Es­ta­dos avi­sam à Fa­zen­da que vão des­cum­prir o te­to

Con­se­lho de se­cre­tá­ri­os pede ‘fle­xi­bi­li­za­ção das pu­ni­ções’

Valor Econômico - - BRASIL - Ri­ba­mar Oliveira

Em ofí­cio en­de­re­ça­do ao mi­nis­tro da Fa­zen­da, Edu­ar­do Gu­ar­dia, os se­cre­tá­ri­os es­ta­du­ais de Fa­zen­da in­for­ma­ram que os seus Es­ta­dos não têm con­di­ções de cum­prir o te­to de gas­to es­ta­be­le­ci­do pe­la lei com­ple­men­tar 156/2016, que con­ce­deu um pra­zo de mais 240 me­ses pa­ra o pa­ga­men­to das dí­vi­das re­ne­go­ci­a­das pe­la União.

Pa­ra te­rem di­rei­to ao pra­zo adi­ci­o­nal, os Es­ta­dos se com­pro­me­te­ram a li­mi­tar o cres­ci­men­to anu­al das su­as des­pe­sas cor­ren­tes à va­ri­a­ção da in­fla­ção. O te­to de gastos va­le­ria nos dois exer­cí­ci­os sub­se­quen­tes à as­si­na­tu­ra do ter­mo adi­ti­vo do contrato de re­fi­nan­ci­a­men­to das dí­vi­das.

A lei com­ple­men­tar 156 es­ta­be­le­ce que, se o te­to de gastos não for cum­pri­do, se­rá re­vo­ga­do o pra­zo adi­ci­o­nal de 240 me­ses pa­ra o pa­ga­men­to da dí­vi­da re­ne­go­ci­a­da.

Em ofí­cio di­ri­gi­do ao se­na­dor Jo­sé Ser­ra (PSDB-SP), o pre­si­den­te do Con­se­lho Na­ci­o­nal dos Se­cre­tá­ri­os de Fa­zen­da dos Es­ta­dos e do Dis­tri­to Fe­de­ral (Com­se­faz), An­dré Hor­ta Me­lo, pro­põe “fle­xi­bi­li­zar as pu­ni­ções” da lei 156 aos Es­ta­dos que não cum­pri­rem o te­to de gastos. Me­lo diz que a “fle­xi­bi­li­za­ção” per­mi­ti­ria aos Es­ta­dos “mai­or pra­zo pa­ra se ade­qua­rem ao te­to de gastos”.

Ser­ra é o au­tor do pro­je­to de lei com­ple­men­tar 163/2018, que mo­di­fi­ca a lei com­ple­men­tar 156, com o ob­je­ti­vo de ex­cluir do te­to de gastos as des­pe­sas dos Es­ta­dos com o pa­ga­men­to de pre­ca­tó­ri­os ju­di­ci­ais, nos ter­mos da emen­da cons­ti­tu­ci­o­nal 99. O pro­je­to de Ser­ra foi apro­va­do, na ter­ça-fei­ra pas­sa­da, pe­la Co­mis­são de As­sun­tos Econô­mi­cos (CAE). Ago­ra, irá a vo­ta­ção no ple­ná­rio do Se­na­do na pró­xi­ma se­ma­na.

A proposta que es­tá sen­do ar­ti­cu­la­da por um gru­po de se­na­do­res é fa­zer uma emen­da ao pro­je­to de Ser­ra de­fi­nin­do um pra­zo pa­ra que os Es­ta­dos eli­mi­nem a des­pe­sa que ex­ce­der o te­to de gastos. Uma ideia é que o ajuste seja fei­to no pri­mei­ro qua­dri­mes­tre do exer­cí­cio se­guin­te em que ocor­rer o des­cum­pri­men­to do te­to.

