A ho­ra da cons­tru­ção

Valor Econômico - - POLÍTICA - Cé­sar Fe­lí­cio

Oa­pre­sen­ta­dor Lu­ci­a­no Huck afir­mou an­te­on­tem, em um jan­tar pro­mo­vi­do pe­lo Re­no­va BR na Ca­sa Fa­sa­no, que não é ho­ra de fa­zer opo­si­ção. A de­pen­der da es­tra­té­gia de ca­da um, tal­vez não seja mes­mo, mas o que pa­re­ce fo­ra de dú­vi­da é que é ho­ra de fa­zer po­lí­ti­ca.

Se­rá di­fí­cil pa­ra Lu­ci­a­no Huck, ca­so ele de fa­to quei­ra con­cor­rer em 2022, to­mar a de­ci­são de lan­çar-se ou não na tor­men­ta na 25 ho­ra, co­mo ten­tou fa­zer es­te ano, ao ser pres­si­o­na­do a an­te­ci­par sua de­ci­são.

Há uma sen­sa­ção di­fu­sa de que Jair Bol­so­na­ro ele­geu-se em um am­bi­en­te de re­pú­dio à clas­se po­lí­ti­ca, no­me­a­da­men­te ao PT. Ga­nhou Bol­so­na­ro, co­mo po­de­ria ter ga­nho Ser­gio Mo­ro, Joaquim Bar­bo­sa ou Huck, ca­so um ‘out­si­der’ se aven­tu­ras­se. So­bre­tu­do pa­ra os dois úl­ti­mos, o ca­va­lo pas­se­ou ar­re­a­do, pa­ra usar um jar­gão po­lí­ti­co. Es­ta é uma sen­sa­ção bem pre­sen­te en­tre as for­ças do PSDB e de ou­tros par­ti­dos que che­ga­ram a apos­tar no apre­sen­ta­dor e que ago­ra ve­em uma su­ces­são pre­si­den­ci­al mais di­fí­cil.

Quem qui­ser con­cor­rer na pró­xi­ma eleição an­tes pre­ci­sa­rá cons­truir um par­ti­do ou ali­an­ça, um pro­gra­ma, uma men­sa­gem. Não che­ga­rão três reis ma­gos tra­zen­do ou­ro, in­cen­so e mir­ra. O exem­plo a ser se­gui­do é o do pró­prio Bol­so­na­ro, que co­me­çou a se apre­sen­tar co­mo can­di­da­to com enor­me, até exa­ge­ra­da an­te­ce­dên­cia mes­mo pa­ra os pa­drões bra­si­lei­ros: em uma for­ma­tu­ra mi­li­tar de 2014 já se po­si­ci­o­na­va co­mo pre­si­den­ciá­vel.

O apre­sen­ta­dor te­rá que ex­pli­ci­tar su­as in­ten­ções mais ce­do. Os que con­ver­sam com Huck di­zem que ele tem consciência de que pa­ra che­gar a 2022 te­rá que pas­sar an­tes por al­gu­mas eta­pas pré­vi­as. Ou dei­xar lo­go cla­ro que es­tá fo­ra.

A ro­da deverá co­me­çar a gi­rar no pró­xi­mo mês, com a dis­po­si­ção do PPS em mu­dar de iden­ti­da­de, tro­can­do até de no­me, pa­ra cre­den­ci­ar-se co­mo ca­nal pa­ra uma coi­sa no­va. Não é se­gre­do que o PPS se­ria a si­gla de Huck, ca­so ele dis­pu­tas­se eleição es­te ano.

Se­gun­do o pre­fei­to de Vi­tó­ria, Lu­ci­a­no Re­zen­de, um cé­ti­co em re­la­ção à dis­po­si­ção do apre­sen­ta­dor en­trar na ce­na pú­bli­ca, há des­con­for­to en­tre os que se fi­li­a­ram re­cen­te­men­te na si­gla — mui­tos dos quais in­te­gran­tes dos mo­vi­men­tos de re­no­va­ção da po­lí­ti­ca — com a pa­la­vra “so­ci­a­lis­ta” no no­me do par­ti­do. “Eu mes­mo não sou so­ci­a­lis­ta”, diz.

Há tam­bém o sen­ti­men­to de que, no po­lo opos­to ao bol­so­na­ris­mo, a ver­ten­te com mai­or po­ten­ci­al de cres­ci­men­to não es­tá à es­quer­da. A es­quer­da con­ti­nua cap­tu­ra­da pe­lo PT e o pe­tis­mo es­tá en­car­ce­ra­do em Cu­ri­ti­ba. O do­cu­men­to di­vul­ga­do pe­la cú­pu­la do par­ti­do no úl­ti­mo fim de se­ma­na mos­tra que a si­gla na­da es­que­ce e na­da apren­de, co­mo os Bour­bon de­pois da Re­vo­lu­ção Fran­ce­sa.

Qu­an­do se par­te do prin­cí­pio de que o an­ti­pe­tis­mo ex­pli­cou a eleição de Bol­so­na­ro, re­ti­ra-se o peso ide­o­ló­gi­co da vi­tó­ria de um ul­tra­di­rei­tis­ta. Elei­to pe­la ne­ga­ção, Bol­so­na­ro não re­pre­sen­ta­ria uma gui­na­da so­ci­al. A sociedade es­ta­ria on­de sem­pre es­te­ve.

