Me­di­da é con­trá­ria à ne­ces­si­da­de de ajuste fis­cal

Valor Econômico - - BRASIL - Marta Wa­ta­na­be

A sus­pen­são nas san­ções a municípios que ul­tra­pas­sa­rem o li­mi­te de des­pe­sas de pes­so­al pre­vis­ta em pro­je­to de lei apro­va­do na quar­ta-fei­ra na Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos vai em sen­ti­do con­trá­rio à ne­ces­si­da­de de ajuste fis­cal, se­gun­do eco­no­mis­tas.

Em no­ta, a Con­fe­de­ra­ção Na­ci­o­nal dos Municípios (CNM) diz que pou­cas pre­fei­tu­ras se en­qua­dra­ri­am nos cri­té­ri­os es­ta­be­le­ci­dos pa­ra sus­pen­são de san­ções, que só se apli­ca­rá qu­an­do hou­ver que­da re­al su­pe­ri­or a 10% nos re­pas­ses do Fun­do de Participação dos Municípios (FPM) e nas re­cei­tas de royal­ti­es e de par­ti­ci­pa­ções es­pe­ci­ais. Pe­lo pro­je­to de lei, a re­du­ção é me­di­da em re­la­ção a igual qua­dri­mes­tre do ano an­te­ri­or. Se­gun­do a CNM, a que­da de re­pas­ses de FPM não che­gou a es­se ní­vel du­ran­te a cri­se. Por­tan­to, diz a en­ti­da­de, o pro­je­to “po­de­rá ser efe­ti­va­men­te apro­vei­ta­do pe­los pou­cos municípios que so­fre­ram per­das con­si­de­rá­veis com royal­ti­es”.

Além dis­so, a no­ta des­ta­ca que o mu­ni­cí­pio não po­de­rá ul­tra­pas­sar o li­mi­te de gastos de pes­so­al da Lei de Responsabilidade Fis­cal (LRF) de 6% e de 54% da re­cei­ta cor­ren­te lí­qui­da pa­ra o Po­der Le­gis­la­ti­vo e o Exe­cu­ti­vo, res­pec­ti­va­men­te. O ní­vel de gas­to se­rá cal­cu­la­do, pe­lo pro­je­to, com ba­se na re­cei­ta de igual qua­dri­mes­tre do ano an­te­ri­or atu­a­li­za­da mo­ne­ta­ri­a­men­te.

Nos ca­sos em que es­tou­ra o te­to de gastos com pes­so­al e não se en­qua­dra no pe­río­do de­ter­mi­na­do pe­la LRF, a pre­fei­tu­ra fi­ca su­jei­ta a san­ções. Ela fi­ca im­pe­di­da de re­ce­ber trans­fe­rên­ci­as vo­lun­tá­ri­as, de ob­ter ga­ran­ti­as de ou­tros en­tes e de con­tra­tar ope­ra­ções de cré­di­to.

“O pro­je­to é inó­cuo pa­ra a mai­o­ria das pre­fei­tu­ras e, mes­mo qu­an­do vi­er a ser apli­ca­do, só eli­mi­na a pe­ni­tên­cia, e não o pe­ca­do. Se a re­cei­ta caiu e se não se con­se­gue pa­gar folha, a di­fi­cul­da­de con­ti­nu­a­rá a mes­ma”, diz Jo­sé Ro­ber­to Afon­so, pes­qui­sa­dor do Ins­ti­tu­to Bra­si­lei­ro de Eco­no­mia (Ibre/FGV). An­tes, diz, o pre­fei­to po­de­ria ale­gar que a LRF lhe obri­ga­va a fa­zer ajus­tes, in­clu­si­ve com cor­tes de car­gos e ser­vi­do­res. Co­mo não es­ta­rá mais obri­ga­do a fa­zer is­so, não con­se­gui­rá re­cu­pe­rar re­cei­ta ou re­du­zir gas­to. “Me pa­re­ce que o pro­je­to é um ti­ro no pé dos pró­pri­os pre­fei­tos. E, pi­or, dá si­nal mui­to ruim em mo­men­to que to­dos co­bram mai­or aus­te­ri­da­de fis­cal.”

Pa­ra a eco­no­mis­ta Ana Car­la Abrão, só­cia da Oli­ver Wy­man, o pro­je­to é um ataque à LRF. “Pre­ci­sa­mos for­ta­le­cer a lei, e não pi­o­rar a si­tu­a­ção. E a jus­ti­fi­ca­ti­va de que is­so é pa­ra uma si­tu­a­ção de que­da ar­re­ca­da­ção de royal­ti­es e trans­fe­rên­ci­as é uma fa­lá­cia. Os royal­ti­es não de­ve­ri­am es­tar vin­cu­la­dos a des­pe­sas cor­ren­tes até por­que são re­cei­tas ex­tra­or­di­ná­ri­as.” E a jus­ti­fi­ca­ti­va de que as san­ções cau­sa­ri­am da­no gran­de aos municípios não faz sen­ti­do, ava­lia. “O Es­pí­ri­to San­to é o mai­or exem­plo de responsabilidade fis­cal com im­pac­tos po­si­ti­vos no cam­po so­ci­al, nas áre­as de educação e se­gu­ran­ça.”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.