Justiça sus­pen­de ne­gó­cio en­tre Embraer e Bo­eing

Valor Econômico - - | EMPRESAS INDÚSTRIA - Avi­a­ção Ca­mi­la Maia e Ro­dri­go Ro­cha

O juiz Vic­to­rio Giu­zio Ne­to, da 24a Va­ra Cí­vel Fe­de­ral de São Paulo, con­ce­deu li­mi­nar sus­pen­den­do o ne­gó­cio en­tre as em­pre­sas Bo­eing e Embraer. A de­ci­são foi pro­fe­ri­da na quar­ta-fei­ra a par­tir de uma ação po­pu­lar apre­sen­ta­da pe­los de­pu­ta­dos fe­de­rais pe­tis­tas Paulo Pi­men­ta, Car­los Za­rat­ti­ni, Nel­son Pel­le­gri­no e Vi­cen­te Cân­di­do.

No acor­do que vem sen­do dis­cu­ti­do en­tre as fa­bri­can­tes, as em­pre­sas ne­go­ci­am a for­ma­ção de uma joint ven­tu­re que de­te­ria a di­vi­são de avi­a­ção co­mer­ci­al da Embraer. Na com­pa­nhia re­sul­tan­te da ope­ra­ção, a Embraer fi­ca­ria com 20% e a Bo­eing com 80%.

O juiz sus­pen­deu qual­quer efei­to con­cre­to de de­ci­são da Embraer que con­cor­de com trans­fe­rên­cia da par­te co­mer­ci­al. A li­mi­nar, po­rém, não im­pe­de que as em­pre­sas con­ti­nu­em a ne­go­ci­ar a ope­ra­ção.

No en­tan­to, o juiz re­jei­tou o pedido fei­to ori­gi­nal­men­te pe­los de­pu­ta­dos, que plei­te­a­vam que a de­ci­são obri­gas­se a União a exer­cer o po­der da “gol­den sha­re” na Embraer pa­ra ve­tar a ope­ra­ção.

O pedido de li­mi­nar pe­dia ain­da que, ca­so a União não exer­ces­se o po­der de ve­to, fos­se ne­ces­sá­ria au­to­ri­za­ção pré­via do Con­gres­so pa­ra a ope­ra­ção en­tre as du­as fa­bri­can­tes de ae­ro­na­ves.

A fal­ta de con­tro­le da União so­bre a no­va em­pre­sa a ser cri­a­da é o prin­ci­pal pon­to cri­ti­ca­do pe­lo juiz na sua de­ci­são.

Em seu des­pa­cho, o juiz afir­mou que en­ten­de não es­tar pro­vo­can­do uma “gra­ve le­são à eco­no­mia e or­dem pú­bli­ca” e lem­brou da proximidade da pos­se do pre­si­den­te elei­to Jair Bol­so­na­ro (PSL), com al­te­ra­ções das equi­pes do go­ver­no e am­pla re­no­va­ção do le­gis­la­ti­vo.

Com is­so, é “re­co­men­dá­vel” evi­tar que even­tu­ais atos con­cre­tos se efe­ti­vem nes­te pe­río­do “cri­an­do uma si­tu­a­ção fá­ti­ca de di­fí­cil ou de im­pos­sí­vel re­ver­são atra­vés da con­cre­ti­za­ção da ‘se­gre­ga­ção’ de par­te da Embraer e sua trans­fe­rên­cia pa­ra a Bo­eing por meio de sim­ples de­ci­são do con­se­lho da pri­mei­ra.”

A de­ci­são diz que a Embraer se­rá “su­til­men­te” di­vi­di­da em du­as, sen­do que a par­te de pro­du­ção de ja­tos co­mer­ci­ais, que de acor­do com o juiz é o seg­men­to lu­cra­ti­vo, pas­sa­rá in­te­gral­men­te ao con­tro­le da Bo­eing, sem “gol­den sha­re” pa­ra a União na no­va em­pre­sa que se­rá cri­a­da.

“A per­ma­nên­cia da ‘gol­den sha­re’ fi­ca­rá res­tri­ta, seja-nos per­mi­ti­do em­pre­gar lin­gua­gem po­pu­lar: ‘na­qui­lo que so­brar da Embraer’ e não se­rá a par­te lu­cra­ti­va”, diz a de­ci­são.

“Im­pos­sí­vel con­si­de­rar a Embraer co­mo equi­va­len­te a uma fá­bri­ca de cer­ve­ja ou de cos­mé­ti­cos e ig­no­rar o que re­ve­la a his­tó­ria de que nas du­as gran­des guer­ras mun­di­ais fo­ram as in­dús­tri­as ci­vis as res­pon­sá­veis pe­la cons­tru­ção de veí­cu­los mi­li­ta­res”, es­cre­veu o juiz.

Con­ta­ta­da, a Bo­eing afir­mou que não iria co­men­tar a de­ci­são. A Embraer não res­pon­deu até o fe­cha­men­to des­ta edição.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.