Car­re­four mon­ta equi­pe de cri­se após mor­te de cão

Valor Econômico - - | EMPRESAS SERVIÇOS&TECNOLOGIA - Va­re­jo Adri­a­na Mat­tos

O Car­re­four mon­tou uma equi­pe mul­ti­dis­ci­pli­nar pa­ra ad­mi­nis­trar a cri­se en­fren­ta­da pe­la em­pre­sa des­de a mor­te de um ca­chor­ro agre­di­do na lo­ja da re­de em Osas­co (SP) em 28 de no­vem­bro. Fa­zem par­te da equi­pe fun­ci­o­ná­ri­os de áre­as co­mo ope­ra­ções, mar­ke­ting e co­mu­ni­ca­ção e se­gu­ran­ça — o gru­po é co­or­de­na­do pe­la di­re­to­ria de re­la­ções ins­ti­tu­ci­o­nais. Até ago­ra, não hou­ve con­tra­ta­ção de con­sul­to­ri­as ex­ter­nas pa­ra aju­dar o Car­re­four a ad­mi­nis­trar o ca­so.

O Va­lor apu­rou que o gru­po es­tu­da fe­char par­ce­ri­as com en­ti­da­des de proteção aos animais pa­ra apoi­ar ações en­vol­ven­do a saúde de cães e ga­tos. A ques­tão es­tá sen­do dis­cu­ti­da in­ter­na­men­te, mas a ideia é não fa­zer anún­ci­os nes­se sen­ti­do ago­ra, pe­la sen­si­bi­li­da­de do te­ma e pe­la ne­ces­si­da­de de apro­fun­dar es­sa análise.

Se­gun­do ví­deo que cir­cu­la em re­des so­ci­ais, um se­gu­ran­ça ter­cei­ri­za­do con­tra­ta­do pe­la va­re­jis­ta apa­re­ce an­dan­do atrás do ani­mal com uma bar­ra de me­tal nas mãos. O se­gu­ran­ça foi afas­ta­do. O cão mor­reu após ser le­va­do por equi­pe do Cen­tro de Zo­o­no­ses de Osas­co, e o ani­mal foi cre­ma­do.

O Car­re­four tem fei­to um mo­ni­to­ra­men­to diário na internet pa­ra ve­ri­fi­car le­van­tar se há ma­ni­fes­ta­ções de cli­en­tes pre­vis­tas em lo­jas, se­gun­do fon­te — além do acom­pa­nha­men­to diário de trá­fe­go de cli­en­tes na uni­da­de em Osas­co. O vo­lu­me de crí­ti­cas à em­pre­sa cres­ceu nas re­des so­ci­ais e há um protesto mar­ca­do por in­ter­nau­tas pa­ra ocor­rer na fren­te da lo­ja de Osas­co no fim de se­ma­na.

Fun­ci­o­ná­ri­os da em­pre­sa, co­mo ge­ren­tes e di­re­to­res, têm se ma­ni­fes­ta­do de­fen­den­do a com­pa­nhia nas re­des — in­ter­na­men­te, a em­pre­sa não deu ori­en­ta­ção im­pe­din­do os em­pre­ga­dos de opi­na­rem, apu­rou o Va­lor. Is­so tem ge­ra­do re­per­cus­são. “A em­pre­sa não proi­biu ma­ni­fes­ta­ções de apoio de em­pre­ga­dos”, diz uma fon­te.

Há dú­vi­das so­bre o efei­to da cri­se (e de um even­tu­al boi­co­te) às ven­das da re­de. Is­so por­que, no dia se­guin­te à mor­te do ca­chor­ro, hou­ve a inau­gu­ra­ção de uma uni­da­de da ca­deia Ata­ca­dão ao la­do do hi­per­mer­ca­do em Osas­co. Já era es­pe­ra­do que a aber­tu­ra do Ata­ca­dão ti­ves­se al­gum im­pac­to ne­ga­ti­vo nas ven­das do hi­per­mer­ca­do nas pri­mei­ras se­ma­nas — Car­re­four e Ata­ca­dão per­ten­cem ao mes­mo con­tro­la­dor.

