Re­fe­ren­do no Pe­ru deve res­trin­gir fi­nan­ci­a­men­to elei­to­ral pri­va­do

Valor Econômico - - INTERNACIONAL - Mar­sí­lea Gom­ba­ta

No do­min­go, os pe­ru­a­nos vo­ta­rão em um re­fe­ren­do pa­ra mo­di­fi­car pon­tos da Cons­ti­tui­ção so­bre fi­nan­ci­a­men­to de cam­pa­nha, pro­ces­sos de in­di­ca­ção de ma­gis­tra­dos e man­da­to le­gis­la­ti­vo. As mu­dan­ças são apre­sen­ta­das pe­lo pre­si­den­te Mar­tín Viz­car­ra co­mo um re­fe­ren­do con­tra a cor­rup­ção, após ca­sos de pa­ga­men­tos ile­gais en­vol­ven­do a Ode­bre­cht. Es­pe­ci­a­lis­tas afir­mam, no en­tan­to, que as mu­dan­ças por si só di­fi­cil­men­te re­du­zi­rão a cor­rup­ção no país.

Na pri­mei­ra per­gun­ta, os elei­to­res de­ve­rão res­pon­der se apro­vam a se­le­ção de juí­zes pa­ra o con­se­lho de ma­gis­tra­tu­ra por con­cur­so pú­bli­co em vez de in­di­ca­ção. A se­gun­da res­trin­ge o fi­nan­ci­a­men­to pri­va­do de cam­pa­nhas. O ter­cei­ro fa­la so­bre a proi­bi­ção de re­e­lei­ção direta de par­la­men­ta­res. E o quar­to es­ta­be­le­ce um Con­gres­so bi­ca­me­ral, em vez do uni­ca­me­ral ho­je.

As mu­dan­ças, no en­tan­to, não de­vem ter efei­to con­cre­tos na re­du­ção da cor­rup­ção, diz Car­los Me­sía Ra­mí­rez, ex-pre­si­den­te do Tribunal Cons­ti­tu­ci­o­nal do Pe­ru. “O di­nhei­ro ilegal con­ti­nu­a­rá en­tran­do. A úni­ca ma­nei­ra de re­du­zir cor­rup­ção em cam­pa­nhas elei­to­rais é proi­bin­do o fi­nan­ci­a­men­to pri­va­do”, afir­ma.

Pa­ra An­to­nia Eklund, da con­sul­to­ria Con­trol Risks, é pos­si­vel que as mu­dan­ças so­bre fi­nan­ci­a­men­to de cam­pa­nha ini­bam ca­sos de cor­rup­ção co­mo os da Ode­bre­cht no Pe­ru, mas as me­di­das são in­su­fi­ci­en­tes pa­ra mu­dar o ní­vel de cor­rup­ção no Pe­ru.

“Li­mi­tar o fi­nan­ci­a­men­to de em­pre­sas nas cam­pa­nhas é uma me­di­da im­por­tan­te, mas te­mos de lem­brar que o prin­ci­pal par­ti­do de opo­si­ção, Fu­er­za Po­pu­lar, apa­gou do texto pré-apro­va­do no Con­gres­so o item so­bre cri­mi­na­li­zar do­a­ções não de­cla­ra­das a cam­pa­nhas po­lí­ti­cas”, lem­bra Eklund.

O re­fe­ren­do de do­min­go é vis­to por Fer­nan­do Ros­pi­gli­o­si, di­re­tor da FRC Con­sul­to­res, co­mo um ple­bis­ci­to so­bre o go­ver­no Viz­car­ra, que as­su­miu de­pois da re­nún­cia do ex-pre­si­den­te Pe­dro Pa­blo Kuczyns­ki, em mar­ço. “O re­fe­ren­do é um pro­je­to do pre­si­den­te, que es­tá bus­can­do apoio po­lí­ti­co com a con­sul­ta”, diz. Ele prevê que as pro­pos­tas se­rão apro­va­das, o que acir­ra­rá ain­da mais os âni­mos en­tre o Exe­cu­ti­vo e o Le­gis­la­ti­vo.

Pre­si­den­te en­tre 2016 e 2018, Kuczyns­ki re­nun­ci­ou após sus­pei­tas de ter re­ce­bi­do mais de US$ 4,7 milhões da Ode­bre­cht qu­an­do era mi­nis­tro do ex-pre­si­den­te Ale­jan­dro To­le­do (20012006). To­le­do é acu­sa­do de ter re­ce­bi­do US$ 20 milhões em pro­pi­na e es­tá re­fu­gi­a­do nos EUA.

O es­cân­da­lo atin­ge ain­da o ex-pre­si­den­te Ol­lan­ta Hu­ma­la (2011-2016), que es­tá pre­so, e Alan García (1985-1990 e 20062011), acu­sa­do de re­ce­ber su­bor­no. García foi im­pe­di­do de dei­xar o país e te­ve asi­lo ne­ga­do pe­lo go­ver­no do Uru­guai.

A lí­der da opo­si­ção Kei­ko Fu­ji­mo­ri foi pre­sa no mês pas­sa­do, acu­sa­da de re­ce­ber US$ 1,2 mi­lhão da em­pre­sa bra­si­lei­ra du­ran­te a cam­pa­nha elei­to­ral de 2011.

A Ode­bre­cht ad­mi­tiu ter pa­go US$ 29 milhões em pro­pi­na en­tre 2005 e 2014 no Pe­ru.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.