Só no país Ho­meAway par­ce­la pa­ga­men­to no car­tão em até 12 vezes

Com­pa­nhia te­xa­na, do­na da Tri­va­go, fez adap­ta­ção pa­ra se di­fe­ren­ci­ar dos ri­vais

Valor Econômico - - | EMPRESAS SERVIÇOS&TECNOLOGIA - Ro­dri­go Car­ro De ma­las pron­tas

Con­cor­ren­te do ser­vi­ço on-line de hos­pe­da­gem Airbnb, a te­xa­na Ho­meAway te­ve de adap­tar seu mo­de­lo de ne­gó­ci­os a uma pe­cu­li­a­ri­da­de do mer­ca­do bra­si­lei­ro — a pre­fe­rên­cia do con­su­mi­dor pe­lo par­ce­la­men­to de dé­bi­tos. Pa­ra se di­fe­ren­ci­ar da con­cor­rên­cia, a em­pre­sa per­mi­te o pa­ga­men­to da hos­pe­da­gem em até 12 vezes no car­tão de cré­di­to. A op­ção es­tá dis­po­ní­vel ape­nas pa­ra ca­sas e apartamentos no Brasil.

“Es­sa não é, fran­ca­men­te, uma fa­ci­li­da­de que qual­quer ou­tro mer­ca­do no mun­do uti­li­za”, con­tou ao Va­lor, Jeff Hurst, di­re­tor co­mer­ci­al glo­bal da com­pa­nhia. “A mai­o­ria dos nos­sos vi­a­jan­tes es­tá op­tan­do por pa­gar de for­ma par­ce­la­da. En­tão, tem si­do um bom fa­tor de di­fe­ren­ci­a­ção pa­ra nós.” Co­mo o pro­pri­e­tá­rio do imó­vel re­ce­be to­do o va­lor de uma vez as­sim que o check-in é con­fir­ma­do, a em­pre­sa re­cor­re a re­cur­sos pró­pri­os pa­ra fi­nan­ci­ar o par­ce­la­men­to.

Fun­da­da em 2005, a Ho­meAway foi ad­qui­ri­da em 2015 pe­lo Gru­po Ex­pe­dia por US$ 3,9 bi­lhões e atu­al­men­te ofe­re­ce mais de 2 milhões de imó­veis de alu­guel por tem­po­ra­da por meio de di­fe­ren­tes mar­cas. En­tre 2008 e 2012, a Ho­meAway fez mais de 20 aqui­si­ções, em mer­ca­dos co­mo No­va Ze­lân­dia, Aus­trá­lia, Fran­ça e Es­pa­nha.

No Brasil, op­tou por man­ter no mer­ca­do a mar­ca do si­te Alu­gueTem­po­ra­da, após ad­qui­ri-lo em 2010. Até es­te ano, a pá­gi­na fun­ci­o­na­va ape­nas co­mo um ser­vi­ço de clas­si­fi­ca­dos on-line. Em agos­to, o mo­de­lo de ne­gó­ci­os foi in­tei­ra­men­te re­for­mu­la­do, com a in­cor­po­ra­ção de ser­vi­ços de re­ser­va e pa­ga­men­to on-line (en­tre pro­pri­e­tá­ri­os e vi­a­jan­tes).

A co­mu­ni­ca­ção en­tre as du­as par­tes pas­sou a ser fei­ta di­re­ta­men­te por meio do si­te e do apli­ca­ti­vo. Até ago­ra, cer­ca de 80% da ba­se de imó­veis do Alu­gueTem­po­ra­da foi trans­fe­ri­da pa­ra a no­va pla­ta­for­ma de co­mér­cio ele­trô­ni­co.

