F-150 Rap­tor, a pi­ca­pe que não gos­ta de car­re­gar peso

O ne­gó­cio des­sa gi­gan­te de 456 cv é cor­rer co­mo um Mus­tang

Valor Econômico - - | ESPECIAL VALOR&AUTO - Wil­son Tou­me

Os bra­si­lei­ros pu­de­ram co­nhe­cer es­se bru­ta­mon­tes de per­to no Sa­lão do Au­to­mó­vel. Co­mo se fos­se o es­que­le­to in­tei­ro de um di­nos­sau­ro ex­pos­to num mu­seu de his­tó­ria na­tu­ral, a pi­ca­pe cha­ma a atenção pa­ra­da mes­mo — de lon­ge. Ela não pas­sa des­per­ce­bi­da nem nos Es­ta­dos Uni­dos, a ter­ra on­de es­ses uti­li­tá­ri­os nas­ce­ram.

São qua­se seis me­tros de com­pri­men­to, 2 me­tros de al­tu­ra e 2,5 me­tros de lar­gu­ra — is­so é um de­sa­fio até pa­ra as va­gas ame­ri­ca­nas. Na di­an­tei­ra, a gra­de pre­ta e o no­me Ford em des­ta­que (que ins­pi­rou o vi­su­al do EcoS­port Storm) con­fe­rem ou­sa­dia. Com­bi­na­das com o pa­ra-cho­que ex­clu­si­vo, as pro­te­ções nas cai­xas de ro­da e, cla­ro, os enor­mes pneus to­do ter­re­no 315/70 R17 da BF Go­o­dri­ch, de­sen­vol­vi­dos es­pe­ci­al­men­te pa­ra o uti­li­tá­rio, for­mam um con­jun­to que trans­mi­te im­pres­são de mui­ta for­ça e ro­bus­tez.

A Rap­tor tem ori­gem na Ba­ja 1000, fa­mo­sa cor­ri­da no de­ser­to da pe­nín­su­la me­xi­ca­na de Ba­ja, no­tó­ria por con­ta do ele­va­do grau de di­fi­cul­da­de e da ne­ces­si­da­de de per­for­man­ce pa­ra os tre­chos de al­ta ve­lo­ci­da­de.

Nos Es­ta­dos Uni­dos, um dos prin­ci­pais mer­ca­dos de pi­ca­pes do mun­do, é co­mum ver con­su­mi­do­res de to­do gê­ne­ro a bor­do de mo­de­los co­mo Che­vro­let Sil­ve­ra­do, Toyo­ta Tun­dra e, cla­ro, Ford Sé­rie F (a li­nha mais vendida do mun­do), e não ape­nas fa­zen­dei­ros ou tra­ba­lha­do­res que pre­ci­sam de veí­cu­los com ca­çam­ba.

O mer­ca­do ame­ri­ca­no ain­da es­ta re­che­a­do de con­su­mi­do­res que de­se­jam uma pi­ca­pe que vá além do as­fal­to, que car­re­gue a ca­sa nas cos­tas, que so­bre­vi­va ao apo­ca­lip­se e que possa car­re­gar to­das as com­pras do ano no Wal­mart. Tu­do is­so, po­rém, com­bi­na­do com mui­ta tec­no­lo­gia, con­for­to e al­to de­sem­pe­nho.

Op­ções pa­ra aten­der a es­se exi­gen­te com­pra­dor não fal­tam. E a Ford F-150 Rap­tor é uma das es­co­lhas mais vis­to­sas.

E, ób­vio, não se tra­ta ape­nas de im­pres­são, pois a pi­ca­pe pos­sui car­ro­ce­ria fei­ta de uma liga de alu­mí­nio de al­ta re­sis­tên­cia, de ní­vel mi­li­tar, além de sus­pen­são de­sen­vol­vi­da es­pe­ci­fi­ca­men­te pa­ra ela.

