Im­pas­se com a Rússia faz Opep adi­ar de­ci­são de cor­te na pro­du­ção

Valor Econômico - - INTERNACIONAL - Kiyo­ko Metz­ler e Car­lo Pi­o­va­no

Os mem­bros da Or­ga­ni­za­ção dos Paí­ses Ex­por­ta­do­res de Pe­tró­leo (Opep) adi­a­ram on­tem sua de­ci­são de re­du­zir a pro­du­ção, en­quan­to ne­go­ci­am com a Rússia so­bre o quan­to o país ali­a­do con­tri­bui­rá com o cor­te.

Al­guns es­pe­ci­a­lis­tas vi­ram o adi­a­men­to co­mo um si­nal de que o gru­po das na­ções pro­du­to­ras de pe­tró­leo po­de não es­tar ten­do uni­da­de po­lí­ti­ca pa­ra con­ter a ofer­ta e es­ta­ria so­fren­do com as pres­sões po­lí­ti­cas do pre­si­den­te dos EUA, Do­nald Trump, pa­ra que não au­men­tem os pre­ços no­va­men­te. Ou­tros in­ter­pre­ta­ram a de­ci­são co­mo uma tá­ti­ca pa­ra fa­zer a Rússia con­cor­dar com gran­des cor­tes.

O pre­ço do pe­tró­leo caiu cer­ca de 25% por­que os gran­des pro­du­to­res — in­cluin­do os EUA — es­tão pro­du­zin­do mais. E vol­tou a re­cu­ar on­tem, em ra­zão da imo­bi­li­da­de da Opep e em meio a pre­o­cu­pa­ções ge­ne­ra­li­za­das so­bre o cres­ci­men­to da eco­no­mia mundial.

A Arábia Sau­di­ta, o peso-pe­sa­do da Opep, dis­se on­tem que é a fa­vor de um cor­te de cer­ca de 1 mi­lhão de bar­ris diá­ri­os. Mas en­quan­to dei­xa­va a reu­nião, o mi­nis­tro sau­di­ta do Pe­tró­leo, Kha­lid Al-Fa­lih, dis­se que “ain­da es­ta­mos de­li­be­ran­do”. Ele afir­mou que os paí­ses da Opep ain­da es­tão dis­cu­tin­do a dis­tri­bui­ção dos cor­tes en­tre eles.

O Irã, ri­val re­gi­o­nal dos sau­di­tas e mem­bro da Opep, vem re­sis­tin­do a qual­quer ideia de cor­tar sua pro­du­ção, uma vez que su­as ex­por­ta­ções de pe­tró­leo já es­tão sen­do pre­ju­di­ca­das por san­ções im­pos­tas pe­los EUA. O país pede isen­ção.

Os mem­bros da Opep vão ago­ra dis­cu­tir em reu­nião com a Rússia, que não faz par­te do car­tel, mas vem co­or­de­nan­do sua pro­du­ção de mo­do a apoi­ar ao mer­ca­do.

Al-Fa­lih dis­se que che­gar a uma de­ci­são deve le­var o dia in­tei­ro. “Não es­tou con­fi­an­te”, acres­cen­tou.

Pa­ra al­guns es­pe­ci­a­lis­tas, tra­ta-se de uma mo­vi­men­ta­ção tá­ti­ca dos paí­ses da Opep pa­ra não anun­ci­ar um ní­vel de pro­du­ção en­quan­to se pre­pa­ram pa­ra pe­dir à Rússia e vá­ri­os ou­tros pe­que­nos pro­du­to­res que não fa­zem par­te do car­tel, que tam­bém re­du­zam a pro­du­ção. “Se eles fi­ze­rem is­so, a Rússia e ou­tros po­de­rão ajus­tar su­as es­tra­té­gi­as de ne­go­ci­a­ção”, dis­se Jan Edel­mann, ana­lis­ta da HSH Nord­bank.

Seja qual for a ló­gi­ca, a fal­ta de cla­re­za le­vou à que­da no pre­ço do pe­tró­leo. O bar­ril do Brent caiu US$ 2,20 on­tem pa­ra US$ 59,36.

A que­da no pre­ço do pe­tró­leo se­rá útil pa­ra mui­tos con­su­mi­do­res e tam­bém em­pre­sas que são gran­des con­su­mi­do­ras de ener­gia, es­pe­ci­al­men­te no mo­men­to em que o cres­ci­men­to glo­bal apre­sen­ta uma de­sa­ce­le­ra­ção.

