Pré-sal en­tra na lu­ta por co­man­do do Se­na­do

Fu­tu­ro pre­si­den­te da Ca­sa, a ser elei­to em fe­ve­rei­ro, con­du­zi­rá o acor­do com o go­ver­no Bol­so­na­ro

Valor Econômico - - POLÍTICA - Vand­son Li­ma e Fa­bio Gra­ner

A dis­pu­ta pe­la Pre­si­dên­cia do Se­na­do en­trou no cál­cu­lo da vo­ta­ção do pro­je­to da ces­são one­ro­sa de áre­as do pré-sal. Ca­be­rá ao pró­xi­mo co­man­dan­te da Ca­sa — e por con­sequên­cia, do Po­der Le­gis­la­ti­vo — o mé­ri­to de con­du­zir o acor­do com o go­ver­no de Jair Bol­so­na­ro pa­ra “di­vi­dir o che­que” com Es­ta­dos e municípios.

A eleição, con­tu­do, ocor­re­rá ape­nas em fe­ve­rei­ro, o que adi­ci­o­na um ris­co à ope­ra­ção: se a de­fi­ni­ção en­tre Te­sou­ro Na­ci­o­nal e Pe­tro­bras so­bre a re­vi­são do acor­do da ces­são one­ro­sa avan­çar além de mar­ço do ano que vem, a pos­si­bi­li­da­de de o lei­lão das áre­as ex­ce­den­tes ser re­a­li­za­do em 2019 pas­sa a cor­rer sé­rio ris­co, se­gun­do ava­li­a­ções de bastidores da área econô­mi­ca do go­ver­no.

A lei­tu­ra con­si­de­ra que o Con­se­lho Na­ci­o­nal de Po­lí­ti­ca Ener­gé­ti­ca (CNPE) cos­tu­ma pe­dir de seis a oi­to me­ses pa­ra ana­li­sar e mo­de­lar lei­lões de áre­as pe­tro­lí­fe­ras. O di­nhei­ro a ser ar­re­ca­da­do com o bô­nus de as­si­na­tu­ra a ser pa­go no cer­ta­me des­sas áre­as, es­ti­ma­do en­tre R$ 60 bi­lhões e R$ 100 bi­lhões, é con­si­de­ra­do cru­ci­al pa­ra der­ru­bar o dé­fi­cit pri­má­rio e ten­tar ze­rá-lo, co­mo pro­me­teu o fu­tu­ro mi­nis­tro da Eco­no­mia, Paulo Gu­e­des.

O im­pas­se de or­dem téc­ni­ca so­bre a di­vi­são do bô­nus de as­si­na­tu­ra de fa­to exis­te, mas, se­gun­do in­ter­lo­cu­to­res do atu­al go­ver­no, da equi­pe do pre­si­den­te elei­to Jair Bol­so­na­ro e se­na­do­res en­vol­vi­dos, o cál­cu­lo po­lí­ti­co pas­sou a pre­pon­de­rar ao em­pur­rar a ma­té­ria pa­ra o pró­xi­mo ano.

Quatro vezes pre­si­den­te do Se­na­do e en­sai­an­do uma no­va can­di­da­tu­ra ao co­man­do do Le­gis­la­ti­vo, Renan Ca­lhei­ros (MDB-AL) jan­tou na se­ma­na pas­sa­da com Gu­e­des, a con­vi­te do pró­prio mi­nis­tro in­di­ca­do por Bol­so­na­ro. “Ele me pediu pa­ra fa­lar co­mo eu via al­gu­mas ques­tões do Con­gres­so. Não en­tra­rei em de­ta­lhes por­que é de­se­le­gan­te”, relata Ca­lhei­ros ao Va­lor.

O se­na­dor des­con­ver­sa ao co­men­tar se o pa­po aden­trou o trâ­mi­te da ces­são one­ro­sa. Mas o fa­to é que o Gu­e­des, que até en­tão era fa­vo­rá­vel a de­fi­nir ime­di­a­ta­men­te a di­vi­são do bô­nus pa­ra des­tra­var a vo­ta­ção, pas­sou a co­mu­ni­car se­na­do­res que o des­fe­cho da proposta po­de­ria fi­car pa­ra o iní­cio da pró­xi­ma le­gis­la­tu­ra, sen­do dis­cu­ti­da no âm­bi­to de ou­tras me­di­das pa­ra a eco­no­mia. So­bre o sal­do do en­con­tro, cu­jo con­vi­te par­tiu de Gu­e­des, Renan de­mons­trou em­pol­ga­ção. “Saí mui­tís­si­mo bem im­pres­si­o­na­do com os pla­nos de Gu­e­des pa­ra o Brasil”.