O ro­bus­to con­jun­to con­ta com tri­ân­gu­los du­plos, bra­ços de alu­mí­nio e amor­te­ce­do­res de al­to de­sem­pe­nho da mar­ca Fox Ra­cing na di­an­tei­ra. Atrás, a re­cei­ta “ei­xo rí­gi­do com fei­xe de mo­las” foi man­ti­da, mas re­ce­beu reforço e amor­te­ce­do­res si­mi­la­res aos da di­an­tei­ra.

A tradução pa­ra es­tes atri­bu­tos me­câ­ni­cos vo­cê viu na foto de aber­tu­ra do texto: a Rap­tor po­de sal­tar co­mo um ca­bri­to mon­ta­nhês. As ro­das podem ser con­si­de­ra­das pe­que­nas pa­ra o por­te do uti­li­tá­rio, mas elas são des­se ta­ma­nho pa­ra cal­çar os enor­mes pneus “of­fro­ad”, que se des­ta­cam tan­to pe­la lar­gu­ra quan­to pe­la al­tu­ra do con­jun­to.

Sob o capô, a F-150 Rap­tor traz o mo­tor V6 EcoBo­ost 3.5, ca­paz de en­tre­gar 456 cv e 70,6 kgfm, aco­pla­do a um câm­bio au­to­má­ti­co de dez mar­chas, no lu­gar dos V8 5.4 ou 6.2 as­pi­ra­dos da ge­ra­ção original de 2010.

Além dis­so, ela con­ta com tra­ção in­te­gral com se­le­tor no pai­nel e quatro op­ções de uso: 4x2 (tra­ção tra­sei­ra), 4A (com di­fe­ren­ci­al central li­vre), 4H (di­fe­ren­ci­al central blo­que­a­do e tra­ção dis­tri­buí­da 50% pa­ra ca­da um dos ei­xos) e 4L (4x4 re­du­zi­da).

Cla­ro que vo­cê es­tá lou­co pa­ra sa­ber co­mo foi o tes­te. Luís Goz­za­ni (da Ford) fez a con­du­ção nes­sas con­di­ções ex­tre­mas pa­re­cer fá­cil. Pa­ra quem já as­sis­tiu às trans­mis­sões com câ­me­ras “on-bo­ard” do Mundial de Ra­li (WRC) fi­ca fá­cil ima­gi­nar a sen­sa­ção.

A di­fe­ren­ça é que, en­quan­to no WRC os car­ros são com­pac­tos, a F-150 Rap­tor me­de 5,89 me­tros de com­pri­men­to, além de pe­sar mais de du­as to­ne­la­das (2.113 kg, pa­ra ser mais exa­to). Cons­ta­tar a fa­ci­li­da­de com que o en­ge­nhei­ro/piloto con­du­zia a pi­ca­pe na­que­las con­di­ções foi uma experiência sur­pre­en­den­te.

Eu as­su­mi o vo­lan­te em ou­tras con­di­ções, al­go mais pró­xi­mo de um pas­seio nas du­nas de Ge­ni­pa­bu, em For­ta­le­za, mas com o pedido de “sem emo­ção” ao bu­guei­ro. Em vez da pis­ta to­da, ti­ve à mi­nha dis­po­si­ção ape­nas um tre­cho do cir­cui­to com mui­tas áre­as de es­ca­pe. Além dis­so, os con­tro­les ele­trô­ni­cos per­ma­ne­ce­ram to­dos li­ga­dos. To­do cui­da­do é pou­co ao vo­lan­te de um ca­mi­nhão­zi­nho de competição co­mo es­se.

Com tu­do pronto, par­ti ace­le­ran­do pou­co pa­ra sen­tir a res­pos­ta do ace­le­ra­dor. De ca­ra, fui sur­pre­en­di­do. Ace­le­ra­dor, freio, vo­lan­te... tu­do com aci­o­na­men­to fá­cil e su­a­ve, co­mo em um car­ro co­mum. Is­so me deu con­fi­an­ça pa­ra pi­sar mais fun­do, e a Rap­tor res­pon­deu de­sa­fo­ra­da­men­te.