Hurst re­co­nhe­ce que a em­pre­sa pre­fe­ria ter ini­ci­a­do an­tes a tran­si­ção de sua ope­ra­ção bra­si­lei­ra na di­re­ção do co­mér­cio ele­trô­ni­co. “A par­te di­fí­cil es­tá, na ver­da­de, na in­fra­es­tru­tu­ra de pa­ga­men­to bra­si­lei­ra”, dis­se o di­re­tor. “O Brasil é úni­co em sua re­gu­la­men­ta­ção e in­fra­es­tru­tu­ra de pa­ga­men­tos.” Em ou­tros mer­ca­dos na Ásia, na Europa e nos Es­ta­dos Uni­dos, basta um acor­do com um pres­ta­dor de ser­vi­ços de pa­ga­men­to glo­bal pa­ra abran­ger qua­se to­da a ba­se de con­su­mi­do­res po­ten­ci­ais.

A op­ção de pa­ga­men­to par­ce­la­do é par­te de uma es­tra­té­gia de ex­pan­são no Brasil que in­clui a atu­a­ção do Alu­gueTem­po­ra­da em con­jun­to com ou­tras pla­ta­for­mas do Gru­po Ex­pe­dia. De­bai­xo do gu­ar­da-chu­va do gru­po, que fa­tu­rou US$ 3,27 bi­lhões no ter­cei­ro tri­mes­tre des­te ano, es­tão mar­cas co­mo Tri­va­go, Ex­pe­dia, Ho­tels.com, VRBO e Or­bitz, en­tre ou­tras. “Não é co­mo se es­ti­vés­se­mos tra­ba­lhan­do com uma úni­ca mar­ca que tem de ven­cer. Há mui­tas ma­nei­ras di­fe­ren­tes de atrair vi­a­jan­tes”, ar­gu­men­tou Hurst. “Nos­so es­to­que [de imó­veis] po­de apa­re­cer em mais de um lu­gar.”

Por en­quan­to, não há in­ten­ção de apo­sen­tar a mar­ca Alu­gueTem­po­ra­da, afir­ma o exe­cu­ti­vo. “Não te­mos pla­nos de mu­dar a [mar­ca] Alu­gueTem­po­ra­da no Brasil, por­que ela ain­da sig­ni­fi­ca al­go em ter­mos lo­cais e mui­tas vezes a di­fe­ren­ci­a­ção lo­cal é mais im­por­tan­te do que a atenção que vo­cê po­de ob­ter de uma mar­ca glo­bal”, dis­se.

O in­te­res­se da com­pa­nhia pe­lo mer­ca­do bra­si­lei­ro es­tá re­la­ci­o­na­do tan­to à ve­lo­ci­da­de ace­le­ra­da de ex­pan­são quan­to ao ta­ma­nho da opor­tu­ni­da­de. O exe­cu­ti­vo es­ti­ma que o mer­ca­do de lo­ca­ção de imó­veis por tem­po­ra­da mo­vi­men­te pou­co mais US$ 1 bi­lhão no Brasil. A título de com­pa­ra­ção, um mer­ca­do es­ta­be­le­ci­do, co­mo a Es­pa­nha ou a Itália, fi­ca um pou­co abai­xo de US$ 2 bi­lhões.

Além do par­ce­la­men­to, uma das di­fe­ren­ças em re­la­ção à con­cor­rên­cia es­tá na de­ci­são da Ho­meAway de acei­tar em sua pá­gi­na e no apli­ca­ti­vo ape­nas o alu­guel pa­ra tem­po­ra­da de imó­veis in­tei­ros e não de quar­tos. A in­ten­ção é atrair famílias in­tei­ras e ami­gos in­te­res­sa­dos em pas­sar as fé­ri­as jun­tos. A proposta ex­pli­ca por que 80% do es­to­que de imó­veis do Alu­gueTem­po­ra­da tem dois ou mais quar­tos em su­as de­pen­dên­ci­as. O nú­me­ro mé­dio de vi­a­jan­tes por imó­vel alu­ga­do por tem­po­ra­da na pla­ta­for­ma é de 6,1, com uma média de 4,7 adul­tos e 1,4 cri­an­ça por ca­sa.

LUCIANA WHI­TA­KER/VA­LOR

Jeff Hurst, di­re­tor co­mer­ci­al da Ho­meWay: “A par­te di­fí­cil es­tá, na ver­da­de, na in­fra­es­tru­tu­ra de pa­ga­men­to bra­si­lei­ra”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.