Ou­tros se­na­do­res, em es­pe­ci­al aque­les que pos­tu­lam a can­di­da­tu­ra ao co­man­do da Ca­sa, per­ce­be­ram a mu­dan­ça. O MDB, mai­or par­ti­do da Ca­sa e que tem pe­lo me­nos quatro no­mes que podem bus­car a pre­si­dên­cia, reu­niu-se quar­ta-fei­ra e a lei­tu­ra foi cla­ra: a ces­são one­ro­sa fi­cou pa­ra o pró­xi­mo ano.

Além de Renan, a lí­der da ban­ca­da, Si­mo­ne Te­bet (MS), Fer­nan­do Be­zer­ra Coelho (PE) e Edu­ar­do Bra­ga (AM) es­ta­ri­am no pá­reo, se­gun­do o pre­si­den­te do MDB, Ro­me­ro Ju­cá (RR), que diz que a si­gla não abre mão de es­tar à fren­te da pre­si­dên­cia do Se­na­do.

Na mes­ma me­di­da em que a re­la­ção de Gu­e­des com Ca­lhei­ros se es­trei­tou, a com o atu­al pre­si­den­te do Se­na­do, Eu­ní­cio Oliveira (MDB-CE), pas­sou a acu­mu­lar di­fi­cul­da­des. A di­fi­cul­da­de de avan­ço no acor­do so­bre o bô­nus foi cre­di­ta­da por Eu­ní­cio ao atu­al mi­nis­tro da Fa­zen­da, Edu­ar­do Gu­ar­dia. Mas a no­va pos­tu­ra de pas­si­vi­da­de de Gu­e­des so­bre o te­ma foi no­ta­da.

Os si­nais se­guin­tes de Eu­ní­cio, ao afir­mar que, sem acor­do, emen­das pro­pos­tas po­de­ri­am re­ti­rar me­ta­de, 80% ou até a to­ta­li­da­de do bô­nus da mão do go­ver­no fe­de­ral fo­ram mui­to mal re­ce­bi­dos tan­to pe­la atu­al quan­to pe­la fu­tu­ra equi­pe econô­mi­ca. Pa­ra­le­la­men­te, ou­tras idei­as com im­pac­to fis­cal ne­ga­ti­vo co­me­ça­ram a ser as­so­ci­a­das à tra­mi­ta­ção do pro­je­to, o que fez com que o atu­al e o fu­tu­ro go­ver­no pas­sas­sem a pre­fe­rir que o as­sun­to fi­cas­se pa­ra ser tra­ta­do no ano que vem, já com no­vos con­gres­sis­tas. O efei­to co­la­te­ral dis­so, con­tu­do, é o ris­co de o pro­ces­so não ser con­cluí­do a tem­po de ge­rar im­pac­to po­si­ti­vo nas con­tas de 2020.

On­tem, Eu­ní­cio pra­ti­ca­men­te jo­gou a to­a­lha, ao de­cla­rar à imprensa que en­quan­to não hou­ver acor­do, co­lo­car a ma­té­ria pa­ra vo­tar é des­truir o pro­je­to. “Se eu vo­tar es­sa ma­té­ria ho­je, vou criar mais pro­ble­ma do que solução”.

Um acor­do en­tre Te­sou­ro e Pe­tro­bras es­tá sen­do dis­cu­ti­do des­de 2015. A Fa­zen­da que­ria um res­pal­do pré­vio do Tribunal de Con­tas da União (TCU) ou a apro­va­ção do pro­je­to que es­tá no Se­na­do e de­fi­ne al­gu­mas re­gras pa­ra que o acor­do seja fei­to com se­gu­ran­ça jurídica pa­ra as au­to­ri­da­des que o as­si­na­rão. Co­mo até ago­ra não hou­ve avan­ços em ne­nhum dos flan­cos, o en­ten­di­men­to es­tá pa­ra­do.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.