As cur­vas eram con­tor­na­das de for­ma mui­to tran­qui­la, mas bas­ta­va pi­sar um pou­co mais pa­ra a tra­sei­ra ame­a­çar sair com gos­to. Os con­tro­les ele­trô­ni­cos lo­go en­tra­ram em ação, “cor­tan­do” o ace­le­ra­dor e se­gu­ran­do o veí­cu­lo.

O pro­gra­ma Ad­van­ceT­rac com sis­te­ma an­ti­ca­po­ta­men­to RSC, aliás, é o mes­mo do EcoS­port (de­vi­da­men­te ajus­ta­do, cla­ro), de acor­do com Luís Goz­za­ni. Cin­co mi­nu­tos a bor­do da pi­ca­pe já são su­fi­ci­en­tes pa­ra trans­mi­tir a cer­te­za de que eu po­de­ria fi­car ho­ras me di­ver­tin­do ao vo­lan­te.

Fa­lan­do nis­so, se por fo­ra a Rap­tor tem vi­su­al ou­sa­do e in­ti­mi­da­dor, por den­tro im­pres­si­o­na pe­lo con­for­to e re­quin­te, afi­nal, os ame­ri­ca­nos pa­gam va­lo­res de se­dã ale­mão de lu­xo por ela (a par­tir de US$ 52 mil).

Ar-con­di­ci­o­na­do de du­as zo­nas, mul­ti­mí­dia Sync 3 de oi­to po­le­ga­das, vo­lan­te mul­ti­fun­ção, con­tro­le de cruzeiro adap­ta­ti­vo, câ­me­ras com vi­são 360°, con­tro­le de os­ci­la­ção de re­bo­que (evi­ta a per­da de con­tro­le por con­ta do re­bo­que), mo­ni­tor pa­ra ma­no­bras de ré com re­bo­que, as­sis­ten­te de par­ti­da em ram­pa, con­tro­le de ve­lo­ci­da­de em des­ci­das e as­sis­ten­te de per­ma­nên­cia em fai­xa são al­guns dos itens dis­po­ní­veis. Pa­re­ce mais com o in­te­ri­or de um SUV de lu­xo do que com o de uma pi­ca­pe bru­ta.

Pa­ra quem foi ao es­tan­de da Ford no Sa­lão do Au­to­mó­vel e gos­tou do que viu, a in­for­ma­ção não é ani­ma­do­ra. A F-150 Rap­tor foi exi­bi­da ape­nas co­mo exem­plo de tec­no­lo­gia e de ino­va­ção em seu seg­men­to, mos­tran­do o que a Ford é ca­paz de pro­du­zir.

Co­mo é fa­bri­ca­da nos Es­ta­dos Uni­dos, sua im­por­ta­ção ofi­ci­al se­ria in­viá­vel (ao me­nos no mo­men­to). Além dis­so, a pi­ca­pe da Ford pa­ra o mer­ca­do na­ci­o­nal é a Ran­ger. Por aqui, a im­por­ta­ção das op­ções mai­o­res não jus­ti­fi­ca­ria o investimento.

Mas is­so não im­pe­de a Rap­tor de ser uma das pi­ca­pes mais bus­ca­das nos im­por­ta­do­res in­de­pen­den­tes. Só se pre­pa­re pa­ra pa­gar o equi­va­len­te a qua­se três Mus­tang no “pa­ra­le­lo”: es­ti­ma­dos R$ 880 mil. Até nis­so a pi­ca­pe gran­de da Ford im­pres­si­o­na.

DI­VUL­GA­ÇÃO

Os bra­si­lei­ros pu­de­ram ver a bru­ta­mon­tes no Sa­lão do Au­to­mó­vel, mas o mo­de­lo — mui­to pro­cu­ra­do nos im­por­ta­do­res in­de­pen­den­tes — não vi­rá ofi­ci­al­men­te pa­ra o país

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.