Brasil já tem mais de 5 milhões de cri­an­ças na extrema po­bre­za

Nú­me­ro de me­no­res de até 14 anos que vi­vem com até US$ 1,90 por dia cres­ceu 10% em 2017

Valor Econômico - - BRASIL - Bru­no Vil­las Bôas

Qua­se meio mi­lhão de cri­an­ças pas­sou a vi­ver na po­bre­za extrema no país ape­nas no ano pas­sa­do. O Brasil ti­nha 5,253 milhões de cri­an­ças de até 14 anos vi­ven­do em si­tu­a­ção de mi­sé­ria — su­as famílias as sus­ten­ta­vam com uma ren­da do­mi­ci­li­ar per ca­pi­ta de ape­nas U$ 1,90 por dia, o equi­va­len­te a R$ 140 por mês por pes­soa. Is­so sig­ni­fi­ca um au­men­to de 10% na com­pa­ra­ção a 2016, o correspondente a 470 mil cri­an­ças a mais.

Os nú­me­ros cons­tam na Sín­te­se de In­di­ca­do­res So­ci­ais, re­fe­ren­te a 2017, do Ins­ti­tu­to Bra­si­lei­ro de Ge­o­gra­fia e Es­ta­tís­ti­ca (IBGE). Os in­di­ca­do­res da pes­qui­sa mos­tram que 12,5% cri­an­ças de ze­ro a 14 anos vi­vi­am na po­bre­za extrema no ano pas­sa­do, an­te 11,4% no ano an­te­ri­or. O pri­mei­ro ano de re­cu­pe­ra­ção da eco­no­mia, por­tan­to, não foi acom­pa­nha­do pe­la me­lho­ra de vi­da no país.

Es­pe­ci­a­lis­tas afir­mam que a mi­sé­ria tem im­pli­ca­ções es­pe­ci­al­men­te de­vas­ta­do­ras so­bre os mais jovens. Além da fo­me e de pro­ble­mas de saúde, a mi­sé­ria au­men­ta a pro­ba­bi­li­da­de de uma cri­an­ça ser co­lo­ca­da pa­ra trabalhar, de mo­do a com­ple­men­tar a ren­da da fa­mí­lia. O aces­so à educação de qua­li­da­de ten­de a ser bai­xa, as­sim co­mo as chan­ces de se con­se­guir um tra­ba­lho dig­no no fu­tu­ro.

“Os nú­me­ros já eram as­sus­ta­do­res. E ago­ra se agra­va­ram”, diz He­loi­sa Oliveira, ad­mi­nis­tra­do­ra­e­xe­cu­ti­va da Fun­da­ção Abrinq, que se de­di­ca a pro­mo­ver a de­fe­sa dos di­rei­tos de cri­an­ças e ado­les­cen­tes. “A po­bre­za na in­fân­cia tem um efei­to ge­ra­ci­o­nal e com­pro­me­te o de­sen­vol­vi­men­to in­di­vi­du­al. A mi­sé­ria é acom­pa­nha­da de au­sên­cia de mo­ra­dia ade­qua­da, de as­sis­tên­cia saúde, ali­men­ta­ção. É mul­ti­di­men­si­o­nal.”

A pedido do Va­lor, o IBGE de­ta­lhou a va­ri­a­ção da extrema po­bre­za en­tre cri­an­ças de ca­da re­gião do país. Das 470 mil cri­an­ças que en­tra­ram na mi­sé­ria no país, 271 mil es­tão no Nor­des­te. So­men­te na Bahia fo­ram 109 mil jovens a mais na mi­sé­ria. Em Per­nam­bu­co, a po­bre­za extrema en­tre cri­an­ças de ze­ro a 14 anos cres­ceu 14% — 52 mil cri­an­ças a mais. O úni­co Es­ta­do nor­des­ti­no que não te­ve pi­o­ra foi a Pa­raí­ba.

Das de­mais gran­des re­giões do país, o nú­me­ro de cri­an­ças mi­se­rá­veis au­men­tou for­te­men­te no Cen­tro-Oeste (41%) e no Sul (21%). Ape­sar dos per­cen­tu­ais ex­pres­si­vos nes­ses du­as re­giões, elas apre­sen­tam as me­no­res pro­por­ções de cri­an­ças vi­ven­do com no má­xi­mo US$ 1,90 por dia — 6% e 4%, res­pec­ti­va­men­te. Mes- mo as­sim, os da­dos sur­pre­en­dem por­que o agro­ne­gó­cio tem peso re­le­van­te na ati­vi­da­de econô­mi­ca des­sas re­giões e foi res­pon­sá­vel pe­lo cres­ci­men­to da eco­no­mia bra­si­lei­ra em 2017.

