne­go­ci­a­ção ca­so o Brasil saia do Acor­do de Paris, No­voa des­con­ver­sou: “Não é opor­tu­no pa­ra chan­ce­le­res co­men­tar de­cla­ra­ções de pre­si­den­tes”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.