Trump vem pres­si­o­nan­do pu­bli­ca­men­te o car­tel pa­ra não re­du­zir a pro­du­ção. Na quar­ta-fei­ra, ele dis­se pe­lo Twit­ter: “Es­pe­ro que a Opep man­te­nha flu­xos de pe­tró­leo co­mo es­tão e não os re­du­za. O mun­do não pre­ci­sa nem quer ver pe­tró­leo com pre­ços mais al­tos.”

Em­bo­ra a Arábia Sau­di­ta te­nha in­di­ca­do es­tar dis­pos­ta a re­du­zir a pro­du­ção, sua de­ci­são po­de­rá ser com­pli­ca­da pe­la de­ci­são de Trump de não im­por san­ções con­tra o país pe­lo as­sas­si­na­to do jor­na­lis­ta dis­si­den­te Ja­mal Khashoggi. Al­guns es­pe­ci­a­lis­tas afir­mam que is­so dá cer­ta van­ta­gem dos ame­ri­ca­nos so­bre os sau­di­tas, em­bo­ra Al-Fa­lih te­nha ne­ga­do is­so on­tem.

Ao ser per­gun­ta­do se os sau­di­tas ti­ve­ram per­mis­são de Trump pa­ra cor­tar a pro­du­ção, Al-Fa­lih res­pon­deu: “Não pre­ci­so da per­mis­são de ne­nhum go­ver­no es­tran­gei­ro.”.

As reu­niões des­ta se­ma­na da Opep de­vem in­flu­en­ci­ar os pre­ços nos pró­xi­mos me­ses. A for­ça com que is­so acon­te­ce­rá vai de­pen­der da con­tri­bui­ção da Rússia.

Ana­lis­tas es­ti­mam que se a Rússia es­ti­ver dis­pos­ta a au­men­tar os cor­tes em sua pro­du­ção, a Opep e os paí­ses que não fa­zem par­te do car­tel po­de­rão cor­tar a pro­du­ção em um to­tal com­bi­na­do de 1,3 a 1,4 mi­lhão de bar­ris/dia.

Um cor­te de 1 mi­lhão de bar­ris se­ria o mínimo pa­ra dar su­por­te ao mer­ca­do, e qual­quer coi­sa menor do que is­so der­ru­ba­ria o pre­ço em US$ 10 por bar­ril, se­gun­do Neil Wil­son, prin­ci­pal ana­lis­ta de mer­ca­do da Mar­kets.com.

“O car­tel pre­ci­sa ir além do cor­te de 1 mi­lhão de bar­ris diá­ri­os, pa­ra ao me­nos 1,4 mi­lhão, pa­ra fir­mar o bar­co”, dis­se Wil­son. “Os ris­cos são al­tos pa­ra a Opep nes­te mo­men­to.”.

A de­pen­dên­cia da Opep de paí­ses que não são mem­bros do car­tel, co­mo a Rússia, mos­tra o quan­to a in­fluên­cia da or­ga­ni­za­ção es­tá di­mi­nuin­do nos mer­ca­dos de pe­tró­leo, após dé­ca­da de do­mí­nio.

A ali­an­ça Opep-Rússia se for­mou em 2016 pa­ra com­pe­tir com o enor­me au­men­to da pro­du­ção dos EUA nos úl­ti­mos anos. Se­gun­do al­gu­mas es­ti­ma­ti­vas, os EUA tor­na­ram-se nes­te ano o mai­or produtor mundial de pe­tró­leo.

A Opep tam­bém es­tá di­vi­di­da por con­fli­tos in­ter­nos, em es­pe­ci­al a ri­va­li­da­de en­tre a Arábia Sau­di­ta e o Irã. En­quan­to is­so, o Qa­tar, ri­val dos sau­di­tas e ali­a­do do Irã, anun­ci­ou nes­ta se­ma­na que dei­xa­rá o car­tel em ja­nei­ro. Em­bo­ra te­nha afir­ma­do que es­tá fa­zen­do is­so por ra­zões prá­ti­cas — co­mo pro­du­zir prin­ci­pal­men­te gás na­tu­ral e pou­co pe­tró­leo —, a de­ci­são foi vis­ta co­mo afron­ta sim­bó­li­ca à or­ga­ni­za­ção do­mi­na­da pe­los sau­di­tas.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.