É es­ta a nar­ra­ti­va de 2018 que par­te dos der­ro­ta­dos na eleição de ou­tu­bro tenta de­sen­vol­ver. É co­mo se ten­tas­sem con­ven­cer o in­ter­lo­cu­tor de que o elei­tor não os des­pre­za, rejeita o PT, e que Bol­so­na­ro foi um aci­den­te de per­cur­so, pon­to fo­ra da cur­va. Pa­ra os que pen­sam as­sim a ame­a­ça ao bol­so­na­ris­mo, por­tan­to, es­tá no seg­men­to do que se con­ven­ci­o­nou cha­mar de “cen­tro”.

O diagnóstico dos que se pro­põem a fa­zer uma re­no­va­ção é que es­te seg­men­to nau­fra­gou na eleição por ter fi­ca­do ex­ces­si­va­men­te iden­ti­fi­ca­do com a ve­lha po­lí­ti­ca. Em ou­tras pa­la­vras, a so­bre­vi­vên­cia em 2017 de Mi­chel Te­mer de­pois da con­ver­sa de po­rão com o do­no da JBS li­qui­dou nas ur­nas de 2018 o PSDB, MDB, DEM e um vas­to et ce­te­ra.

O PPS espera re­ce­ber em sua no­va for­ma gen­te do Ago­ra! e, quem sa­be, o PV e o Re­de Sus­ten­ta­bi­li­da­de, que podem ter di­fi­cul­da­de de so­bre­vi­ver em um ce­ná­rio sem co­li­ga­ções pro­por­ci­o­nais e com cláu­su­la de bar­rei­ra em ele­va­ção. O que fal­ta ao agru­pa­men­to, e que Huck po­de­ria for­ne­cer, é pro­je­to de po­der.

O mo­vi­men­to do PPS, con­tu­do, não é o úni­co que se de­sen­vol­ve ago­ra e nem Huck é uma al­ter­na­ti­va so­li­tá­ria pa­ra 2022. O No­vo cres­ceu an­tes e aci­ma do pre­vis­to e irá ten­tar se cre­den­ci­ar co­mo op­ção re­al. O quin­to lu­gar de João Amoê­do na eleição pre­si­den­ci­al, o fa­to de ter pas­sa­do pe­la cláu­su­la de bar­rei­ra e a vi­tó­ria de Ro­meu Ze­ma em Mi­nas Ge­rais for­ta­le­ceu a dis­po­si­ção da si­gla em do­brar a apos­ta na pró­xi­ma eleição. Pa­ra um dos can­di­da­tos do No­vo es­te ano, o flu­mi­nen­se Mar­ce­lo Trindade, o par­ti­do deve man­ter a es­tra­té­gia de não usar o fun­do par­ti­dá­rio no pro­ces­so elei­to­ral, o que in­vi­a­bi­li­za co­li­ga­ções. “É di­fí­cil se ali­ar com quem não pen­sa as­sim”, co­men­tou Trindade, que dis­pu­tou o go­ver­no do Rio e te­ve 1,1% dos vo­tos.

A re­la­ção do No­vo com o en­tor­no de Huck é fria e o par­ti­do deve cons­truir can­di­da­tu­ra pró­pria em 2022, mas Mi­nas Ge­rais é um enig­ma. O Es­ta­do lem­bra a es­fin­ge da tragédia gre­ga, de­vo­ra os que não o de­ci­fram, li­qui­da pro­je­tos po­lí­ti­cos, não ape­nas per­so­na­li­da­des. Foi as­sim com to­dos os go­ver­na­do­res elei­tos des­de 1986, ex­ce­to, até cer­to pon­to, Aé­cio Ne­ves. Se Ze­ma for um fracasso, se Mi­nas per­ma­ne­cer as­som­bra­da por men­sa­lões e fo­lhas atra­sa­das, não há co­mo Amoê­do não pa­gar a fa­tu­ra. Se fi­zer uma ges­tão exi­to­sa, aí o pro­je­to do No­vo em 2022 ga­nha ím­pe­to, seja com Amoê­do ou ou­tro can­di­da­to.

Se­rá di­fí­cil atu­ar em 2022 sem co­me­çar a ar­ti­cu­lar ago­ra

São cin­co mi­li­ta­res no pri­mei­ro escalão do go­ver­no. Ou seis, ca­so se con­si­de­re co­mo tal o fu­tu­ro mi­nis­tro da In­fra­es­tru­tu­ra, que foi do Exér­ci­to por 16 anos. O se­gun­do escalão tam­bém co­me­çou a ga­nhar um tom cas­tren­se, co­mo mos­trou a in­di­ca­ção on­tem do ge­ne­ral Flo­ri­a­no Pei­xo­to Ne­to pa­ra um pos­to na Se­cre­ta­ria-Ge­ral da Pre­si­dên­cia ou a do ge­ne­ral The­ophi­lo pa­ra a Se­cre­ta­ria Na­ci­o­nal da Se­gu­ran­ça Pú­bli­ca. Sem con­tar o ge­ne­ral Mou­rão co­mo vi­ce-pre­si­den­te. O qua­dro mon­ta­do por Bol­so­na­ro tor­na ine­vi­tá­vel olhar al­gu­mas fo­to­gra­fi­as an­ti­gas.

Fi­guei­re­do as­su­miu com se­te mi­nis­tros mi­li­ta­res ou de ori­gem no Exér­ci­to, em 1979. No go­ver­no Gei­sel eram seis, sem con­tar o vi­ce, um ge­ne­ral. No de Mé­di­ci, se­te, além do vi­ce al­mi­ran­te. Cos­ta e Silva ex­tra­po­lou, com oi­to. Cas­te­lo Bran­co as­su­miu com cin­co.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.