In­ves­ti­dor ‘de­fen­de’ ati­vo lo­cal

Após bater em R$ 3,94, dó­lar fe­cha com al­ta de 0,17%, a R$ 3,87; Ibo­ves­pa re­cua 0,22%

Valor Econômico - - FINANÇAS - Ju­li­a­na Ma­cha­do, Da­ni­e­la Mei­bak, Lu­cas Hi­ra­ta e Vic­tor Agui­ar

Os ati­vos bra­si­lei­ros ope­ra­ram on­tem sob pres­são, ce­den­do ao tom amar­go do am­bi­en­te ex­ter­no, mas ain­da é ce­do pa­ra di­zer que o ce­ná­rio in­ter­na­ci­o­nal vai de­ter­mi­nar o mo­vi­men­to do mer­ca­do. No cur­to pra­zo, o ex­te­ri­or ain­da ofe­re­ce tur­bu­lên­cia pa­ra os ati­vos lo­cais, mas as ex­pec­ta­ti­vas pa­ra a re­for­ma da Pre­vi­dên­cia e o cres­ci­men­to econô­mi­co no ano que vem tam­bém le­vam os in­ves­ti­do­res a “de­fen­der” o pa­ta­mar de pre­ços por aqui.

On­tem, o Ibo­ves­pa ame­a­çou per­der o ní­vel dos 87 mil pon­tos na mí­ni­ma do dia (87.025 pon­tos), mas, no fi­nal do pre­gão, aca­bou se re­cu­pe­ran­do e vol­tan­do qua­se à es­ta­bi­li­da­de: fe­chou em le­ve que­da de 0,22%, aos 88.846 pon­tos. Já o dó­lar co­mer­ci­al te­ve le­ve al­ta de 0,17%, aos R$ 3,8745, bem per­to da mí­ni­ma do dia (R$ 3,8735) — is­so de­pois de bater em R$ 3,94 na má­xi­ma pe­la ma­nhã. Em um ca­mi­nho se­me­lhan­te, a taxa do contrato de DI pa­ra ja­nei­ro de 2025 atin­giu 9,91% no pi­or mo­men­to de ner­vo­sis­mo, mas fe­chou em 9,70%, em le­ve al­ta an­te 9,78% na vés­pe­ra.

Os in­ves­ti­do­res glo­bais en­tra­ram em uma es­pi­ral de ven­das e bus­ca por proteção no dó­lar com o re­ceio ge­ra­do após a pri­são de uma exe­cu­ti­va da com­pa­nhia chi­ne­sa Hu­awei no Ca­na­dá, a pedido dos Es­ta­dos Uni­dos. O re­ceio é que is­so aba­las­se as já es­tre­me­ci­das re­la­ções co­mer­ci­ais en­tre Pe­quim e Washing­ton.

Só que, no fim do dia, o mo­vi­men­to pa­re­ceu exa­ge­ra­do. Pa­ra Luiz Cher­man, es­tra­te­gis­ta de ren­da va­riá­vel pa­ra o Brasil do Itaú BBA, a re­cen­te pi­o­ra na de­man­da por ris­co não as­sus­ta e o po­ten­ci­al de ga­nho dos ati­vos lo­cais ain­da é mui­to gran­de pa­ra o ano que vem. O am­bi­en­te in­ter­na­ci­o­nal é um fa­tor de cautela e de instabilidade, mas a pres­são en­con­tra um li­mi­te nas ex­pec­ta­ti­vas do mer­ca­do com a re­for­ma da Pre­vi­dên­cia, o cres­ci­men­to da eco­no­mia e a ex­pan­são de lu­cros das em­pre­sas em 2019.

“Is­so dá sus­ten­ta­ção aos pre­ços”, diz Cher­man. “Por mais que ha­ja dú­vi­da so­bre que ti­po de re­for­ma fis­cal se­rá fei­ta e qu­an­do ela se­rá fei­ta, o cres­ci­men­to do PIB [Pro­du­to In­ter­no Bru­to] deve ser mai­or em 2019 do que nes­te ano, com mu­dan­ças na ges­tão das con­tas e das em­pre­sas pú­bli­cas”, diz.

O im­pac­to da tur­bu­lên­cia dos mer­ca­dos in­ter­na­ci­o­nais vai de­pen­der do seu tem­po de du­ra­ção, afir­ma Luiz Fer­nan­do Fi­guei­re­do, só­cio da Mauá Ca­pi­tal e ex-di­re­tor do Banco Central. Pa­ra ele, ain­da é ce­do pa­ra di­zer se es­se mo­vi­men­to ne­ga­ti­vo se tra­ta de um ajuste de pre­ços ou se se­rá uma ten­dên­cia. “O que fi­ca cla­ro é que o mo­men­to em que os ati­vos só so­bem e com bai­xa vo­la­ti­li­da­de aca­bou. O mun­do me­nos exu­be­ran­te quer di­zer que ca­da um tem que fa­zer seu de­ver de ca­sa, e o Brasil ain­da tem uma si­tu­a­ção fis­cal a ser re­sol­vi­da, o que faz au­men­tar a ur­gên­cia des­sa solução.”