An­dré Si­mões, ge­ren­te do IBGE, lem­bra que, ape­sar do papel no cres­ci­men­to do PIB do ano pas­sa­do, a agroin­dús­tria não po­de ser con­si­de­ra­da uma im­por­tan­te em­pre­ga­do­ra. “A agroin­dús­tria em­pre­ga pou­co e re­du­ziu nú­me­ro de pes­so­al ocu­pa­do no ano pas­sa­do”, dis­se Si­mões, re­fe­rin­do-se ao fe­cha­men­to de 434 mil va­gas na ati­vi­da­de de agri­cul­tu­ra, pe­cuá­ria e pro­du­ção flo­res­tal em 2017 em re­la­ção ao ano an­te­ri­or.

No Su­des­te, o nú­me­ro de cri­an­ças vi­ven­do com até US$ 1,90 por mês cres­ceu 10% e che­gou a 1 mi­lhão. São Paulo ti­nha 415 mil jovens na mi­sé­ria em 2017, 55 mil mais que no ano an­te­ri­or. O cres­ci­men­to tam­bém foi gran­de no Rio de Ja­nei­ro e no Es­pí­ri­to San­to, de 17% e 30%, res­pec­ti­va­men­te. Es­sa po­bre­za ur­ba­na es­tá mar­ca­da nas pe­ri­fe­ri­as e nas fa­ve­las das ci­da­des, e seu avan­ço es­tá di­re­ta­men­te re­la­ci­o­na­do ao ci­clo re­ces­si­vo no país.

A re­gião Nor­te, por sua vez, foi on­de a po­bre­za extrema en­tre cri­an­ças cres­ceu me­nos na pas­sa­gem de 2016 pa­ra 2017. A re­gião ti­nha 818 mil cri­an­ças de ze­ro a 14 anos vi­ven­do com me­nos de US$ 1,90 por dia no ano pas­sa­do, au­men­to de 0,7% fren­te ao ano an­te­ri­or. O re­sul­ta­do lo­cal não foi pi­or que o das de­mais re­giões por cau­sa do in­cre­men­to da ren­da do­mi­ci­li­ar per ca­pi­ta (to­das as fon­tes) re­gis­tra­da nos Es­ta­dos de Ama­zo­nas e To­can­tins.

Pa­ra He­loi­sa, da Abrinq, a re­du­ção da po­bre­za de­pen­de de me­di­das pa­ra além da ex­pan­são dos be­ne­fí­ci­os do Bol­sa Fa­mí­lia. Pa­ra ela, a mi­sé­ria pre­ci­sa ser en­fren­ta­da pa­ra além da li­mi­ta­ção da ren­da.

“É pre­ci­so iden­ti­fi­car uma re­gião com po­bre­za e pri­o­ri­zar po­lí­ti­cas pú­bli­cas pa­ra es­se con­jun­to. Não é só Bol­sa Fa­mí­lia, é tam­bém pri­o­ri­za­ção na po­lí­ti­ca pú­bli­ca pa­ra educação, as­sis­tên­cia so­ci­al, saúde, sa­ne­a­men­to bá­si­co. A po­bre­za vem com tu­do is­so.”

A pes­qui­sa não apre­sen­tou da­dos de anos an­te­ri­o­res a 2016 de­vi­do a uma sé­rie de mu­dan­ças me­to­do­ló­gi­cas e de abran­gên­cia de amos­tra. Sa­be-se, con­tu­do, que a po­bre­za e a de­si­gual­da­de vi­ve­ram um dé­ca­da de declínio dos anos 2000 até o iní­cio des­ta dé­ca­da. Foi um pe­río­do de cres­ci­men­to econô­mi­co, ge­ra­ção de em­pre­gos e ex­pan­são de pro­gra­mas de trans­fe­rên­cia de ren­da.

Pa­ra Pe­dro Her­cu­la­no de Sou­za, téc­ni­co de pla­ne­ja­men­to do Ins­ti­tu­to de Pes­qui­sa Econô­mi­ca Apli­ca­da (Ipea), a si­tu­a­ção fis­cal di­fi­cul­tou a ado­ção de me­di­das pa­ra amor­te­cer o au­men­to da po­bre­za no país, co­mo de pro­gra­mas so­ci­ais. Ele lem­bra que na cri­se de 2009 foi pos­sí­vel ado­tar me­di­das co­mo a pror­ro­ga­ção de par­ce­las do seguro-de­sem­pre­go.

“Des­ta vez, o es­pa­ço fis­cal é ou­tro. Em si­tu­a­ções nor­mais, o go­ver­no po­de­ria ter lan­ça­do mão de me­di­das an­ti­cí­cli­cas, co­mo ex­pan­dir o Bol­sa Fa­mí­lia”, dis­se Sou­za, pa­ra quem a re­du­ção da po­bre­za de­pen­de­rá, por­tan­to, da me­lho­ra da eco­no­mia e do mer­ca­do de tra­ba­lho. “Es­ta­mos no iní­cio de uma re­cu­pe­ra­ção. É ce­do pa­ra re­ver­ter a ten­dên­cia. Es­pe­ro que os nú­me­ros de 2018 mos­trem me­lho­ra.”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.