Pri­são faz par­te de competição tec­no­ló­gi­ca

Valor Econômico - - ESPECIAL - Sérgio Tauha­ta

As ne­go­ci­a­ções em tor­no das re­la­ções co­mer­ci­ais en­tre Es­ta­dos Uni­dos e Chi­na e a pri­são da exe­cu­ti­va fi­nan­cei­ra (CFO) da Hu­awei, Meng Wanzhou, no sá­ba­do, são re­fle­xos de dois con­fli­tos distintos en­tre as du­as po­tên­ci­as e que ocor­rem em pa­ra­le­lo, ana­li­sou o eco­no­mis­ta-che­fe pa­ra os EUA e ana­lis­ta ma­cro glo­bal da TS Lom­bard, Ste­ven Blitz, em en­tre­vis­ta ao Va­lor . Um é o co­mer­ci­al, que, se­gun­do ele, tem ca­mi­nha­do pa­ra uma re­so­lu­ção. O ou­tro é o da dis­pu­ta tec­no­ló­gi­ca, ter­ri­tó­rio no qual os EUA acu­sam a Chi­na de rou­bo.

Se­gun­do o es­pe­ci­a­lis­ta, no cur­to pra­zo, o epi­só­dio po­de res­pin­gar e até aba­lar a tré­gua co­mer­ci­al ob­ti­da na reu­nião do G-20, em Bu­e­nos Ai­res, mas “tra­ta-se mais de um ruí­do que não vai in­flu­en­ci­ar du­ran­te mui­to tem­po o an­da­men­to das con­ver­sas so­bre o co­mér­cio en­tre os dois paí­ses”.

Se­gun­do Blitz, “te­mos de olhar o pas­sa­do de his­tri­o­nis­mo, to­do aque­le ba­ru­lho e dra­ma [no iní­cio da tensão co­mer­ci­al], por­que is­so tu­do faz par­te do teatro, mas, se vo­cê olhar atra­vés dis­so, ve­rá que os la­dos pre­ci­sam um do ou­tro [no cam­po da tec­no­lo­gia]”.

Na análise do eco­no­mis­ta da TS Lom­bard, “foi um epi­só­dio mui­to es­pe­cí­fi­co, que en­vol­ve a ven­da de tec­no­lo­gia rou­ba­da ame­ri­ca­na pa­ra o Irã”. Pa­ra Blitz, “pro­va­vel­men­te a Chi­na vai vol­tar atrás e tu­do se­rá per­do­a­do”.

O eco­no­mis­ta-che­fe da ges­to­ra ame­ri­ca­na ex­pli­ca que a ques­tão co­mer­ci­al tem a ver com o fa­to de “a Chi­na des­fru­tar do mer­ca­do aber­to glo­bal, mas ter um mer­ca­do in­ter­no fe­cha­do, on­de os paí­ses não podem ven­der seus pro­du­tos e ser­vi­ços li­vre­men­te”. Se­gun­do o ana­lis­ta, “em al­gum mo­men­to ve­re­mos uma evo­lu­ção nes­se im­pas­se”.

No ca­so do con­fli­to tec­no­ló­gi­co, “tra­ta-se de quem se­rá o do­no de tec­no­lo­gi­as de al­to im­pac­to co­mo a re­de de da­dos móvel 5G, e quem se­rá o lí­der em tec­no­lo­gia no fu­tu­ro”. Blitz afir­ma que “os EUA até podem dei­xar a Chi­na ser lí­der no co­mér­cio glo­bal de pro­du­tos agrí­co­las e ma­nu­fa­tu­ra­dos, mas não vai per­mi­tir que a Chi­na se tor­ne lí­der em tec­no­lo­gia”.

A Hu­awei de­cla­rou re­cen­te­men­te ter co­mo me­ta se tor­nar a mai­or fa­bri­can­te de smartpho­nes do mun­do — pos­to ocu­pa­do atu­al­men­te pe­la co­re­a­na Sam­sung — an­tes do fim de 2019. A com­pa­nhia as­su­miu o se­gun­do lu­gar nes­te ano, qu­an­do ul­tra­pas­sou a ame­ri­ca­na Ap­ple. A em­pre­sas chi­ne­sa tam­bém di­vul­gou pla­nos de se tor­nar lí­der glo­bal em in­te­li­gên­cia ar­ti­fi­ci­al e tec­no­lo­gia móvel 5G.

A ques­tão do em­ba­te tec­no­ló­gi­co deverá du­rar mui­tos anos e, pro­va­vel­men­te, não se­rá re­sol­vi­da du­ran­te o atu­al go­ver­no de Do­nald Trump, apon­ta Blitz. “Do pon­to de vis­ta ame­ri­ca­no, a Chi­na tem rou­ba­do a tec­no­lo­gia dos EUA pa­ra se tor­nar do­mi­nan­tes nes­se setor.”

“A pri­são da CFO da Hu­awei é uma ma­nei­ra de os EUA man­da­rem uma men­sa­gem ao go­ver­no chi­nês. O que o go­ver­no Trump es­tá di­zen­do é : ‘es­ta­mos fa­lan­do sé­rio’”, pon­de­ra Blitz. O eco­no­mis­ta da TS Lom­bard acres­cen­ta ain­da ver “hi­po­cri­sia” na re­a­ção da Chi­na. “Eles fa­zem is­so [pren­dem] o tem­po to­do ame­ri­ca­nos que eles acham que es­tão es­pi­o­nan­do ou rou­ban­do se­gre­dos. Por­que os EUA não podem jo­gar nas mes­mas re­gras?”

Na vi­são do es­pe­ci­a­lis­ta, na área co­mer­ci­al há mui­to a se per­der pa­ra os dois la­dos se o im­pas­se au­men­tar pa­ra uma guer­ra co­mer­ci­al aber­ta. “Não acre­di­to que o con­fli­to tec­no­ló­gi­co vai im­pe­dir que os paí­ses al­can­cem um acer­to co­mer­ci­al”, diz.

A Chi­na, no en­tan­to, tem vá­ri­as fer­ra­men­tas pa­ra re­ta­li­ar a pri­são da CFO da Hu­awei. “Podem dei­xar a mo­e­da de­pre­ci­ar mais, blo­que­ar pro­du­tos ame­ri­ca­nos. Os chi­ne­ses têm vá­ri­as ma­nei­ras pa­ra di­fi­cul­tar a en­tra­da de pro­du­tos ame­ri­ca­nos sem re­cor­rer a ta­ri­fas, mas te­mos de esperar pa­ra ver o que acontece.”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.