Os as­ses­so­res de Ser­ra dis­se­ram que o se­na­dor pau­lis­ta con­si­de­ra que a re­gra fis­cal dos Es­ta­dos pre­ci­sa de aper­fei­ço­a­men­to pa­ra fun­ci­o­nar co­mo as de­mais re­gras fis­cais vi­gen­tes no país e no mun­do. “Ho­je se o ente des­cum­pre o te­to de gastos, ele per­de au­to­ma­ti­ca­men­te o pra­zo adi­ci­o­nal de 20 anos pa­ra pa­gar a dí­vi­da com a União”, lem­brou um as­ses­sor. “Se fun­ci­o­nas­se co­mo as de­mais re­gras fis­cais da LRF, o ente te­ria um pra­zo pa­ra se ajus­tar ao te­to e, nes­se pra­zo, me­di­das te­ri­am que ser ado­ta­das pa­ra re­or­ga­ni­zar a des­pe­sa de mo­do a se cum­prir o te­to”, acres­cen­tou.

Em seu ofí­cio ao se­na­dor pau­lis­ta, An­dré Hor­ta Me­lo, que é se­cre­tá­rio de Tri­bu­ta­ção do Rio Gran­de do Nor­te, ex­pli­cou que a in­clu­são das des­pe­sas com saúde e educação no te­to dos Es­ta­dos, que es­tão vin­cu­la­das ao com­por­ta­men­to da ar­re­ca­da­ção, com­pro­me­te a ca­pa­ci­da­de do Es­ta­do de cum­prir a de­ter­mi­na­ção da lei com­ple­men­tar 156. Is­to por­que, pa­ra cum­prir o te­to, o Es­ta­do “te­ria que re­du­zir dras­ti­ca­men­te des­pe­sas em ou­tras áre­as pa­ra com­por­tar os gastos em saúde e educação que su­pe­ra­rem a va­ri­a­ção do IPCA do pe­río­do”.

Ou­tro ar­gu­men­to apre­sen­ta­do por Hor­ta Me­lo foi que os Es­ta­dos são obri­ga­dos a pa­gar os re­a­jus­tes sa­la­ri­ais aos ser­vi­do­res, que fo­ram con­ce­di­dos por leis edi­ta­das an­tes de 31 de de­zem­bro de 2015. “Não po­de­ria o ente dei­xar de hon­rar os pa­ga­men­tos de re­a­jus­tes con­ce­di­dos por lei a ser­vi­do­res pú­bli­cos com o ob­je­ti­vo de cum­prir a li­mi­ta­ção das des­pe­sas pri­má­ri­as cor­ren­tes pre­vis­tas na LC 156/2016”, diz o pre­si­den­te do Com­se­faz.

Ele ob­ser­vou ain­da que o “con­tro­le dos gastos com pes­so­al ina­ti­vo e pen­si­o­nis­tas re­quer pla­ne­ja­men­to e traz re­sul­ta­dos so­men­te a lon­go pra­zo” e que a exe­cu­ção do no­vo re­gi­me de pa­ga­men­to de pre­ca­tó­ri­os es­ta­be­le­ci­dos pe­la emen­da 99, pos­te­ri­or à lei com­ple­men­tar 156, “im­põe a am­pli­a­ção do vo­lu­me de pa­ga­men­to”.

Por fim, o pre­si­den­te do Com­se­faz pro­põe a re­a­ber­tu­ra e a pror­ro­ga­ção do pra­zo de ajuste ao te­to de gastos até o fi­nal do exer­cí­cio de 2019, com o ar­gu­men­to de que três Es­ta­dos ain­da não con­se­gui­ram as­si­nar os ter­mos do adi­ti­vo de re­fi­nan­ci­a­men­to das dí­vi­das. Com a me­di­da, Hor­ta Me­lo diz que “espera-se as­se­gu­rar efe­ti­va iso­no­mia de tra­ta­men­to fi­nan­cei­ro aos di­ver­sos en­tes da fe­de­ra­ção”.

DI­VUL­GA­ÇÃO

An­dre Hor­ta: pedido pa­ra “fle­xi­bi­li­zar pu­ni­ções” e mais tem­po pa­ra cum­prir re­gra

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.