A re­gião tem di­ver­sas re­des ri­vais mui­to pró­xi­mas umas das ou­tras, co­mo Ex­tra, Wal­mart, Sam’s Club e As­saí. “Qu­an­do um con­cor­ren­te abre per­to de ou­tro, em re­giões po­pu­lo­sas e mui­to dis­pu­ta­das, há im­pac­to nas ven­das das uni­da­des que já atu­a­vam na re­gião. Nor­mal­men­te, as re­des pro­je­tam uma es­ti­ma­ti­va de que­da. A ques­tão é se o de­sem­pe­nho fi­ca aci­ma ou abai­xo do pre­vis­to”, diz um consultor de uma va­re­jis­ta.

O Go­o­gle Trends, fer­ra­men­ta que cap­ta ten­dên­ci­as de bus­ca na internet, mos­tra que des­de 2 de de­zem­bro qua­se do­brou o vo­lu­me de bus­cas da pa­la­vra “Car­re­four” em re­la­ção ao vo­lu­me ve­ri­fi­ca­do nos di­as an­te­ri­o­res à mor­te do ani­mal. A par­tir do dia 5, o vo­lu­me de bus­cas das ex­pres­sões “Car­re­four” e “ca­chor­ro” pas­sou a cair gra­da­ti­va­men­te.

Na quar­ta-fei­ra, o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co de São Paulo ins­tau­rou inqué­ri­to civil pa­ra apu­rar a mor­te do ani­mal e os res­pon­sá­veis.

Se­gun­do uma fon­te ou­vi­da, ape­sar da mai­or ex­po­si­ção da em­pre­sa nas re­des so­ci­ais, com cli­en­tes pe­din­do posição mais du­ra do gru­po, a va­re­jis­ta de­ci­diu man­ter a di­re­ção da lo­ja e o contrato com a em­pre­sa de se­gu­ran­ça ter­cei­ri­za­da. Sur­gi­ram in­for­ma­ções de que fun­ci­o­ná­ri­os da re­de te­ri­am pedido ao se­gu­ran­ça pa­ra ti­rar o ca­chor­ro do es­ta­ci­o­na­men­to da lo­ja, por con­ta de uma vi­si­ta de su­per­vi­so­res no lo­cal. No po­si­ci­o­na­men­to ofi­ci­al do Car­re­four, a em­pre­sa não men­ci­o­na o as­sun­to.

“A per­cep­ção que se tem é que o Car­re­four não ima­gi­na­va que o ca­so ga­nha­ria es­sa im­por­tân­cia. Uma em­pre­sa tem que se po­si­ci­o­nar so­bre al­go não pe­la pres­são pú­bli­ca nas re­des, mas por­que aqui­lo não con­diz com as prá­ti­cas e va­lo­res da com­pa­nhia”, dis­se Fred Lu­cio, pro­fes­sor e coordenador da ESPM So­ci­al. Na vi­são de es­pe­ci­a­lis­tas em mar­ca e ges­tão de cri­se, há um efei­to ne­ga­ti­vo ime­di­a­to so­bre a ima­gem da com­pa­nhia.

Pro­cu­ra­do, o Car­re­four man­te­ve a no­ta di­vul­ga­da no dia 4, em que re­co­nhe­ce que “um gra­ve pro­ble­ma ocor­reu” e afir­ma que “não vai se exi­mir de sua responsabilidade”. “Es­ta­mos tris­tes com a mor­te des­se ani­mal. Somos os mai­o­res in­te­res­sa­dos pa­ra que to­dos os fa­tos se­jam es­cla­re­ci­dos. Por is­so, aguar­da­mos que as au­to­ri­da­des con­clu­am ra­pi­da­men­te as in­ves­ti­ga­ções. [...] Es­ta­mos in­tei­ra­men­te com­pro­me­ti­dos em dar uma res­pos­ta a to­dos”.

Em no­ta an­te­ri­or, a re­de afir­mou que o cão “des­fa­le­ceu” na lo­ja em ra­zão do uso de um “en­for­ca­dor”, equi­pa­men­to de con­ten­ção que foi usa­do por pro­fis­si­o­nais da Zo­o­no­ses pa­ra re­co­lher o cão. Tam­bém afir­mou, so­bre o se­gu­ran­ça, que uma abor­da­gem ao ani­mal “po­de ter oca­si­o­na­do um fe­ri­men­to na pa­ta” do ca­chor­ro.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.