Prín­ci­pe bra­si­lei­ro vai a cú­pu­la con­ser­va­do­ra com­ba­ter o ‘glo­ba­lis­mo’

Valor Econômico - - POLÍTICA - Fa­bio Mu­ra­kawa

Uma das es­tre­las da Cú­pu­la Con­ser­va­do­ra das Amé­ri­cas, o prín­ci­pe Luiz Phi­lip­pe de Or­léans e Bragança vê uma im­por­tân­cia “fun­da­men­tal” no even­to, que reu­ni­rá con­ser­va­do­res de di­ver­sos paí­ses ama­nhã em Foz do Igua­çu (PR). Ape­sar do mo­men­to fa­vo­rá­vel pa­ra a direita, com a as­cen­são de lí­de­res co­mo Do­nald Trump e Jair Bol­so­na­ro, “ain­da há mui­to o que fa­zer”, afir­ma — a co­me­çar por tra­çar es­tra­té­gi­as con­tra a re­a­ção do “ini­mi­go” que cer­ta­men­te já se pre­pa­ra “pa­ra ata­car os pi­la­res for­ma­ti­vos” da atu­al on­da con­ser­va­do­ra.

De­pu­ta­do fe­de­ral elei­to pe­lo PSL pau­lis­ta, des­cen­den­te di­re­to dos im­pe­ra­do­res Dom Pe­dro I e II, ele par­ti­ci­pa­rá de um pai­nel so­bre cultura, um dos quatro pre­vis­tos na cú­pu­la (os de­mais são po­lí­ti­ca, eco­no­mia e se­gu­ran­ça). A me­sa em que se sen­ta­rá o prín­ci­pe te­rá a me­di­a­ção do filho do pró­xi­mo pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, o tam­bém de­pu­ta­do fe­de­ral Edu­ar­do Bol­so­na­ro (PSL-SP). Ola­vo de Car­va­lho, pen­sa­dor, as­tró­lo­go e que in­di­cou dois mi­nis­tros do fu­tu­ro go­ver­no Jair Bol­so­na­ro, tam­bém es­ta­rá no pai­nel so­bre cultura, mas por vi­de­o­con­fe­rên­cia.

Se­gun­do a or­ga­ni­za­ção, mais de 2 mil pes­so­as já se ins­cre­ve­ram pa­ra o even­to — uma es­pé­cie de aves­so do Fo­ro de São Paulo, que des­de os anos 1980 con­gre­ga par­ti­dos e or­ga­ni­za­ções de es­quer­da.

Em en­tre­vis­ta ao Va­lor , o prín­ci­pe dis­se que “o ini­mi­go” são “George So­ros e seus ami­gos no Brasil”, en­tre eles “par­ti­dos de es­quer­da”, co­mo o PSDB, gran­des em­pre­sá­ri­os “de es­quer­da” e os gran­des bancos no Brasil “com famílias her­dei­ras que são vin­cu­la­das a es­sa ver­ten­te glo­ba­lis­ta de con­tro­le e do­mí­nio”.

“Há famílias e em­pre­sas ami­gas do So­ros no Brasil que têm o mes­mo viés glo­ba­lis­ta e são con­trá­ri­as a uma sociedade pu­ra­men­te bra­si­lei­ra”, diz ele, no­me­an­do uma sé­rie de famílias de ban­quei­ros e em­pre­sá­ri­os que pediu pa­ra não ci­tar.

“O glo­ba­lis­ta de­fen­de as pau­tas da Or­ga­ni­za­ção das Na­ções Uni­das (ONU), que são pau­tas de ter­mi­nar com o de­sem­pre­go no mun­do, aque­ci­men­to glo­bal, igual­da­de de gê­ne­ro, er­ra­di­ca­ção da fo­me, po­lui­ção, emis­são de CO2, di­rei­tos hu­ma­nos...”, ex­pli­ca os prín­ci­pe. “Tem al­gu­mas pau­tas glo­bais. E al­gu­mas des­sas pau­tas, boa par­te de­las, na­da mais são do que a ten­ta­ti­va de criar um im­pos­to mundial pa­ra re­for­çar a bu­ro­cra­cia da ONU e seu ní­vel de in­ter­fe­rên­cia.”

Ele afir­ma não ser ne­ces­sa­ri­a­men­te con­tra a dis­cus­são des­ses te­mas. Mas de­fen­de a au­to­no­mia das na­ções pa­ra de­ci­dir so­bre to­dos eles sem o ju­go de uma en­ti­da­de glo­bal. “O do­no da pau­ta de­fi­ne o jul­ga­men­to da pau­ta. Se a ONU se co­lo­ca co­mo a do­na dos di­rei­tos hu­ma­nos, é a ONU quem jul­ga os di­rei­tos hu­ma­nos, sen­do que no Brasil is­so es­tá am­pla­men­te es­co­ra­do na Cons­ti­tui­ção e nas leis.”

Co­mo exem­plo de in­ter­fe­rên­cia da ONU, o prín­ci­pe ci­ta a de­ci­são pro­fe­ri­da pe­lo Co­mi­tê de Di­rei­tos Hu­ma­nos da en­ti­da­de, que em agos­to úl­ti­mo aco­lheu em ca­rá­ter li­mi­nar o pedido da de­fe­sa do ex­pre­si­den­te Lu­la pa­ra que pu­des­se dis­pu­tar a eleição pre­si­den­ci­al — a des­pei­to de de­ci­sões da Justiça bra­si­lei­ra em con­trá­rio.

“O con­ser­va­dor é pró-sociedade bra­si­lei­ra”, diz. “O glo­ba­lis­ta quer ho­mo­ge­ni­zar a le­gis­la­ção no mun­do in­tei­ro.”

Nes­se as­pec­to, ele diz es­tar “100% em con­cor­dân­cia com Jair Bol­so­na­ro e ao que ele pro­põe na ques­tão glo­ba­lis­ta”. “Ne­nhum li­be­ral que fa­la que to­do o po­der vem do po­vo vai acei­tar uma in­ter­fe­rên­cia ex­ter­na e não de­mo­crá­ti­ca no seu país”, afir­ma.

Da mes­ma for­ma, o prín­ci­pe vê a in­ter­fe­rên­cia do Es­ta­do em “pon­tu­a­ções do gê­ne­ro so­ci­a­lis­ta, que ti­ram po­der da sociedade e o trans­fe­rem pa­ra a bu­ro­cra­cia”.

“A nar­ra­ti­va é que a sociedade bra­si­lei­ra é fa­lha, in­ca­paz de re­sol­ver os pró­pri­os pro­ble­mas”, diz. “Is­so de­sem­po­de­ra a sociedade que, por se sen­tir fra­ca, aca­ba va­li­dan­do um Es­ta­do for­te.”

Co­mo exem­plos, ele ci­ta pro­gra­mas co­mo o Fo­me Ze­ro, ações con­tra o de­sem­pre­go ou de proteção aos LGBT. “Tu­do são fa­lhas so­ci­ais que têm que ser aten­di­das com bu­ro­cra­cia”, diz. “Sou con­tra es­sa nar­ra­ti­va. É tu­do pa­ra criar mais po­der pú­bli­co, trans­fe­rir pa­trimô­nio pa­ra o Es­ta­do.”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.