Fi­guei­re­do res­sal­ta ain­da que de­zem­bro é um pe­río­do sa­zo­nal­men­te di­fí­cil por­que os agen­tes não qu­e­rem cor­rer no­vos ris­cos e não en­tram nos ati­vos ne­ces­sa­ri­a­men­te qu­an­do eles fi­cam mais ba­ra­tos. “Se es­ti­vés­se­mos no iní- cio do ano, a his­tó­ria se­ria ou­tra.”

O Brasil che­gou a fi­car, on­tem, en­tre os pi­o­res de­sem­pe­nhos en­tre to­dos os emer­gen­tes: o Ibo­ves­pa che­gou a cair, em dó­la­res, mais de 2%. No en­tan­to, is­so tam­bém é re­sul­ta­do do fa­to de que o ín­di­ce bra­si­lei­ro tem mais “gor­du­ra pa­ra quei­mar”: no ano, o Ibo­ves­pa re­cua 2,66% na mo­e­da ame­ri­ca­na. Pa­ra efei­to de com­pa­ra­ção, a bol­sa ar­gen­ti­na per­de 47% em 2018.

Pa­ra Ro­dri­go Bor­ges, di­re­tor de in­ves­ti­men­tos em ren­da fi­xa e mul­ti­mer­ca­do da Fran­klin Tem­ple­ton, a tur­bu­lên­cia nos mer­ca­dos ex­ter­nos, se acen­tu­a­da, pre­ju­di­ca o po­ten­ci­al de valorização dos ati­vos bra­si­lei­ros. Em ou­tras pa­la­vras, nem o Ibo­ves­pa e nem o re­al te­rão for­ça su­fi­ci­en­te pa­ra ir con­tra uma es­pi­ral negativa em Wall Stre­et, mes­mo com uma pers­pec­ti­va fa­vo­rá­vel na ce­na lo­cal.

“Vo­cê es­tá num am­bi­en­te em que o lo­cal já fez o que ti­nha de fa­zer e o es­tran­gei­ro se­gue fo­ra do mer­ca­do. As­sim, fi­cam mo­vi­men­tos mais er­rá­ti­cos. O flu­xo aca­ba fa­zen­do mais pre­ço, co­mo é o ca­so do flu­xo sa­zo­nal que afe­ta o câm­bio. O mer­ca­do fi­ca sem di­re­ção es­tru­tu­ral. Aí, qual­quer mo­vi­men­to mais for­te, afe­ta os pre­ços”, diz. “Mui­tas vezes, vo­cê vê mo­vi­men­tos im­por­tan­tes pa­ra o mer­ca­do, mas sem gran­de mo­ti­vo”, diz Bor­ges.

Pa­ra o exe­cu­ti­vo, o mer­ca­do es­tá “meio sol­to por fal­ta de flu­xo con­sis­ten­te”. “Eu acho que o lo­cal es­tá oti­mis­ta e o es­tran­gei­ro quer ver o ne­gó­cio co­me­çar a ca­mi­nhar”, diz. “Do pon­to de vis­ta re­la­ti­vo, Brasil tem pers­pec­ti­va po­si­ti­va, mas não fi­ca­mos iso­la­dos do mun­do.”

Cher­man, do Itaú BBA, acre­di­ta que ruí­dos de cur­to pra­zo vão con­ti­nu­ar afe­tan­do o de­sem­pe­nho dos mer­ca­dos na au­sên­cia dos ca­ta­li­sa­do­res lo­cais. “Mas ain­da te­mos mui­ta con­fi­an­ça de que Es­ta­dos Uni­dos e Chi­na vão con­ti­nu­ar avan­çan­do nas tra­ta­ti­vas co­mer­ci­ais e, com cer­to su­por­te dos pre­ços das com­mo­di­ti­es e com a re­for­ma fis­cal, sem dú­vi­da es­ta­mos fa­lan­do de um ‘up­si­de’ [ten­dên­cia de al­ta] dos ati­vos.”

Na bol­sa, a ação da Pe­tro­bras re­su­miu bem a am­pli­tu­de da lei­tu­ra de ris­co: o papel caiu da aber­tu­ra ao fe­cha­men­to, com a ON em bai­xa de 4,16% e a PN com re­cuo de 3,79%. Mas ou­tros ati­vos aju­da­ram na me­lho­ra do mer­ca­do co­mo um to­do, ca­so dos bancos. A ação pre­fe­ren­ci­al do Itaú su­biu 0,90% no dia, en­quan­to o papel mais lí­qui­do do Bra­des­co ga­nhou 1,09%. De São Paulo

A que­da dos juros dos Tre­a­su­ri­es em to­da a cur­va de ven­ci­men­tos vem ge­ran­do dis­cus­sões acer­ca do seu po­der de pre­vi­são pa­ra a eco­no­mia ame­ri­ca­na. A “in­ver­são da cur­va” — ou seja, os ren­di­men­tos cur­tos aci­ma dos lon­gos — foi as­so­ci­a­da a um si­nal de re­ces­são num pe­río­do de 12 a 18 me­ses à fren­te des­de a Se­gun­da Guer­ra Mundial, com pou­cas ex­ce­ções.

O de­ba­te in­clui du­as pre­mis­sas. De um la­do, aque­les que ad­vo­gam pe­la mu­dan­ça es­tru­tu­ral dos mer­ca­dos de bô­nus após o ci­clo de afrou­xa­men­to mo­ne­tá­rio nos EUA — o cha­ma­do “QE”. O Fe­de­ral Re­ser­ve (Fed, o BC ame­ri­ca­no) ex­pan­diu sua car­tei­ra de tí­tu­los de pou­co me­nos de US$ 900 bi­lhões an­tes da cri­se de 2008 pa­ra o pa­ta­mar má­xi­mo de US$ 4,5 tri­lhões em 2014. Na zo­na do eu­ro e no Ja­pão, os ba­lan­ços dos BCs tam­bém fo­ram ex­pan­di­dos enor­me­men­te.

Es­sa é a vi­são, por exem­plo, de Ben Ber­nan­ke. Em ju­lho, o ex-pre­si­den­te do Fed dis­se que “his­to­ri­ca­men­te, a in­ver­são da cur­va de juros tem si­do um bom si­nal de de­sa­ce­le­ra­ção econô­mi­ca, mas des­ta vez po­de não ser”, por­que os si­nais nor­mais do mer­ca­do fo­ram dis­tor­ci­dos por “mu­dan­ças re­gu­la­tó­ri­as e pe­la fle­xi­bi­li­za­ção quan­ti­ta­ti­va em ou­tras ju­ris­di­ções”. Ele de­ba­tia as li­ções da cri­se fi­nan­cei­ra de 2008 com os ex-se­cre­tá­ri­os do Te­sou­ro Hank Paul­son e Ti­mothy Geith­ner.

Em en­tre­vis­ta ao “The Wall Stre­et Jour­nal”, Moha­med El-Eri­an, con­se­lhei­ro econô­mi­co-che­fe da Al­li­anz e ex-CEO da Pim­co dis­se que as pre­o­cu­pa­ções de que es­te seja um in­di­ca­dor an­te­ce­den­te de uma re­ces­são são exa­ge­ra­das”, de­pois que o spre­ad en­tre os ren­di­men­tos dos Tre­a­su­ri­es de dois e dez anos caiu pa­ra dez pon­tos-ba­se na ter­ça-fei­ra, o menor em vá­ri­os anos. O exe­cu­ti­vo ar­gu­men­tou ”que as dis­tor­ções do mer­ca­do de tí­tu­los vêm dos mui­tos anos de es­tí­mu­lo sem pre­ce­den­tes do Fed e, por­tan­to, a pers­pec­ti­va de in­ver­são da cur­va de juros não é tão pro­ble­má­ti­ca co­mo cos­tu­ma­va ser”.

Do ou­tro la­do do de­ba­te, há o ar­gu­men­to de que, sim, a que­da dos juros cur­tos e lon­gos e a sua even­tu­al in­ver­são in­di­ca­rá um ce­ná­rio de re­ces­são fu­tu­ra, ain­da que ha­ja ago­ra ro­bus­tez em da­dos econô­mi­cos de peso nos EUA.

A con­sul­to­ria Ca­pi­tal Economics ci­ta o fa­to de os agen­tes estarem acre­di­tan­do que o Fed es­tá che­gan­do ao fim do ci­clo de aper­to de juros e que, ao con­trá­rio, os cor­tes podem es­tar che­gan­do no horizonte. “Is­so ge­ral­men­te acontece qu­an­do os in­ves­ti­do­res começam a se pre­o­cu­par com as pers­pec­ti­vas pa­ra a eco­no­mia nos pró­xi­mos dois anos, que é o que acha­mos que acon­te­ceu re­cen­te­men­te.” Co­mo con­tra-ar­gu­men­to à te­se de mu­dan­ça es­tru­tu­ral do mer­ca­do de bô­nus, a Ca­pi­tal diz que “uma ma­nei­ra de tes­tar es­sa afir­ma­ção é exa­mi­nar as es­ti­ma­ti­vas de ren­di­men­tos do Tre­a­su­ri­es ‘neu­tros ao ris­co’ pu­bli­ca­dos pe­lo Fed, que ten­tam eli­mi­nar a in­fluên­cia de to­dos os fa­to­res além das ex­pec­ta­ti­vas da taxa de juros so­bre os ren­di­men­tos”.

O Fed usa téc­ni­cas estatísticas com­ple­xas e al­gu­mas su­po­si­ções ane­dó­ti­cas pa­ra cal­cu­lar es­ta cur­va. A con­sul­to­ria diz que ain­da que o spre­ad en­tre os juros cur­tos e lon­gos seja mai­or nes­te es­tu­do do que na cur­va sem o tra­ta­men­to es­ta­tís­ti­co, ain­da as­sim per­ma­ne­ce em que­da.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.